As implicações dos argumentos a favor do aborto

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Todo argumento a favor do aborto permitiria matar um inocente já nascido, retornar à escravidão ou assaltar um banco

  1. O feto é só um aglomerado de células – permite interpretar que pessoas com deficiência mental, não fazendo uso pleno das faculdades racionais, também seriam apenas aglomerado de células isentas de direitos. Esta desumanização já foi aplicada a negros pra justificar sua escravidão. Se considerarmos que o globalismo ateu ignora a existência da alma, reduzindo todos os seres humanos a aglomerados de células, o cenário é ainda mais assustador
  2. O embrião não tem sistema nervoso central – permite estabelecer qualquer critério arbitrário para privar de direito a vida qualquer ser humano que não tenha atingido a maturidade do seu desenvolvimento biológico, algo como “adolescentes não tem o hipotálamo plenamente desenvolvido, logo podem ser mortos”
  3. Embriões não sentem dor – permite assassinar pessoas em coma ou qualquer pessoa desde que se use um método indolor
  4. Fetos são parte do corpo da mãe, o que a permite dispor dele como bem entender – permite que um gêmeo siamês assassine o outro (observem que se trata de um argumento completamente anti-científico, já que a mãe e o feto formam organismos distintos)
  5. Fetos são parasitas da mãe – permite que uma família assassine um parente inválido que represente um grande encargo (observe que se trata de mais um argumento totalmente anti-científico, já que a relação entre a mãe e o feto é definida biologicamente como de simbiose e não de parasitismo)
  6. Embriões não são seres vivos – isto sequer configura um argumento a favor do aborto já que apenas aquilo que está vivo pode ser abortado, mas permite assassinar pessoas em estado vegetativo (observem que é o argumento mais anti-científico de todos já que apenas um organismo vivo poderia se desenvolver em homeostase a partir do estágio de zigoto)
  7. A mãe não quer o feto – permite a uma mãe matar um bebê já nascido caso não o quisesse
  8. O feto vai nascer em péssimas condições sociais – permitira matar um bebê já nascido caso ele esteja em más condições sociais
  9. O feto vai dar despesa pra sociedade – permite matar crianças já nascidas caso alguém arbitrariamente decidisse que elas não seriam lucrativas pra sociedade, como os espartanos faziam com bebês sem potencial de se tornarem soldados de infantaria
  10. O feto poderia ser usado pra pesquisa com células embrionárias que salvam vidas – permite matar um inocente e usar seus órgãos pra salvar vidas
  11. A mãe tem direito de expulsar uma pessoa de dentro do corpo dela – permite atirar um inocente pra fora de uma aeronave privada em pleno vôo
  12. A mãe não pode ser obrigada a sustentar uma vida por 9 meses – permite a uma mãe deixar de amamentar o filho até mata-lo por inanição ou a um socorrista da Guarda Costeira se demitir no meio do serviço e largar uma pessoa se afogando no oceano
  13. O aborto deve ser permitido em caso de estupro – permite assassinar um bebê já nascido se ele for fruto de estupro
  14. Mas a gravidez fruto de estupro causa trauma psicológico à mãe – permite assassinar qualquer pessoa que cause um trauma psicológico a outra
  15. O aborto deve ser permitido em caso de anencefalia – permite assassinar pessoas já nascidas que tenham sofrido lesões cerebrais graves
  16. O aborto deve ser permitido em caso de risco de vida pra mãe – permite assassinar pessoas infectadas com vírus letais (melhor nem dar ideia, do jeito que estão as coisas)
  17. Os países desenvolvidos liberam o aborto – permite a escravidão, já que as potências coloniais do Século XVII liberavam a escravidão
  18. A liberação do aborto diminui crimes e problemas sociais – permite a volta da escravidão, já que alguns argumentavam que a abolição gerou uma massa desempregada aglomerada em guetos (trata-se de mais um argumento sem base científica, já que o aborto incentiva a desestruturação familiar com consequente aumento do crime)
  19. A liberação do aborto é conveniente à mulher – permite a volta da escravidão se for conveniente ao senhor de engenho
  20. O Estado é laico, não devemos proibir o aborto com base na moral Cristã – permite a volta da escravidão, já que os doutores morais da Igreja Católica foram a principal força de oposição a ela
  21. Não tem quem cuide do bebê depois que ele nascer – permite a volta da escravidão, já que muitos escravagistas argumentavam que escravos libertos ficariam desamparados
  22. As pessoas já nascidas que devem governar o mundo e decidir se querem abortar – permite a volta da escravidão, já que boa parte dela era justificada com base em divisões arbitrárias entre pessoas superiores e inferiores
  23. A mãe cometeu um descuido ao engravidar mas a gravidez não estava nos seus planos – permite que um empresário que cometeu um descuido cubra o rombo da empresa assaltando um banco
  24. A mãe foi estuprada e a gravidez não estava nos seus planos – permite que um empresário que foi financeiramente lesado cubra o rombo da empresa assaltando um banco
  25. Com a proibição do aborto, a mãe é obrigada a tentar abortar em locais clandestinos e perigosos – permite liberar o assalto a bancos já que com a proibição os assaltantes são obrigados a tentar assaltar o banco trocando tiro com seguranças e policiais

2 COMENTÁRIOS

  1. “O feto é só um aglomerado de células – permite interpretar que pessoas com deficiência mental, não fazendo uso pleno das faculdades racionais, também seriam apenas aglomerado de células isentas de direitos”

    Philip K. Dick escreveu um conto anti-abortista em 1974 surpreendente chamado “The Pre-Persons” sobre uma distopia feminazi onde a criança poderia ser abortada até aprender a somar, dividir, multiplicar ou seja, fazer contas simples.

    Hoje em dia estamos vivendo essa distopia, só que através de vacinação em massa de crianças e adolescentes pela ditadura nazicovidiana.