6. A perfeição da troca: dinheiro

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Se não é para tornar o mundo melhor, para que serve o dinheiro?
– ELIZABETH TAYLOR

 

A lógica contida na frase “Os humanos agem” explica por que as pessoas buscam a convivência pacífica, por que cooperam voluntariamente: é a diversidade de suas habilidades, desejos e objetivos que os faz entrar em uma divisão do trabalho. Divisão do trabalho significa especialização: todos se concentram na atividade que são comparativamente mais capazes de realizar. Com isso, as pessoas não produzem mais bens exclusivamente para suas próprias necessidades, mas também, sobretudo, bens que seus semelhantes desejam ter.

A divisão do trabalho e a especialização requerem intercâmbio interpessoal. A forma mais primitiva é o escambo: cada um troca os bens que produziu pelos bens que outros produziram e que gostaria de possuir. No entanto, tal escambo (“mercadorias por mercadorias”) é complicado. Afinal, você sempre tem que encontrar alguém que demande exatamente o que você tem a oferecer. Se não for esse o caso, se não houver “dupla coincidência” de desejos, não há troca.

Se, no entanto, as possibilidades de troca são limitadas, a possibilidade de ampliar a divisão do trabalho e a especialização atinge seus limites: a produtividade e, portanto, a prosperidade são menores em comparação com uma situação em que as possibilidades de troca são virtualmente ilimitadas. As possibilidades de troca podem, no entanto, ser ampliadas se as pessoas mudarem para a troca indireta. Todos começam a trocar seus bens por aqueles bens (meios indiretos de troca) que não servem ao propósito final, mas que são posteriormente trocados pelos bens desejados em última instância.

Inicialmente, há toda uma gama de meios indiretos de troca. Gradualmente, porém, as pessoas reduzem essa multitude a poucos meios de troca. O meio de troca indireto mais difundido torna-se o meio de troca geralmente aceito: dinheiro. Visto sob esta luz, o dinheiro é a commodity que alcançou a maior comercialização. No entanto, o dinheiro não apenas desempenha a função extremamente importante de meio de troca, mas também desempenha outro papel importante: o dinheiro permite o cálculo econômico.

Numa economia primitiva de subsistência, em que cada um trabalha para si, não há necessidade de dinheiro. Por exemplo, um agricultor que trabalha sozinho pode julgar se é mais capaz de usar seu trabalho diário para desmatar uma floresta ou para caçar. Ele pode ver qual dessas atividades é mais vantajosa para ele. Nas economias modernas, que se organizam com base na divisão do trabalho e nas quais é preciso seguir complexas rotas de produção, o dinheiro é indispensável, porque um cálculo econômico não pode ser feito sem dinheiro.

Uma economia é sempre confrontada com a questão: Como devem os recursos disponíveis (que são necessariamente escassos) ser utilizados para melhor servir as necessidades? Tomemos como exemplo o abastecimento de energia: Deve-se construir uma hidrelétrica ou uma termelétrica a carvão? Ambos os projetos são complexos. Muito trabalho preparatório é necessário para tornar a energia hidrelétrica utilizável. Por exemplo, escavadeiras, capacidade de transporte e mão-de-obra devem ser fornecidas antes que o desvio do curso d’água e a construção de uma barragem possam começar. Um trabalho preparatório considerável também é necessário para a construção de uma usina de energia movida a carvão. Por exemplo, brocas, ventiladores de poço e torres sinuosas devem ser fornecidas antes que a mineração de carvão possa começar.

Essas decisões complexas podem ser gerenciadas usando dinheiro. Os preços monetários formados no mercado para os meios de produção individuais refletem o valor que os atores do mercado atribuem a eles. Se, por exemplo, o preço de um bem subir, isso mostra que ele se tornou escasso e deve ser usado criteriosamente. Se, por exemplo, se verificar que os custos incorridos com a retificação do curso de água não podem ser cobertos pelos preços de energia previstos, isso significa que esta forma de fornecimento de energia não faz sentido econômico, porque obviamente existem outras utilizações mais vantajosas para os recursos escassos. Só o cálculo econômico, que calcula com preços monetários, permite atender às necessidades mais urgentes com recursos escassos e adiar as menos urgentes. A produção avançada baseada na divisão do trabalho não seria possível sem dinheiro.

Essa percepção não se limita a uma única economia isolada, mas também pode ser aplicada ao sistema econômico mundial. No presente, as pessoas estão acostumadas a usar dinheiro nacional: as compras e vendas são feitas em dólares americanos nos EUA, em euros na zona do euro, em renminbi chinês na China e em ienes japoneses no Japão. Mas a razão econômica nos diz que esses dinheiros regionais são subótimos se o objetivo é promover a possibilidade de desenvolver a divisão do trabalho em todo o mundo.

Uma economia mundial em que diferentes tipos de dinheiro são usados ​​ainda é uma forma de economia de escambo. O cálculo económico, que tem de lidar com muitas moedas, não explora plenamente o potencial que pode ser alcançado com a utilização de uma moeda única. Para o cálculo econômico, o poder produtivo do dinheiro é otimizado apenas quando todos usam o mesmo dinheiro, quando um tipo uniforme de dinheiro é usado em todo o mundo. A propósito, isso já acontecia no último quartel do século XIX: uma moeda uniforme era usada internacionalmente – o ouro como dinheiro. Ele tinha subido à posição de ser o dinheiro mundial, por assim dizer.

Usando a lógica da ação humana, podemos justificar por que ter um tipo de moeda é ótimo para a economia, ou melhor, para a economia global.[1] Suponhamos que haja dinheiro A e dinheiro B. Se ambos são um dinheiro igualmente bom do ponto de vista dos usuários do dinheiro, um deles é dispensável. Se, por outro lado, o dinheiro A é melhor do que o dinheiro B, o dinheiro A é usado e o dinheiro B não é necessário e é empurrado para fora do mercado. Será que as moedas A e B são usadas lado a lado, se assumirmos que agimos a partir de uma posição de incerteza, o que significa que os participantes do mercado, por não terem certeza se a moeda A ou B é melhor, demandam ambas, moeda A e moeda B? A resposta é não.

Mesmo em uma situação incerta, usar um tipo de dinheiro é ótimo do ponto de vista do cálculo econômico. Pode haver incerteza se o dinheiro usado manterá seu poder de compra ao longo do tempo; ou se será restituído se for mantido por bancos (isto é, um risco de inadimplência ou de contraparte). No entanto, em mercados livres, essas incertezas são resolvidas contratualmente, se necessário. Por exemplo, usuários de dinheiro podem contratar seguro contra inflação e inadimplência, se desejarem. Portanto, mesmo depois de levar em consideração a incerteza, o número ideal de tipos de dinheiro permanece um. Um livre mercado de dinheiro equivale, portanto, a uma competição predatória que trabalha para estabelecer um tipo de dinheiro, o melhor dinheiro.

Neste ponto surge uma questão muito fundamental: Como surgiu o dinheiro? Menger argumenta em seu tratado Grundsätze der Volkswirthschaftslehre (1871; Princípios de Economia Política, 1994) que o dinheiro se desenvolveu apenas com base no interesse próprio das pessoas envolvidas e espontaneamente no livre mercado, sem a intervenção do estado:

A origem do dinheiro (diferente da moeda física, que é apenas uma variedade de dinheiro) é, como vimos, inteiramente natural. … O dinheiro não é uma invenção do Estado. Não é o produto de um ato legislativo. Mesmo a sanção da autoridade política não é necessária para sua existência. Certas mercadorias tornaram-se dinheiro naturalmente, como resultado de relações econômicas independentes do poder do Estado.[2]

Segundo Menger, o dinheiro surgiu de bens materiais, uma mercadoria que, antes de ser usada como dinheiro, era valorizada e negociada apenas para seu uso não monetário. Em algum momento foi usada como dinheiro, porque era particularmente adequada como meio de troca.

A teoria de Menger de que o dinheiro se originou espontaneamente do livre mercado, de um bem tangível, é posteriormente confirmada por Ludwig von Mises em termos da lógica da ação. Com seu teorema de regressão, Mises mostra que a teoria de Menger sobre a formação do dinheiro é logicamente necessária.[3] Mises argumenta que o dinheiro está em demanda porque tem poder de compra. O poder de compra do dinheiro é determinado pela oferta e demanda de dinheiro. Mas espere, isso não é um raciocínio circular? Se você diz que o dinheiro está em demanda porque tem poder de compra, mas ao mesmo tempo você diz que o poder de compra do dinheiro vem da oferta e demanda de dinheiro – o cachorro não está correndo atrás do rabo? A resposta é não.

Mises mostra que a demanda por dinheiro tem uma dimensão de tempo. O dinheiro está em demanda hoje, porque tinha poder de compra ontem. E ontem o dinheiro estava em demanda, porque tinha poder de compra anteontem. E assim por diante. Se voltarmos cada vez mais no tempo com essa explicação, finalmente chegaremos logicamente ao ponto em que um bem foi usado pela primeira vez como dinheiro. Naquela época, o bem já deveria ter um preço de mercado, que, no entanto, era explicado apenas por seus serviços não monetários. Esse valor de troca não monetário foi o ponto de partida para o primeiro valor de troca puramente monetário do bem.

De acordo com o teorema da regressão, não é possível introduzir dinheiro “de cima para baixo”. Nenhum governante, nenhuma autoridade central pode “simplesmente” criar dinheiro. Essa percepção levanta questões, acima de tudo, a questão de como pode ser que o dinheiro de hoje seja papel-moeda sem lastro. Em seu livro The Ethics of Money Production (2008), o economista Jörg Guido Hülsmann escreve incisivamente: “O papel-moeda nunca foi introduzido por meio de cooperação voluntária. Em todos os casos conhecidos, ele foi introduzido por meio de coerção e compulsão, às vezes com ameaça de pena de morte”.[4] Mas se o papel-moeda sem lastro de hoje não pode ter se originado “naturalmente” no livre mercado, como, então, ele entrou no mundo? Para encontrar uma resposta a esta pergunta, é necessário primeiro lidar com o Estado. Isso é feito no capítulo seguinte.

 

_________________________

Notas

[1] Esse pensamento geralmente não é seguido pelos principais economistas. Em vez disso, existem argumentos ad hoc. Por exemplo, Kenneth Rogoff defende pelo menos três ou quatro moedas que devem ser globalmente sustentáveis. (Rogoff, “Why Not a Global Currency?”, American Economic Review 91, no. 2 (2001): 234–47.) Barry Eichengreen diz que um sistema monetário múltiplo surgirá baseado em dólares americanos, euros e renminbi. (Eichengreen, “Managing a Multiple Reserve Currency World” [documento preparado para o projeto do Instituto do Banco de Desenvolvimento Asiático/Earth Institute Reform of the Global Monetary System, abril de 2010].)

[2] Carl Menger, Princípios de Economia Política, trad. James Dingwall e Bert F. Hoselitz (1974; repr., Grove City, PA: Libertarian Press, 1994), pp. 261–62.

[3] Deve-se apenas apontar aqui que o teorema da regressão se aplica a priori; pode ser derivado da lógica da ação humana.

[4] Jörg Guido Hülsmann, The Ethics of Money Production (Auburn, AL: Ludwig von Mises Institute, 2008), p. 172.