Observação: este artigo foi originalmente publicado no dia 26 de janeiro de 2015. Por causa da veloz depreciação do real ocorrida desde então, estou sendo obrigado a atualizar os gráficos hoje, dia 11 de agosto.

preview_139505_radiosA melhor maneira de aferir a saúde de uma moeda é analisando a evolução de sua taxa de câmbio em relação às outras moedas do mundo.

A taxa de câmbio é um preço formado instantaneamente pela interação voluntária de bilhões de agentes econômicos ao redor do mundo.  Se esses bilhões de agentes econômicos acreditam que a inflação de preços no seu país será baixa, sua moeda irá se valorizar.  Se eles acreditam que a inflação está alta ou que ela será alta, sua moeda irá se desvalorizar.

Grosso modo, a taxa de câmbio representa, em tempo real, a razão entre o nível geral de preços vigente em dois países distintos.  A taxa de câmbio entre dois países é igual à razão de seus níveis de preços relativos.

Sendo assim, a evolução da taxa de câmbio é uma narrativa da evolução do poder de compra atual de sua moeda em relação a todas as outras.

A conclusão, portanto, é que com a taxa de câmbio não há segredo: se ela está se desvalorizando por muito tempo, então é porque o país está em rota inflacionária.  Se ela está se valorizando com o tempo, então é porque o país está em rota sadia.

Não há mensurador mais confiável e mais acurado do que esse.

E qual foi o histórico do real durante os quatro anos do governo Dilma?  De maneira simples e educada, pavoroso.

O real não só apanhou de todas as moedas tradicionais (dólar americano, euro, franco suíço, libra esterlina, dólar australiano, dólar canadense, dólar neozelandês, dólar de Cingapura e renminbi chinês), como também conseguiu apanhar de portentos como o guarani paraguaio, o novo sol peruano, o peso uruguaio, o boliviano, o baht tailandês e o gourde haitiano (sério).

Naturalmente, o real também apanhou do peso mexicano, do peso colombiano e do peso chileno.

Como consolo, fomos melhores que o peso argentino e que o rublo russo (mas só na prorrogação).

Veja a carnificina.

(Obs: quando uma unidade de moeda estrangeira é maior que 1 real, a cotação se dá em termos de moeda estrangeira por real; quando 1 real é maior que uma unidade da moeda estrangeira, a cotação se dá em termos de real por moeda estrangeira).

dolar.png

Gráfico 1: evolução da taxa de câmbio do dólar americano em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o dólar se apreciou 102% em relação ao real.

franco.png

Gráfico 2: evolução da taxa de câmbio do franco suíço em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o franco se apreciou 98% em relação ao real.

 

euro1.png

Gráfico 3: evolução da taxa de câmbio do euro em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o euro se apreciou 70% em relação ao real.

libra.png

Gráfico 4: evolução da taxa de câmbio da libra esterlina em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, a libra se apreciou 105% em relação ao real.

 

canada.png

Gráfico 5: evolução da taxa de câmbio do dólar canadense em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o dólar canadense se apreciou 57% em relação ao real.

australia.png

Gráfico 6: evolução da taxa de câmbio do dólar australiano em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o dólar australiano se apreciou 50% em relação ao real.

novazelandia.png

Gráfico 7: evolução da taxa de câmbio do dólar neozelandês em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o dólar neozelandês se apreciou 79% em relação ao real.

 

cingapura.png

Gráfico 8: evolução da taxa de câmbio do dólar de Cingapura em relação ao real.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o dólar de Cingapura se apreciou 90% em relação ao real.

 

iuane.png

Gráfico 9: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao renminbi chinês.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 54% em relação ao renminbi.

 

mexico.png

Gráfico 10: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao peso mexicano.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 35% em relação ao peso mexicano.

 

colombia.png

Gráfico 11: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao peso colombiano.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 26% em relação ao peso colombiano.

 

chile.png

Gráfico 12: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao peso chileno.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 29% em relação ao peso chileno.

 

Agora o massacre se torna mais humilhante:

 

bolivia.png

Gráfico 13: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao boliviano.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 51% em relação ao boliviano.

 

peru.png

Gráfico 14: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao sol peruano.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 43% em relação ao sol peruano.

 

haiti.png

Gráfico 15: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao gourde haitiano.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 35% em relação ao gourde haitiano.

 

paraguai.png

Gráfico 16: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao guarani paraguaio.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 45% em relação ao guarani paraguaio.

 

uruguai.png

Gráfico 17: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao peso uruguaio.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 29% em relação ao peso uruguaio.

 

tailandia.png

Gráfico 18: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao baht tailandês.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se desvalorizou 43% em relação ao baht.

 

A consolação

argentina1.png

Gráfico 19: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao peso argentino.  De 31 de dezembro de 2010 a 11 de agosto de 2015, o real se valorizou 14% em relação ao peso argentino. E, mesmo assim, toda a valorização do real ocorreu em 2014, quando a Argentina decretou moratória.

 

russia1.png

Gráfico 20: evolução da taxa de câmbio do real em relação ao rublo russo.  De 31 de dezembro de 2010 a 13 de março de 2015, o real se valorizou 1,5% em relação ao rublo. E, mesmo assim, toda a valorização do real ocorreu apenas em dezembro de 2014, quando o rublo se esfacelou no mercado mundial. De 2011 a meados de 2014, o real se desvalorizou em relação ao rublo.

 

Conclusão

Nossa moeda está sendo impiedosamente esfacelada em decorrência das políticas monetária e fiscal do governo, perdendo poder de compra em relação até mesmo à moeda do Haiti.

Em julho de 2011, o dólar custava R$1,54.  Quem ganhava R$ 3.000 naquela época tinha um salário equivalente a US$ 1.948.  Hoje, com o dólar a aproximadamente R$ 3,50, essa mesma pessoa teria de estar ganhando R$ 6.818 (aumento de 127%) apenas para voltar ao valor nominal em dólares de 2011.

Da mesma forma, um salário mínimo em meados de 2011 valia US$ 353. Hoje vale apenas US$ 225.

O povo está sendo enganado direitinho.

Enquanto isso, economistas desenvolvimentistas continuam batendo bumbo para a destruição do poder de compra da moeda e seguem dizendo que o país precisa é de um câmbio ainda mais desvalorizado, pois, segundo eles, o câmbio está “apreciado demais” e isso está “prejudicando a indústria”.

Segundo esses magos, a desvalorização do câmbio é o segredo para impulsionar a indústria e o setor exportador brasileiro.

Tudo indica que eles habitam outra dimensão.  Senão, como explicar o fato de que a desindustrialização no Brasil chegou ao auge, e as exportações caíram, justamente no período em que a moeda mais se desvalorizou?  Eles parecem não perceber — ou fingem ignorar — que a desindustrialização está ocorrendo é justamente agora, quando temos uma moeda fraca, inflação alta, e as maiores tarifas protecionistas da história do real.

Eles também ignoram que o que acaba com a indústria, como explicado em detalhes aqui, é a inflação de preços e de custos, gerada justamente pela desvalorização da moeda.  É a inflação de preços e de custos o quedesorganiza todo o planejamento de uma indústria e falsifica toda a sua contabilidade de custos, e não uma (fictícia) taxa de câmbio valorizada.

Uma taxa de câmbio valorizada, aliás, ajuda as indústrias mais competentes.  Qualquer indústria exportadora tem também de importar máquinas e bens de capital de qualidade, além de peças de reposição, para produzir seus bens exportáveis (pergunte isso a qualquer mineradora ou siderúrgica).  Se isso puder ser feito a um custo baixo (permitido por uma moeda forte), tanto melhor.

Uma moeda forte permite que as indústrias comprem bens de capital, máquinas e equipamentos de qualidade a preços baixos.  Isso as deixaria mais produtivas, aumentaria a qualidade dos seus produtos, e faria com que eles fossem mais demandados lá fora.

(Nos primeiros anos do Plano Real, a moeda era muito mais forte do que é hoje, e não houve nenhuma desindustrialização; ao contrário, houve modernização do parque industrial).

Nenhum país que tem moeda fraca e inflação alta produz bens de qualidade que sejam altamente demandados pelo comércio mundial.  Todos os bens de qualidade são produzidos em países com inflação baixa e moeda forte.  Apenas olhe a qualidade dos produtos alemães, suíços, japoneses, americanos, coreanos, canadenses, cingapurianos etc.

Se moeda forte fosse empecilho para a indústria, todos esses países seriam hoje terra arrasada.  No entanto, são nações fortemente exportadoras.  Moeda forte e muita exportação.

Essa destruição do poder de compra da nossa moeda tem de acabar.  A carestia que estamos vivenciando hoje não será resolvida enquanto o real não voltar a se fortalecer.  É impossível ter uma carestia minimamente tolerável se a sua moeda é gerenciada por incompetentes e perde poder de compra até mesmo em relação à moeda do Haiti.

Imprimir