A taxa de inflação de Cuba dispara!

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Quem deve assumir a culpa (ou crédito) pela taxa de inflação de 6.900% em Cuba?

Antes de responder, considere a história das moedas fiduciárias, desde a época romana até Kublai Khan, na Alemanha antes da guerra, até as recentes hiperinflações populares como a Venezuela e o Zimbábue. O denominador comum é sempre o mesmo. No caso da hiperinflação, é sempre resultado de intervenção governamental. Apesar da história de desvalorização e colapso da moeda devido ao aumento da oferta de moeda, os países em todo o mundo ainda lutam para aprender com o passado.

De acordo com fontes de notícias cubanas:

    O governo cubano reconheceu que a reforma econômica conhecida como Tarefa de Reorganização causou inflação de 60% nos preços de varejo nas lojas e 6.900% no mercado informal …

Preste atenção sempre que a hiperinflação for mencionada no noticiário. Frequentemente, o título discutirá os resultados da desvalorização da moeda, como a escassez sendo a causa, ou outras ideias retrógradas, como uma demanda inexplicável por todos os bens e serviços.

No início deste ano, as notícias da Reuters inadvertidamente notaram o início dos problemas de Cuba, dizendo:

    Muitos bens simplesmente não são mais vendidos em lojas de pesos, apesar de bilhões de pesos a mais agora estarem em circulação.

Persiste a ideia de que o fracasso do governo se deve à falta de impressão de moeda suficiente, o que causa escassez de oferta e hiperinflação, e não à impressão excessiva como fonte.

A reorganização de Cuba, que começou em janeiro, incluiu:

    … Um aumento de preços, salários e redução de subsídios, e uma consequente desvalorização do peso cubano (CUP)…

Junto com um aumento do salário mínimo “em cerca de 450%”, o cerne de uma hiperinflação é sempre o mesmo; impressão de dinheiro seguida por uma compreensão de que o governo não diminuirá sua postura inflacionária, fazendo com que as massas queiram comprar qualquer coisa que considerem que tenha algum valor em vez de ficar com sua moeda local.

Poucos eventos causam um aumento unilateral na demanda por todos os bens e serviços simultaneamente. No entanto, quando bilhões de pesos passam a existir de repente, tudo, exceto o aumento em pesos, é considerado o culpado.

É verdade que as sanções impostas pelos EUA prejudicam a economia de Cuba, já que seu comércio é restrito. No entanto, o governo de Cuba poderia ter mitigado isso de muitas maneiras há muito tempo. Tornar Cuba uma economia de mercado livre e/ou não inflacionar a moeda do país teria feito maravilhas para a nação insular.

Em todo o mundo, ninguém quer parar de criar dinheiro. Ao mesmo tempo, todos ficam surpresos quando as moedas entram em colapso. Considere o que sugere o Havana Times:

    Além de tudo isso, as sanções dos Estados Unidos aumentaram e o embargo se tornou mais rígido, o que dificulta as operações financeiras desde 1962 e impossibilita o acesso de Cuba ao crédito de organismos financeiros internacionais.

Por que qualquer nação deseja ter acesso ao crédito de “organismos financeiros internacionais” permanece um mistério. O número de vezes que uma nação deixou de pagar um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) já deve ser lenda. Um “novo empréstimo” do FMI aumentaria a oferta de dinheiro de Cuba, aumentaria o peso de sua dívida e acarretaria a propensão de ficar inadimplente, o que poderia levar a medidas de austeridade.

Quando a escolha é entre imprimir uma moeda local até sua destruição, pedir emprestado de organizações supranacionais clandestinas ou abster-se de fazer qualquer uma das duas coisas são comparadas, apenas um resultado emerge como um claro vencedor. Uma nação deve sempre parar de imprimir dinheiro porque a impressão de dinheiro nunca levou a um resultado favorável para nenhuma nação. Só resta saber por que o caminho mais claro para o sucesso é sempre aquele que não é seguido.

 

Artigo original aqui