1. Se não sabemos para onde estamos indo. . .

0

Se não sabemos para onde estamos indo, é provável que não cheguemos lá!

Nosso mundo está cada vez mais agitado pela insatisfação. Miríades de pessoas em todos os continentes estão sussurrando, gritando, escrevendo ou protestando seu descontentamento com as estruturas de suas sociedades. E elas têm muitas razões para estarem insatisfeitas – pobreza que aumenta no mesmo ritmo dos programas antipobreza cada vez mais caros; cargas de tributação e regulamentação que crescem infinitamente, empilhadas por burocratas indiferentes; a prolongada agonia com as mortes em miniguerras sem sentido; as terríveis e brutais batidas da polícia secreta …

Os jovens estão especialmente insatisfeitos. Muitos desejam virar o mundo de cabeça para baixo, na esperança de que surja uma sociedade melhor, mais livre e mais humana. Mas as melhorias na condição do homem nunca ocorrem como resultado de esperança cega, orações fervorosas ou acaso; elas são o produto do conhecimento e do pensamento. Aqueles que estão insatisfeitos devem descobrir que tipo de ser o homem é e, a partir disso, que tipo de sociedade é necessária para que ele funcione da maneira mais eficiente e feliz. Se não estiverem dispostos a aceitar essa responsabilidade intelectual, só conseguirão trocar nossos problemas atuais por problemas novos, e provavelmente piores.

Um número crescente de pessoas está começando a suspeitar que as ações governamentais são a causa de muitos de nossos males sociais. Cidadãos produtivos, dos quais depende a prosperidade das nações, se ressentem cada vez mais das pessoas dizendo a eles (em detalhes cada vez mais minuciosos) como administrar seus negócios e suas vidas. Os jovens se ressentem de serem convocados para a servidão involuntária como assassinos de contrato. Os pobres estão descobrindo, para sua amarga decepção, que o governo pode levar a economia à anemia, mas que todas as suas promessas grandiosas e programas caros nada podem fazer a não ser perpetuá-los em sua miséria. E todos são prejudicados pela espiral cada vez maior de impostos e inflação.

Quase todo mundo é contra algumas ações governamentais, e um número crescente deseja reduzir, de leve a drasticamente, o tamanho do governo. Existem até alguns que passaram a acreditar que não são apenas certas atividades governamentais, nem mesmo o tamanho do governo, mas a própria existência do governo que está causando os problemas. Esses indivíduos estão convencidos de que, se quisermos nos livrar permanentemente dos males causados ​​pelo governo, devemos nos livrar do próprio governo. Dentro desta ampla facção antiestatista, há muitos “ativistas” que marcham ou protestam ou apenas sonham e planejam meios de derrubar parte ou todo o sistema governamental.

Embora esses indivíduos antiautoritários tenham assumido uma posição firme e bem embasada contra a injustiça do governo, poucos deles têm uma ideia explicitamente clara do que estão defendendo. Eles querem derrubar a velha sociedade e construir uma melhor, mas a maioria deles possui apenas ideias nebulosas e contraditórias de como seria essa sociedade melhor, e qual deveria ser sua estrutura.

Mas se não temos uma ideia clara de quais são nossos objetivos, dificilmente podemos esperar alcançá-los. Se demolirmos o sistema autoritário atual sobre nossas cabeças, sem formular e disseminar ideias válidas sobre como a sociedade funcionaria satisfatoriamente sem regras governamentais, tudo o que resultará será confusão, terminando em caos. Então, as pessoas, confusas e assustadas e ainda convencidas de que o sistema governamental tradicional era correto e necessário, apesar de suas falhas gritantes, exigirão um líder forte, e um Hitler se levantará para responder a seu apelo. Portanto, estaremos muito pior do que estávamos antes, porque teremos que lidar tanto com a destruição resultante do caos, quanto com um ditador com grande apoio popular.

A força que molda a vida dos homens e constrói sociedades não é o poder destrutivo dos protestos e revoluções, mas o poder produtivo das ideias racionais. Antes que qualquer coisa possa ser produzida – de um machado de pedra a um sistema social – deve-se primeiro ter uma ideia do que almeja e como fazer para consegui-lo. As ideias devem preceder toda produção e toda ação. Por esta razão, as ideias são a força mais poderosa (embora muitas vezes a mais subestimada) no mundo do homem.

Este é um livro sobre uma ideia – a descoberta de que tipo de sociedade o homem precisa para funcionar da maneira mais eficiente e feliz … e como alcançar essa sociedade. É um livro sobre liberdade – o que ela realmente é e implica, por que o homem precisa dela, o que ela pode fazer por ele e como construir e manter uma sociedade verdadeiramente livre.

Não estamos imaginando nenhuma utopia, na qual nenhum homem jamais tente vitimar outro. Enquanto os homens forem humanos, eles serão livres para escolher agir de maneira irracional e imoral contra seus semelhantes, e provavelmente sempre haverá alguns que agirão como brutos, infligindo sua vontade sobre os outros pela força. O que estamos propondo é um sistema para lidar com tais homens que é muito superior ao nosso atual sistema governamental – um sistema que torna a violação da liberdade humana muito mais difícil e menos recompensadora para todos os que querem viver como brutos, e absolutamente impossível para aqueles que querem ser políticos.

Também não estamos propondo uma sociedade “perfeita” (seja lá o que isso for). Os homens são falíveis, então erros sempre serão cometidos e nunca haverá uma sociedade de total equidade. No atual sistema governamental, no entanto, erros e intrusões agressivas na vida de indivíduos pacíficos tendem a criar um círculo vicioso e a crescer automaticamente, de modo que o que começa como uma pequena injustiça (um imposto, uma regulação, um ministério, etc.) inevitavelmente torna-se um colosso com o tempo. Em uma sociedade verdadeiramente livre, erros e agressões tenderiam a se autocorrigir, porque os homens que têm a liberdade de escolher não lidam com indivíduos e empresas que são estúpidos, ofensivos ou perigosos para aqueles com quem fazem negócios.

A sociedade que propomos é baseada em um princípio fundamental: Nenhum homem ou grupo de homens – incluindo qualquer grupo de homens que se autodenominem “o governo” – tem o direito moral de iniciar (ou seja, começar) o uso de força física, a ameaça de força, ou qualquer substituto da força (como fraude) contra qualquer outro homem ou grupo de homens. Isso significa que nenhum homem, nenhuma gangue e nenhum governo pode usar moralmente a força, mesmo no menor grau, contra o mais insignificante dos indivíduos, desde que esse indivíduo não tenha ele próprio iniciado o uso da força.[1] Alguns indivíduos escolherão iniciar a força; como lidar com eles com justiça ocupa uma parte importante deste livro. Mas, embora tais agressões provavelmente nunca sejam totalmente eliminadas, os homens racionais podem construir uma sociedade que as desencoraje, em vez de institucionalizá-las como parte integrante de sua estrutura social.

Claro, nosso conhecimento de como seria uma sociedade verdadeiramente livre está longe de ser perfeito. Quando os homens são livres para pensar e produzir, eles inovam e melhoram tudo ao seu redor em um ritmo surpreendente, o que significa que apenas os contornos básicos da estrutura e funcionamento de uma sociedade livre podem ser vistos antes de seu estabelecimento e operação reais. Mas é possível esboçar uma imagem mais que suficiente para provar que uma sociedade verdadeiramente livre – aquela em que a iniciação da força seria tratada com justiça e não institucionalizada na forma de um governo – é viável. Trabalhando a partir do que já é conhecido, é possível mostrar em termos gerais como operaria uma sociedade livre, e responder plena e satisfatoriamente às perguntas e objeções comuns sobre tal sociedade.

Por anos, homens com planos para melhorar a sociedade debateram os méritos e deméritos de vários tipos e graus de governo, e eles discutiram longa e acaloradamente sobre quanta liberdade era desejável ou necessária para prover as necessidades da vida do homem. Mas muito poucos deles tentaram identificar claramente a natureza do governo, a natureza da liberdade ou mesmo a natureza do homem. Consequentemente, seus esquemas sociais não estão de acordo com os fatos da realidade, e suas “soluções” para os males humanos têm sido pouco mais do que fantasias eruditas. Nem as fúteis e desgastadas panaceias do sistema, nem o fervor de “Deus e país” da direita, nem as raivosas marchas pela paz da esquerda podem construir uma sociedade melhor se os homens não tiverem uma visão clara, não-contraditória, e realista do que é uma sociedade melhor. Se não sabemos para onde estamos indo, não chegaremos lá.

O objetivo deste livro é mostrar para onde estamos (ou deveríamos estar) indo.

 

________________

Notas

[1] Os termos “força iniciada” e “coerção” são usados ​​para incluir não apenas o início efetivo da força, mas também a ameaça de tal força e qualquer substituto para a força. Isso ocorre porque um homem pode ser coagido a agir contra sua vontade por ameaças ou privado de um valor por substitutos da força, como fraude ou roubo furtivo, tão certamente quanto pode pelo uso real de força física. A ameaça da força é a intimidação, que é, em si, uma forma de força.

Artigo anteriorPrefácio à edição brasileira
Próximo artigo2. Homem e sociedade
são dois ativistas e pensadores libertários que, no início dos anos 1970, fizeram avanços surpreendentemente profundos na teoria da sociedade sem estado. Seu manifesto de livre mercado, O Mercado da Liberdade, foi escrito logo após um período de intenso estudo dos escritos de Ayn Rand e Murray Rothbard; tem o ritmo, a energia e o rigor que você esperaria de uma discussão de uma noite com qualquer um desses dois gigantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.