É hora de um novo ‘Livro Verde’ de empresas que acolhem clientes sem máscara

2
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O Livro Verde foi publicado entre os anos 1930 e 1960. Provou ser uma ajuda valiosa para muitas pessoas. O Livro Verde trazia em suas páginas informações sobre negócios – restaurantes, hotéis, postos de gasolina, boates e muito mais – que recebiam negros. Isso foi durante uma época em que muitas empresas rejeitavam os negros ou os tratavam de forma muito menos favorável do que tratavam os brancos.

O Livro Verde foi particularmente útil para os viajantes. Quando estavam em lugares com os quais não estavam familiarizados, os viajantes podiam usar as informações do Livro Verde para evitar frustrações e conflitos, localizando facilmente empresas que os acomodavam.

Um livro semelhante, ou hoje em dia mais provavelmente um site, seria útil na era das repressões do coronavírus. Pessoas que não usam máscaras poderiam se beneficiar muito com um novo “Livro Verde” que forneceria informações sobre negócios onde clientes sem máscara são bem-vindos.

Como no Livro Verde original, a existência do novo site também incentivaria as empresas a aceitarem certas pessoas, neste caso pessoas que não usam máscaras. Ao acolher os clientes que não cobrem o rosto do nariz para baixo, as empresas podem se qualificar para promoção no site e atrair um grupo significativo de clientes em potencial que estão em busca de lugares onde possam comprar bens e serviços sem frustração e conflito desnecessários.

Felizmente, os cartazes de “Máscara obrigatória” não permanecerão nas portas das empresas por décadas, assim como cartazes semelhantes proclamando que os negros foram excluídos ou obrigados a aceitar tratamento inferior. Ainda assim, em muitos lugares, os requisitos de máscara permanecem generalizados e parecem definidos para permanecer assim por um bom tempo.

É hora de um novo “Livro Verde” surgir.

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS