3. O mercado autorregulado

0

Os burocratas do governo, e seus aliados entre os formadores de opinião atuais, adotaram a prática de espalhar informações enganosas sobre a natureza do livre mercado. Eles acusaram o mercado de instabilidade e injustiça econômica e o acusaram falsamente de ser a origem de uma miríade de males, da pobreza ao “consumo excessivo”. Suas motivações são óbvias. Se as pessoas acreditarem que o sistema laissez-faire de um mercado livre e não regulamentado é inerentemente falho, então os burocratas e seus companheiros nas salas de aula e nas redações serão chamados para remediar a situação. Desta forma, poder e influência fluirão para os burocratas … e o poder é a prosperidade dos burocratas.

O sistema de livre mercado, que os burocratas e políticos culpam energicamente por quase tudo, nada mais é do que indivíduos negociando uns com os outros em um mercado livre de interferência política. Por causa dos tremendos benefícios do comércio sob a divisão do trabalho, sempre haverá mercados. Um mercado é uma rede de trocas econômicas voluntárias; inclui todas as trocas voluntárias que não envolvam o uso de coerção contra ninguém. (Se A contrata B para assassinar C, este não é um fenômeno de mercado, pois envolve o uso de força iniciada contra C. Como a força destrói valores e interrompe o comércio, o mercado só pode existir em um ambiente de paz e liberdade; na medida em que a força existe, o mercado é destruído. A força iniciada, sendo prejudicial ao mercado, não pode fazer parte do mercado.)

O comércio é um meio indispensável para aumentar o bem-estar humano. Se não houvesse comércio, cada pessoa teria que se virar com apenas o que ela pudesse produzir por si mesma, com as matérias-primas que pudesse descobrir e processar. Obviamente, sem comércio, a maior parte da população mundial morreria de fome e o resto seria reduzido a um padrão de vida de incrível pobreza. O comércio torna possível uma existência humana.

Quando duas pessoas fazem uma negociação, cada uma espera ganhar com isso (se não fosse assim, o negócio não seria fechado). E, se cada negociante estimou corretamente o quanto ele valoriza as coisas que estão sendo negociadas, cada um efetivamente tem um ganho. Isso é possível porque cada pessoa tem uma ponto de referência diferente e, portanto, uma escala de valores diferente. Por exemplo, quando você gasta 30 centavos em um saco de feijão, você faz isso porque o saco de feijão é mais valioso para você do que os 30 centavos (se não fosse, você não faria a compra). Mas, para o dono da mercearia, que tem 60 caixas de feijão, os 30 centavos valem mais do que um saco de feijão. Assim, tanto você quanto o dono da mercearia, agindo a partir de seus diferentes pontos de referência, ganham com o negócio. Em qualquer negociação na qual as partes tenham estimado corretamente seus valores e na qual elas sejam livres para negociar com base nesses valores sem qualquer interferência externa, tanto comprador como vendedor saem ganhando.

Claro, se alguma influência externa – como um gângster ou um político – proíbe as partes de fazer negócios, ou as força a negociar de uma maneira que seja inaceitável para um ou ambos, o comprador ou o vendedor (ou ambos) perderão. Isso acontece sempre que as leis controlam os preços, a qualidade das mercadorias, a hora e o local da compra (leis sobre bebidas), o trânsito de mercadorias cruzando fronteiras (comércio interestadual, tarifas, restrições ao comércio internacional) ou qualquer outro aspecto do comércio. Somente um negócio voluntário pode ser um negócio completamente satisfatório.

O dinheiro é usado porque torna a negociação mais fácil, e aumenta o número e a variedade de negociações possíveis. Se você quisesse se livrar de uma motocicleta e receber em troca um suprimento de seis meses de mantimentos, três pares de calças, vários discos e uma noite na cidade com sua namorada, seria muito difícil fazer negócio sem o uso de dinheiro como meio de troca. Usando dinheiro, você pode vender aquela motocicleta para quem quiser comprá-la e usar o dinheiro para comprar o que quiser. Como o uso do dinheiro elimina a necessidade de o comprador ter o sortimento exato de bens que o vendedor deseja, podem ser feitos muitos mais (e melhores) negócios, aumentando assim a satisfação de todos.

O dinheiro também atua como meio de calcular o valor relativo de vários bens e serviços. Sem dinheiro, seria impossível saber quantos fonógrafos vale um carro, ou quantos pães deveriam ser trocados pelo serviço de ter um dente extraído. Sem um meio de troca padrão com o qual calcular, o mercado não poderia existir.

Na medida em que as relações comerciais voluntárias não sofrem interferência (proibidas, regulamentadas, tributadas, subsidiadas, etc.), o mercado é livre. Como os governos sempre tiveram a prática de interferir nos mercados, e de fato dependem dessas interferências na forma de impostos, taxas de licenciamento etc. para sua existência, nunca houve um mercado bem desenvolvido que fosse totalmente livre.

Os Estados Unidos da América, embora teoricamente um país livre, sofrem de uma quantidade quase inacreditável de regulação do mercado.[1] Embora muitas vezes chamado de país capitalista, os EUA na verdade têm uma economia mista – uma mistura de alguma “liberdade” permitida pelo governo, um pouco de socialismo, e muito fascismo. O socialismo é um sistema em que o governo possui e controla os meios de produção (supostamente para “o bem do povo”, mas, na prática, para o bem dos políticos). O fascismo é um sistema em que o governo deixa a propriedade nominal dos meios de produção nas mãos de particulares, mas exerce o controle por meio da legislação regulatória, e apropria a maior parte do lucro por meio de pesados ​​impostos. Na prática, o fascismo é simplesmente uma forma mais sutil de propriedade estatal do que o socialismo. Sob o fascismo, os produtores podem manter um título nominal de suas propriedades e arcar com todos os riscos envolvidos no empreendedorismo, enquanto o governo tem a maior parte do controle real e obtém uma grande parte dos lucros (sem assumir nenhum dos riscos). Os EUA estão se afastando cada vez mais de uma economia de livre mercado e indo em direção ao totalitarismo fascista.

É comumente acreditado e ensinado, principalmente por aqueles que defendem o atual “Sistema”, que o mercado deve ter controles externos e restrições impostas pelo governo para proteger indivíduos indefesos da exploração. Também se afirma que é necessário um “ajuste fino” governamental para evitar instabilidades do mercado, como bolhas e recessões. Grande parte da ação governamental é baseada na teoria de que o mercado iria rapidamente dar errado sem regulamentação, causando sofrimento financeiro e destruição econômica.

Quando políticos e os chamados “economistas” falam em “regular o mercado”, o que eles estão propondo na verdade é uma legislação que regule as pessoasimpedindo-as de fazer negócios que de outra forma fariam, ou forçando-as a fazer negócios que não fariam. O mercado é uma rede de relações comerciais, e uma relação só pode ser regulada pela regulação das pessoas nela envolvidas.

Um exemplo de regulação governamental do mercado é o “controle de preços”. Um preço é a quantidade de dinheiro (ou outro valor) que os vendedores concordam em receber e os compradores concordam em dar por um bem ou serviço. Um preço não é uma entidade consciente e não dá a mínima para o nível no qual é definido, ou a quais controles está sujeito. Mas os compradores e vendedores se preocupam. São eles que devem ser controlados para que o preço seja mantido em um nível artificial. O controle de preços, como todos os outros controles e regulamentos políticos impostos ao mercado pela força legislativa, é … controle de pessoas!

Claro, tal regulamentação de pessoas só pode ser imposta pela iniciação da ameaça e uso de força física. Se as pessoas estivessem dispostas a negociar da maneira prescrita pelos planejadores do governo, já o estariam fazendo, e os “serviços” de regulação do mercado dos planejadores seriam desnecessários. O governo só pode regular ou “ajustar” a economia forçando compradores e vendedores relutantes a agirem de forma diferente do que fariam, se fossem deixados em liberdade.

Esta iniciação de força contra compradores e vendedores pacíficos inevitavelmente os faz agir contra seus interesses próprios, ou pelo menos o que eles acreditam ser seus interesses. Quando eles agem contra seus interesses, eles inevitavelmente sofrem uma perda de valor. É um mito popular que os burocratas do governo sabem muito melhor do que o resto de nós “como as coisas devem ser administradas”, e que é bom para o público como um todo se algumas pessoas forem forçadas a agir contra seus interesses egoístas. Mas esse mito do “planejador governamental sábio” ignora dois fatos importantes. Em primeiro lugar, você está em uma posição muito melhor para saber como administrar sua vida, incluindo seus negócios e vida profissional, do que algum burocrata distante e politicamente selecionado. E essa verdade é igualmente aplicável a todas as outras pessoas que operam de forma honesta e pacífica no mercado, especialmente aquelas cujas transações de mercado são extremamente complexas e importantes. Você pode cometer erros em suas negociações de mercado, mas o burocrata está longe de informações diretas e imediatas sobre sua situação, e não tem um forte interesse pessoal em seus negócios, o que garante absolutamente que ele cometerá erros maiores e mais numerosos, mesmo que esteja tentando honestamente ajudar. Além disso, quando um burocrata comete um engano na regulação de seus assuntos, ele não sofre nenhuma consequência, na forma de perdas econômicas, para alertá-lo desse erro. Você sofre todas as consequências, mas não está em uma posição de controle, então não pode agir para corrigir o erro.

O segundo fato importante ignorado pelo mito do “planejador governamental sábio” é que os indivíduos que estão sendo forçados pela regulamentação do governo a agir contra seus interesses são uma parte do próprio público que supostamente se beneficia desses controles governamentais. Portanto, uma perda de valor para aqueles que são controlados também é uma perda de valor para “o público”. E, porque um mercado consiste em uma rede de relacionamentos altamente interconectados, uma perda para qualquer pessoa que negocie no mercado tende a se difundir para aqueles que fazem negócios com ela, e deles para seus contatos comerciais, etc.

Por exemplo, suponha que o governo aprovasse uma lei exigindo que todas as máquinas de lavar em lavanderias tenham um ciclo de lavagem de pelo menos 45 minutos, para proteger os clientes de roupas insuficientemente lavadas. Os proprietários de lavanderias, não podendo atender tantos clientes por máquina de lavar como antes, ganhariam menos dinheiro. Isso os impediria de comprar mais lavadoras e secadoras mais novas, o que prejudicaria os fabricantes desses produtos, que não poderiam comprar tanto aço e porcelana, etc., etc. Do outro lado da equação, os clientes de lavanderias também seriam prejudicados por uma escassez de disponibilidade de máquinas de lavar, devido ao regulamento original de 45 minutos, mais a incapacidade dos proprietários de lavanderias de comprar novas máquinas e substituir as gastas. (Neste ponto, algum burocrata do governo certamente pedirá uma ação federal para lidar com a crise na indústria de lavanderias causada pelos “excessos de um mercado não regulamentado!”)

Desta forma, as pessoas que naturalmente já estavam fazendo negócios da maneira mais lucrativa, tanto para o vendedor quanto para o comprador (lembre-se, estamos falando de um mercado livre e competitivo), são forçadas pela regulamentação governamental do mercado a agir de forma diferente, o que lhes causa perdas. Os defensores da regulamentação governamental geralmente aceitam a ideia de impor algumas perdas àqueles que são regulamentados, mas não levam em conta o fato de que essas perdas inevitavelmente serão difundidas pela economia como ondas que se espalham em círculos cada vez maiores sobre um lago. Eles também não reconhecem que uma sociedade com regulamentação governamental é perigosa para todos os indivíduos, porque qualquer um pode ser a próxima vítima, direta ou indiretamente, dos controles governamentais.

Mas, embora a regulamentação governamental do mercado necessite da iniciação da força e cause perdas generalizadas, muitas pessoas ainda sentem que é necessário forçar algum tipo de ordem no aparente caos do mercado. Essa crença decorre de uma compreensão totalmente distorcida sobre a forma como o mercado funciona. O mercado não é uma confusão de eventos distorcidos e não relacionados. Em vez disso, é um mecanismo altamente complexo, mas ordenado e eficiente, que fornece um meio para cada pessoa obter o máximo valor possível, e satisfação proporcional às suas habilidades e recursos. Um breve exame do funcionamento do mercado ilustrará esse ponto. (Uma prova completa disso exigiria várias centenas de páginas de análise econômica.)[2]

O preço de qualquer bem no mercado (incluindo coisas como honorários médicos e as taxas de juros sobre dinheiro emprestado) é determinado pela oferta disponível do bem em relação à demanda por ele.[3] Dentro dos limites dos recursos disponíveis, a oferta é controlada pela demanda, uma vez que os produtores produzirão maior quantidade de um bem para aumentar seus lucros quando os clientes exigirem mais e, portanto, estiverem dispostos a gastar mais com aquele bem. Portanto, é a demanda dos consumidores que realmente dá as ordens em um livre mercado.

A demanda dos consumidores é o resultado agregado dos julgamentos de valor econômico de todos os consumidores individuais. Assim, são os valores dos indivíduos, expressos por meio de sua demanda por diversos produtos, que fazem com que o mercado seja o que é em qualquer dado momento.

O preço de qualquer bem no mercado tende a se estabilizar no ponto em que a oferta desse bem (naquele preço) é igual à demanda por ele (naquele preço). Se o preço for definido abaixo desse ponto de equilíbrio, os compradores interessados farão um lance maior; se for definido acima, os vendedores farão um lance abaixo até que se atinja o equilíbrio. Ao preço de equilíbrio, todos aqueles que desejam comprar ou vender a esse preço poderão fazê-lo sem criar excedentes ou escassez. Se, entretanto, o preço for reduzido artificialmente por um controle de preços do governo, mais compradores serão atraídos, enquanto os vendedores não estarão dispostos a vender, criando uma situação de escassez, com seus problemas de racionamento, filas e mercados negros. Por outro lado, se o governo definir o preço acima do preço de equilíbrio, haverá um excedente do bem, trazendo ruína financeira para aqueles que não conseguem vender seu estoque. Um exemplo especifico disso ocorre no mercado de trabalho sempre que o governo (ou sindicatos privilegiados pelo governo) força um salário mínimo superior ao salário de equilíbrio, levando a um excedente de mão-de-obra e causando problemas de desemprego e aumento da pobreza (e isso é apenas uma das maneiras pelas quais o governo causa desemprego e pobreza).

Assim, o mercado possui um mecanismo de autorregulação embutido que ajusta continuamente o preço dos produtos (e, da mesma semelhante, sua quantidade e qualidade) à oferta de recursos disponíveis e à quantidade de demanda dos consumidores. Ele funciona como um sistema complexo de sinais, visível para todos e confiável, se não houver interferência. Os sinais são dados por escolhas de valor dos consumidores. Eles são transmitidos aos vendedores (empresários e empreendedores) por meio de lucros e prejuízos. O lucro indica ao empresário que o consumidor está satisfeito com seu produto e que ele deve continuar ou mesmo aumentar o nível de produção. Um prejuízo mostra a ele que não há consumidores suficientes dispostos a comprar seu produto ao preço que ele está pedindo, então ele deve baixar o preço ou redirecionar seu dinheiro e esforço para alguma outra linha de produção.

Esse sistema de sinais mantém o mercado em constante movimento em direção ao equilíbrio, mesmo à medida que novos dados entram e alteram o equilíbrio anterior. Por exemplo, suponha que a Eastern Electric comece a fabricar um tubo de TV recém-inventado que mostra a imagem em três dimensões. À medida que os consumidores ouvem falar da nova TV 3D (por meio de reportagens e publicidade), a demanda por ela dispara. O número de TVs 3D que a Eastern Electric pode produzir é limitado, então a grande demanda e a pequena oferta resultam em um preço extremamente alto e altas margens de lucro para a Eastern Electric. Mas esse mesmo alto lucro, que à primeira vista pode parecer um exemplo de desequilíbrio e injustiça do mercado, é o sinal que move o mercado em direção ao equilíbrio. Os altos lucros da Eastern Electric estimulam outras empresas a fazer pesquisas em TV 3D para que possam entrar em campo com novos e melhores modelos e participar dos lucros. Em breve, meia dúzia de empresas estão vendendo TVs 3D concorrentes, e o aumento da oferta satisfaz a demanda. Isso faz com que o preço caia até que os altos lucros desapareçam e os ganhos na indústria de TV 3D sejam quase os mesmos, em porcentagem, que são em todas as outras indústrias. Nesse ponto, novas empresas param de entrar no mercado, pois não há mais nada para atraí-las. O mercado se nivela como um todo e, até que surjam novos dados, permanece estável. Assim, quando o mercado está desobstruído, qualquer novo dado envia imediatamente sinais de lucro ou prejuízo que acionam fatores que mantêm o equilíbrio do mercado. O mercado é um mecanismo que se autorregula. (Deve-se notar que o alto lucro inicial obtido com um novo produto também é um processo justo no qual o inovador é recompensado por seu investimento de tempo, dinheiro e trabalho mental.)

O interesse próprio individual é a base de todo o sistema de mercado, e é por isso que funciona tão bem. O consumidor age em seu próprio interesse quando compra os produtos pelos preços mais baixos e com a melhor qualidade que pode encontrar. O produtor age em seu próprio interesse, tentando obter o maior lucro possível. Tanto o consumidor quanto o produtor tentam se beneficiar com suas transações de mercado; se qualquer um dos lados esperasse não ter ganhos, não haveria negócio. Essa dupla utilização do lucro como motivação resulta na máxima satisfação do consumidor e recompensa a eficiência empresarial.

O governo afeta a economia de três maneiras principais – 1) por meio de impostos e gastos, 2) por meio de regulamentação e 3) por meio do controle do dinheiro e da atividade bancária. Tributação é hemofilia econômica. Retira da economia o capital que, de outra forma, poderia ser usado para aumentar tanto a satisfação do consumidor como o nível de produção e, assim, elevar o padrão de vida. A tributação desse dinheiro impede que o padrão de vida suba a níveis que normalmente alcançaria, ou até o faz cair. Visto que as pessoas produtivas são as únicas que ganham dinheiro, elas são as únicas de quem o governo pode obtê-lo. A tributação deve necessariamente penalizar a produtividade.

Algumas pessoas sentem que a tributação na verdade não é tão ruim, porque o dinheiro retirado do “setor privado” é gasto pelo “setor público”, então tudo acaba na mesma. Mas embora o governo gaste o dinheiro dos impostos, ele nunca gasta essa riqueza saqueada legalmente da mesma forma que teria sido gasta por seus legítimos proprietários, as vítimas pagadoras de impostos. Dinheiro que teria sido gasto no aumento da satisfação do consumidor ou investido na produção, criando mais empregos e mais produtos para os consumidores, pode ser usado para subsidiar beneficiários de programas de bem-estar social do governo, controlando suas vidas e, assim, desencorajando-os de se libertarem da única maneira possível — por meio de trabalho produtivo. Ou pode ser usado para construir uma barragem de tão pouco valor para os consumidores e investidores que nunca teria sido construída sem a força da intervenção governamental. Os gastos do governo substituem os gastos que as pessoas, se fossem livres, teriam realizado para maximizar sua felicidade. Dessa forma, os gastos do governo distorcem o mercado e prejudicam a economia tanto ou mais do que os impostos.

Se a tributação sangra a economia e os gastos do governo a distorcem, a regulamentação governamental equivale a um lento estrangulamento. Se um regulamento exige que os empresários façam o que os desejos do consumidor os levariam a fazer de qualquer maneira, ele é desnecessário. Se força os empresários a agirem contra os desejos do consumidor (o que quase sempre acontece), prejudica o empresário, frustra o consumidor e enfraquece a economia – e o consumidor confuso geralmente pode ser propagandeado para culpar o empresário. Ao obrigar os empresários a agirem contra os desejos do consumidor, a regulamentação governamental aumenta o custo dos produtos regulamentados (o que, em nossa atual economia, significa praticamente tudo) e, dessa forma, reduz os padrões de vida de todos e aumenta a pobreza.

A regulamentação governamental prejudica os pobres não apenas indiretamente, ao aumentar os preços, mas também diretamente, ao negar-lhes oportunidades de subirem na vida e se livrarem da pobreza. Suponha que um homem negro que não conseguiu um emprego decente decidisse sustentar sua família fazendo sanduíches e vendendo-os aos homens em canteiros de obra locais. Em primeiro lugar, ele teria de solicitar, em linguagem e procedimentos jurídicos adequados, licenças e permissões de todos os ramos e departamentos do governo que as exigissem. Ele provavelmente precisaria de licenças da cidade e do estado, permitindo-lhe fazer vendas. Em seguida, ele teria de ser regularmente inspecionado e certificado de acordo com as regulamentações sanitárias. Se conseguisse cumprir tudo isso sem quebrar ou desalentar, ainda enfrentaria o problema de manter registros minuciosos para permitir que os coletores de impostos municipais, estaduais e federais participassem de seus ganhos e se certificassem que ele pagou sua “parte justa”. Isso exigiria um amplo conhecimento de contabilidade, que ele provavelmente não teria. Suponha que ele decidisse contratar seu cunhado, que sabe um pouco de contabilidade, para manter seus registros. A partir daí, ele teria que cumprir todas as leis que atormentam outros empregadores, incluindo deduções de imposto de renda e previdência social dos ganhos de seus funcionários, imposto sobre vendas, leis de salário mínimo e padrões de condições de trabalho. Com barreiras tão enormes para o sucesso, não é de admirar que os pobres fiquem cada vez mais pobres!

A regulamentação governamental não apenas impede que indivíduos empreendedores abram negócios por conta própria, como também ajuda a congelar muitos funcionários desnecessariamente em uma rotina tediosa de 8 horas por dia. Há um grande e crescente número de trabalhos em nosso mundo automatizado que requerem, não que um determinado período de horas seja cumprido em um escritório, mas que uma certa quantidade de trabalho seja realizada, independentemente de quanto tempo leve ou onde seja feito. Contanto que um funcionário neste tipo de trabalho termine seu trabalho, não deve importar para a empresa se ele o faz em uma hora por dia e trabalha apenas em sua própria cozinha entre 2 e 3 da manhã. No entanto, os empregadores, capturados pelo fascismo da regulamentação e burocracia governamentais, tornam-se cada vez mais inflexíveis e insistem que os funcionários trabalhem 8 horas por dia, mesmo que cinco dessas horas sejam passadas sentados em uma mesa sem fazer nada além de tentar parecer ocupados. Sem regulamentação governamental, as empresas estariam mais livres para inovar e teriam que competir mais intensamente por mão de obra, devido ao boom econômico criado pela liberdade. Isso significaria condições de trabalho muito menos rígidas para os funcionários.

A liberdade econômica é importante para grandes empresas, mas é igualmente importante para o homem comum, para o homem pobre, para o estudante universitário. No longo prazo, as regulamentações intrometidas, geralmente destinadas a ajudar grupos de interesses, prejudicam a todos.

Some-se a isso o desastre do controle monetário governamental, com sua inflação inevitável, depressões, problemas de balanço de pagamentos, saques de ouro, moedas fracas e eventuais colapsos monetários, e começamos a perceber quanto dano a interferência governamental causa ao mecanismo maravilhosamente eficiente e produtivo do mercado, e quão mais alto seria o padrão de vida se o mercado fosse livre. Em vista da pobreza criada pelas interferências do governo na economia, os programas governamentais anti-pobreza seriam ridículos, se não fossem tão trágicos.

Qualquer interferência governamental no mercado, por mais bem-intencionada que seja, distorce o mercado e desorienta os sinais vitais, o que distorce ainda mais o mercado e o impede de se mover em direção à estabilidade. O “ajuste fino” da economia por parte de burocratas do governo assemelha-se às atividades de um bando de lunáticos, armados com pés de cabra, “ajustando” o funcionamento de uma fábrica de eletrônicos automatizada.

O mercado não regulamentado foi frequentemente acusado de criar desemprego, e a pobreza das massas na Inglaterra durante a Revolução Industrial é citada como exemplo. Mas os críticos do mercado deixam de apontar que os pobres estavam em uma condição ainda pior antes da Revolução Industrial, quando a taxa de mortalidade infantil era de quase 75% e fomes periódicas assolavam a terra, matando o “excesso de população”.[4]

À medida que um mercado livre amadurece em direção à plena industrialização, a produtividade dos trabalhadores aumenta (devido ao aumento do investimento em bens de capital – isto é, nas ferramentas de produção) de modo que a renda dos trabalhadores aumenta. Isso ocorre porque a única fonte de prosperidade é a produção de valor. A produção depende de ferramentas – quanto mais e melhores ferramentas o trabalhador tiver à disposição, maior será sua capacidade produtiva. As indústrias melhoram continuamente as ferramentas (máquinas) que seus trabalhadores usam, em um esforço para aumentar a produção e os lucros. Os salários dos trabalhadores então aumentam à medida que as indústrias disputam entre si por sua mão-de-obra. Em um livre mercado, os salários aumentariam porque o aumento do investimento em ferramentas aumenta a produtividade dos trabalhadores. Sindicatos poderosos e greves custosas seriam desnecessários, uma vez que os salários sempre subiriam ao nível do mercado (que é o nível mais alto que o empregador é capaz de pagar).

Junto com o aumento dos salários em um mercado livre de estrangulamento governamental, o desemprego cai até que haja emprego para todos que desejam trabalhar. A mão-de-obra é e sempre foi menos abundante do que a demanda das pessoas por bens, e os recursos naturais necessários para atender a essas demandas. Isso se manterá verdadeiro a menos e até que alcancemos um ponto de superpopulação em que a oferta de trabalho exceda a oferta de matérias-primas, ponto em que haverá fome em massa. Isso significa que (exceção feita à superpopulação maciça) sempre haverá empregos suficientes em um livre mercado bem desenvolvido.[5]

O desemprego em uma sociedade industrial totalmente desenvolvida é sinal de uma economia doentia, enfraquecida pelo parasitismo do governo. A principal causa do desemprego são as interferências do governo na economia, sendo as taxas de salário mínimo um exemplo particular. Todas as atividades do governo retiram dinheiro do mercado, deixando menos para contratar trabalhadores e pagar-lhes bons salários. Tendo prejudicado o trabalho ao prejudicar o mercado, o governo se apresenta como amigo do trabalho e “ajuda” impondo requisitos de salário mínimo (seja diretamente, via legislação, ou indiretamente, dando tratamento fortemente preferencial aos sindicatos). Uma vez que as empresas têm uma quantidade limitada de capital que pode ser alocado para pagamento de salários, quando as taxas de salários são artificialmente definidas acima do nível do mercado, o equilíbrio deve ser mantido dispensando os trabalhadores menos produtivos. Isso cria uma classe de pobres desempregados que são sustentados por programas de bem-estar social do governo. Também diminui a quantidade de bens que podem ser produzidos, o que aumenta seu preço e, portanto, reduz o padrão de vida de todos.

Em vez de o governo ser reconhecido como causador do problema, a automação frequentemente leva a culpa. Mas a automação não pode reduzir o número total de empregos disponíveis, simplesmente porque não há limite para os desejos econômicos das pessoas. Não importa quantos desejos sejam atendidos por máquinas, ainda haverá um número ilimitado de novos desejos não atendidos. A automação não reduz o número de empregos, ela apenas reorganiza o padrão de demanda de mão-de-obra, como, por exemplo, da indústria que está sendo automatizada para a indústria que fabrica as máquinas automáticas. Se a automação fosse tão terrível quanto seus adversários afirmam, seria sensato descartar todas as escavadeiras em favor de pás manuais … ou, melhor ainda, colheres de chá, para garantir o “pleno emprego!”

O mercado desregulado também foi acusado das angústias do “consumismo”[6]. A pobreza e o desemprego são produtos da intervenção governamental, mas o livre mercado certamente é responsável pela afluência. Se os críticos fizerem objeções aos confortos e conveniências fornecidos pelo mercado, eles são livres para fazer trabalhos pesados ​​com implementos rústicos do amanhecer ao anoitecer, dormir em um chão de terra e sofrer uma alta taxa de mortalidade … contanto que não tentem impor seu modo de “vida” a pessoas mais sensatas.

Uma das razões frequentemente alegadas pelos burocratas para a interferência do governo na economia é que, se o mercado fosse deixado sozinho, ele alternaria entre inflação e depressão, ou expansão e recessão. Mas o que é que causa esse temido “ciclo econômico” – essa instabilidade é intrínseca ao mercado, ou existe alguma causa externa?

Suponha que um falsificador conseguisse inundar uma pequena cidade com notas sem valor. O influxo de novo “dinheiro” causaria uma prosperidade artificial – uma expansão. Os moradores da cidade, com muito dinheiro em mãos, investiriam pesadamente em empreendimentos novos e especulativos. Mas assim que a expansão terminasse, ficaria claro que a economia não poderia suportar esses novos empreendimentos. Os novos negócios iriam falir, os investidores perderiam seu dinheiro, o desemprego dispararia – uma recessão teria ocorrido.

Em um ciclo econômico, o governo desempenha praticamente o mesmo papel que o falsificador. Um ciclo econômico começa quando o meio de troca é inflacionado pela injeção de substitutos de moeda (papel “moeda”, moedas feitas de metal de baixo valor, como as moedas “sanduíche”, etc.) na economia. Esses substitutos de moeda são, na realidade, substitutos de nada, uma vez que não são respaldados por valor monetário real (como ouro e prata); eles são, portanto, sem valor ou quase isso. É o governo que emite moeda, e o governo que inflaciona a oferta de substitutos de moeda.[7] A moeda inflacionada pelo governo estimula uma expansão artificial que desorienta o sistema de sinais do mercado. Os empreendedores, pensando que são mais prósperos do que realmente são, fazem maus investimentos e superinvestimentos. A expansão colapsa quando a natureza e a extensão do mau investimento são descobertas. A depressão que se segue é, na verdade, o único meio de o mercado se recuperar do mau investimento causado pela inflação.[8] Assim, o ciclo econômico, pelo qual o capitalismo laissez-faire foi frequentemente culpado, é na verdade o aço frio da faca da intervenção governamental nas vísceras do mercado: o livre comércio.[9]

Apesar de o livre mercado ser totalmente autorregulado e a intervenção governamental ser a causa e não a cura do desequilíbrio do mercado, muitos ainda temem um mercado totalmente desregulado. Eles afirmam que um livre mercado promoveria a exploração econômica de indivíduos indefesos por poderosos grupos de interesse. Não é suficiente, acreditam, que os indivíduos não sejam vítimas de força e fraude – eles também devem ser defendidos contra as predações egoístas de ” grandes corporações”, monopólios, cartéis (que são na verdade monopólios provisórios) e os ricos em geral. Esses bichos-papões econômicos são todos semelhantes, e podem ser dissipados examinando-se o mais extremo deles – o monopólio.

Quando a liberdade de mercado é defendida, um pensamento que vem à mente de muitas pessoas é o medo de monopólios descontrolados correndo soltos, atropelando os direitos dos “pequenos” e impiedosamente destruindo qualquer concorrente em potencial. É amplamente aceito que, sem o controle estrito do governo, tais monopólios proliferariam e praticamente escravizariam a economia.

Teoricamente, existem dois tipos de monopólio – monopólio de mercado e monopólio coercitivo. Um monopólio coercitivo se mantém pela iniciação de força ou pela ameaça de força para proibir a competição e, às vezes, para forçar a lealdade do cliente. Um monopólio de mercado não tem concorrência efetiva em seu campo específico, mas não pode impedir a concorrência através da força física. Um monopólio de mercado não pode alcançar seus objetivos iniciando força contra ninguém – seus clientes, concorrentes ou funcionários – porque não tem poder legal para obrigar as pessoas a transacionar com ele e se proteger das consequências de suas ações coercitivas. A iniciação da força assustaria os parceiros de negócios e alarmaria os clientes a ponto de buscarem produtos substitutos, desistirem totalmente do produto ou, no caso dos empreendedores, estabelecerem uma empresa concorrente para atrair outros clientes insatisfeitos. Portanto, a iniciação de força por um monopólio de mercado, longe de ajudá-lo a atingir seus objetivos, lhe daria um rápido empurrão em direção à íngreme ladeira para o esquecimento.

Por não iniciar o uso da força, um monopólio de mercado só pode atingir seu status de monopólio pela excelência na satisfação dos desejos do consumidor e pela economia de seu produto e/ou serviço (o que requer uma gestão empresarial eficiente). Além disso, uma vez que tenha alcançado essa posição de monopólio, ele só poderá mantê-la continuando a prestar serviços excelentes a preços econômicos (e quanto mais livre a economia, mais essa regra é válida). Se os administradores do monopólio se tornarem descuidados e aumentarem seus preços acima do nível de mercado, algum outro empresário verá que pode competir com preços mais baixos e ainda assim obter lucros enormes, e imediatamente se preparará para entrar naquele ramo de atividade. Então, sua competição potencial terá se tornado uma competição real.[10] Empresas grandes e bem estabelecidas são particularmente propensas a oferecer competição em novas áreas, uma vez que têm grandes somas para investir e preferem diversificar suas iniciativas em novos campos a fim de ter uma ampla base financeira. Em uma sociedade livre, onde as grandes empresas não foram roubadas daquilo que os burocratas gostam de ver como “lucros excedentes” por meio de impostos pesados, qualquer monopólio que aumentasse seus preços acima do nível de mercado, ou se tornasse descuidado com a qualidade de seu serviço, estaria virtualmente criando sua própria competição – competição forte demais para ser eliminada. Como é de regra em um mercado desimpedido, a doença criaria sua própria cura – o mercado se autorregula.

Não apenas os monopólios de mercado não são ameaça para ninguém, mas todo o conceito de monopólio, como comumente tratado, está errado. Supõe-se que um monopólio é uma empresa que tem “controle exclusivo de uma mercadoria ou serviço em um determinado mercado, ou controle que torna possível a fixação de preços e a efetiva eliminação da livre concorrência” (dicionário Webster). Um monopólio de mercado não pode impedir que a concorrência entre em sua área porque não pode usar coerção contra possíveis concorrentes e, portanto, nunca pode ter esse “controle exclusivo … que torna possível a fixação de preços”. Tampouco pode-se dizer que tal monopólio está livre de concorrência, mesmo que tenha controle exclusivo de seu mercado – seu produto ainda deve competir pelo dinheiro do consumidor com todos os outros bens e serviços. Por exemplo, suponha que um fabricante de trailers tenha o monopólio completo da indústria de trailers. Ele ainda deve competir pelo “dólar da recreação” com a indústria de hotéis e, em um sentido mais amplo, com os fabricantes de barcos, piscinas, mesas de ping-pong, etc. Sua competição também não termina aí. Como o consumidor pode optar por gastar seu dinheiro em algo diferente de recreação, nosso monopolista de trailers deve competir indiretamente com empresas de refrigeradores, fabricantes de roupas, faculdades, etc., ad infinitum. Não existe indústria tão indispensável que um monopolista dessa indústria pudesse efetuar “a efetiva eliminação da livre concorrência”. Até a indústria do aço deve competir no campo dos materiais de construção com metais mais leves, madeira, plástico, concreto, tijolo e, agora, até mesmo com produtos de vidro recém-desenvolvidos.

Ao considerar o conceito de monopólio, também é útil lembrar que não é o tamanho absoluto da empresa que conta, mas o tamanho da empresa em relação ao seu mercado. Nos anos 1800, o pequeno armazém rural tinha um controle muito mais firme de seu mercado do que a maior rede de supermercados de uma cidade grande hoje. Os avanços na facilidade e economia de transporte diminuem continuamente o tamanho relativo até mesmo da empresa mais gigante, tornando até mesmo um status temporário de monopólio de mercado muito mais difícil de alcançar. Assim, o livre mercado se move em direção à eliminação, ao invés de encorajamento, dos monopólios.[11]

Uma vez que um monopólio de mercado nunca pode eliminar a competição ou fixar preços contrariando a lei de oferta e demanda, na verdade ele não se parece em nada com a idéia comum do “monopólio implacável e descontrolado” que tantas pessoas foram ensinadas a temer. Se o termo “monopólio de mercado” pode ter algum significado, só pode ser entendido como uma empresa que conquistou uma posição como o único fornecedor de seu produto ou serviço específico porque os desejos dos clientes estão bem satisfeitos, e seus preços são tão baixos que não é lucrativo para os concorrentes entrarem nessa área específica. Sua posição de monopólio provavelmente não será permanente, porque eventualmente outra pessoa provavelmente “construirá uma ratoeira melhor” e entrará em competição com ela. Mas, durante o período de seu poder de mercado, ela nunca está livre da concorrência ou da lei da oferta e da demanda no que diz respeito aos preços.

É fácil ver que um monopólio de mercado, por virtude de não poder iniciar o uso da força, não representa uma ameaça nem para os indivíduos que transacionam com ele, nem para a economia como um todo; mas e um monopólio coercitivo?

O monopólio coercitivo detém o controle exclusivo de determinada área de atuação, fechada e isenta de concorrência, de forma que quem o controla pode estabelecer políticas arbitrárias e cobrar preços arbitrários, independentemente do mercado. Um monopólio coercitivo pode manter esse controle exclusivo que proíbe qualquer competição apenas pela iniciação do uso de força. Nenhuma empresa que operasse em um contexto de livre mercado poderia se permitir a iniciação de força, por medo de afastar seus clientes e parceiros de negócios. Assim, a única maneira de uma empresa se manter como um monopólio coercitivo é por meio da intervenção do governo na forma de concessões especiais de privilégio. Apenas o governo, que é ele próprio um monopólio coercitivo, tem o poder de forçar os indivíduos a negociar com uma empresa com a qual eles prefeririam não se envolver.

O medo de monopólios implacáveis ​​e descontrolados é válido, mas se aplica apenas aos monopólios coercitivos. Monopólios coercitivos são uma extensão do governo, não um produto do livre mercado. Sem concessões governamentais de privilégios especiais, não poderia haver monopólios coercitivos.

A exploração econômica por monopólios, cartéis e “grandes corporações” é um dragão inexistente. Em um mercado bem desenvolvido e livre da interferência do governo, qualquer vantagem obtida com essa exploração enviará sinais chamando a competição que encerrará a exploração. Em um livre mercado, o indivíduo sempre tem alternativas para escolher, e apenas a força física pode obrigá-lo a escolher contra sua vontade. Mas a iniciação de força não é uma função de mercado e não pode ser empregada lucrativamente por empresas que operem em um mercado não regulamentado.

A força, na verdade, é penalizada pelo livre mercado, assim como a fraude. As empresas dependem dos clientes, e o uso da força e da fraude os espanta. A penalização da força e da fraude é uma parte inerente do mecanismo de autorregulação do livre mercado.

O mercado, se não for obstruído pela regulamentação governamental, sempre caminha em direção a uma situação de estabilidade e máxima satisfação do consumidor – isto é, em direção ao equilíbrio. A intervenção do governo, longe de melhorar a sociedade, só pode causar perturbações, distorções e perdas, e empurrar a sociedade em direção ao caos. O mercado é auto-regulado – não é necessária força para que funcione adequadamente. Na verdade, a imposição de força iniciada é a única coisa que pode impedir o mercado de funcionar para a máxima satisfação possível de todos.

Se os homens não são livres para negociar de qualquer forma não coercitiva que seus interesses ditem, eles não são livres de forma alguma. Homens que não são livres são, até certo ponto, escravos. Sem liberdade de mercado, nenhuma outra “liberdade” é significativa. Por essa razão, o conflito entre liberdade e escravidão concentra-se no livre mercado e em seu único oponente efetivo – o governo.

 

_______________________________

Notas

[1] Ver Ten Thousand Commandments, de Harold Fleming; 1951; PRENTICE-HALL, INC., N.Y.

[2] Para um excelente tratado sobre princípios econômicos, consulte Murray N. Rothbard, Homem, economia e estado (D. Van Nostrand Company, Inc.).

[3] A crença de que os preços são determinados pelo custo de produção é errônea. Na verdade, no contexto do mercado total, os preços dos vários fatores de produção são determinados pela receita que espera-se obter com os produtos resultantes. Para uma análise completa deste assunto, ver Homem, economia e estado do Dr. Rothbard.

[4] Ver o artigo “Os efeitos da revolução industrial sobre mulheres e crianças”, de Robert Hessen, em Capitalism: The Unknown Ideal de Ayn Rand (publicado em brochura pela The New American Library, Inc., N.Y.).

[5] Embora a superpopulação seja uma possibilidade teórica, não é a ameaça imediata que geralmente é retratada com sendo. Como Robert Heinlein apontou em seu romance de ficção científica, The Moon Is a Harsh Mistress, a terra não é superpovoada, é apenas muito mal administrada … por políticos.

[6] N. do T.: affluent society, a “sociedade afluente”, uma referência à influente obra de John Kenneth Galbraith, pioneira na crítica à prosperidade capitalista. Nela podem ser encontrados, em forma embrionária, ataques baseados em análises sociológicas, psicológicas, ambientais, etc. que estavam fadados a substituírem a “exploração dos trabalhadores” como arma principal dos inimigos do livre mercado.

[7] Os bancos também podem inflacionar mantendo apenas reservas fracionárias contra depósitos à vista – por exemplo, fazendo empréstimos com dinheiro de contas correntes. Se eles não fossem protegidos por leis especiais, no entanto, os bancos não poderiam operar em reservas fracionárias, porque essa prática é muito arriscada. Em um mercado totalmente livre, qualquer banco que não detivesse 100% das reservas seria expulso por seus concorrentes mais sólidos e financeiramente sábios.

[8] A fase de depressão do ciclo econômico pode ser adiada por muito tempo pela inflação contínua, mas tal política apenas torna a inevitável depressão mais catastrófica quando finalmente ocorrer.

[9] Ver o minilivro, Depressions: Their Cause and Cure, de Murray N. Rothbard (Publicado pela Constitutional Alliance, Inc., Box 836, Lansing, Mich. 48904).

[10] De 1888 a 1940, a Alcoa detinha o monopólio total da fabricação de alumínio nos EUA. Mantinha esse monopólio vendendo um produto tão excelente a preços tão baixos que nenhuma outra empresa podia competir com ela. Durante o período de monopólio, a Alcoa reduziu os preços do alumínio de US$8 para 20¢ a libra (!) e foi pioneira em centenas de novos usos para seu produto. O livro Ten Thousand Commandments, de Harold Fleming, descreve a ação que o governo tomou contra esse “monopólio implacável” que era culpado de manter seu status de monopólio por esforços contínuos e bem-sucedidos para satisfazer seus clientes.

[11] Rogge, Benjamin A., Long Playing Record Album #9, Is Economic Freedom Possible?, The Foundation for Economic Education, N.Y.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.