A polícia é cúmplice dos políticos no desrespeito as leis

8
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Pessoas de certa idade podem se lembrar do velho slogan da John Birch Society “Apoie sua polícia local!” A ideia aqui é que seu policial local seja um amigo seu que adora a liberdade e que apoiaria apenas leis e mandatos constitucionais. Somente aqueles bandidos da Polícia Federal considerariam violar seus direitos.

Agora, obviamente, essa sempre foi uma fantasia bastante ingênua, mas a noção dela certamente tem uma longa história de apoio entre os conservadores. A ideia de que funcionários públicos sindicalizados e bem pagos simpatizam com o homem comum, em vez de com o governo que assina os cheques da polícia, aparentemente faz sentido (por algum motivo) para os conservadores e para muitos outros.

Mas, graças ao “estado de emergência” em andamento e ao fato de que governadores, prefeitos e autoridades de saúde agora governam por decreto, estamos testemunhando cada vez mais como os policiais locais não têm interesse particular no Estado de Direito, Declaração de Direitos, ou direitos humanos básicos de qualquer espécie. A polícia tem estado na vanguarda da prisão de proprietários de empresas pelo “crime” de usar sua própria propriedade privada, usar parques da cidade e se envolver em outras atividades pacíficas.

Como observou o juiz Napolitano, essas “ordens de ficar em casa” – e as multas que as acompanham – nem são leis reais, pois nunca foram aprovadas por uma legislatura ou criadas por qualquer processo que não seja sob a autoridade de uma única pessoa que geralmente é um governador estadual ou prefeito. Por nenhuma definição de “estado de direito”, essas medidas atendem aos requisitos morais básicos para sua imposição a cidadãos pacíficos.

No entanto, a polícia está aplicando entusiasticamente esses decretos e usando-os como desculpa para molestar os contribuintes.

Aqui estão apenas alguns exemplos do Brasil:

Aqui estão apenas alguns exemplos dos Estados Unidos:

A polícia prende um empresário por se recusar a fechar sua tabacaria.
A polícia aborda e detém um homem por jogar softbol com sua família em um parque quase vazio.
Em Delaware, “um empresário local foi preso por violar pessoalmente a ordem de permanência em casa de Carney”.
A polícia de Wisconsin prendeu um cuidador de cães por “violações” relacionadas ao distanciamento social.
A polícia de Shreveport, Louisiana, ameaça empresários locais.
Os policiais de Nova York agridem um homem por violar “leis” de distanciamento social.
Em Odessa, Texas, uma equipe da SWAT desceu em uma demonstração pacífica em uma taberna.

Lembre-se de que ninguém é obrigado a se aproximar desses lugares ou interagir com alguém envolvido. Aqueles que desejam se isolar dessas empresas e de sua clientela podem fazê-lo livremente. No entanto, esses são apenas alguns dos muitos casos de assédio policial envolvendo citações, prisões e outras formas de coerção e intimidação contra pessoas que estão apenas tentando viver suas vidas. Também não devemos assumir que isso é “o pior que pode acontecer”. Como não há mais nenhum devido processo legal ou processo legislativo público sujeito a pesos e contrapesos, os governadores e prefeitos podem decidir unilateralmente a qualquer momento aumentar os requisitos de distanciamento social e o fechamento de negócios. Se o povo parecer não cooperar, os funcionários públicos podem simplesmente ordenar que a polícia faça prisões em massa. Não temos motivos para pensar que a polícia não cumprirá essa ordem.

Afinal, o pessoal da polícia, que não possui um histórico muito bom quando se trata de evitar ou investigar crimes reais, tem muitos recursos para reprimir os “agressores” não-violentos.

Os casos de Nova York e Odessa são instrutivos. Os policiais de Odessa aparentemente têm tempo e recursos extras para montar uma equipe da SWAT em resposta a protestos, mas isso significa que não há crime real que precise ser investigado em Odessa? Claro que não. De acordo com a pesquisa de crimes do FBI em 2018, Odessa teve 1.049 crimes violentos em 2018, incluindo 118 estupros e 819 agressões graves. Se o final de 2019 e o início de 2020 foram parecidos, então estamos falando de centenas de crimes violentos que os policiais da área de Odessa estão ignorando para perseguir as pessoas por entrarem em um bar.

De fato, se as delegacias de polícia de Odessa são algo como inúmeros departamentos policiais em outras áreas, apenas metade dos crimes violentos são “resolvidos”. Ou seja,

apenas 45% dos crimes violentos levam à prisão e processo. Ou seja, menos da metade dos crimes violentos resultam no que é conhecido como “resolução” do crime. As resoluções de crimes de propriedade são muito piores. Apenas 17% dos roubos, furtos e roubos de carros são “resolvidos”.

Entre os crimes violentos, os homicídios atingem a maior taxa de resolução, de 61%. A agressão grave chega a 53% e o estupro, a 34%.

Mas esses são apenas os casos em que são feitas prisões e processos são iniciados. Um número menor de casos realmente leva a condenações. Um crime pode ser resolvido mesmo quando o suspeito for exonerado posteriormente.

Nova York não está isenta dessas tendências, mas o prefeito de Nova York enviou recentemente mil policiais para interromper funerais judeus e garantir que as pessoas não façam churrascos nos dias quentes da primavera.

A propósito, houve mais de 46 mil crimes violentos em Nova York em 2018. Mas não tema, a polícia tem pessoal extra para vir e acabar com sua pequena reunião no quintal.

Não há nada de surpreendente aqui, no entanto. A polícia há muito tempo mostra falta de vontade em lidar com crimes reais, sabendo que os empresários, usuários de drogas e vadios não revidam e, assim, criam alvos muito melhores.

É por isso que a polícia costuma fugir e se esconder de criminosos verdadeiramente violentos, enquanto as vítimas precisam se defender, como no caso do tiroteio em Parkland ou no caso da facada de Joseph Lozito.

A polícia sempre toma o cuidado de alegar legalmente que não é obrigada a proteger alguém de verdade. Os tribunais concordam com essa defesa e agora está bem estabelecido legalmente que, embora você tenha a obrigação de pagar à polícia para “proteger e servir”, a polícia não tem obrigação de fornecer proteção.

Mas os policiais e seus chefes convenceram-se de que o policiamento realmente importante agora envolve levar os cuidadores de cães para a prisão e cobrar multa dos frequentadores do parque que estão a menos de um metro e meio da pessoa seguinte. Mas se você vítima de crimes reais, você provavelmente não será ajudado.

 

Artigo original aqui.

Leia também A ética da polícia

8 COMENTÁRIOS

  1. A incoerência é o substrato do Estado:
    “A polícia sempre toma o cuidado de alegar legalmente que não é obrigada a proteger alguém de verdade.” Mas quando prende cidadãos inofensivos furando a quarentena, é “para sua própria proteção”…

  2. É num momento desse que é necessário passar aquelas propagandas, “armas novas, viaturas novas, novos equipamentos, mais de 300 mil investidos pelo governo”. Mas é claro, é para garantir a segurança. kkkk. Polícia estatal é do estado, está para atender as demandas do estado, e não suas. Se politicamente vale multar inocentes, prender, é o que vai acontecer, hora não estamos numa democracia? Eleições estão por vir.

  3. Muita gente não compreende porque a proibição do comércio de drogas leva a tantas mortes. Porque a atividade é naturalmente vedada a pessoas pacíficas, que simplesmente respeitam a autoridade do estado. Quem acaba praticando o comércio são indivíduos que naturalmente já cometeriam outros crimes. Ou seja, o estado não é apenas o que garante a violência do crime organizado, ele amplia os incentivos para que o número de criminosos cresça de maneira artificial. Liberar o comércio de drogas evitaria muitos crimes reais e causaria uma diminuição progressiva na violência associada ao tráfico, trazendo assim a criminalidade a níveis reais e praticada apenas por criminosos por natureza. IMPOSTO É ROUBO, SEJA LIBERTÁRIO;

  4. 1 – Esse Alberio acima deve ser doente mental pela maneira que escreve, e o pior, deve-se achar inteligente.
    2 – Concordo com o texto, menos na parte que iguala empresários com usuários de drogas. Um emprega pessoas, e o outro formenta o crime organizado, mas acho q o autor do texto se esqueceu disso.

  5. Os comunistas nunca foram kantianos ou deontológicos, isto é, obrigados por principios morais, o comitê e o policial são uma mesma coisa no partido, o sindicato não é armado, mas exerce a força persuasiva, são todos cães de guarda. No caso corona os comitês regionais de saude atuam como estado principal coerentes com a terminologia revolucionária a pretexto de vigilancia sanitária. Até a PEC do orçamento de guerra atua como comitê e bolsonaro agora ey chefe de comitê kkkk. Como mourão tuitou, epidemia digital baseada na bioinformática e nós com a febre e a tosse mais um teste PCR cem por cento epistemológico impreciso a um passo dos sete palmos de cova, aliás Covas. Kkk rir é macabro.

  6. Artigo incrível. Antes eu tinha pena e defendia os policiais, mas agora vejo que são tão bandidos quanto os batedores de carteira que nos assaltam. Obviamente há pessoas de bem, mas o sistema é feito para ser ineficiente, como bem diz o artigo, não ligam muito pra elucidar os verdadeiros crimes, e pagamos caríssimo para a justiça decidir que não são obrigados a nos defender.