Acabem com a quarentena; é tempo de Ressurreição

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Para muitos milhões de cristãos, a Páscoa é uma época para celebrar a ressurreição de Jesus Cristo. Outros podem comemorar a chegada da primavera e a promessa de uma nova vida. Quaisquer que sejam as crenças, após várias semanas de ordens obrigatórias de “ficar em casa” e o desligamento completo da economia do país contra o coronavírus, essa histeria autodestrutiva deve terminar e devemos recuperar a liberdade e a liberdade que nos proporcionaram tantas oportunidades.

Para isso, devemos primeiro entender que grande parte da histeria está sendo gerada por uma grande mídia que há muito prioriza o sensacionalismo em vez de investigar e reportar a verdade. Os burocratas do governo também estão exagerando a ameaça deste vírus e parecem estar gostando do poder e controle que as pessoas apavoradas estão entregando voluntariamente a eles. Uma burocrata do “coronavírus” nos disse que não podemos nem mais ir ao supermercado! Então devemos simplesmente morrer de fome?

Certamente é possível acreditar que esse vírus pode ser perigoso, e ao mesmo tempo dizer que medidas radicais estão sendo tomadas em nossa sociedade – ordens de permanência em casa, introdução de lei marcial de fato etc. – com muito pouco conhecimento sobre o quão mortal é esta doença.

Em 24 de março, o CDC emitiu um alerta informando que os médicos deveriam assinalar “provável COVID-19” ou “aparente COVID-19” como mortes por Covid-19. Talvez isso explique a visível queda de mortes por pneumonia este ano e o aumento simultâneo de mortes por Covid-19, como alguns pesquisadores relataram.

A BBC informou na semana passada que: “Atualmente, nos EUA, qualquer morte de um paciente do Covid-19, não importa qual o médico acredite ser a causa direta, é contada oficialmente como uma morte do Covid-19”. Isso soa como uma maneira cientificamente sólida de determinar o quão mortal o Covid-19 realmente é?

O mais perigoso é que, embora esse vírus acabe desaparecendo, o ataque às nossas liberdades civis provavelmente não será revertido. A partir deste momento, sempre que autoridades locais, autoridades municipais, governadores estaduais ou burocratas federais decidirem que há motivos suficientes para suspender a Constituição, eles não hesitarão em fazê-lo. Quem contestar a suspensão da Constituição “para nosso próprio bem” será rotulado de “antipatriótico” e talvez até denunciado às autoridades. Já vimos disk-denúncia surgindo em todo o país para os cidadãos denunciarem outros cidadãos que ousam se aventurar do lado de fora para aproveitar o sol e aumentar sua proteção com a vitamina D contra o coronavírus.

Dizem que o governo tem justificativa para o cancelamento da Constituição, porque estamos em uma situação de emergência causada pelo vírus Covid-19. Mas será que as pessoas esquecem que a própria Constituição foi escrita e adotada enquanto estávamos em uma “situação de emergência”?

Os autores da Constituição erraram ao não adicionar uma 11ª Emenda à Declaração de Direitos, dizendo: “ah, a propósito, nada disso conta se ficarmos doentes”? Claro que não! Aqueles que escreveram nossa Constituição entenderam que esses direitos não são concedidos pelo governo, mas pelo nosso Criador. Portanto, nunca houve uma questão de quando ou sob que condições eles poderiam ser suspensos: o governo não tinha autoridade para suspendê-los, porque não os concedeu em primeiro lugar.

Nosso país corre muito menos risco do coronavírus do que dos milhares de pequenos e grandes autoritários que repentinamente mostram sua força em todo o país. O presidente faria bem em acabar com essa quarentena ridícula para que as pessoas possam continuar com suas vidas e voltar ao trabalho.

Os cidadãos devem se lembrar dos tiranos que os trancaram na próxima vez que forem às urnas. Vamos exigir o fim da paralisação para que possamos ressuscitar nossa economia, nossas vidas e nossas liberdades!

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorCOVID-19: Há uma solução privada ou só pública para controlar a epidemia?
Próximo artigoSem produção não há renda
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.