Um abrangente estudo contra quarentenas: como o Dr. Ari Joffe mudou de ideia

2
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Dr. Ari R. Joffe leciona no Departamento de Pediatria, Divisão de Medicina Intensiva da Universidade de Alberta e Hospital Infantil Stollery, em Edmonton, Alberta, Canadá, e é membro do Royal College of Physicians and Surgeons of Canada. Ele também era um defensor das quarentenas e lockdowns. Então ele viu o que eles faziam na prática. Agora ele documentou a carnificina naquele que pode ser o artigo mais abrangente já publicado.

Chama-se: COVID-19: Rethinking the Lockdown Groupthink

Aqui estão seus pontos de resumo.

A Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavírus 2 (SARS-CoV-2) causou a pandemia mundial de Doença do Coronavírus 2019 (COVID-19) em 2020. Em resposta, a maioria dos países no mundo implementou quarentenas, restringindo os movimentos de sua população, trabalho, educação, encontros e atividades gerais na tentativa de ‘achatar a curva’ dos casos COVID-19. O objetivo de saúde pública das quarentenas era proteger a população de casos e mortes por COVID-19 e prevenir que sistemas de saúde ficassem sobrecarregados com pacientes COVID-19. Nesta revisão narrativa, explico por que mudei de ideia sobre o apoio a quarentenas. Em primeiro lugar, explico como as previsões iniciais de modelagem induziram medo e efeitos de manada [ou seja, pensamento de grupo]. Em segundo lugar, eu resumo informações importantes que surgiram relevantes para a modelagem, incluindo sobre a taxa de mortalidade por infecção, grupos de alto risco, limiares de imunidade de rebanho e estratégias de saída. Terceiro, descrevo como a realidade começou a afundar, com informações sobre danos colaterais significativos devido à resposta à pandemia e informações que colocam o número de mortes em contexto e perspectiva. Em quarto lugar, apresento uma análise de custo-benefício da resposta ao COVID-19 que conclui que as quarentenas/lockdowns são muito mais prejudiciais à saúde pública do que o COVID-19. Termino com algumas sugestões para seguir em frente.

O artigo cobre as falhas dos modelos, o surgimento do pensamento de grupo, a narrativa baseada no medo, os dados demográficos emergentes, a exceção sueca, o fracasso em equilibrar custos e benefícios, o papel da mídia, a devastação psicológica, a carnificina dentro da indústria médica, a calamidade econômica e muito mais, com alguns gráficos impressionantes, entre os quais:

E a conclusão: “Devemos abrir a sociedade para salvar muito mais vidas do que podemos, tentando evitar todos os casos (ou mesmo a maioria dos casos) de COVID-19. Já passou da hora de fazer uma pausa, calibrar nossa resposta ao risco real, fazer análises racionais de custo-benefício dos trade-offs e encerrar o pensamento de grupo de quarentena.”

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. Sempre que um político acertar sobre alguma coisa relevante, provavelmente o que irá acontecer é que irá prevalecer o erro. O fraudemia é um exemplo. Os políticos que afirmaram que era uma gripizinha estavam certos desde o início, e isso não é mérito nenhum, pois este era o consenso geral. Mas o fato é que esses políticos continuam certos, enquanto sistema se agarrou ao erro por interesses bem específicos.