Agora o mainstream apoia as mesmas políticas de máscara que Scott Atlas foi censurado por promover

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O Dr. Anthony Fauci disse à CNN no último fim de semana que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA devem divulgar uma nova orientação sugerindo políticas relaxadas de máscaras em ambientes externos.

“O risco quando você está ao ar livre – o que temos dito o tempo todo – é extremamente baixo”, disse Fauci, que é famoso por inverter completamente suas orientações do COVID-19. “E se você for vacinado, é ainda mais baixo. Então você ouvirá sobre esse tipo de recomendação em breve.”

Enquanto Fauci passou a maior parte do ano passado recebendo cobertura da mídia, participando de programas de TV de grande audiência e em outras oportunidades em que era o centro das atenções, outro conselheiro de políticas de saúde que participou da força-tarefa de coronavírus do ex-presidente Donald Trump por mais de 100 dias alertou que Fauci, o CDC e outros membros do “pensamento de grupo” científico em torno do COVID-19 poderiam estar abordando o vírus de maneira errada.

O Dr. Scott Atlas foi uma das primeiras e únicas vozes na luta COVID que foi contra o uso de máscara ao ar livre e questionou a narrativa dominante de que vencer o vírus exigia uma abordagem baseada no medo.

“Por que você usaria uma máscara se está andando de bicicleta sozinho lá fora? Por que diabos você usaria uma máscara se estivesse dirigindo seu próprio carro? Por que diabos você usaria uma máscara se está no deserto sozinho? ” Atlas disse ao Real Clear Politics em outubro.

Os porta-vozes do CDC, no entanto, se opunham claramente ao pensamento de Atlas. Durante os lockdowns de 2020 e as controvérsias de reabertura, o ex-diretor do CDC, Dr. Robert Redfield, disse que “tudo o que [Atlas] diz é falso”.

Fauci também deu a entender que, embora a maior parte da força-tarefa COVID parecesse estar na mesma página, havia uma óbvia “exceção”. As pessoas que fazem essas críticas, disse Atlas, são motivadas pela atenção que recebem da mídia e “simplesmente estão acostumadas a pensar em grupo e não sabem lidar com pessoas informadas que têm um processo de pensamento crítico”.

“O CDC tem muitos cientistas excelentes, tenho certeza disso, mas quando o chefe do CDC mostrou uma máscara e disse que uma máscara é melhor do que uma vacina, isso é um absurdo. Isso não é ciência. Isso é contrário a todo pensamento racional”, observou Atlas.

Os porta-vozes da mídia corporativa de esquerda também seguiram dicas desses críticos e repetidamente atacaram Atlas por ele recomendar a reabertura de escolas e cidades em meio à pandemia, dispensar as máscaras, exceto em certos casos, e se erguer contra a censura da dissidência científica. Um ex-funcionário de Obama até exigiu que Atlas perdesse sua licença médica.

Enquanto Atlas repetidamente apontava para dados que sinalizavam que as quarentenas eram “um dos maiores fracassos da saúde pública neste país”, a Big Tech também entrou na luta para censurá-lo por apontar que as evidências do uso generalizado de máscara eram precárias ​​e só deve ser aplicado em determinadas situações com indivíduos em situações de alto risco. O YouTube, de propriedade do Google, deletou uma entrevista com Atlas discutindo como lockdowns impostos pelo governo estavam fazendo mais mal do que bem por supostamente violar seus termos de serviço.

À medida que o CDC continua a recuar em suas recomendações, muitas das quais foram examinadas por falta de evidências científicas, as alegações de Atlas que antes eram usadas por políticos, a mídia corporativa e outros trapaceiros para descartar a ciência estão de repente voltando.

 

Artigo original aqui