commoditiesEm seu livro Hot Commodities, o legendário investidor Jim Rogersargumenta persuasivamente que grande parte das commodities passa por longos superciclos de crescimento seguido de contração de preços porque as commodities possuem uma baixa elasticidade de preço no curto prazo — isto é, a oferta e a demanda não se alteram no curto prazo independentemente da variação dos preços —, ao passo que, no longo prazo, tal elasticidade é muito grande — isto é, alterações no preço afetam a oferta e a demanda.

Se há um grande aumento na demanda (ou uma redução na oferta), a oferta (advinda de novas fontes) poderá aumentar apenas levemente no curto prazo, pois leva-se muito tempo — tanto por motivos naturais quanto por motivos políticos (ambientalistas, burocracia etc.) — para se encontrar novos fontes de petróleo e metais, por exemplo.  E mesmo quando esses novos recursos são descobertos, novos obstáculos tanto de natureza política quanto de natureza ambiental impedem que eles sejam de fato extraídos.

Como resultado, o aumento na demanda ou a redução na oferta de alguma commodity irá necessariamente fazer com que, no curto prazo, tal alteração seja equilibrada por meio de um grande aumento de preços.

Ademais, esse necessário ajuste de preços no curto prazo é intensificado ainda mais em decorrência do fato de a maioria das pessoas acharem muito difícil ou caro fazerem elas próprias ajustes em seu comportamento.  Por exemplo, se elas possuem um utilitário e o preço da gasolina dispara, elas dificilmente poderão trocar de veículo no curto prazo — abandonando o utilitário e comprando um híbrido, por exemplo —, pois a troca seria muito cara.

Por esses motivos, aumentos súbitos na demanda ou reduções súbitas na oferta irão provocar, no curto prazo, aumentos acentuados nos preços das commodities.  E esses aumentos perdurarão por um bom tempo.

Entretanto, após alguns anos, novos poços de petróleo ou novas minas serão descobertos; e, após mais alguns outros anos, as commodities passarão a ser extraídas destes.  Como resultado, a oferta começará a aumentar significativamente.  Ademais, após vários anos de preços elevados, as pessoas já terão reduzido ou até mesmo substituído inteiramente o uso que faziam destas commodities.  Consequentemente, a demanda já terá sido significativamente reduzida.

O resultado desse aumento na oferta e dessa redução na demanda será um acentuado declínio nos preços das commodities.  Isso fará com que haja um novo período de preços baixos, pois, no curto prazo, oferta e demanda também reagem lentamente a preços baixos.

Concordo plenamente com a análise acima descrita.  Porém, creio que ela esteja incompleta, uma vez que deixou de fora da análise como a inflação afetou os preços das commodities nesse ínterim.  Como os preços das commodities são mais flexíveis que os preços de outros bens, e como as commodities estão muito longe do consumidor final na cadeia de produção (e, com isso, de acordo com a teoria austríaca, elas são extremamente sensíveis a toda e qualquer variação nas taxas de juros reais), políticas inflacionárias elevarão os preços das commodities muito mais acentuadamente do que os preços dos bens de consumo em geral.

Uma das prováveis explicações para o motivo de Jim Rogers ter deixado de fora essa explicação é que talvez ele estava interessado apenas nos superciclos de longo prazo criados pelos fenômenos acima descritos, e não estava interessado nos efeitos de mais médio prazo causados pela inflação da oferta monetária.  E parece improvável que políticas inflacionárias irão afetar as duas décadas ou mais dos longos ciclos que Rogers estava interessado em descrever, dado que elas possuem pouco efeito nos fundamentos de longo prazo.

E isso provavelmente está correto.  Porém, embora Rogers não estivesse interessado nisso, creio que isso seja do interesse de qualquer um que queira analisar flutuações nos preços das commodities para períodos menores que duas décadas.  As razões que descrevi acima com efeito explicam por que políticas inflacionárias irão criar miniciclos nas commodities em intervalos de poucos anos.

Como as políticas inflacionárias possuem pouco ou nenhum efeito sobre os fundamentos de longo prazo dos preços das commodities em relação a outros preços — embora tenham fortes efeitos positivos (no sentido de aumentar os preços das commodities) no curto prazo —, conclui-se que, sempre que os bancos centrais começam a perseguir políticas mais inflacionistas, commodities e outros ativos que se beneficiam dos altos preços das commodities se tornam bons investimentos.

Entretanto, como isso também significa que os preços das commodities voltarão a cair mais tarde, os investidores devem ficar atentos às medidas dos bancos centrais: quando suas políticas inflacionistas forem interrompidas, é hora de ficar vendido nesses ativos.

Imprimir