Putin contra o Deep State ocidental

0

A recente cerimônia de adesão de quatro regiões ucranianas à Rússia contou com um discurso do presidente Putin que delineou as razões por trás das atuais lutas da Rússia, o caráter e a identidade de seus inimigos e, mais importante, lançou as bases para o próximo nível de confronto da Rússia com o Ocidente além do conflito militar em curso na Ucrânia. Em seu discurso, Putin definiu claramente a luta atual como uma batalha mundial na qual a Rússia desempenha um papel de liderança contra o Deep State que governa o Ocidente e que usa todas as ferramentas disponíveis – incluindo militares, econômicas, culturais e sociais – em sua tentativa de preservar a dominação mundial unipolar.

As palavras de Putin foram dirigidas a três públicos distintos: o Ocidente coletivo, o Sul Global e a Rússia. Ele retornou à história da Idade Média para lembrar as origens e o impacto da exploração de recursos ocidentais e do colonialismo nas Américas, Ásia e África através de guerras imperialistas, racismo e escravidão. Ele abordou as façanhas militares do século XX lideradas principalmente pelos EUA e seus aliados e seu impacto na Alemanha e no Japão no final da Segunda Guerra Mundial, Coréia na década de 1950, Vietnã nas décadas de 1960-70 e suas últimas aventuras fracassadas no Iraque, Líbia, Síria e Afeganistão. Ele também destacou os dias terríveis da Rússia durante a década de 1990 e as tentativas das potências ocidentais de transformá-la em uma fonte de recursos naturais barata desmembrada e passiva. A mensagem de Putin aos russos tinha tons nacionalistas e religiosos, abordando a defesa dos valores tradicionais da família como um chamado às armas contra a ameaça causada pela diminuição do crescimento populacional. Ele também citou a impressão monetária dos EUA como uma das principais ferramentas usadas pelo establishment ocidental para alcançar seus objetivos de autopreservação e supremacia, lembrando que o papel não alimenta nem aquece os seres humanos.

Seria tentador ver este discurso estritamente como apenas mais uma manifestação da posição da Rússia nas grandes batalhas geopolíticas, mas o que Putin fez foi definir a rivalidade internacional em termos históricos e culturais profundos que têm um apelo indubitável em todo o mundo. Os críticos verão a caracterização benigna de Putin da Rússia como uma manobra cínica que esconde o papel do país, através de seu posto de comando na União Soviética, na subjugação dos países do Leste Europeu após a Segunda Guerra Mundial, mas, no entanto, o Sul Global verá as coisas de maneira diferente.

O ataque contundente de Putin contra o Ocidente é uma arma multifacetada, pois se uniu aos segmentos conservadores de uma população consternada pelo globalismo que impõe uma agenda profundamente perturbadora que vai contra as visões tradicionais sobre família, casamento e sexo, mas também tem tons esquerdistas, como sua crítica também vai contra o mesmo globalismo que está agravando a disparidade de riqueza, e até mesmo um apelo libertário ao se referir à imposição de estados de emergência, controle de mídia e sanções a outras sociedades como exemplos de totalitarismo ocidental. O alvo principal de Putin era o establishment anglo-saxão, principalmente os EUA e a Grã-Bretanha, e ele tentou construir uma cunha dentro do Ocidente enquanto se concentrava na soberania, um grito com ressonância em países como Hungria e Itália, e sentimentos tradicionais anti-guerra na Alemanha e no Japão, lembrando os horrores dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial em Dresden, Hamburgo, Colônia, Hiroshima e Nagasaki.

Uma consequência imediata da escalada retórica de Putin será o aumento da pressão dos EUA sobre o Sul Global para seguir as sanções anti-russas. Para combater com sucesso essa ameaça, e como a Rússia precisa de seu apoio contínuo, terá que combinar ideologia com apoio pragmático e tangível em termos de acesso a recursos críticos de energia e alimentos para os países mais pobres. As recentes abstenções de China, Índia e Brasil em uma resolução do Conselho de Segurança da ONU pedindo a condenação dos referendos da Ucrânia sem dúvida foram motivadas pelas expectativas desses países sobre as ações futuras da Rússia.

Após o fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética, e à medida que gradualmente abandonou o socialismo, a Rússia perdeu o poderoso apelo ideológico que teve durante décadas no Sul Global e nos segmentos anti-establishment do Ocidente. O aspecto mais notável do recente discurso de Putin é trazer de volta o confronto ideológico para o primeiro plano. Esta nova batalha parece apresentar a defesa ocidental da democracia, liberdade e soberania como vazia e hipócrita. Uma mensagem combinada de anticolonialismo e conservadorismo é uma ferramenta poderosa, mas o apelo indireto e sutil de Putin ao poder popular como a única maneira de finalmente combater o Deep State é ainda mais forte. A identificação de Putin do Deep State como inimigo da humanidade pode ser seu legado ideológico final, algo evitável se os EUA tivessem se resignado a ser apenas um país normal e se concentrar principalmente na prosperidade de seu povo.

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.