A Lavagem Cerebral para a guerra contra a Rússia

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Graças à mídia do establishment, os aprendizes de feiticeiros que aconselham o presidente Joe Biden – refiro-me ao secretário de Estado Antony Blinken, ao conselheiro de segurança nacional Jacob Sullivan e ao especialista em China Kurt Campbell – não terão problemas para direcionar a opinião pública em favor da guerra mais ampla dos últimos 77 anos, começando na Ucrânia, e talvez se espalhando para a China. E, surpreendentemente, uma guerra baseada em falsos pretextos.

A maioria do público ignora a realidade de que a mídia ocidental é de propriedade e é operada pelas mesmas corporações que obtêm lucros astronômicos ajudando a alimentar pequenas guerras e depois vender as armas necessárias. O brilho dos lucros fez como que líderes corporativos e a elite Ivy, educadas para acreditar no “excepcionalismo” dos EUA, não fossem capazes de pensar direito. Eles se enganam em pensar que (a) os EUA não podem perder uma guerra; (b) a guerra pode ser escalada de forma calibrada e uma guerra mais ampla pode ser limitada à Europa; e (c) pode-se esperar que a China fique de fora. A atitude, consciente ou inconscientemente, é “Não se preocupe. Em qualquer caso, o lucro vale o risco.”

A mídia também sabe que pode sempre apresentar russófobos inexperientes para “explicar”, por exemplo, por que os russos são “quase geneticamente levados” a fazer o mal (James Clapper, ex-Diretor de Inteligência Nacional e agora contratado como especialista da CNN); ou Fiona Hill (ex-Oficial de Inteligência Nacional para a Rússia), que insiste que “Putin quer expulsar os Estados Unidos da Europa”… como ele poderia dizer: “Adeus, América. Não bata a porta ao sair.”

Sem uma aparência milagrosa de que pensam com clareza com uma atitude menos ignorante em relação aos interesses centrais da Rússia na Ucrânia e da China em Taiwan, historiadores que sobrevivam para registrar a guerra que agora está cada vez mais próxima irão descrevê-la como o resultado de arrogância e estupidez. Historiadores objetivos podem até notar que um de seus colegas – o professor John Mearsheimer – acertaram desde o início, quando explicou na edição de outono de 2014 da Foreign Affairs “Por que a crise da Ucrânia é culpa do Ocidente.”

A historiadora Barbara Tuchman abordou o tipo de situação que o mundo enfrenta na Ucrânia em seu livro The March of Folly: From Troy to Vietnam (A Marcha da Estupidez: De Tróia ao Vietnã). (Se ela estivesse viva, ela certamente o teria atualizado para levar em consideração o Iraque, o Afeganistão, a Síria e a Ucrânia). Tuchman escreveu:

  “A cabeça-dura… desempenha um papel notavelmente grande no governo. Consiste em avaliar uma situação em termos de noções fixas preconcebidas, ignorando ou rejeitando quaisquer sinais contrários. É agir de acordo com o desejo, sem se deixar desviar pelos fatos.”

Seis anos (e contando) de lavagem cerebral

Graças à mídia, uma porcentagem muito pequena das pessoas sabe que:

  • 14 anos atrás, o então embaixador dos EUA na Rússia (atual diretor da CIA) William Burns foi avisado pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, de que a Rússia poderia ter que intervir na Ucrânia, se ela se torna-se membro da OTAN. A Linha de Assunto de 01 de fevereiro de 2008 da Embaixada de Moscou de Burns cabo (#182) para Washington deixa claro que o embaixador Burns não mediu as palavras de Lavrov; a linha de assunto dizia: “Nyet significa nyet: linhas vermelhas da Rússia quanto a ampliação da OTAN.”

Assim, os formuladores de políticas de Washington foram avisados, em muito termos, da linha vermelha da Rússia em relação à adesão da Ucrânia à OTAN. No entanto, em 3 de abril de 2008, uma cúpula da OTAN em Bucareste afirmou: “A OTAN dá as boas-vindas as aspirações euro-atlânticas da Ucrânia e da Geórgia à adesão à OTAN. Concordamos hoje que esses países se tornarão membros da OTAN.”

  • 8 anos atrás, em 22 de fevereiro de 2014, os EUA orquestraram uma golpe em Kiev – justamente rotulado como “o golpe mais flagrante da história”, na medida em que já havia sido divulgado no YouTube 18 dias antes. Kiev com novos líderes, escolhidos a dedo e identificados pelo nome pela Secretária de Estado Assistente americana Victoria Nuland na conversa divulgada no YouTube com o embaixador dos EUA em Kiev, imediatamente pedindo a adesão da Ucrânia à OTAN.
  • Há 6 anos, em junho de 2016, o presidente russo Vladimir Putin falou à repórteres ocidentais sobre sua preocupação de que os chamados locais de mísseis antibalísticos na Romênia e Polônia podem ser convertidos da noite para o dia para acomodar mísseis de ataque que representam uma ameaça para as próprias forças nucleares da Rússia. (Veja este vídeo único, com legendas em inglês, do minuto 37 ao 49.) Há uma analogia direta com a crise dos mísseis cubanos de 1962, quando Moscou colocou mísseis de ataque ofensivos em Cuba e o presidente John Kennedy reagiu fortemente à ameaça existencial que isto representava para os EUA.
  • Em 21 de dezembro de 2021, o presidente Putin disse a seus líderes militares mais graduados:

  “É extremamente alarmante que elementos do sistema de defesa global americano estão sendo implantados perto da Rússia. Os lançadores Mk 41, que estão localizados na Romênia e devem ser implantados na Polônia, são adaptados para o lançamento de mísseis de ataque Tomahawk. Se esta infraestrutura continua a avançar, e se os sistemas de mísseis dos EUA e da OTAN forem implantados na Ucrânia, seu tempo de voo para Moscou será de apenas 7 a 10 minutos, ou mesmo cinco minutos para sistemas hipersônicos. Este é um grande desafio para nós, para a nossa segurança.” [Enfase adicionada.]

  • Em 30 de dezembro de 2021, Biden e Putin conversaram por telefone após Putin solicitar urgência. O display do Kremlin declarou:

    “Joseph Biden enfatizou que a Rússia e os EUA compartilhavam uma responsabilidade de assegurar a estabilidade na Europa e em todo o mundo e que Washington não tinha intenção de implantar armas de ataque na Ucrânia.” Yuri Ushakov, um alto escalão da política externa assessor de Putin, destacou que este também era um dos objetivos que Moscou esperava alcançar com suas propostas de garantias de segurança para os EUA e a OTAN. [Enfase adicionada.]

  • Em 12 de fevereiro de 2022, Ushakov informou a mídia sobre a conversa telefônica entre Putin e Biden mais cedo naquele dia.

   “A ligação foi como uma espécie de acompanhamento da … conversa telefônica de 30 de dezembro. … O presidente russo deixou claro que as propostas do presidente Biden não abordaram realmente os elementos centrais das iniciativas da Rússia, quer no que diz respeito à não expansão da OTAN, ou não implantação de sistemas de armas de ataque no território da Ucrânia… Para esses itens, não recebemos nenhuma resposta significativa.” [Enfase adicionada.]

  • Em 24 de fevereiro de 2022, a Rússia invadiu a Ucrânia.

Não provocada?

Os EUA insistem que a invasão da Rússia foi “sem provocação”. A mídia do establishment obedientemente regurgita essa linha, mantendo o grande público no escuro sobre tais fatos (não opiniões) conforme descritos (e com fontes) acima. A maioria do público está tão absorvida pela mídia como estava há 20 anos, quando lhe disseram que havia armas de destruição em massa no Iraque. Eles simplesmente assumiram fé. Nem a mídia culpada expressou remorso – ou um pouco de constrangimento.

O falecido Fred Hiatt, que foi editor de opinião do Washington Post, é um exemplo disso. Em entrevista à Columbia Journalism Review [CJR, março/abril de 2004] ele comentou:

    “Se você olhar para os editoriais que escrevemos antes [da guerra], declaramos que ele [Saddam Hussein] tem armas de destruição em massa”. “Se isso não for verdade, teria sido melhor não dizer.”

(Meu mentor de jornalismo, Robert Parry, disse isso sobre a observação de Hiatt: “Sim, esse é um princípio comum do jornalismo, que se algo não é real, não devemos declarar com confiança que seja.”)

Está pior agora. A Rússia não é o Iraque. E Putin tem sido tão demonizado nos últimos seis anos que as pessoas estão inclinadas a acreditar em pessoas como James Clapper no sentido de que há algo genético que torna os russos maus. “Russiagate” foi uma grande farsa (e, agora, comprovadamente), mas o público também não sabe disso. As consequências da demonização prolongada são extremamente perigosas – e se tornarão ainda mais nas próximas semanas, à medida que os políticos disputam ser os mais fortes na oposição e no combate ao ataque “não provocado” da Rússia à Ucrânia.

O problema

O humorista Will Rogers acertou:

     “O problema não é o que as pessoas sabem. É o que as pessoas sabem que não é assim; esse é o problema.”

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. A Rússia andou sofrendo alguns reveses no campo de batalha nas últimas semanas.

    Como será daqui para frente é difícil de prever, o Putin está convocando mais gente e fazendo ameaças de ataques com bombas nucleares táticas (menos de 1 kton), e o Ocidente parece estar disposto a pagar pra ver…

    Enquanto isso as “torcidas organizadas” seguem firmes nas redes sociais.