cristandade-ocidenteO novo livro de Patrick Buchanan, The Death of the West, identifica um problema social de primeira ordem, e isso merece a maior leitura possível.

Identificar um problema, até mesmo um grande, não é em si um feito notável. O que torna a contribuição de Buchanan memorável é que ele identifica um problema que as elites dominantes nos dizem que não existe, ou que não é um problema mas uma bênção. No clima intelectual de hoje, é necessário independência de espírito e até coragem para fazer o que Buchanan fez. E o status de best-seller do livro indica que ainda há muitas pessoas que mantiveram o seu bom senso.

Buchanan argumenta que o Ocidente – as terras da cristandade – está condenado. Taxas de natalidade em todos os lugares têm afundado abaixo do nível de reposição. Ao mesmo tempo, as massas de imigrantes do terceiro mundo se infiltram no Ocidente, onde rapidamente se sobrepõem às populações endêmicas. Dentro de poucas décadas, o Ocidente e os seus tesouros serão assumidos, sem resistência, por pessoas estranhas ou hostis à civilização ocidental. Nossos filhos serão minorias em terras estrangeiras.

Esse desenvolvimento suicida é o ponto culminante de uma revolução cultural que Buchanan descreve como a descristianização do Ocidente. Promovida por intelectuais de esquerda, e associada com as ideias do humanismo secular, feminismo, igualitarismo, relativismo moral, o multiculturalismo, a ação afirmativa, a liberação sexual e o hedonismo, a revolução tem corroído a vontade do homem de viver uma vida produtiva, a se multiplicar e a se afirmar e defender sua própria cultura.

A evidência que Buchanan apresenta em apoio dessa tese é impressionante. Infelizmente, a resposta sobre causa e estratégia não o é. Em poucas palavras, a sua proposta de contra-revolução consiste em fazer dele, ou alguém como ele, presidente.

Ele se propõe a revitalizar o partido republicano, adotando um programa de restrições fortemente seletivas de imigração, a saída de uma série de organizações internacionais, bem como a retirada das tropas da maioria das terras estrangeiras. Tudo para o bem. Por outro lado, ele quer uma política familiar do governo. Uma receita-neutra financiada através de impostos sobre o consumo e várias importações, esta política seria para eliminar o imposto sobre a herança de propriedades de valor inferior a cinco milhões de dólares, prevê três mil dólares de crédito de imposto por criança e estabelece incentivos fiscais para empregadores para a contratação preferencial de pais Vs. não pais e um familiar remunerado Vs. casal remunerado. Buchanan também iria nomear juízes do Supremo Tribunal, é claro, e descentralizar o sistema de ensino público.

Não há necessidade de examinar os detalhes desse programa e suas muitas inconsistências. Sua falha é fundamental e óbvia assim que se percebe o que o programa não leva em conta (daí, o que Buchanan deve acreditar não ter relação com o problema que deseja resolver). Ele acredita que a contra-revolução pode ser realizada dentro do quadro institucional de um centralizado estado-nação democraticamente organizado, moderno e completo, com suas principais estruturas de “bem-estar”, como instituições de segurança social, Medicare, Medicaid, subsídios de desemprego e educação pública.

Mas essa tese está em contradição com o senso comum e com a teoria econômica e política fundamental, que apontam diretamente para o estado de bem-estar democrático como a causa do problema.

Democracia – o poder da maioria – envolve necessariamente uma renda compulsória e a redistribuição da riqueza, ou seja, tirar de alguns – os possuidores de algo – e dar aos outros – os não possuidores. O incentivo em ser um possuidor é reduzido e o de ser um não possuidor é aumentado. E uma vez que os possuidores possuem algo “bom” e que do que os não possuidores sofrem é algo “ruim”, o resultado de tal redistribuição é abafar a produção de “bens” e estimular a produção de “males”.

Mais especificamente, no alívio de indivíduos da obrigação de garantir a sua própria renda, saúde, segurança, velhice e educação das crianças, o seguro “obrigatório” governamental é um ataque sistemático à responsabilidade pessoal e às instituições da família, parentesco, comunidade e Igreja. O alcance e horizonte de provisão privada é reduzido, e o valor da família, relações de parentesco, das crianças, comunidade e igreja diminuem. Responsabilidade, prudência, civilidade, diligência, saúde e conservadorismo (bens) são punidos, e os seus opostos (males) promovidos.

Para reviver o Ocidente, essas instituições debilitantes devem ser abolidas e seguramente voltar à provisão, segurança e caridade privadas.

Mas não é só a democracia que é culpada. Mais fundamentalmente, o que está na raiz do problema é a instituição do estado, ou seja, um monopólio territorial compulsório de tomada de decisão final e arbitragem somado com o poder de legislar e tributar.

Por um lado, só se pode perguntar como seria possível que as ideias deploradas por Buchanan do secularismo, o feminismo, o relativismo, multiculturalismo etc., poderiam tornar-se mais do que opiniões privadas de alguns indivíduos isolados. A resposta óbvia é: apenas em virtude do poder de legislar, ou seja, impor regras uniformes sobre todos os habitantes e sua propriedade privada dentro de um determinado território. Se essas ideias não tivessem sido incorporadas na legislação, eles teriam feito pouco ou nenhum dano. E é só o estado que pode legislar.

Mais fundamentalmente, no entanto, o estado não é apenas um instrumento, mas um agente em tudo isso. Educação pública e de bem-estar e as ideias do secularismo, o relativismo moral etc., não têm de ser “forçadas” em cima do estado. Pelo contrário, o estado tem seu próprio interesse em promover essa agenda.

Previsivelmente, se uma agência está autorizada a legislar e tributar, seus agentes não só usam esses poderes, mas mostram uma tendência a aumentar o seu imposto de renda e faixa de interferência legislativa; e quando, ao fazê-lo, eles encontrarem resistência entre seus súditos, é do interesse dos agentes do estado enfraquecer os poderes de resistência. Essa é a natureza do estado, e esperar outra coisa é ingenuidade.

Por um lado, isso significa desarmar os cidadãos. Mas isso também significa erodir e, finalmente, destruir todas as instituições intermediárias, como família, clã, tribo, comunidade, associação e Igreja com suas camadas internas e postos de autoridade. Mesmo que apenas em alguma área limitada de jurisdição essas instituições e autoridades rivalizam com a afirmação do estado como tomador de decisão final territorial. O estado, a fim de fazer valer a sua reivindicação como juiz final, deve eliminar todas as jurisdições e os juízes independentes, e isto requer a erosão ou até mesmo a destruição da autoridade dos chefes de domicílios, famílias, comunidades e igrejas.

Esse é o motivo subjacente da maioria das políticas do estado. Educação pública e bem-estar servem a esse propósito destrutivo, e assim o fazem a promoção do feminismo, a ação afirmativa de não discriminação, o relativismo e multiculturalismo. Todos eles minam a família, comunidade e Igreja. Eles “libertam” o indivíduo da disciplina dessas instituições, a fim de torná-lo “igual”, isolado, desprotegido e fraco vis-à-vis o estado.

Em particular, a extensão da agenda multicultural para a área de imigração tão lamentada por Buchanan é, portanto, motivada. Após a erosão das afiliações familiares, comunitárias, regionais e religiosas, uma forte dose de invasão de imigrantes estrangeiros, especialmente se se trata de lugares estranhos e distantes, é calculada pelas elites governantes democráticas neoconservadoras-sociais para destruir o que resta das identidades nacionais e anexos a fim de promover o objetivo ultra-estatista de uma multicultural One World Order norte-americana.

Ainda mais radicalmente, reviver o Ocidente exige que o estado-nação central seja desbastado e que as instituições restritivas-protetoras da família, da comunidade e da Igreja sejam restauradas para sua posição original, como parte de uma ordem natural composta por uma multiplicidade de jurisdições concorrentes e posições de autoridade.

Nada ou pouco disso deve ser novidade para os conservadores, mas Buchanan parece não ter consciência de tudo isso. Para confirmar, ele oferece algumas críticas à democracia, mas não apresentou um argumento baseado em princípios. Na verdade, ele afirma que “se a América deixou de ser um país cristão, é porque ela deixou de ser um país democrático”. Esta é uma declaração surpreendente à luz do fato de que nem a família nem a Igreja Cristã são instituições democráticas (e na medida em que elas são, elas estão em apuros).

De qualquer modo, Buchanan não prossegue a sua crítica até o fim. Não há nenhum indício de antiestatismo em seu livro. O status quo de um estado-nação democrático central é aceito sem questionamentos. A luta é entre republicanos e democratas, a solução deve vir de Washington DC, e Richard Nixon e Ronald Reagan (e, em menor medida, Robert Bork, John Ashcroft e George W. Bush) são “bons rapazes”. Buchanan não conclui o que o senso comum e a reflexão teórica sugerem: que ambos os partidos, o Congresso, a Suprema Corte e o presidente (e todos os seus bons homens) — o sistema democrático — talvez tenham algo a ver com a morte do Ocidente.

Nem o fracasso de Buchanan é totalmente surpreendente. Basta recordar os seus ataques contra a doutrina clássica de livre comércio e ao “economista austríaco morto” Mises, ou seus apelos protecionistas para o “Buy American”. O mesmo desconhecimento da teoria econômica apresentada nesses casos o impede de penetrar a essência do assunto em questão.

Ao longo de suas falhas campanhas presidenciais, Buchanan posou como um revolucionário. Na verdade, como um estatista até os ossos e aficionado de longa data de Washington, DC, ele é parte da estrutura (embora ele possa ser seu enfant terrible). Não é provável que agora ele vá aprender o que ele ainda não aprendeu. Ao invés disso, ele vai continuar a perder muito de seu grande talento em campanhas políticas contra-produtivas e manobras. No entanto, seu The Death of the West poderia se tornar o catalisador para a criação de um movimento contra-revolucionário genuíno de reviver o Ocidente, apenas se os mais brilhantes e mais curiosos entre os seus leitores reconhecerem o papel desempenhado pelo estado e pela democracia na morte do Ocidente.

 

Tradução de Felipe Almeida Couto

Artigo original aqui.

Imprimir