32. Risco, incerteza e organização econômica

0
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Peter G. Klein

[Peter G. Klein ([email protected]) é professor associado na Divisão de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade de Missouri, professor adjunto da Norwegian School of Economics and Business Administration, e um Senior Fellow do Ludwig von Mises Institute.]

 

Introdução

Em um artigo recente, “Os limites da probabilidade numérica: Frank H. Knight e Ludwig von Mises e a Interpretação da Frequência”,[1] Hans-Hermann Hoppe explora a abordagem de Mises para a probabilidade e suas implicações para a previsão econômica. Hoppe argumenta que Mises, assim como Frank Knight, aderiu à “interpretação de frequência” desenvolvida pelo irmão de Mises, Richard von Mises,[2] junto com outros como Ronald Fisher, Jerzy Neyman e Egon Pearson. A princípio, isso pode parecer surpreendente, já que a interpretação de frequência costuma ser contrastada com a abordagem “subjetivista” da probabilidade proposta por Finetti e, entre os economistas, geralmente associada a Keynes.[3] Comprometimento total com o subjetivismo metodológico é, obviamente, uma marca registrada da escola austríaca. No entanto, como Hoppe aponta, Mises reconheceu dois tipos distintos de probabilidade, uma aplicável a fenômenos naturais e outra aplicável à ação humana. Assim como Mises incorporou a “praxeologia” na economia enquanto endossava o método experimental nas ciências naturais, ele pensava que um tipo especial de probabilidade era relevante para a tomada de decisão econômica, embora aceitasse a interpretação de frequência de seu irmão para outros tipos.

Este artigo estende a discussão extraindo implicações para a organização econômica da abordagem de Mises sobre a probabilidade, particularmente em relação ao papel do empreendedor na orientação do processo econômico, estabelecendo e dissolvendo empresas, dirigindo suas operações e organizando-as para criar e capturar valor. Após uma breve revisão da interpretação de Hoppe sobre Knight e Mises, eu resumo a literatura recente sobre a abordagem Knight-Mises do empreendedorismo e da empresa, encerrando com algumas sugestões para pesquisas futuras.

Knight, Mises, e Mises sobre probabilidade

A maioria dos economistas está familiarizada com a distinção de Knight entre “risco” e “incerteza”. O risco refere-se a situações em que o resultado de um evento é desconhecido, mas o tomador de decisão conhece a gama de resultados possíveis e as probabilidades de cada um, de modo que qualquer pessoa com as mesmas informações e crenças faria a mesma previsão. A incerteza, por outro lado, caracteriza as situações em que a própria gama de resultados possíveis, sem falar nas respectivas probabilidades, é desconhecida. Nesse caso, o tomador de decisão não pode seguir uma regra de decisão formal, mas deve confiar em uma compreensão intuitiva da situação – o que Knight chama de “julgamento” – para antecipar o que pode ocorrer. Risco, neste sentido, refere-se a “uma quantidade suscetível a medição”, e não a uma incerteza “verdadeira” que não pode ser quantificada.[4] A função essencial do empreendedor, no sistema de Knight, é exercer o julgamento, particularmente no contexto de compra dos fatores de produção.

Mises, de maneira semelhante, distinguiu entre “probabilidade de classe” e “probabilidade de caso”. O primeiro descreve situações em que um evento pode ser classificado como um elemento único de uma classe homogênea, cujas propriedades são conhecidas. Ninguém pode prever se uma determinada casa em um determinado bairro vai pegar fogo este ano, mas as seguradoras sabem quantas casas semelhantes em locais semelhantes queimaram no passado, e a partir disso a probabilidade de uma determinada casa pegar fogo em um determinado período pode ser estimada. A probabilidade de caso se aplica a casos em que cada evento é único, de forma que nenhuma probabilidade de classe geral pode ser definida.[5] Aqui, Mises, como argumentado por Hoppe, baseia-se na defesa do “frequentismo” de seu irmão, a ideia de que a probabilidade de um evento particular é o valor limite de sua frequência relativa em uma série de tentativas. Nesse entendimento, as probabilidades podem ser definidas apenas nos casos em que a repetição das tentativas é viável ​​– ou seja, em situações em que cada evento pode ser significativamente comparado a outros eventos na mesma classe. Além disso, e por esta razão, as probabilidades só podem ser definidas ex post, conforme são aprendidas com a experiência, e não podem existir a priori. Portanto, Mises define probabilidade de caso, ou incerteza, como um caso em que as probabilidades, no sentido frequentista, não existem.[6]

Hoppe resume as visões de Knight e Mises e argumenta, de forma persuasiva, que elas são variantes da posição de Richard von Mises.[7] Hoppe também vai além de Mises ao explicar por que a ação humana, no sentido de comportamento intencional de Mises, não pode fazer parte de uma classe homogênea. “Sem um coletivo especificado e uma contagem (presumivelmente) completa de seus membros individuais e seus vários atributos, nenhuma afirmação de probabilidade numérica é possível (ou, se feita, é arbitrária).[8] Claro, como Hoppe observa, podemos definir essas classes em um sentido técnico – eu, ao escrever este capítulo, sou um elemento da classe “economistas escrevendo capítulos de livros” – mas definir a classe não é suficiente para aplicar a probabilidade de classe a um evento. Também deve haver aleatoriedade, ou o que Richard von Mises chama de “total desordem”, dentro da classe.[9] E, no entanto, isso não é possível com a ação humana:

É em conexão com esse requisito de aleatoriedade que Ludwig von Mises (e presumivelmente Knight) veem dificuldades insuperáveis ​​na aplicação da teoria da probabilidade às ações humanas. É verdade que para cada ação pode ser definido, formal-logicamente, um coletivo correspondente. No entanto, as ações ontologicamente humanas (sejam de indivíduos ou grupos) não podem ser agrupadas em coletivos “verdadeiros”, mas devem ser concebidas como eventos únicos. Por quê? Como Ludwig von Mises presumivelmente responderia, a suposição de que ninguém sabe nada sobre qualquer evento particular, exceto sua participação em uma classe conhecida, é falsa no caso de ações humanas; ou, como Richard von Mises colocaria, no caso das ações humanas, conhecemos uma “regra de seleção” cuja aplicação leva a mudanças fundamentais em relação à frequência relativa (probabilidade) do atributo em questão (descartando assim o uso do cálculo de probabilidade).[10]

Hoppe toca brevemente, sem entrar em detalhes, na abordagem subjetiva da probabilidade, na qual as probabilidades a priori são tratadas simplesmente como crenças, ao invés do resultado de algum processo objetivo de repetidas tentativas e observações. Hoppe cita a observação de Richard von Mises de que subjetivistas como John Maynard Keynes falham em reconhecer “que se não sabemos nada sobre uma coisa, não podemos dizer nada sobre sua probabilidade.”[11] Mises acrescenta: “A abordagem peculiar dos subjetivistas reside no fato de que eles consideram ‘Presumo que esses casos são igualmente prováveis’ como equivalente a ‘Esses casos são igualmente prováveis’, uma vez que, para eles, a probabilidade é apenas uma noção subjetiva .”[12] No entanto, a probabilidade subjetiva tornou-se central na teoria microeconômica contemporânea, particularmente com a ascensão de abordagens bayesianas sobre a tomada de decisões. Presume-se que os agentes que agem sob condições de incerteza tenham crenças anteriores – corretas ou incorretas – sobre as probabilidades de vários eventos. Essas crenças anteriores são exógenas, podem ser comuns a um grupo de agentes ou únicas a um determinado agente, e podem ou não corresponder a probabilidades objetivas (no sentido frequentista). A abordagem bayesiana se concentra no processo pelo qual os agentes atualizam essas crenças anteriores com base em novas informações, e essa atualização é considerada como ocorrendo de acordo com uma regra formal (ou seja, de acordo com a lei de Bayes). Portanto, a probabilidade ex post, em tal problema, contém um elemento “objetivo”, mesmo que seja uma revisão de uma crença anterior puramente subjetiva.[13]

Langlois[14] defende uma conexão estreita entre o subjetivismo, no sentido austríaco da teoria do valor, e a teoria da probabilidade subjetiva, argumentando que as probabilidades devem ser interpretadas como crenças sobre estruturas de informação, ao invés de eventos objetivos.

Não faz sentido falar sobre ‘conhecer’ uma probabilidade ou distribuição de probabilidade. Uma avaliação de probabilidade reflete o estado de informação de alguém acerca de um evento; não é algo ontologicamente separado cujo valor pode ser determinado objetivamente.[15]

O que distingue as probabilidades de classe e de caso, de acordo com Langlois, é o caráter das informações do tomador de decisão sobre o evento. Probabilidades objetivas (no sentido frequentista) são simplesmente casos especiais de probabilidades subjetivas em que o tomador de decisão estrutura o problema em termos de classes de eventos. O empreendedorismo, na interpretação de Langlois, pode ser descrito como o ato de formalizar o problema de decisão. Para usar a linguagem da teoria da decisão, um não empreendedor (chamemos-lhe, seguindo Kirzner, de maximizador robbinsiano) é confrontado com uma árvore de decisão, um conjunto de resultados e as probabilidades para cada resultado, e simplesmente usa a indução reversa para resolver o problema.[16] O empreendedor, por assim dizer, redesenha a árvore, percebendo uma possível opção ou resultado que outros agentes não conseguiram ver. A principal distinção, de acordo com Langlois, não é se a árvore de decisão é preenchida com probabilidades objetivas ou subjetivas, mas se a própria árvore é exógena (risco knightiano) ou endógena (incerteza knightiana).

Hoppe segue Richard von Mises ao rejeitar a posição subjetivista (e obviamente não vê nenhuma contradição entre a abordagem frequentista da probabilidade e a teoria do valor subjetivo). Não está claro o que exatamente se ganha redefinindo as probabilidades como “subjetivas com um conjunto de informações” ou “subjetivas com outro conjunto de informações”. Conforme discutido na próxima seção, tanto Knight como Mises consideraram que a teoria da probabilidade na economia possui um papel particular de permitir ao teórico distinguir situações em que os preços sejam previsíveis, tornando os lucros e perdas efêmeros, e situações em que os preços só podem ser antecipados por empreendedores usando alguma forma de Verstehen. Uma parametrização subjetivista de Verstehen pode ser possível, sem ser útil.

Incerteza e o empreendedor

Nem Knight nem Mises se concentraram principalmente na tomada de decisão individual per se, mas no papel da tomada de decisão dentro do sistema de mercado. “Como economistas”, observa Hoppe, Knight e Mises “abordam o assunto da probabilidade indiretamente, em conjunto com a questão relativa à origem dos lucros e prejuízos empresariais”.[17] De fato, apesar de Knight dedicar um capítulo de Risco, Incerteza e Lucro a uma discussão detalhada sobre conhecimento, raciocínio e aprendizagem, seu objetivo principal não é analisar a ontologia do julgamento, mas explicar o funcionamento prático do mercado. Especificamente, seu propósito ao desenvolver sua explicação da probabilidade era decompor a receita do negócio em dois elementos constituintes, juros e lucro. Os juros são uma recompensa pela renúncia ao consumo atual, determinados pelas preferências temporais relativas dos tomadores de empréstimos e credores, e existiriam mesmo em um mundo de certeza. O lucro, por outro lado, é uma recompensa por antecipar o futuro incerto com mais precisão do que outros (por exemplo, compra de fatores de produção a preços de mercado abaixo do preço de venda eventual do produto) e existe apenas em um mundo de incerteza “verdadeira”. Em tal mundo, dado que a produção leva tempo, os empresários terão lucros ou prejuízos com base nas diferenças entre os preços pagos pelos fatores e os preços recebidos pelos produtos.

Mises, da mesma forma, torna a incerteza uma parte central de sua teoria de lucros e prejuízos, uma pedra angular de sua conhecida crítica do planejamento econômico sob o socialismo. Mises começa com a teoria de distribuição por produtividade marginal desenvolvida por seus predecessores austríacos. Na teoria da produtividade marginal, os trabalhadores ganham salários, os capitalistas ganham juros e os proprietários de fatores específicos ganham aluguéis. Qualquer excesso (déficit) das receitas realizadas de uma empresa sobre esses pagamentos de fatores constitui lucro (prejuízo). Lucros e prejuízos, portanto, são retornos do empreendedorismo. Em um equilíbrio hipotético sem incerteza (o que Mises chama de “economia uniformemente circular”), os capitalistas ainda ganhariam juros, como recompensa pelos empréstimos, mas não haveria lucro ou prejuízo.

Os empreendedores, no entendimento de Mises do mercado, fazem seus planos de produção com base nos preços atuais dos fatores de produção e nos preços futuros antecipados dos bens de consumo. O que Mises chama de “cálculo econômico” é a comparação dessas receitas futuras antecipadas com as despesas atuais, todas expressas em unidades monetárias comuns. Sob o socialismo, a ausência de mercados de fatores e a consequente falta de preços de fatores tornam o cálculo econômico – e, portanto, o planejamento econômico racional – impossível. O ponto de Mises é que uma economia socialista pode designar indivíduos para serem trabalhadores, gerentes, técnicos, inventores e coisas assim, mas não pode, por definição, designar empreendedores, porque não há lucros e prejuízos em dinheiro. O empreendedorismo, e não o trabalho, a gestão ou a expertise tecnológica, é o elemento crucial da economia de mercado. Como Mises coloca: diretores de empresas socialistas podem ter permissão para “brincar no mercado”, para tomar decisões de investimento de capital como se estivessem alocando capital escasso entre as atividades de forma econômica, mas os empresários não podem ser solicitados a “brincar de especulação e investimento”.[18] Sem empreendedorismo, uma economia complexa e dinâmica não pode alocar recursos para seu uso mais valioso.

Por que um conselho de planejamento central não pode imitar as operações dos empreendedores? O crucial, para Mises, é que a avaliação empreendedora não é um processo mecânico de calcular valores esperados usando probabilidades conhecidas, mas um tipo de Verstehen que não pode ser modelado formalmente usando a teoria da decisão. O empreendedor, escreve Mises, “é um especulador, alguém que utiliza sua compreensão do
futuro estado do mercado para realizar operações comerciais que prometem ser lucrativas”[19]. O empresário confia em sua “compreensão antecipada específica das condições do futuro incerto”, uma compreensão que “desafia quaisquer regras e sistematização”.

Esta concepção da função empreendedora é difícil de conciliar com a estrutura de otimização da economia neoclássica. Nessa estrutura, a tomada de decisão é “racional”, o que significa que pode ser representada por regras de decisão formais, ou é puramente aleatória. T. W. Schultz apresenta o problema desta forma:

Não basta tratar os empreendedores apenas como agentes econômicos que coletam lucros inesperados e suportam prejuízos não previstos. Se isso é tudo que eles fazem, o tão alardeado sistema de livre iniciativa meramente distribui, de alguma maneira não especificada, os ganhos e perdas inesperados. Se o empreendedorismo tem algum valor econômico, ele deve desempenhar uma função útil que é limitada pela escassez, o que implica que há uma oferta e uma demanda por seus serviços.[20]

A chave para entender esta passagem é reconhecer a rejeição de Schultz, seguindo Friedman e Savage, da incerteza knightiana.[21] Se toda incerteza pode ser parametrizada em termos de probabilidades (possivelmente subjetivas), então a tomada de decisão, na ausência de tais probabilidades, deve ser aleatória. Qualquer tipo útil de tomada de decisão deve ser modelável, deve ter um produto de receita marginal e deve ser determinado pela oferta e demanda. Para Knight, no entanto, a tomada de decisão na ausência de uma regra ou modelo formal de decisão – o que Knight chama de julgamento – não é aleatória, mas simplesmente não pode ser modelada. Não possui uma curva de oferta, porque é um fator residual ou de controle que está inseparavelmente ligado à propriedade dos recursos. Como discutido acima, é um tipo de entendimento, ou Verstehen, que desafia a explicação formal, mas é raro e valioso. Em suma, sem o conceito de incerteza knightiana, a ideia de Knight de julgamento empreendedor faz pouco sentido.

O julgamento também não é simplesmente sorte.[22] Com certeza, pode-se imaginar um modelo em que os empreendedores são sistematicamente tendenciosos, como em Busenitz e Barney[23] – os indivíduos se tornam proprietários-empreendedores porque superestimam sua própria capacidade de antecipar preços futuros – e a oferta de empreendedores é suficientemente grande para que pelo menos uns poucos acertem e obtenham lucros. Em tal economia, haveria empreendedores, firmas, lucros e prejuízos, e o lucro (sob incerteza) seria distinto dos juros. No entanto, como Mises enfatiza, alguns indivíduos são mais hábeis do que outros, ao longo do tempo, em antecipar as condições futuras do mercado, e esses indivíduos tendem a adquirir mais recursos, enquanto aqueles cujas habilidades de previsão são fracas tendem a sair do mercado.[24] De fato, para Mises, o mecanismo de seleção empreendedora em que empreendedores malsucedidos – aqueles que sistematicamente pagam mais caro por fatores, em relação a eventuais demandas do consumidor – são eliminados do mercado é o “processo de mercado” primordial do capitalismo.[25]

Julgamento empreendedor e a empresa

Em uma série de artigos, Nicolai Foss e eu usamos a concepção Knight-Mises do empreendedor para explicar aspectos importantes da organização econômica.[26] Começamos com a visão de Knight de que o empreendedorismo representa um julgamento que não pode ser avaliado em termos de seu produto marginal e que não pode, portanto, receber um salário.[27] Em outras palavras, não existe mercado para o julgamento no qual os empreendedores se baseiam e, portanto, o exercício do julgamento requer que a pessoa com julgamento inicie uma empresa. É claro que os tomadores de decisão podem contratar consultores, analistas, especialistas técnicos e assim por diante. No entanto, ao fazê-lo, estão exercendo o seu próprio julgamento empreendedor.[28] O julgamento, portanto, implica a propriedade de ativos, pois a tomada de decisão por julgamento é, em última instância, a tomada de decisão sobre o emprego de recursos. O papel do empreendedor, então, é arranjar ou organizar os bens de capital que possui. Como afirma Lachmann: “Estamos vivendo em um mundo de mudanças inesperadas; portanto, combinações de capital (…) estarão sempre mudando, serão dissolvidas e reformadas. Nesta atividade, encontramos a real função do empreendedor.”[29]

Esta abordagem em relação à empresa combina o conceito de julgamento de Knight com a noção austríaca da heterogeneidade do capital. Foss, Foss, Klein e Klein operacionalizam a heterogeneidade do capital ao incorporar a ideia de Barzel de que os bens de capital se distinguem por seus atributos.[30] Atributos são características, funções ou possíveis usos de ativos, conforme percebidos por um empreendedor. Os ativos são heterogêneos na medida em que têm diferentes atributos, e diferentes níveis desses atributos. Os atributos também podem variar ao longo do tempo, mesmo para um ativo específico. Dada a incerteza knightiana ou a probabilidade de caso misesiana, os atributos não existem objetivamente, mas sim subjetivamente, nas mentes dos empreendedores em busca de lucro que colocam esses ativos em uso em várias linhas de produção. Consequentemente, os atributos se manifestam nas decisões de produção e são realizados apenas ex post, depois que os lucros e prejuízos se materializam.

Os empreendedores que buscam criar ou descobrir novos atributos de ativos de capital vão querer títulos de propriedade sobre os ativos relevantes, tanto por razões especulativas quanto para economizar nos custos de transação. Esses argumentos fornecem espaço para o empreendedorismo que vai além de executar uma combinação superior de ativos de capital com atributos “dados”, adquirindo os ativos relevantes e aplicando-os à produção para um mercado: o empreendedorismo também pode ser uma questão de experimentar com ativos de capital em uma tentativa de descobrir novos atributos de valor, seja testando novas combinações por meio da aquisição ou fusão com outras empresas, ou com ativos já sob o controle do empresário. O sucesso do empresário na experimentação com ativos dessa maneira depende não apenas de sua capacidade de antecipar preços futuros e condições de mercado, mas também dos custos de transação internos e externos, do controle do empreendedor sobre os ativos relevantes, quanto do retorno esperado da atividade experimental ele pode esperar apropriar e assim por diante. Além disso, esses últimos fatores são os principais determinantes da organização econômica nas teorias modernas de empresa, o que sugere que pode haver complementaridades frutíferas entre a teoria da organização econômica e as teorias austríacas da heterogeneidade do capital e do empreendedorismo.

Foss, Foss, Klein e Klein mostram como essa abordagem fornece novos insights sobre o surgimento, os limites e a organização interna da empresa.[31] As empresas existem não apenas para economizar nos custos de transação, mas também como um meio para o exercício do julgamento empreendedor e como um mecanismo de baixo custo para os empresários experimentarem várias combinações de bens de capital heterogêneos. As mudanças nos limites da empresa também podem ser entendidas como o resultado de processos de experimentação empreendedora. E a organização interna pode ser interpretada como o meio pelo qual o empresário delega direitos de decisão específicos a subordinados que exercem uma forma de julgamento “derivado” em seu nome.[32]

Conclusão

A incerteza, no sentido de Knight e Mises, é fundamental para entender não apenas o sistema de lucros e prejuízos e o processo de alocação de recursos produtivos do mercado para seus usuários mais bem avaliados, mas também a natureza econômica da própria empresa. Infelizmente, a economia neoclássica contemporânea tende a rejeitar não só a distinção entre probabilidade de caso e classe, mas também o empreendedor. Se não houver incerteza “verdadeira”, então os lucros são o resultado de poder de monopólio ou erro aleatório. Se qualquer empresa pode fazer o que qualquer outra empresa faz, se todas as empresas estão sempre em suas fronteiras de possibilidade de produção e se as empresas sempre fazem escolhas otimizadas de insumos, então há pouco que o empreendedor possa fazer.

Felizmente, a literatura moderna sobre empreendedorismo começou a reconhecer a necessidade de um tratamento mais sofisticado da incerteza (junto com outras questões cognitivas – veja a discussão em Alvarez e Barney[33]), e os conceitos de heterogeneidade de recursos são comuns em visões da empresa baseadas em recursos – e em conhecimento –, na economia dos custos de transação, e na abordagem de opções reais da empresa. Longe de ressuscitar antigas controvérsias, o reexame das visões de Mises e Knight sobre a incerteza no artigo de Hoppe fornece uma nova visão sobre o empreendedor, a empresa e o processo de mercado.

 

______________________________

Notas

[1] Hans-Hermann Hoppe, “The Limits of Numerical Probability: Frank H. Knight and Ludwig von Mises and the Frequency Interpretation,” Quarterly Journal of Austrian Economics 10, no. 1 (2007), pp. 1-20.

[2] Richard von Mises, Probability, Statistics and Truth (Nova York: Dover Publications, 1957 [1939]).

[3] Bruno De Finetti, “Foresight: its Logical Laws, Its Subjective Sources,” em H. E. Kyburg & H. E. Smokler, eds., Studies in Subjective Probability (Nova York: Wiley, 1964 [1937]); John Maynard Keynes, A Treatise on Probability (Londres: Macmillan, 1921).

[4] Frank H. Knight, Risk, Uncertainty, and Profit (Nova York: August M. Kelley, 1921), p. 26.

[5] O’Driscoll e Rizzo adotam os termos “eventos típicos” e “eventos únicos” para se referirem a essa distinção. Ver Gerald P. O’Driscoll, Jr. e Mario J. Rizzo, The Economics of Time and Ignorance (Oxford: Basil Blackwell, 1985).

[6] Consequentemente, o uso do termo “probabilidade de caso” é enganoso; o que Mises realmente quer dizer é “não probabilidade de caso” ou talvez “julgamentos de caso sem probabilidades”. De forma confusa, Mises também argumenta em outro lugar que “[apenas] a preocupação com o tratamento matemático pode resultar no preconceito de que probabilidade sempre significa frequência” (Mises, Human Action, p. 107). Van den Hauwe argumenta, em contraste com Hoppe, que a posição de Mises está, de certa forma, mais próxima da de Keynes. Ver Ludwig Van den Hauwe, “John Maynard Keynes and Ludwig von Mises on Probability,” MPRA Paper No. 6965 (2007); Hoppe, “Limits of Numerical Probability”; e Keynes, A Treatise on Probability.

[7] Hoppe, “Limits of Numerical Probability.” Pode-se também incluir a noção de Shackle de decisões “autodestrutivas e não seriais”. Ver G.L.S. Schackle, Decision, Order, and Time in Human Affairs (Cambridge: Cambridge University Press, 1961).

[8] Hoppe, “Limits of Numerical Probability,” p. 10.

[9] Richard von Mises, Probability, Statistics, and Truth, p. 24.

[10] Hoppe, “Limits of Numerical Probability,” p. 10.

[11] Richard von Mises, Probability, Statistics, and Truth, p. 75.

[12] Ibidem, p. 76.

[13] A atualização bayesiana também pode ser aplicada a probabilidades anteriores objetivas, presumivelmente para orientar o tomador de decisão nos casos em que tentativas repetidas para determinar a nova probabilidade ex post não são possíveis. O “paradoxo de Monty Hall” é um exemplo clássico.

[14] Richard N. Langlois, “Subjective Probability and Subjective Economics”, C. V. Starr Center for Applied Economics Research Report #82-09, Faculdade de Artes e Ciências, Universidade de Nova York (1982).

[15] Langlois, “Subjective Probability and Subjective Economics”, p. 8.

[16] Israel M. Kirzner, Competition and Entrepreneurship (Chicago e Londres: University of Chicago Press (1973).

[17] Hoppe, “Limits of Numerical Probability,” p. 4. Ver também James Buchanan e Alberto Di Pierro, “Cognition, Choice, and Entrepreneurship,” Southern Economic Journal 46, no. 3 (1980), pp. 693–701.

[18] Ludwig von Mises, Human Action: A Treatise on Economics, Scholars Edition (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute (2001) [1949]), p. 705.

[19] Ibidem, p. 585.

[20] T. W. Schultz, “Investment in Entrepreneurial Ability”, Scandinavian Journal of Economics 82, no. 4 (1980), pp. 437-48, esp. pp. 437–38.

[21] Milton Friedman e Leonard Savage, “Utility Analysis of Choices Involving Risk”, Journal of Political Economy 56, no. 4 (1948), pp. 279-304.

[22] A vigilância kirzneriana é comparada à sorte em Harold Demsetz, “The Neglect of the Entrepreneur”, em Joshua Ronen, ed. Entrepreneurship (Lexington: Lexington Press. 1983), pp. 271–80.

[23] Lowell W. Busenitz & Jay B. Barney, “Differences between Entrepreneurs and Managers in Large Organizations: Biases and Heuristics in Strategic Decision-Making,” Journal of Business Venturing 12, no. 1 (1997), pp. 9-30.

[24] Ludwig von Mises, “Profit and Loss”, em Mises, Planning for Freedom (South-Holland, Ill.: Libertarian Press, 1952), pp. 108-50.

[25] Peter G. Klein, “The Mundane Economics of the Austrian School,” Quarterly Journal of Austrian Economics 11, nos. 3-4 (2008), pp. 165-87.

[26] Nicolai J. Foss e Peter G. Klein, “Entrepreneurship and the Economic Theory of the Firm: Any Gains from Trade?” em Rashjree Agarwal, Sharon A. Alvarez & Olaf Sorenson, eds., Handbook of Entrepreneurship Research: Disciplinary Perspectives (Dordrecht: Springer (2005); Kirsten Foss, Nicolai J. Foss e Peter G. Klein, “Original and Derived Judgment: An Entrepreneurial Theory of Economic Organization,” Organization Studies 28, no. 12 (2007), pp. 1893–1912; Kirsten Foss, Nicolai J. Foss, Peter G. Klein e Sandra K. Klein, “The Entrepreneurial Organization of Heterogeneous Capital,” Journal of Management Studies 44, no.7 (2007), pp. 1165–86; Peter G. Klein, “Descoberta de Oportunidades, Ação Empreendedora e Organização Econômica,” Strategic Entrepreneurship Journal 2, no. 3 (2008), pp. 175–90.

[27] Knight, Risk, Uncertainty and Profit, p. 311.

[28] Na terminologia de Foss et al., “Original and Derived Judgment”, o empreendedor-proprietário exerce o julgamento “original”, enquanto empregados contratados, a quem o proprietário delega direitos de decisão particulares, exercem julgamento “derivado” como agentes do proprietário. Isso implica que os executivos de alto nível, cujas decisões cotidianas conduzem a organização dos recursos corporativos, estão agindo apenas como “empreendedores por procuração”, exceto na medida em que eles próprios são proprietários parciais por meio de participações acionárias.

[29] Ludwig M. Lachmann, Capital and Its Structure (Kansas City: Sheed, Andrews and McMeel, 1956), p. 16. Lachmann não exige que o empreendedor possua os ativos que ele recombina; ver Foss et al., “Entrepreneurial Organization of Heterogeneous Capital”, para um argumento mais detalhado de que a propriedade, como direitos residuais de controle, é uma parte necessária dessa função empresarial.

[30] Foss et al., “Entrepreneurial Organization of Heterogeneous Capital”; Yoram Barzel, Economic Analysis of Property Rights (Cambridge: Cambridge University Press, 1997).

[31] Ibid.

[32] Ibid.

[33] Sharon Alvarez & Jay B. Barney, “Discovery and Creation: Alternative Theories of Entrepreneurial Action,” Strategic Entrepreneurship Journal 1, nos. 1–2 (2007), pp. 11–26.