1427891491-pensioners-demonstrate-in-athens-against-cuts-to-pensions-greece_7259226A Grécia não apenas é um país quebrado, como também é uma das economias mais pobres e menos desenvolvidas da Europa desde há décadas.

Ironicamente, foi o país europeu que seguiu mais à risca todas as teorias defendidas pela esquerda radical, uma vez que o estado grego caracterizou-se por ser um dos mais intervencionistas da Europa (ocupava o 100º lugar mundial no ranking da “facilidade de se empreender” quando começou a crise do euro) e com um dos mais elevados níveis de gastos públicos (os gastos do governo, em porcentagem do PIB, chegaram a 60%).

A origem da tragédia grega, ao contrário do que argumenta a esquerda mundial, não reside em uma suposta austeridade (que nunca houve), mas sim em seu enorme e insustentável setor público.

A Grécia foi o país da União Europeia que mais aumentou o seu gasto público real (cerca de 80% entre 1996 e 2008) e a sua divida pública (foi 400% maior que a receita pública em 2011) desde os felizes anos da bolha de crédito.

Mas estes grandes números, mesmo sendo relevantes, traduzem-se também em fatos muito concretos, cuja realidade não está sendo divulgada nem pela mídia nem pela esquerda.

A seguir, as principais vergonhas gregas que a esquerda europeia se nega a reconhecer. A ruína grega é uma história repletea de mentiras, desperdícios e uma enorme hipocrisia.

1.  Mentiram sobre o déficit público

O primeiro fato a ser mencionado é que os políticos gregos ocultaram o verdadeiro valor do déficit público do governo durante anos.

Quando um novo governo chegou a Atenas em 2009, deparou-se com um buraco fiscal correspondente a 14% do PIB, sendo que os dados que haviam sido oficialmente comunicados a Bruxelas eram de 3,7% do PIB.

De um dia para o outro, o déficit do governo saltou de 7 bilhões para aproximadamente 30 bilhões de euros, quase quatro vezes mais.

Este embuste evidencia a enorme irresponsabilidade política dos diferentes governos gregos, e mostra que seus políticos não levavam a questão orçamentária a sério.

2. Atenas recorreu aos bancos de investimento

A esquerda gosta de vituperar constantemente contra os mercados em geral e contra os malvados bancos de investimento em particular, mas se esquecem de que, na hora do aperto, sua admirada Grécia recorreu aos financiamentos de Wall Street para ocultar as suas desastrosas contas públicas.

O governo anterior, presidido por Yorgos Papandreu, reconheceu que a Grécia havia mentido sobre a real situação de suas contas públicas e sobre o real valor do déficit orçamentário do governo para conseguir entrar no euro, oferecendo dados falsos até 2009, valendo-se, entre outros, dos serviços da Goldman Sachs.

Com isto, vale enfatizar que o atual presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, era o responsável pelas operações do Goldman Sachs na Europa em 2002, quando a Grécia iniciou as suas operações fraudulentas de engenharia financeira.

3. O estado grego causou a falência dos bancos do país

Outra verdade incômoda é que, no caso da Grécia, a falência dos bancos do país foi responsabilidade direta do estado grego, e não o contrário.

O sistema bancário do país financiou a dívida pública grega, comprando títulos do governo, durante os anos da bolha para financiar os enormes e suntuosos gastos dos diversos governos que o país teve.  Em decorrência disso, os bancos gregos entraram em falência quando, em 2011, o próprio estado grego impôs uma redução de 50% (o chamado haircut) no valor nominal desses títulos que estavam em posse tanto dos bancos gregos quanto de investidores privados em toda a Europa, após acordar um segundo plano de resgate com a Troika.

Posteriormente, a Europa teve de injetar dinheiro extra para salvar os depósitos dos correntistas gregos.  Ou seja, os correntistas gregos foram socorridos com o dinheiro dos pagadores de impostos europeus, por meio da Troika, após a insolvência do governo grego ter arrastado o sistema bancário nacional para a falência.

4. A vida é boa quando se usa o dinheiro dos outros

Durante a bolha, a Grécia viveu muito acima de suas posses reais, recorrendo a um prodigioso aumento da dívida pública para poder financiar um nível insustentável de gastos.  Mais de metade da economia grega dependia, de uma ou outra forma, do maná estatal.  Isso criou uma grande estrutura clientelista à base de privilégios, corrupção e subsídios.

Seguem alguns exemplos:

a) Durante anos, e tendo um PIB per capita muito inferior ao da Espanha, o salário mínimo grego era50% maior que o espanhol.

b) Durante décadas, o aparelhamento estatal era a norma.  Quando um partido chegava ao poder, ele loteava cargos para correligionários e simpatizantes em troca de votos, doações e apoio político, aumentando de forma insustentável a máquina estatal.

c) O hospital estatal Evagelismos, um dos principais de Atenas, por exemplo, chegou a ter 45 jardineiros para cuidar de quatro jarras de planta na sua entrada; alguns organismos públicos contavam com 50 motoristas para cada carro; um antigo Ministro da Agricultura criou uma repartição não-contabilizada que empregava 270 pessoas para digitalizar as fotografias das terras públicas gregas, sem que nenhum dos contratados possuísse experiência na área de fotografia digital, pois eram carteiros, cabeleireiros, agricultores e, em geral, filiados ao partido.

d) O gasto em educação, saúde e políticas sociais foi de longe o que mais aumentou até o estouro da crise da dívida, superando os 31% do PIB em 2012.

e) No que mais, a Grécia, essa grande referência da esquerda radical, era o país da União Europeia que mais dinheiro destinava a gastos militares antes da crise, com uma média superior a 4% do PIB.

5. Excesso de funcionários públicos e ineficiência

O emprego público é, sem dúvida, um dos grandes paradigmas do desastre grego.

a) Durante a bolha, Atenas nem sequer sabia quantos empregados tinha em sua folha de pagamento.  Os sindicatos estimavam uns 700 mil, enquanto o governo falava de 800 mil.  Porém, se somarmos os contratos temporais, a cifra superou um milhão de pessoas em 2007, equivalente a 10% da população e a quase 20% da força de trabalho do país.

b) Esses funcionários públicos ganhavam, em média, 1.350 euros mensais, um valor 50% maior que o salário médio do setor privado.  Mas o relevante é que os ganhos reais dos funcionários públicos eram muito maiores: além de receberem dois salários extras anuais, recebiam também bônus e remunerações adicionais por coisas triviais, como chegar ao trabalho no horário certo, apresentar-se corretamente vestido, usar o computador ou falar outros idiomas. Os guardas florestais, por exemplo, recebiam um adicional por “trabalharem ao ar livre”.

c) Somando todos esses extras, os funcionários públicos gregos chegavam a receber, em média, mais de 70 mil euros por ano, enquanto os funcionários públicos alemães recebiam 55 mil euros anuais.

d) Adicionalmente, também havia uma pensão vitalícia de 1.000 euros mensais para as filhas solteiras de funcionários públicos falecidos, entre muitos outros privilégios e regalias.

e) A Grécia tinha quatro vezes mais professores que a Finlândia, o país que está entre as melhores notas nos exames de PISA que mensuram a qualidade educativa.  No entanto, essa superabundância de professores serviu apenas para jogar o país entre aqueles que têm os piores níveis de ensino da Europa. Muitos gregos que enviavam seus filhos para escolas públicas tinham de contratar professores particulares para reforço.

f) Outro dado curioso é que a saúde pública grega era a que mais gastava com provisões e estoques, superando em muito a média da União Europeia.  Mas os gregos não eram mais doentes que o restante da Europa.  Motivo desses gastos? Um dos muitos escândalos que foram descobertos durante os últimos anos era a tradição entre médicos e enfermeiros de sair dos hospitais carregando todos os tipos de materiais higiênicos e sanitários.

6. Empresas estatais, o cúmulo do desperdício

No entanto, além do número desproporcionado de funcionários públicos, de seus suculentos salários e da grave ineficiência dos seus serviços, havia também a hipertrofiada estrutura estatal, que apresentava centenas de empresas, organismos e entidades inúteis.

Basta assinalar alguns exemplos para perceber o absurdo:

a) O salário médio na rede ferroviária estatal grega chegou a superar os 70 mil euros anuais, incluindo profissões de baixa qualificação. A receita operacional da estatal rondava os 100 milhões de euros anuais, enquanto os seus gastos superavam os 700 milhões.

b) “Vinte anos atrás, um próspero empresário chamado Stefanos Manos, que depois seria nomeado Ministro das Finanças, sugeriu que, tendo em vista os gastos, seria mais barato colocar todos os passageiros das linhas férreas gregas em táxis.  Continua sendo verdade”, como detalha Michael Lewis no seu livro: “Boomerang: Travels in the New Third World“, no qual há detalhes dos excessos gregos cometidos durante a bolha.

c) O orçamento do metrô de Atenas rondava os 500 milhões de euros anuais, sendo que suas receitas com a venda de bilhetes eram de apenas 90 milhões.

d) A Grécia criou um comitê para gerir o Lago Kopais, sendo que o mesmo está seco desde 1930.

e) Após o pacote de socorro da Troika, Atenas anunciou a eliminação ou a fusão de 75 organismos públicos, em que trabalhavam mais de 7 mil pessoas que, anualmente, recebiam cerca de 2,7 bilhões de euros (o que dava 386 mil euros por empregado).

7 – Aposentadorias douradas

Até o estourar da crise, os gregos podiam se aposentar ao completarem 61 anos, recebendo 96% do seu salário.  Esse era um dos sistemas previdenciários mais generosos (e insustentáveis) da União Europeia.

Só que, na Grécia, existiam cerca de 600 categorias laborais que, alegando motivos de saúde, podiam optar pela aposentadoria antecipada, a qual foi estabelecida em 55 anos para os homens e 50 anos para as mulheres. E, entre estes últimos beneficiados, havia todos os tipos de profissões, desde cabeleireiros até trompetistas, flautistas, cozinheiros, massagistas e até mesmo apresentadores de TV, entre outros.

Precisamente por isso, os gregos usufruíam a maior expectativa de vida após a aposentadoria: não por viverem mais anos, mas sim por se aposentarem antes.  De concreto, ao passo que a  média da OCDE era de 18,5 anos de vida após a aposentadoria, os gregos desfrutavam 24 anos de plácida existência após a aposentadoria.  Tudo isso sustentado por um crescente volume de dinheiro tomado emprestado dos mercados mundiais na forma de dívida pública.

No que mais, o controle sobre a gestão das previdências era inexistente.  Durante a crise, foram detectadasmilhares de famílias que recebiam pensões muitos anos após seus titulares terem falecido ou seguro-desemprego sem terem direito a isso.

8. Dívida pública obscena

Como consequência desta farra de gastos e inchamento estatal, o país financiou-se emitindo dívida.

A Grécia foi o país que mais recorreu à dívida pública durante a época da bolha financeira.  Consequentemente, sua fatura anual de juros, até o segundo pacote de socorro, equivalia a 12% da receita do governo (em 2011, antes do resgate, chegou aos 17%).

Enquanto isso, na Alemanha, o valor era de 6%.

9. Podem pagar, mas não querem

O Syriza exige agora um novo corte da dívida soberana, mesmo sabendo que o estado grego se endividou voluntariamente para poder continuar financiando todos os excessos acima descritos.  Nenhum político quer assumir responsabilidades.

Mesmo que muitos digam que é impossível arrumar a Grécia, o fato é que, segundo o próprio Banco Central Europeu, Atenas possuiu uma enorme carteira de ativos públicos, estimada em cerca de 300 bilhões de euros, incluindo empresas, infraestruturas, ações, participações, terras e todos os tipos de bens.  No que mais, no extremo, a Grécia também pode vender ilhas, praias, ouro e até monumentos para cumprir seus compromissos e evitar o doloroso estigma da falência e possível saída do euro.

Mas nem é necessário chegar tão longe: se Atenas reduzir o peso do Estado para metade (uns 60 bilhões de euros) com a privatização das pensões, saúde e educação, e vendesse 50% dos seus ativos estatais (outros 100 bilhões, no mínimo), sua dívida cairia para aproximadamente 70% do PIB.

Isso, em conjunto com um compromisso sério de equilíbrio fiscal (déficit nominal zero) e um ambicioso plano de reformas para liberalizar a economia e baixar os impostos, poderia reduzir ainda mais, no médio prazo, o endividamento público em decorrência do crescimento econômico que ocorreria.

O governo grego tem, sim, meios para pagar seus credores.  Só que não quer.  E tudo indica que não irá.

__________________________

Leia também:

A verdadeira tragédia grega foi o seu gasto público 

E se a Grécia sair do euro? 

Sair do euro não é a cura para a Grécia – adotar uma moeda fraca só piora a situação

A Grécia ilustra 150 anos de fracasso do socialismo na Europa 

Desmascarando o mito da austeridade europeia (de novo)

Imprimir