“Os piores dias em Gaza”

8
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

“Os piores dias em Gaza” – estas são as palavras de um testemunho extraordinário de Lara Elborno, jornalista palestiniana, falando diretamente de Gaza, com imagens acompanhas num videoclipe de 4 minutos, sobre uma realidade que a maioria do Ocidente ignora, ou quer ignorar.

Lara diz:

“Todos os dias tem sido o pior dia; Israel supera-se em brutalidade e destruição todos os dias; então, todo dia é o pior dia. O dia em que Yoav Gallant (ministro da Defesa de Israel, ou melhor dizendo, ministro da Guerra) anunciou que os palestinos seriam privados de comida, água e ajuda, foi o pior dia.”

“O dia em que as autoridades israelenses anunciaram que estavam lançando a Nakba de Gaza foi o pior dia. (Nakba, significa “catástrofe” em árabe, e refere-se ao deslocamento em massa e espoliação de palestinos durante a guerra árabe/palestina – israelense de 1948. Uma nova Nakba está ocorrendo agora em Gaza).”

“O dia em que cercaram e cercaram o Hospital Al-Shifa, bombardearam a maternidade, bombardearam a clínica externa, foi o pior dia.”

“O dia em que Israel lançou seis bombas de 1 tonelada no campo de refugiados de Jabalia foi o pior dia.”

Há uma cadeia interminável de “Piores Dias de Gaza”, ilustrado por fotos e videoclipes – pior do que o que o mundo testemunhou pelo menos nas últimas sete décadas, talvez nos últimos 300 anos.

Veja este videoclipe completo de 4 minutos de partir o coração:

Aqueles com uma mente distópica e criminosa, como as lideranças dos Estados Unidos e da União Europeia, vão ainda mais longe – encorajam Israel a continuar o massacre.

Os EUA, com um voto solitário, bloquearam uma resolução de cessar-fogo proposta pelos Emirados Árabes Unidos (EAU) no Conselho de Segurança da ONU (CSNU) na semana passada.

Em 12 de dezembro, a Assembleia Geral da ONU (AGNU) votou esmagadoramente a favor de um cessar-fogo, com 153 votos sim, dez votos contra e 23 abstenções. Muitos países da UE votaram contra o mandato da Comissão Europeia , a favor de um cessar-fogo, incluindo a França.

Depois, há aqueles cuja consciência rejeita a injustiça abjeta em princípio, e que diriam sim a um cessar-fogo – para deter o genocídio, mas seu “politicamente correto”, sua covardia em relação aos poderes constituídos, os impediu de votar sim por um cessar-fogo. Em vez disso, abstiveram-se.

Entre os covardes que se abstêm estão Alemanha, Itália, Holanda, Reino Unido, Hungria, Bulgária – e até Argentina e Uruguai – e muitos (15) mais.

O que esperam dos autodeclarados Mestres do Universo em troca de não votarem contra esse horrível democídio?

Veja isso.

Na AGNU, ao contrário do CSNU, nenhum dos 193 Estados-membros tem direito de veto. Os seus votos não são vinculativos, não têm poder jurídico internacional. No entanto, eles são um forte indício de onde o mundo está com sua opinião sobre conflitos políticos.

O que vai acontecer a seguir é uma questão em aberto. Enquanto o Ocidente, nomeadamente os EUA e a sua cachorrada, continuarem a enviar dinheiro e armas para Israel, encorajando assim as FDI (Forças de Defesa de Israel) a continuarem a bombardear e a matar, é provável que o massacre continue.

As FDI têm como alvo especialmente mulheres e crianças – as crianças são a próxima geração de palestinos, e as mulheres são a força reprodutiva da Palestina.

A intenção dos sionistas não poderia ser mais clara – apagar a Palestina e os palestinos não apenas dos mapas, mas do globo.

Enquanto o Ocidente, liderado pelos Estados Unidos, continuar impunemente com essa ânsia assassina, os piores dias em Gaza continuarão ocorrendo.

Pessoas do mundo, continuem tomando as ruas – como vocês já fizeram em Nova York, Washington, Berlim, Paris, Amsterdã, Madri, Viena, Roma, São Paulo e muitas outras cidades ao redor do mundo. E inventem outros meios de privar os vossos Governos do engano da capacidade de continuar a governar e a reinar sobre e contra o poder solidário de Nós, o Povo.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorAções em alta não impulsionam o crescimento econômico
Próximo artigoPrefácio
Peter Koenig
é analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde (OMS), onde trabalhou por mais de 30 anos com água e meio ambiente em todo o mundo. Ele dá palestras em universidades nos Estados Unidos, Europa e América do Sul. Ele escreve regularmente para jornais online e é o autor de Implosion - An Economic Thriller sobre Guerra, Destruição Ambiental e Ganância Corporativa; e co-autora do livro de Cynthia McKinney “When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis” ( Clarity Press - 1 de novembro de 2020). Ele é Pesquisador Associado do Center for Research on Globalization.

8 COMENTÁRIOS

    • Impressão ignorante sua. Nada mudou neste “site”. Sempre fomos e continuamos sendo pró-liberdade e anti-guerra. Os autores que publicamos são os mesmos, com a mesmas inabaladas posições sobre estes temas, inclusive publicamos artigos antigos de autores já falecidos como o próprio Rothbard que deixam bem clara essas posições.

      • Sinto uma certa tendência para exaltar a China, mesmo que seja sutilmente,impressão minha que pode estar equivocada, mas…

        • Exaltamos a liberdade. Como a China liberou sua economia a ponto de ser a maior economia do mundo, exaltamos esse progresso. Esse seu sentimento deve ser fruto da sandice de alguns que dizem que a China ainda é uma ditadura totalitária comunista, e qualquer elogio à China é encarado como uma exaltação ao comunismo.

          • Eu elogio a descentralização da burocracia chinesa dm atrair invrstimentos para suas regiões obra de Deng Xiaoping que até hoje tem dado excelentes resultados, agora até onde eu sei o presidente Xi quer centralizar tudo em Pequim receita certa para a decadência e Milei quer distância deles não é por acaso não é mesmo?

        • “Milei quer distância deles não é por acaso não é mesmo?”

          Como é que é ?, você não está sabendo que o Millei já está de mãos dadas com o Xi Jing Ping ?.
          Pois é né? é nisso que dá ficar acreditando em bravatas de políticos, você sempre será traído.

          Millei certamente sabe da realidade da China atual, por isso vai fazer de tudo para aproximar a Argentina à China, mesmo sob os protestos daqueles que pararam no tempo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui