24. O problema da democracia: Maslow encontra Hoppe

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Doug French

[Doug French ([email protected]) recebeu seu diploma de mestre em economia da Universidade de Nevada Las Vegas sob Murray Rothbard, com o professor Hoppe servindo em sua banca de tese. Ele, junto com Deanna Forbush, foi um patrocinador da publicação da segunda edição de A Economia e Ética da Propriedade Privada de Hoppe. French é o presidente do Ludwig von Mises Institute em Auburn, Alabama.]

 

H.L. Mencken descreveu os políticos como “homens que, em algum momento ou outro, comprometeram sua honra, seja engolindo suas convicções ou gritando por aquilo que acreditam ser falso”.[1] “Ainda lhe resta a vaidade”, escreveu Mencken, “mas não o orgulho”.[2]

O Sábio de Baltimore estava correto, que ser eleito e permanecer eleito na política americana para qualquer cargo de tempo integral requer a suspensão de qualquer ética ou bom senso que uma pessoa possa possuir. Mesmo aqueles que começam carreiras políticas com as melhores intenções e têm habilidades mensuráveis ​​que os tornariam bem-sucedidos em qualquer campo logo percebem que as habilidades necessárias para ter sucesso na política não são aquelas exigidas fora da política.

Lew Rockwell explica que, enquanto a competição no mercado melhora a qualidade, a competição na política faz exatamente o oposto:

    As únicas melhorias ocorrem no processo de fazer coisas ruins: mentir, trapacear, manipular, roubar e matar. O preço dos serviços políticos aumenta constantemente, seja em dólares de impostos pagos ou em propinas devidas para proteção (também conhecidas como contribuições de campanha). Não há obsolescência, planejada ou não. E, como Hayek celebremente argumentou, na política, os piores chegam ao poder. E não há atribuição de culpa ou responsabilidade: quanto mais alto o cargo, mais transgressões criminosas uma pessoa pode cometer sem sofrer consequências.[3]

Assim, torna-se “uma impossibilidade psíquica para um cavalheiro ocupar cargos sob a União Federal”, escreveu Mencken.[4] A democracia torna possível para o demagogo inflamar a imaginação infantil das massas, “em virtude de seu talento para desvarios”.[5] O rei pode fazer a mesma coisa em uma monarquia, mas apenas em virtude de seu nascimento.

Em total contraste, na ordem natural, como Hans-Hermann Hoppe explica em sua obra monumental, Democracia: o deus que falhou, é “a propriedade privada, a produção e a troca voluntária que são as fontes supremas da civilização humana”.[6] Esta ordem natural, observa Hoppe, deve ser mantida por uma elite natural, que chegariam a tais posições de “autoridade natural” não por eleição como no caso da democracia, ou nascimento como no caso da monarquia, mas por suas “conquistas superiores, de riqueza, sabedoria, bravura ou uma combinação delas.”[7] Isso é exatamente o oposto do que Mencken e Rockwell descrevem como uma característica da democracia.

Em vez disso, a democracia oferece a oportunidade para qualquer pessoa seguir carreira na política. Não há necessidade de que as massas reconheçam uma pessoa como “sábia” ou “bem-sucedida”, como exigiria a ordem natural de Hoppe. Nem é preciso nascer na família governante, como no caso da monarquia. Como disse certa vez o grande comediante americano Bob Hope, que na verdade nasceu na Inglaterra: “Saí da Inglaterra aos quatro anos de idade quando descobri que não poderia ser rei”. Talvez porque saiba que nunca poderá ter o emprego do príncipe Charles, Sir Richard Branson – consagrado cavaleiro por seus “serviços pelo empreendedorismo” – mantém-se nos negócios e supostamente é dono de 360 ​​empresas.

Mas, como explica Hoppe, as democracias se expandiram e, desde a Primeira Guerra Mundial, são vistas como a única forma legítima de governo. Por sua vez, mais pessoas que tiveram sucesso em outras atividades estão concorrendo a cargos políticos ou se tornando politicamente ativas. Por exemplo, cada vez mais bilionários ricos estão entrando na arena política. Enquanto os ricos magnatas de uma geração anterior eram discretos e tendiam a cobiçar o isolamento, os atuais capitães da indústria, como Ross Perot, Michael Bloomberg e Jon Corzine estão concorrendo a cargos públicos.

E embora Warren Buffett, Bill Gates e George Soros não tenham buscado obter cargos públicos pessoalmente, eles gastam milhões de dólares em contribuições políticas e são visíveis na tentativa de influenciar o debate público sobre questões políticas, quando seu tempo obviamente seria gasto de forma mais produtiva (tanto para eles quanto para todos os outros) em outros empreendimentos que criassem riqueza. Além disso, um quarto de todos os membros da Câmara e um terço de todos os membros do Senado são milionários.[8]

Pode haver políticos que buscam cargos eletivos pelo dinheiro, mas muitos eleitos já são ricos para os padrões da maioria das pessoas. O que faz com que os ricos e bem-sucedidos desejem ocupar um cargo? É, como Charles Derber descreve em The Pursuit of Attention: Power and Ego in Everyday Life, que os políticos desde “César e Napoleão têm sido movidos por egos presunçosos e uma fome insaciável de adulação pública”?[9]

O trabalho do psicólogo Abraham Maslow pode fornecer uma compreensão de por que até mesmo empreendedores de sucesso buscariam obter cargos públicos. Maslow é famoso por sua teoria da “hierarquia de necessidades“, que é ensinada na maioria das aulas de administração nas universidades americanas. A teoria é geralmente apresentada visualmente como uma pirâmide, com a necessidade humana mais baixa ou mais básica – necessidade fisiológica – mostrada como uma camada ao longo da base da pirâmide.

A visão de Maslow era que as necessidades humanas básicas – sede, fome, respiração – deveriam ser satisfeitas antes que os humanos pudessem realizar ou se preocupar com qualquer outra coisa. A próxima tranche dentro da pirâmide, mostrada acima da necessidade fisiológica, é a necessidade de segurança. Depois de saciar a sede e a fome, os humanos estão preocupados com sua sobrevivência. Se um homem está constantemente preocupado em ser comido por um tigre, ele não se preocupa com muitas outras coisas.

A próxima camada apresentada na pirâmide de Maslow é a necessidade de pertencer, que está logo acima da necessidade de segurança. Após a satisfação das duas necessidades inferiores – fisiológicas e de segurança – a pessoa busca amor, amizades, companheirismo e comunidade. Uma vez satisfeita essa necessidade, segundo Maslow, os humanos buscam estima. Essas quatro primeiras necessidades foram consideradas necessidades deficitárias. Se uma pessoa está desprovida, existe uma motivação para preencher essa necessidade. Uma vez que a necessidade específica é atendida, a motivação diminui. Isso torna essas necessidades diferentes da necessidade do topo da pirâmide de Maslow, a necessidade de realização pessoal ou autorrealização. A necessidade de realização pessoal nunca é satisfeita, e Maslow se referiu a isso como uma necessidade de ser – ser tudo o que você pode ser.

Assim, os humanos se esforçam continuamente para satisfazer suas necessidades e, à medida que as necessidades mais básicas são satisfeitas, os humanos sobem na pirâmide, por assim dizer, para satisfazer as necessidades de nível superior. Claro, humanos diferentes alcançam níveis diferentes, e de acordo com a visão de Maslow apenas 2% dos humanos se tornam autorrealizados.

Maslow estudou algumas pessoas famosas junto com uma dúzia de pessoas não tão famosas e desenvolveu alguns traços de personalidade que eram consistentes com as pessoas que ele considerava autorrealizadoras. Além de serem criativos e inventivos, os autorrealizadores têm uma ética forte, um senso de humor autodepreciativo, humildade e respeito pelos outros, resistência à inculturação, gozo da autonomia e solidão em vez de relacionamentos superficiais com muitas pessoas. Elas acreditam que os fins não justificam necessariamente os meios e que os meios podem ser fins em si mesmos.

Percebe-se prontamente que os autorrealizadores de Maslow nada têm em comum com os políticos em uma democracia, mas se encaixam perfeitamente no perfil que Hoppe descreve da elite natural que lideraria uma ordem natural.

Mas um degrau abaixo do topo da pirâmide da hierarquia de necessidades está a necessidade de estima. Maslow descreveu dois tipos de necessidades de estima, de acordo com o especialista em Maslow, Dr. C. George Boeree: uma necessidade de baixa estima e outra superior. E enquanto a forma superior de estima exige atributos saudáveis, como liberdade, independência, confiança e realização, a forma inferior “é a necessidade de ser respeitado pelos outros, a necessidade de status, fama, glória, reconhecimento, atenção, reputação, apreciação, dignidade, até mesmo dominância.”

“A versão negativa dessas necessidades são os complexos de baixa autoestima e inferioridade”, escreve o Dr. Boeree. “Maslow sentiu que [Alfred] Adler estava realmente no caminho certo quando propôs que essas eram as raízes de muitos, senão da maioria, de nossos problemas psicológicos.”[10]

Agora vemos as qualidades exibidas por praticamente todos os políticos na democracia: a necessidade constante de status e reconhecimento. Os fins – compensando um complexo de inferioridade – justificam quaisquer meios maquiavélicos.

Como a democracia permite que todos possam ser eleitos, seja por meio de conexões, personalidade ou riqueza pessoal, ela é um sistema social em que as posições de liderança se tornam um viveiro de sociopatas. O homem de autorrealização de Maslow não terá interesse em política. Mas aqueles que estão presos à necessidade de estima são atraídos pela política como moscas ao esterco.

Com a liderança em mãos tão disfuncionais, não é de se admirar. “Em comparação com o século XIX, a capacidade cognitiva das elites políticas e intelectuais e a qualidade da educação pública diminuíram”, escreve Hoppe em Democracia.[11] “E as taxas de crime, desemprego estrutural, dependência do assistencialismo, parasitismo, negligência, imprudência, incivilidade, psicopatia e hedonismo aumentaram.”[12]

Assim, embora o eleitorado reconheça que estão elegendo, na melhor das hipóteses, incompetentes e, na pior, vigaristas, o mantra constante e ingênuo pró-democracia é que “só precisamos eleger as pessoas certas”.

Mas as “pessoas certas” não estão (e não estarão) concorrendo a cargos públicos. Em vez disso, continuaremos a ter “o legislador americano médio [que] não é apenas um asno”, como escreveu Mencken, “mas também um sujeito oblíquo, sinistro, depravado e patife”.[13]

 

___________________________________

Notas

[1] H.L. Mencken, Notes on Democracy (Nova York: Alfred A. Knopf, 1926), pp. 114–15.

[2] Ibidem, p. 115

[3] Llewellyn H. Rockwell, Jr., “Two Kinds of Competition,” LewRockwell.com (12 de agosto de 2004).

[4] Mencken, Notes on Democracy, p. 115

[5] H.L. Mencken, The Gist of Mencken: Quotations from America’s Critic, Mayo DuBasky, ed. (Metuchen, N.J.: Scarecrow Press, 1990), p. 352; originalmente de H.L. Mencken, “Off Again, On Again”, Smart Set (março de 1922), p. 50.

[6] Hans-Hermann Hoppe, Democracy: The God that Failed: The Economics and Politics of Monarchy, Democracy, and Natural Order (New Brunswick, N.J.: Transaction Publishers, 2001), p. 71.

[7] Ibid.

[8] Consulte “Net Worth, 2007,” OpenSecrets.org (acessado em 15 de dezembro de 2008); também “Millionaires Fill US Congress Halls“, Agence France Presse (30 de junho de 2004); Sean Loughlin e Robert Yoon, “Millionaires Populate U.S. Senate“, CNN.com (13 de junho de 2003).

[9] Charles Derber, The Pursuit of Attention: Power and Ego in Everyday Life, 2ª ed. (Nova York: Oxford University Press, 2000), p. xxii.

[10] C. George Boeree, “Abraham Maslow” (acessado em 15 de dezembro de 2008).

[11] Hoppe, Democracy, p. 42

[12] Ibidem, p. 43

[13] The Gist of Mencken, p. 423; originalmente de H.L. Mencken, “The Free Lance”, Baltimore Evening Sun (10 de janeiro de 1913).