Os oikofóbicos apenas querem o poder

3

Em um artigo para o American Mind, Daniel Mahoney chama nossa atenção para um livro recente sobre o fenômeno da oikofobia, a aversão ou mesmo o ódio ao próprio país ou cultura, que agora parece tão prevalente nos círculos acadêmicos e intelectuais ocidentais que chega a ser quase uma ortodoxia ou requisito para aceitação na classe intelectual. É claro que nenhuma tendência ou fenômeno social é inteiramente novo ou tem um ponto de partida indiscutível: por exemplo, George Orwell chamou a atenção para o auto-ódio inglês há muitos anos. Mas a propagação da oikofobia tem sido de proporções epidêmicas nos últimos anos.

Parece-me que a análise do Sr. Mahoney pode ser estendida. A primeira pergunta a fazer é por que a oikofobia agora é tão prevalente. A isso, devo responder provisoriamente que é por causa da intelectualização em massa da sociedade resultante da disseminação do ensino superior. Os intelectuais têm uma tendência inerente a se opor a todas as opiniões ou sentimentos recebidos, pois não há sentido em se dar ao trabalho de ser um intelectual se acaba pensando e sentindo o que a grande massa das pessoas ao seu redor pensa e sente. O amor à pátria e aos costumes herdados é tão comum que parece quase normal ou natural, e muito disso, é claro, é irrefletido.

Mas os intelectuais devem refletir. Essa é a função deles, e eles estão inclinados a rejeitar a opinião recebida, não porque seja errada, mas porque é recebida. Não é preciso dizer que a opinião recebida pode ser errada e até perversa ou má, caso em que as críticas dos intelectuais são necessárias e salutares; mas os próprios intelectuais podem promover opiniões errôneas ou mesmo perversas, em parte pela necessidade a priori de se distinguirem do bojo da humanidade.

A fobia na oikofobia é o medo de ser considerado um dos comuns da humanidade.

A segunda pergunta sobre oikofobia é a velha de cui bono? Mais uma vez, não se deve confundir a origem ou função psicológica ou social de uma opinião com sua justificação ou correção em abstrato, mas uma vez decidido que uma opinião é equivocada ou deletéria em seu efeito, é natural perguntar de onde ela vem e a que interesses serve.

Na minha opinião, a oikofobia é geralmente falsa, ou seja, insincera, assim como seu cognato, o multiculturalismo. O oikofóbico e o multiculturalista não estão realmente interessados ​​em outras culturas, exceto como instrumentos para oprimir seus concidadãos. A razão de sua falta de interesse real em outros países não é difícil de encontrar e é de aplicação muito comum. O fato é que é muito difícil entrar genuinamente em uma cultura, ou subcultura, diferente da nossa, mesmo quando essa cultura ou subcultura é próxima ou adjacente à nossa.

Para dar um pequeno exemplo: há um pub não muito longe da minha casa na Inglaterra, no qual pessoas (principalmente homens) entre seus vinte e quarenta anos se reúnem e socializam – ou, como sou tentado a dizer – anti-socializam. Eles são barulhentos e bêbados; sua alegria barulhenta parece estar sempre a ponto de se transformar em violência; suas risadas me parecem histéricas, como se estivessem tentando provar um ao outro como estão profundamente felizes e como estão se divertindo; eles têm que gritar o que para mim é o som do pesadelo; uma grande tela de cristal líquido transmite jogos de futebol acima de suas cabeças que eles não assistem, ou apenas olham muito intermitentemente.

Por que alguém deseja se associar de tal maneira, noite após noite, é tão misterioso para mim, e ainda mais desagradável esteticamente, quanto as cerimônias de um mosteiro budista. Não posso afirmar que compreendo, nem realmente fiz muito esforço para fazê-lo. E, no entanto, estes são meus compatriotas com quem muito compartilho e que, em outras circunstâncias, eu deveria compreender facilmente.

O esforço necessário para entrar, e muito maior para entender, uma cultura em outro idioma, não é da mesma ordem de grandeza que experimentar sua culinária. Mesmo nações e suas culturas tão próximas quanto a Inglaterra e a França têm dificuldade em se entender; além disso, suas culturas são de tal profundidade que é possível dedicar vidas inteiras à compreensão de um mero aspecto delas.

Na minha experiência, os multiculturalistas não se caracterizam por seus esforços em participar ou compreender culturas diferentes da sua. Colocar sinos de vento no jardim não é o mesmo que estudar as escrituras em Pali; comprar um azulejo Iznik para decorar a casa não é o mesmo que estudar as quatro escolas de jurisprudência islâmica no original. Sem dúvida, existem alguns indivíduos talentosos que são capazes de compreender duas ou mais culturas muito diferentes; e ao contrário dos oikofóbicos ocidentais, as sociedades ocidentais há muito têm estudiosos notáveis ​​interessados ​​em culturas estrangeiras, em uma extensão provavelmente sem precedentes na história humana: mas eles sempre foram uma pequena minoria. Raramente são multiculturalistas ou oikofóbicos no sentido ideológico.

Interesse, admiração ou amor por culturas estrangeiras, ou mesmo por uma única cultura estrangeira, raramente é o motivo da oikofobia. Esta não é a crença de que, como diz a frase de abertura de Sentimental Journey de Laurence Sterne, “eles ordenam melhor essas coisas” e, portanto, devemos emular ou copiar. O oikofóbico não quer sharia ou sacrifício humano asteca, ou qualquer outro costume estrangeiro, em seu próprio país. O que ele quer é poder dentro dele, e a oikofobia é um instrumento para alcançá-lo deslegitimando aqueles que ele acha que já o têm. Ele quer substituir uma classe dominante, como ele a vê, por outra – a sua própria.

O oikofóbico, que no fundo quer apenas uma mudança de governantes, também acredita que sua própria sociedade é forte o suficiente para resistir a qualquer quantidade de enfraquecimento. Ele realmente não acredita que, um dia, sua sociedade – aquela que, felizmente para ele, lhe concede todas as suas liberdades – possa desabar como uma casa de madeira sob ataque de cupins, deixando uma ruína da qual algo terrível pode emergir. Se isso acontecesse, ele se consideraria inteiramente inocente do resultado.

 

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. Ótimo texto, realmente há uma tendência muito clara de ódio contra culturas e mentalidades típicas, principalmente entre os auto-considerados intelectuais, eles se entregam muito às suas idéias e começam á menosprezar e odiar às formas de se relacionar entre as pessoas, eles raciocinam não pelo bem da lógica e a razão, não pelas idéias que mais fazem sentido, mas sim pelo bem da criação e propagação de idéias que, na cabeça deles, fazem parte de um processo de “evolução constante”, que irá então tornar todos mais ricos e felizes.

    Essa tendência, inclusive, pode afetar qualquer um, mas a questão é que culturas geralmente são criadas pelas mentalidades das pessoas, seres humanos interagem e buscam criar suas próprias filosofias, disciplinas e formas de relacionar com o tempo, é apenas natural que os indivíduos, infectados com às idéias disseminadas pelas faculdades e outros indivíduos, passem á pensar que estão á um passo de descobrir a nova “verdade mirabolamente enriquecedora”, e assim começam á adicionar suas próprias baboseiras dentro das ideias em sua mente. O objetivo final, é claro, é o controle social e a busca por proeminência própria e de seus ideais dentro da sociedade como um todo.

    Antigamente, a força, a hombridade e a esperteza eram sinônimos de proeminência dos líderes, hoje em dia, intelectualidade e inovação são os sinônimos. Isso ocorre porque os tempos agora são outros, antigamente, a força individual era o que representava valor, hoje, o intelecto e às aparências é o que representa valor, isso decorre da mudança da mentalidade da sociedade como um todo de acordo com às eras, estamos na era capitalista-industrial, qualquer um que diga possuir uma idéia mirabolante para fazer com que a produção se torne pujante já é levado á sério no meio intelectual, e daí surgem os modelos microeconomicos, que prometem mirabolamente tornar todos mais ricos, determinados e seguros por meio do controle social e monetário, para atingir isso, é claro, é necessário um governo forte e autoritário, e quanto mais controlador e proeminente for, melhor, e essa tendência não irá frear, pois todos esses inúmeros “intelectuais especialistas” não estão atoa sentados no sofá.

  2. Eu particularmente estou interessado na oikofobia passiva que causa os mesmos danos, mas não é relacionada como política: a obsessão por viajar todos os anos, o tempo inteiro. É como se costuma dizer sobre os gringos aqui o sul: eles não se consideram brasileiros, mas alemães ou italianos, e quando vão para a Itália ou Alemanha são considerados brasileiros… mito, verdade ou coisa de pelo-duro, expressão que alguns gringos utilizam a boca pequea para se referir aos nativos?

    Até a esquerda nazista assumir o poder a Alemanha, 80% da população da população jamais haviam saído além de 50 Km em relação ao lugar onde nasceram, sendo que em muitos locais a vida não mudava desde a idade média. Isso é a anti-oikofobia. Os nazistas pretendiam mudar isso, costruindo estradas e colônias de férias com regras rígidas, típica obsesão esquerdista por controle. Era o programa “Kraft durch Freude” (força através da alegria), cujos prédios existem até hoje.

    “Na minha experiência, os multiculturalistas não se caracterizam por seus esforços em participar ou compreender culturas diferentes da sua. Colocar sinos de vento no jardim não é o mesmo que estudar as escrituras em Pali”

    O mesmo princípio serve para os esquerdistas da nova era e suas religiões alternatias, como budismo por exemplo. No ocidente, sabemos pela experiência de ter nascidos em uma civilização cristã – enquanto ainda existe, o que é um cristão hipócrita. Poucos neobudistas ex-cristãos conseguiriam tal sutileza de identificar um comportamento errado de sua nova religião oikofóbica sem ter nascido no ambiente de tal religião. É portanto uma crença capenga…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.