A ascensão do fascismo global e o fim do mundo como o conhecemos

4
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

    “Esta é a maneira que o mundo acaba

Não com um estrondo, mas um gemido.”

Os Homens Ocos, T.S. Eliot

Menos de três anos na década de 2020, e parece que estamos vivendo as profecias do Livro do Apocalipse com suas terríveis advertências sobre praga, pobreza, ódio e guerra.

Assim que a histeria do governo sobre a pandemia de COVID-19 parece estar diminuindo, novas ameaças surgiram para ocupar nossa atenção e alimentar nossos medos: escassez de alimentos, inflação em alta, preços disparados dos combustíveis e um conflito Ucrânia-Rússia que ameaça provocar uma guerra mundial.

Será este o fim do mundo como o conhecemos? Ou este é o começo do fim do mundo?

O mundo vai acabar com um estrondo ou vai acabar, como T.S. Eliot conclui, com um gemido?

Robert Frost, dividido entre uma visão do mundo terminando em fogo (a chama quente da violência, raiva e ganância) ou gelo (a queima fria do ódio), sugere que qualquer um deles seria suficiente para realizar a tarefa.

E depois há o poeta polaco-americano Czeslaw Milosz, que imaginou o dia em que o mundo acabaria como um dia como qualquer outro: “Aqueles que esperavam relâmpagos e trovões estão desapontados. E aqueles que esperavam sinais e trombetas dos arcanjos não acreditam que isso esteja acontecendo agora. Enquanto o sol e a lua estiverem no céu, enquanto o zangão visitar uma rosa, enquanto os bebês rosados ​​nascerem, ninguém acredita que isso está acontecendo agora… Não haverá outro fim do mundo.”

Nas palavras de Milosz pode ser encontrado um eco distante de uma advertência emitida por Bertram Gross em seu livro Friendly Fascism: The New Face of Power in America:

    “Quem procura camisas pretas, turbas ou homens a cavalo não notará os sinais reveladores do fascismo rastejante. Em qualquer país do Primeiro Mundo de capitalismo avançado, o novo fascismo será colorido pela herança nacional e cultural, composição étnica e religiosa, estrutura política formal e ambiente geopolítico… como a Madison Avenue, almoços executivos, cartões de crédito e torta de maçã. Seria o fascismo com um sorriso. Como um aviso contra sua fachada cosmética, manipulação sutil e luvas de veludo, chamo isso de fascismo amigável. O que mais me assusta é seu apelo sutil. Preocupa-me aqueles que não se lembram – ou nunca aprenderam – que as parcerias entre grandes empresas e grandes governos, apoiadas por outros elementos, eram os fatos centrais por trás das estruturas de poder do velho fascismo da época de Mussolini, Hitler e os construtores do império japonês.”

Olhe além das distrações da guerra e das táticas indutoras de medo do Deep State, e considere as ramificações de longo prazo das chamadas sanções que estão sendo impostas contra a Rússia agora: não apenas as sanções governamentais, mas os lockdowns corporativos.

Como relata a CBS News, “as remessas de carros foram pausadas. A cerveja parou de fluir. O McDonald’s encerrou as vendas de Big Macs. Navios de carga deixaram de fazer escalas portuárias e companhias petrolíferas cortaram seus oleodutos. A invasão da Ucrânia pela Rússia está levando algumas das marcas mais conhecidas do mundo – da Apple à Disney e Ikea – a sair abruptamente de um país que se tornou um pária global.”

Isso é exclusão em escala global.

Algumas empresas, como relata a Fortune, foram além do que era exigido pelas sanções do governo. Por exemplo, “grandes empresas petrolíferas, incluindo Exxon, BP e Shell, encerraram projetos de investimento conjunto com empresas petrolíferas russas. Grandes varejistas, incluindo H&M, Nike, Ikea e TJX, encerraram as vendas na Rússia e fecharam lojas. Visa, Mastercard e American Express encerraram os serviços globais na Rússia… A Boeing cortou o suporte para as companhias aéreas russas e fechou seus escritórios em Moscou, enquanto a Delta encerrou seu acordo de compartilhamento de código russo… A FedEx e a UPS encerraram os serviços para a Rússia. Apple, Alphabet, Meta e Microsoft tomaram medidas significativas para combater a agressão e desinformação russas”.

Vemos basicamente a Rússia se tornando um pária comercial”, confirmou a economista Mary Lovely. “Praticamente nenhuma empresa, nenhuma multinacional, quer ser vista do lado errado das sanções dos EUA e do Ocidente.”

A agressão militar da Rússia abriu caminho para uma demonstração de força de uma aliança punitiva de poder entre grandes empresas e grandes governos que, até recentemente, vinha se esforçando em menor escala para impor sanções sobre indivíduos cujo comportamento era considerado odioso, discriminatório, conspiratório ou antigovernamental.

Não há volta daqui.

Este pode muito bem ser o fim do mundo como o conhecemos.

Este apocalipse em particular é o resultado de um golpe silencioso que deu ao Estado Corporativo um gosto pelo poder punitivo e uma compreensão da facilidade com que pode usar esse poder para manipular, controlar e dirigir os governos mundiais.

Para o bem ou para o mal, isso mudará a maneira como navegamos no mundo, redesenhando os limites do nosso mundo (e nossas liberdades) e alterando o campo de jogo mais rápido do que podemos nos adaptar.

Essa nova ordem mundial – uma ordem mundial global – composta por corporações e agências governamentais internacionais deve sua existência em grande parte às alianças profundas e, em muitos casos, ultra-secretas do governo dos EUA com nações estrangeiras e corporações globais.

Essa poderosa cabala internacional, vamos chamá-la de Estado Profundo Global, é tão real quanto o Estado Profundo Americano corporatizado, militarizado e industrializado, e representa uma ameaça tão grande quanto aos nossos direitos enquanto indivíduos, se não maior.

Estamos nos aproximando dessa ordem mundial global nas últimas décadas, mas o COVID-19, que viu os interesses governamentais e corporativos se entrelaçarem ainda mais, mudou essa transformação em alta velocidade.

Agora, diante da agressão da Rússia, o fascismo está prestes a se tornar uma ameaça global.

Dado tudo o que sabemos sobre o governo dos EUA – que trata seus cidadãos como estatísticas sem rosto e unidades econômicas a serem compradas, vendidas, trocadas, negociadas e rastreadas; que ele repetidamente mente, trapaceia, rouba, espiona, mata, mutila, escraviza, viola as leis, extrapola sua autoridade e abusa de seu poder em quase todas as ocasiões; e que ele faz guerras por lucro, prende seu próprio povo por lucro e não tem escrúpulos em espalhar seu reino de terror no exterior – não é exagero sugerir que o governo foi dominado por uma elite poderosa que não se importa com o que é melhor para nós.

De fato, para qualquer um que esteja prestando atenção aos acontecimentos no mundo, é cada vez mais óbvio que já estamos sob uma nova ordem mundial, que está sendo entregue a você pelo Estado Profundo Global-Industrial.

Ainda não está claro se o Estado Profundo Americano (“um aparato de segurança nacional que domina até mesmo os líderes eleitos teoricamente responsáveis ​​por ele”) responde ao Estado Profundo Global, ou se o Estado Profundo Global meramente capacita o Estado Profundo Americano. No entanto, não há como negar a extensão em que eles estão intrincada e simbioticamente emaranhados e interligados.

Considere até que ponto nossas vidas e liberdades são afetadas por essa convergência internacional de interesses governamentais e corporativos com fins lucrativos no estado de vigilância, no complexo industrial militar, na indústria prisional privada, no setor de inteligência, no setor de segurança, no setor de tecnologia, o setor de telecomunicações, no setor de transportes, na indústria farmacêutica e, mais recentemente, no setor farmacêutico-saúde.

Todos esses setores são dominados por megacorporações que operam em escala global e trabalham por meio de canais governamentais para aumentar suas margens de lucro. As políticas voltadas para o lucro desses gigantes corporativos globais influenciam tudo, desde políticas legislativas até economia, questões ambientais e assistência médica.

Em quase todas as frentes, seja na guerra às drogas, na venda de armas, na regulamentação da imigração, no estabelecimento de prisões, no avanço da tecnologia ou no combate a uma pandemia, se houver lucro a ser obtido e poder a ser acumulado, você pode apostar que o governo e seus parceiros globais já fecharam um acordo que coloca o povo no lado perdedor do acordo.

Estamos perdendo nossas liberdades de forma incremental por tanto tempo – vendidas a nós em nome da segurança nacional e da paz global, mantidas por meio de lei marcial disfarçada de lei e ordem e impostas por um exército permanente de polícia militarizada e elite determinada a manter seus poderes a todo custo – que é difícil identificar exatamente quando tudo começou a ruir, mas certamente estamos nessa trajetória descendente agora, e as coisas estão se movendo rapidamente.

O “governo do povo, pelo povo, para o povo” pereceu.

Em seu lugar está um governo paralelo – uma burocracia global corporativa, militarizada e entrincheirada – que está totalmente operacional e não apenas administra o país, mas está prestes a dominar o mundo.

Dada a trajetória e expansão dramática, globalização e fusão de poderes governamentais e corporativos, não vamos reconhecer este país (ou o resto do mundo) daqui a 20 anos.

Demorou menos de uma geração para que nossas liberdades fossem corroídas e a estrutura do Estado Profundo Global fosse erguida, expandida e entrincheirada.

No entanto, anote minhas palavras: o governo dos EUA não nos salvará das correntes do Estado Profundo Global.

O atual ou futuro ocupante da Casa Branca não nos salvará.

Aliás, a anarquia, a violência e a incivilidade não nos salvarão.

Infelizmente, as táticas de dividir e conquistar do governo estão funcionando como mágica.

Apesar da longa lista de queixas que deveriam unir “nós, o povo” em uma causa comum contra o governo, a nação está mais dividida do que nunca pela política, pela socioeconomia, pela raça, pela religião e por todas as outras distinções que servem para destacar nossas diferenças.

Os eventos reais e fabricados dos últimos anos – a pandemia, a vigilância invasiva, o extremismo, a agitação civil, os protestos, os tiroteios, os bombardeios, os exercícios militares e as ações militares reais, os alertas codificados por cores e avaliações de ameaças, os centros de fusão, a transformação da polícia local em extensões dos militares, a distribuição de equipamentos militares e armas para as forças policiais locais, os bancos de dados do governo contendo os nomes de dissidentes e encrenqueiros em potencial – todos se uniram para criar um ambiente no qual “nós, o povo” estamos mais divididos, mais desconfiados e temerosos uns dos outros.

O que não conseguimos perceber é que, aos olhos do governo, somos todos iguais.

Quando o governo e seus parceiros do Estado Profundo Global-Industrial na Nova Ordem Mundial reprimirem, todos nós sofreremos.

Se houver alguma esperança de nos libertarmos, ela repousa – como sempre foi – no nível local, com você e seus concidadãos participando do ativismo de base, que adota uma abordagem gradual da reforma governamental, implementando mudanças em nível local.

Uma das contribuições mais importantes que um cidadão individual pode fazer é envolver-se ativamente nos assuntos da comunidade local, na política e nas batalhas legais. Como diz o ditado: “Pense globalmente, aja localmente”.

Os Estados Unidos deveriam ser principalmente um sistema de governos locais, o que está muito longe da colossal burocracia federal que temos hoje. No entanto, se nossas liberdades devem ser restauradas, entender o que está acontecendo praticamente em seu próprio quintal – em sua casa, bairro, distrito escolar, conselho municipal – e agir nesse nível local deve ser o ponto de partida.

Responder às necessidades locais não atendidas e reagir às injustiças é o que significa o ativismo de base. Participar de reuniões do conselho municipal local, falar em reuniões da prefeitura, organizar protestos e campanhas de redação de cartas, empregar “resistência não-violenta militante” e desobediência civil, que Martin Luther King Jr. usou com grande eficácia através do uso de protestos, boicotes e marchas.

E então, como deixo claro em meu livro Battlefield America: The War on the American People e em seu equivalente ficcional The Erik Blair Diaries, se nos resta algum meio para frustrar o governo em sua marcha implacável em direção à ditadura total, ela está no poder das comunidades e governos locais para invalidar leis, táticas e políticas governamentais e corporativas que sejam ilegítimas, graves ou flagrantemente inconstitucionais.

 

 

Artigo original aqui

Participou desse artigo Nisha Whitehead, a Diretora Executiva do Instituto Rutherford.

4 COMENTÁRIOS

  1. Um dos artigos mais realista e incrível que já li!
    Uma previsão apocalíptica com cheiro da realidade que vivemos.
    Realmente, devemos pensar globalmente, mas agir localmente. O problema é que mesmo na esfera local Torres de Babel são erigidas.
    Resta-me o grito: socorrooooo!
    PS: Parabéns pelo ótimo comentário Maurício J. Melo.

  2. O que esse fascismo corporativo paz e amor está fazendo com o Chelsea, o atual campeão europeu é um dos maiores crimes que eu já vi acontecer a uma empresa privada em curtíssimo espaço de tempo. É absolutamente incrível como o governo inglês bloqueou as finanças do clube ao ponto deles não poderem vender ingressos. Não são apenas os cartolas que estão sendo atacados, mas fundamentalmente a torcida do Chelsea. E ninguém relevante reclama de nada.

    Essa conversa de O “governo do povo, pelo povo, para o povo pereceu.” é a mais pura verdade. Imaginem que por causa de uma queimada na Amazônia, por exemplo, o governo resolvesse fechar o Flamengo ou o Corinthias? é um ataque sem precedentes. Aliás, o autor deveria ter incluído a FIFA e a UEFA nesse fascismo globalizado.

    É curioso com para quem está de fora – vive na bolha do sistema, o Instituto Rothbard parece ser do contra sempre. Primeiro ao denunciar como nenhuma outra organização brasileira – e talvez até mundial, pelo grande esforço de sistematização -, a fraudemia e todas as consequências da ditadura sanitária: pobreza, morte e destruição em escala planetária em tempos de paz. Agora, com artigos que mostram que os fanfics da Ucrânia são bestas de carga do globalismo corporativo e do imperialismo americano. Mas é impossível não concordar com 99% do que é dito aqui sobre estes temas que estão na margem entre um fio de esperança na liberdade e uma ditadura perfeita.