A inconsistência dos que defendem a proibição das drogas

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os antidrogas são tão inconsistentes.

De acordo com um estudo recente realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo e publicado no Journal of the American Medical Association:

O número de americanos que morreram devido a causas relacionadas ao álcool disparou no primeiro ano da pandemia de COVID-19.

As mortes relacionadas ao álcool aumentaram cerca de 25% de 2019 a 2020.

As mortes envolvendo álcool refletem os custos ocultos da pandemia. O aumento do consumo de álcool para lidar com estressores relacionados à pandemia, mudanças nas políticas de álcool e acesso interrompido ao tratamento são todos possíveis fatores contribuintes.

Os maiores aumentos nas mortes relacionadas ao álcool foram encontrados em pessoas de 25 a 44 anos.

As mortes relacionadas ao álcool aumentaram de 13,7 para 17,5 por 100.000 em mulheres, um aumento de aproximadamente 27% e 42,1 para 52,6 por 100.000 em homens.

As mortes causadas por doenças hepáticas relacionadas ao álcool aumentaram cerca de 22%, enquanto as mortes com uma causa subjacente de transtornos mentais e comportamentais relacionados ao álcool aumentaram mais de 35% e as mortes por overdose de opióides com álcool como causa contribuinte aumentaram 40,8%, segundo o estudo.

A conclusão é inevitável: o álcool é prejudicial à saúde, perigoso e mortal. O governo deve proibir o álcool. O governo deve evitar que as pessoas se prejudiquem.

De acordo com a ficha técnica dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) sobre uso de álcool e saúde:

Beber demais pode prejudicar sua saúde. O uso excessivo de álcool levou a aproximadamente 88.000 mortes e 2,5 milhões de anos de vida potencial perdida (YPLL) a cada ano nos Estados Unidos de 2006 a 2010, encurtando a vida daqueles que morreram em uma média de 30 anos. Além disso, o consumo excessivo de álcool foi responsável por 1 em cada 10 mortes entre adultos em idade ativa de 20 a 64 anos. Os custos econômicos do consumo excessivo de álcool em 2010 foram estimados em US$249 bilhões, ou US$2,05 por bebida.

Os riscos de saúde a curto prazo incluem: lesões, acidentes de carro, quedas, afogamentos, queimaduras, violência, suicídio, agressão sexual, intoxicação por álcool e comportamentos sexuais de risco. Os riscos de saúde a longo prazo incluem: pressão alta, doença cardíaca, acidente vascular cerebral, doença hepática, problemas digestivos, câncer, problemas de aprendizado e memória, demência, baixo desempenho escolar, depressão, ansiedade, perda de produtividade, problemas familiares, desemprego e alcoolismo.

O CDC ainda afirma que “há algumas pessoas que não devem beber álcool”: qualquer pessoa com menos de 21 anos, mulheres que estejam ou possam estar grávidas, qualquer pessoa dirigindo ou planejando dirigir, qualquer pessoa participando de atividades que exijam habilidade, coordenação e atenção, qualquer pessoa que esteja tomando certos medicamentos prescritos ou de venda livre que possam interagir com o álcool, qualquer pessoa que sofra de certas condições médicas e qualquer pessoa que esteja se recuperando do alcoolismo ou seja incapaz de controlar a quantidade que bebe.

Mais uma vez, a conclusão é inevitável: o álcool é prejudicial à saúde, perigoso e mortal. O governo deve proibir o álcool. O governo deve evitar que as pessoas se prejudiquem.

O álcool (etanol – o ingrediente ativo em todas as cervejas, vinhos e destilados) não é apenas prejudicial à saúde, perigoso e mortal, é uma porta de entrada para outras drogas. Praticamente todas as pessoas que já fumaram maconha, cheiraram cocaína, injetaram heroína ou tomaram pílulas de ecstasy não se tornaram viciadas em drogas sem antes ficarem bêbadas com álcool.

Então, novamente, a conclusão é inevitável: o álcool é prejudicial à saúde, perigoso e mortal. O governo deve proibir o álcool. O governo deve evitar que as pessoas se prejudiquem.

O governo americano proibiu o álcool uma vez antes (proibição durou de 1920 a 1933), e pode fazê-lo novamente. Mas desta vez nenhuma emenda à Constituição é necessária. Afinal, não há emenda à Constituição que autorize o governo federal a travar uma guerra contra a maconha. A posse de até mesmo uma pequena quantidade de maconha pode resultar em multas e prisão, uma vez que o governo federal classifica a maconha como uma substância controlada de Classe I com “um alto potencial de abuso”, “nenhum uso médico atualmente aceito em tratamento nos Estados Unidos” e “falta de segurança aceita para uso do medicamento sob supervisão médica”.

Os proibicionistas antidrogas são tão inconsistentes. Se eles realmente quisessem evitar que as pessoas se prejudicassem, eles direcionariam todo o seu tempo, energia e esforço para garantir que o governo proíba o álcool. Mas, em vez disso, eles bebem álcool e torcem pelo governo que prende, multa e aprisiona pessoas por maconha.

Isso não é apenas inconsistente, é maldade.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. É curioso considerar que a constituição americana não proibe nenhuma atividade econômica específica, mas o sistema estatista paulatinamente vem criando crimes sem vítimas. As constituições são leis bonitinhas e tudo o mais. Os políticos psicopatas dão risadas de quem acredita nelas…

    Se eu fosse um ditador eu fazia uma lei obrigando todos os políticos a ingerir bebidas alcólicas ao invés de água. Com todos os efeitos citados aqui, provavelmente o estado se tornasse uma instituição moral no longo prazo. Eu prefiro políticos eternamente de porre do que sóbrios, tecnocratas e altamente ideologizados.

    O único bom argumento para cotinuar proibindo as drogas que eu ouvi até hoje foi do Olavo de Carvalho, tático, mas não estratégico. Ele não tinha nada contra as drogas – eu pelo menos nunca vi ele falando, mas ele acreditava que se as drogas fossem liberadas as FARC já estariam prontas para dominar o comércio internacional. E o curto prazo isso provavelmente pudesse acontecer… e comunista com dinheiro ia faltar Iphone.

  2. É como eu disse em outro comentário meu: É tudo questão de se a hipocrisia é muito clara ou não. Beber álcool é algo predominante em grande parte da sociedade, inclusive entre grande parte dos intelectuais, logicamente eles não irão proibir, e se proibir, irá desmoronar com o tempo igual aconteceu durante a lei seca.

    Já em relação às drogas, os intelectuais fazem nojinho em público, mas muitos deles usufruem disso em segredo (alguns nem escondem, já que sabem que são minoria e nada Irá acontecer com eles enquanto não fizerem nada de excessivo).

    O uso de drogas é bem menor que o uso de álcool, mas á tendência é que às legislações sobre às drogas se enfraqueçam com o tempo, já que é impossível acabar com essa demanda, que só irá crescer com o tempo, assim como a indústria criminosa e violenta que atua nessa área, mas é óbvio que muitos intelectuais irão lutar contra essa tendência por meio de suas estatísticas.