A medicina não deveria ser violenta

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Como um experimento mental, postei a seguinte declaração no Twitter na semana passada:

    “A menos que você tenha 100% de certeza de que esta vacina é 100% segura para 100% daqueles que a tomam (você não tem), você NÃO tem moral para forçá-la ou coagi-la a NINGUÉM. Na verdade, escolher fazer isso é uma ação maligna.”

Para esclarecer, adicionei o seguinte como complemento:

    “Você pode recomendar fortemente. Você pode explicar por que acha que os benefícios compensam as desvantagens e/ou riscos. O que você não pode fazer – se quiser ficar do lado certo da moralidade – é impor uma consequência negativa para alguém por fazer a escolha “errada”. ISSO é coerção.”

Por quase todos os padrões, especialmente o meu, o tweet foi muito bem, alcançando centenas de milhares de pessoas e obtendo centenas de respostas. E particularmente interessante foi o fato de que conseguiu isso sem ser retuitado por nenhuma conta importante, pelo menos até onde eu sabia. Isso significa especialmente que a questão e o enquadramento acima repercutiram fortemente nas pessoas que são apaixonadas o suficiente pela temática para interagir de alguma forma.

Se você tiver alguns minutos, pode e deve ler os comentários. Embora a maioria concorde comigo, aqueles que não dizem tudo o que você precisa saber sobre onde estamos com a luta pela autonomia corporal em relação às vacinas Covid-19 hoje. A essência da maioria gira em torno da suposição de que os não vacinados estão automaticamente espalhando ativamente o vírus para todos ao seu redor, apenas pelo fato de não terem sido vacinados. ‘Seu direito de golpear termina onde o nariz de outra pessoa começa’, ou algo assim, a lógica costumava ser.

Exceto que, à medida que aprendemos cada vez mais, se alguém foi vacinado ou não, pouco ou nada tem a ver com o fato de alguém espalhar ou contrair esse vírus em particular. Sim, possivelmente, seus sintomas podem ser reduzidos e você pode ter uma chance menor de hospitalização ou morte – durante os poucos meses que as vacinas realmente funcionem a esse respeito – mas isso não tem absolutamente nada a ver com ninguém ao seu redor, onde todos fizeram sua própria decisão sobre tomar ou não a vacina.

Em outras palavras, esta decisão é e deve ser pessoal e tão somente pessoal.

Mas e se não fosse assim? E se a vacina realmente evitasse a contração e disseminação da Covid-19? Os impositores teriam razão? Antes de nos aprofundarmos nessa questão, considere este experimento mental apresentado por um participante no tópico citado acima:

“Foi descoberto que o fluido espinhal de homens aborígenes cura o câncer em qualquer estágio. Mas, 1 em 1.000.000 de extrações causará morte imediata. Uma lei que os obriga a doar é imoral.”

Sua conclusão: “Você não pode forçar moralmente ninguém a correr o risco de qualquer grau por qualquer causa.”

Na verdade, é difícil argumentar contra esses argumentos de uma perspectiva moral. Nesse cenário, pode-se imaginar muitas maneiras de respeitar a liberdade de incentivar os “homens aborígines” a doar seu fluido espinhal, se o fluido espinhal curar o câncer. E mesmo sem incentivo ou compensação monetária, muitos sem dúvida escolheriam doar para o bem da humanidade.

Mas também se poderia imaginar um governo tirânico tomando à força o fluido espinhal, violando tanto a liberdade quanto a autonomia corporal desses homens e sujeitando-os a um risco – mesmo mínimo – de morte. Certamente, um governo que respeita a liberdade e protege os direitos de seus cidadãos jamais permitiria que o último cenário – algo que qualquer um de nós poderia facilmente imaginar acontecendo em um lugar como a China ou a Coreia do Norte – ocorresse.

De volta a esse gênero específico de vacinas, que atualmente ostenta o maior perfil de efeitos colaterais na história moderna das vacinas e mais mortes associadas do que todas as outras vacinas combinadas, sem mencionar problemas cardíacos e outros efeitos colaterais que alteram a qualidade de vida. Mesmo que um em um milhão morra depois de tomar esta vacina, você quer ser a pessoa que determina qual criança deve ficar sem os pais ou quais pais devem perder seu filho?

Eu redigi meu tweet da maneira que fiz – exigindo 100% de certeza – sabendo que esse número é impossível de alcançar, mesmo com o melhor programa de vacinação. Talvez, se o houvesse menos efeitos colaterais, se a doença fosse mais assustadora, e se as vacinas realmente prevenissem a transmissão e a contração, talvez um argumento pudesse ser feito por pessoas morais a favor de decretos. Eu discordaria com base no que expus acima, mas o argumento poderia ser defendido e talvez eu teria algum respeito por aqueles que o defendessem.

No entanto, se todos esses fatores estivessem presentes, os decretos não seriam necessários nem provavelmente exigidos. Excluindo aqueles clinicamente incapazes de tomá-las junto com um pequeno número de antivacinas hard-core, a aceitação chegaria facilmente a 90%, mais do que o suficiente para a imunidade de rebanho, assumindo que a imunidade de rebanho poderia ser obtida por uma vacina contra um vírus de resfriado.

A maioria das pessoas que opta por permanecer não vacinada – como eu – não o faz porque queremos espalhar o vírus para outras pessoas ou sejamos contra a vacinação em geral, mas porque temos imunidade natural e/ou sérias dúvidas baseadas em dados sobre esta vacina em particular.

O argumento moral para a escolha e contra os decretos da vacina é tão claro como o dia e tão absoluto quanto qualquer argumento para o bem e contra o mal jamais poderia ser. Se os impositores da vacina Covid-19 não são pessoas más, eles certamente estão tomando parte em métodos malignos. Desta forma, eles deveriam se opor a coerção substituindo-a por todas as medidas não-violentas à nossa disposição.

 

 

Artigo original aqui