O valor é subjetivo: nem ouro nem criptomoedas têm “valor real”

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Um grande obstáculo para a adoção do bitcoin é que, embora a pessoa média possa pelo menos estar aberta à ideia de que o dinheiro fiduciário não é o ideal, elas ainda têm dificuldade para ver a diferença entre o dinheiro fiduciário e a criptomoeda. E essa opinião não se restringe apenas ao usuário comum, mas inclui muitos nomes familiares brilhantes, como Peter Schiff e Elon Musk. Esta fusão generalizada de criptomoeda e moeda fiduciária vem de dois mal-entendidos vitais: uma falta de compreensão do que exatamente é fiduciário e uma falta de compreensão da subjetividade do valor.

Se nos voltarmos para a Teoria do Dinheiro e do Crédito de Ludwig von Mises, descobriremos que é sua definição de fiduciário que falta ao público. Aqui, Mises define moeda fiduciária, afirmando que podemos dar o nome de “moeda fiduciária a dinheiro que compreende coisas com uma qualificação legal especial”. É importante notar que Mises não afirma simplesmente que seja algo diferente de dinheiro mercadoria, embora não seja dinheiro de crédito. Não é, como os comentários acima sugerem, dinheiro sem valor real. É dinheiro com uma qualificação jurídica especial. Bitcoin e outras criptomoedas não têm essa qualificação. Na verdade, as criptomoedas enfrentam a mesma desvantagem que as moedas commodities, pois sua própria falta de qualificação legal especial impede que alguém as use para certas atividades financeiras obrigatórias, como pagamento de impostos, e as criptomoedas, portanto, têm de competir ativamente com uma demanda artificialmente elevada por moedas fiduciárias. Não há absolutamente nenhuma qualificação legal especial que o bitcoin receba e, portanto, por esta definição, não é moeda fiduciária.

No entanto, muitos levantam a questão de que o bitcoin e outras criptomoedas, como as moedas fiduciárias com as quais estamos familiarizados, não são respaldadas por nada de valor como ouro. Mas isso também é uma distorção da noção austríaca de dinheiro ou valor. Na escola austríaca, não acreditamos em valor objetivo – nem mesmo em ouro. O ouro se tornou uma mercadoria-moeda de grande sucesso na história. Voltando-se novamente para a Teoria do Dinheiro e do Crédito, aqui Mises explica seu teorema de regressão, que afirma, entre outros pontos, que

    Se o valor de troca objetivo do dinheiro deve sempre estar vinculado a uma relação de troca de mercado pré-existente entre o dinheiro e outros bens econômicos (visto que, de outra forma, os indivíduos não estariam em posição de estimar o valor do dinheiro), segue-se que um objeto não pode ser usado como dinheiro a menos que, no momento em que começa seu uso como dinheiro, ele já possua um valor de troca objetivo baseado em algum outro uso.

Ao longo dos anos, o ouro atendeu a esse critério, pois teve um valor de uso do qual o valor monetário posterior poderia derivar, seja como um condutor, como um produto para fazer joias, ou qualquer outro número de usos valorados que teve ao longo dos anos. Além disso, o ouro atende aos requisitos de Mises para as funções secundárias do dinheiro em sua capacidade de facilitar as transações de crédito, transmitir valor através do tempo e do espaço e operar como meio de pagamento. Economistas como Schiff demonstraram brilhantemente que o ouro como moeda austríaca viável é amplamente aceito, e isso não é de forma alguma uma afirmação incorreta.

No entanto, afirmações como essa começam a ser falhas quando alegam que o ouro tem “valor real”. A escola austríaca nega a existência de valor objetivo, como Mises confirma quando diz: “A teoria moderna do valor tem um ponto de partida diferente. Ela concebe o valor como a significância atribuída às unidades de mercadoria individuais por um ser humano que deseja consumir ou de outra forma dispor de várias mercadorias de forma mais vantajosa.” Não cabe a nós, como economistas, mas sim a empresários e consumidores, determinar quais valores de uso proporcionam a melhor vantagem. O ouro não é exceção à regra. Nem a criptomoeda. Ambos estão, pelo menos atualmente, vendo os indivíduos no mercado valorizarem cada bem de acordo com as avaliações cardeais que os indivíduos fzem dos bens. Algumas pessoas valorizam muito o ouro e a cripto. Muitos não o fazem. Ver o ouro como tendo “valor real” é subscrever a ideia de que uma mercadoria ou moeda tem valor além de qualquer valor que os indivíduos atribuam a ela em um determinado momento. Mas o fato de que o ouro pode ser usado para, digamos, propósitos industriais não significa que ele tenha “valor real”, enquanto mais bens e serviços intangíveis não têm “valor real”.

Alguém poderia tentar argumentar que o bitcoin ou outras criptomoedas são simplesmente commodities negociadas como tais e avaliadas subjetivamente e que estão potencialmente a caminho de alcançar um status monetário. Ou pode não ser o caso. Mas isso não ilustra de uma forma ou de outra que o ouro tem “valor real”, enquanto a cripto supostamente não tem. George Selgin argumentou que essas criptomoedas são, na verdade, um novo tipo de dinheiro, ao qual ele se refere como “dinheiro-mercadoria sintético“. Mas seja lá o que a criptomoeda realmente seja, pode-se dizer com grande confiança que, porque não tem qualificação legal especial e porque não existe tal coisa como “valor real”, bitcoin e outras criptomoedas não são moeda fiduciária.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO