As maravilhosas PPPs de Salvador

0

metrô-salvadorComo já explicamos em três oportunidades (aqui, aqui e aqui), as Parcerias Público-Privadas nada mais são do que um arranjo fascista no qual estado e grandes empreiteiras se aliam para, sob o manto de estarem fazendo obras, extorquir os cidadãos e dividir entre si o butim, dando em troca algo que lembra um pouco, com muita boa vontade, um serviço de infraestrutura.

Tal arranjo é excelente para ambos os lados: os políticos ganham o crédito pela obra, recebem “agrados” das empresas que ganharam a licitação e, como consequência, garantem uma reeleição; e as empreiteiras contratadas ganham obras que serão pagas com o dinheiro do contribuinte – logo, sem qualquer zelo e critério, pois ninguém gasta o dinheiro dos outros com parcimônia -, o que faz com que os lucros sejam garantidos, a necessidade de qualidade, nula, e as chances de superfaturamento, uma certeza.

Na outra ponta do arranjo está o cidadão desamparado, obrigado a sustentar a esbórnia e sem qualquer voz ativa nesse arranjo que está sendo financiado com o seu suado dinheiro.

Dito isso, fica fácil entender o que se passa com o metrô de Salvador e por que ninguém é punido – afinal, sendo a justiça um ente estatal, qual o estímulo e a probabilidade de o estado punir a si próprio e seus aliados?

Veja as notícias.

Piada pronta

O metrô de Salvador é o mais lento do mundo. Mas isso não tem graça: ele já custou R$ 1 bilhão e não funciona
Por Claudio Dantas Sequeira

O menor e mais caro metrô do mundo está na Bahia. Com apenas 6,5 quilômetros de extensão e custo total de R$ 1 bilhão, ganhou dos baianos indignados o singelo apelido de “autorama”. Só que não funciona. A construção do metrô de Salvador arrasta-se há uma década, o que também situa a obra entre as mais longas do gênero. É, sem dúvida, a síntese do que há de pior na administração pública brasileira: corrupção, burocracia, incompetência e descaso com o cidadão. O projeto inicial previa 41 quilômetros, só que o investimento foi todo consumido no primeiro trecho, que deveria ser de 12 quilômetros, mas foi reduzido à metade. Para agravar, um estudo de viabilidade econômica do projeto mostra que, para cobrir os custos de operação, o bilhete do metrô poderá custar entre R$ 10 e R$ 15, seis vezes o preço em São Paulo. Chegou-se à conclusão de que o metrô não se sustenta economicamente, terá de ser subsidiado. É muito curto e ainda por cima foi construído numa área que é bem coberta por outros transportes públicos. Hoje comandada pelo PMDB, a Companhia de Transporte de Salvador (CTS), que acompanha o andamento das obras, culpa a administração anterior pelo imbróglio. “Tudo começou na licitação feita pelo prefeito Antonio Imbassahy (PSDB)”, diz o diretor da CTS, Hebert Motta.

mi_2580337376902395.jpg
De fato, foi Imbassahy (1997-2005) quem abriu a concorrência para a construção do metrô em 1999. O exprefeito garantiu à ISTOÉ que todo o processo transcorreu “dentro da lei”. Entretanto, o TCU já determinou a retenção cautelar de R$ 50,5 milhões após encontrar irregularidades na obra e a Corregedoria-Geral da nião finaliza auditoria sobre os preços praticados pelo Consórcio Metrosal. Mais grave: a Justiça Federal da Bahia aceitou denúncia do Ministério Público por suspeita de formação de quadrilha, cartel e fraude na licitação. Foram acusados sete dirigentes das empresas que participaram da concorrência: dois da Camargo Corrêa e dois da Andrade Gutierrez, integrantes do consórcio Metrosal, além de três dirigentes da construtora italiana Impregilo, do consórcio Cigla. Segundo o MPF, as empresas atuaram em conluio. As companhias negam a acusação. Na quarta-feira 16, os procuradores baianos conseguiram uma ajuda extra do MPF em São Paulo, que lhes enviou documentos contendo novos elementos que podem confirmar os indícios de fraude e superfaturamento no metrô baiano. A papelada faz parte do inquérito da Operação Castelo de Areia, que apura o pagamento de propina a políticos e agentes públicos em dezenas de empreendimentos pelo País. Um dos acusados na denúncia em Salvador é o engenheiro Pietro Bianchi, que também é denunciado na Operação Castelo de Areia. Pelo visto, o buraco do metrô de Salvador é muito mais profundo.

Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/paginar/32562_PIADA+PRONTA/3

Um metrô com muitas paradas
Por Hélio Rocha

A construção do metrô de Salvador completa 10 anos este mês com uma luz no fim do túnel. A assessoria de imprensa da Secretaria de Transportes e Infraestrutura (Setin) informou que o consórcio Metrosal, responsável pela obra, vai anunciar a nova data de conclusão amanhã. Depois de muitas mudanças no cronograma, espera-se que desta vez o prazo seja cumprido, já que a parte de engenharia civil está quase pronta. De acordo com a Setin, a instalação de trilhos, rede elétrica, esteiras móveis e do software que vai controlar o sistema será realizada pela empresa Siemens, sem necessidade de nova licitação.

A notícia gerou um impasse: a assessoria de imprensa do consórcio Metrosal – composto pelas empresas Siemens, Camargo Correia e Andrade Gutierrez – negou a informação de que a Siemens estaria incumbida de instalar a parte elétrica do transporte. Segundo eles, as obrigações do consórcio se encerram com a parte civil da construção, cabendo à prefeitura de Salvador licitar e contratar o restante dos serviço, além de anunciar o novo cronograma de conclusão. Atualmente 315 operários estão trabalhando nos canteiros de obras entre as estações da Lapa e Acesso Norte (Rótula do Abacaxi).

O custo do Metrô de Salvador passou de cerca de R$600 milhões, por um trajeto de 13km, para R$1 bilhão investido em apenas 6 km, menos da metade do traçado original. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Construção Pesada (Sintepav), Adalberto Galvão, a estrutura física do empreendimento deve ficar pronta até o final de janeiro. “Faltam apenas os detalhes de acabamento das estações, como pisos, verniz, chapas de aço, sinalização, corrimões, esteiras móveis, além do pátio de manobras na estação Acesso Norte. A parte estrutural da construção já foi concluída”, afirmou.

Galvão confirmou a posição do consórcio e informou que falta à prefeitura licitar e contratar o sistema de energia que vai alimentar a Estação Retificadora de Tração, a instalação dos trilhos e configuração do software que vai operar o transporte. “Se não ocorrer outra interrupção, o metrô deve entrar na fase experimental entre os meses de setembro e outubro deste ano”, afirmou. O presidente do Sintepav falou com otimismo sobre a conclusão da obra. “acredito que, até dezembro, a população de Salvador vai poder dispor do novo meio de transporte”, disse.

A trajetória sinuosa do metrô baiano
O traçado original do metrô baiano previa 13Km de ligação entre as estações Pirajá e Lapa, com prazo de conclusão para 2003. Mas logo se percebeu que essa estimativa era muito otimista, principalmente quando começaram as interrupções no fluxo dos investimentos do governo Federal. A situação culminou, em 2005, com o contingenciamento orçamentário (suspensão dos repasses) de 32 milhões de dólares do contrato de financiamento com o Banco Mundial. As obras param e os operários foram às ruas junto com a população para protestar.

Com a mobilização do Movimento em Defesa do Metrô de Salvador e da Câmara de Vereadores, a obra foi finalmente incluída no Plano Piloto de Investimentos (PPI) do governo Federal, garantindo a continuidade do serviço e fluidez nos repasses financeiros. Em 2006, as esferas governamentais decidiram repactuar o traçado inicial, passando de 13km para apenas 6km entre as estações da Lapa e Acesso Norte. Outra mudança onerou ainda mais a obra: a via da Bonocô, que inicialmente seria de superfície, passou a ser elevada, com um acréscimo de R$50 milhões ao orçamento. “Como o viaduto de saída da estação Acesso Norte já estava pronto, apontando para o solo, isso criou um verdadeiro tobogã no traçado do metrô”, explica Galvão.

No ano seguinte, o governo Federal fez a proposta para incluir o empreendimento no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em 2008, quando parecia que as obras do metrô iam finalmente deslanchar, o Tribunal de Contas da União (TCU) pediu a interrupção dos trabalhos, com uma lista de 11 irregularidades que incluíam indícios de superfaturamento e não prestação de contas das verbas investidas, dentre outras denúncias. A Justiça determinou a retenção de 5% dos repasses mensais, retroativos desde a repactuação, em 2006. Posteriormente, a retenção nos repasses passou de 5% para 12%. No final de 2008, o consórcio decidiu interromper as atividades mais uma vez, só retomando a empreitada no início de 2009.

O governo do Estado importou seis trens coreanos: três deles chegaram em novembro de 2008 e outros três, em setembro do ano passado. Ao todo, 24 vagões estão armazenados na Estação Aduaneira do Interior (Eadi/ Salvador), com um custo mensal de R$80 mil apenas para armazenamento e proteção. A Estação Acesso Norte também já está pronta há anos, com um preço de manutenção não revelado. Para Adalberto Galvão, presidente do Sintepav, o governo Wagner deveria tomar as rédeas do metrô de Salvador. “A prefeitura deveria passar a gestão da construção do metrô para a esfera estadual, como ocorre em outros estados, verticalizando o empreendimento. Isso com certeza iria facilitar a conclusão e acabar com as informações conflitantes”, sugeriu.

Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=37034

Comentário final:

Apenas quando um projeto é empreendido por seu próprio dono e com o seu próprio capital (ou com empréstimos por ele contraídos) tem-se a certeza do total interesse na qualidade e durabilidade do produto, pois esse arranjo seria o que menos traria custos de longo prazo para seu proprietário – afinal, se ele economizasse no material, suas futuras despesas com reposição e indenização por acidente não compensariam essa economia inicial de custos.

Portanto, para que os soteropolitanos tivessem um serviço de metrô honesto e eficiente, este teria de ter sido construído por um consórcio 100% privado, sem qualquer envolvimento do governo. Mas agora já era.

Até hoje nunca se viu no Brasil uma PPP que tenha sido empreendida sem indícios de corrupção. E nem poderia, dado que seu arranjo foi pensado justamente para facilitar as negociatas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.