Questione a ‘ciência’? Vá para o Gulag!

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Na União Soviética, era proibido contestar a sabedoria da “linha do partido”. Isso porque o comunismo marxista era visto como o progresso cientificamente inevitável da humanidade. Para Marx e Lenin, a “ciência estava decidida”. Portanto, qualquer pessoa que fale contra a “ciência” do sistema soviético deve estar agindo com malícia; deve realmente querer destruição; deve querer que as pessoas morram.

Qualquer pessoa que expressasse oposição à “ciência estabelecida” do marxismo-leninismo logo teria sua voz silenciada. Muitas vezes permanentemente.

Ironicamente, apenas 30 anos após a “ciência” do marxismo-leninismo implodir para todo o mundo ver, estamos testemunhando um ressurgimento da ideia de que questionar “a ciência” não é buscar a verdade ou refinar a compreensão do de evidências aparentemente conflitantes. Não; fazer isso é realmente desejar mal aos outros.

E embora nós que questionamos a “ciência” não estejamos sendo fisicamente levados aos gulags por contestar a sabedoria de nossos “superiores” no CDC ou na Organização Mundial da Saúde, por exemplo, estamos descobrindo que o resultado é o mesmo. Estamos sendo silenciados e acusados ​​de más intenções. Os comunistas soviéticos chamavam dissidentes como nós de “destruidores”.

Na semana passada, em meu programa diário, o Ron Paul Liberty Report, relatamos dois denunciantes de dentro do CDC e da Grande Indústria Farmacêutica que levantaram questões sérias e legítimas sobre a narrativa prevalecente do coronavírus. O ex-diretor do departamento científico da gigante farmacêutica Pfizer, Dr. Mike Yeadon, afirmou que, por experiência própria, acredita que quase 90% dos testes atuais para a Covid produzem falsos positivos. Isso significa que essa expansão massiva de “casos”, usada para justificar ataques contínuos às nossas liberdades civis, é simplesmente falsa.

Como o Dr. Yeadon disse em uma entrevista recente sobre o lockdown orwelliano no Reino Unido, “estamos baseando uma política governamental, uma política econômica, uma política de liberdades civis, em termos de limitar o número de pessoas a seis em uma reunião … tudo baseado em , o que pode muito bem ser, dados completamente falsos sobre este coronavírus?”

O Dr. Yeadon está correto ao afirmar que, com base em sua observação científica, não existe uma “segunda onda”? Nós não sabemos. Mas sabemos que suas afirmações de que o aumento maciço de “casos” na Europa usado para justificar novas medidas de quarentenas não estão de forma alguma sendo equiparadas a um aumento semelhante nas mortes. Os próprios gráficos da UE provam isso. As mortes permanecem uma linha reta perto de zero, enquanto os “casos” disparam para coincidir com o aumento maciço nos testes.

No entanto, quando relatamos as descobertas do Dr. Yeadon no Liberty Report na semana passada, descobrimos que, pela primeira vez, nosso programa foi removido pelo YouTube. (O programa censurado pode ser assistido aqui.)

O YouTube, de propriedade do Google, que está firmemente embutido no estado profundo, foi vago ao explicar exatamente onde violamos seus “padrões da comunidade”, simplesmente relatando cientistas qualificados que por acaso discordam da narrativa dominante do coronavírus.

Mas eles ofereceram essa explicação chocante em um e-mail enviado para nós no Ron Paul Liberty Report: “O YouTube não permite conteúdo que contesta explicitamente a eficácia da Organização Mundial de Saúde”.

Incrível!

Não é a ciência que está estabelecida. O que parece estar resolvido é o ímpeto de silenciar quem pergunta por quê ”?

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorO pânico da doença nos coloca em um caminho perigoso
Próximo artigoO que é conservadorismo?
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.