A Ciência Econômica e o Método Austríaco

0
Tempo estimado de leitura: < 1 minute

. Prefácio

Um dos momentos mais trágicos da história do pensamento foi quando a economia, a rainha de todas as ciências sociais, adotou os métodos associados às ciências naturais: o empirismo e o positivismo. Esta mudança no ímpeto do pensamento econômico ocorreu — não por coincidência — na mesma época em que os intelectuais e os políticos passaram a acreditar na eficácia do planejamento estatal. Apesar de todas as suas falhas, a fé nas duas doutrinas permanece inabalada até os dias de hoje.Neste trabalho extraordinário, Hans-Hermann Hoppe desenvolve o argumento de Ludwig von Mises de que os métodos associados as ciências naturais não podem ser apropriados pela teoria econômica. Assim, o professor Hoppe defende a existência do conhecimento a priori, a validade da teoria pura, o uso da lógica dedutiva, a implacabilidade da lei econômica, e a idéia de que a ciência econômica não é nada além de um ramo de uma disciplina maior, a praxeologia: a ciência da ação humana.

Se os economistas quiserem se livrar da falsa suposição de que eles podem prever com precisão o futuro e, portanto, que o estado pode planejar a economia melhor do que o mercado, eles terão que rever erros metodológicos fundamentais. Quando isso acontecer, o professor Hoppe, o mais incrível praxeologista em atividade, terá desempenhado um papel indispensável.

Llewellyn H. Rockwell, Jr.
Ludwig von Mises Institute