As maiores mentiras dos EUA e aliados sobre a guerra na Ucrânia

6
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

[Lee esto en Español]

1ª mentira: Se a Rússia tomar a Ucrânia, seremos os próximos.

Não há nenhuma evidência para essa mentira, e é uma mentira ainda mais estranha do que a mentira de que se o Vietnã cair para os comunistas, esse será apenas o primeiro “dominó” e todos os outros cairão e a União Soviética e/ou a China comunista dominarão o mundo.

A Rússia, na verdade, não tinha motivação para invadir a Ucrânia até que os EUA realizaram um golpe, que derrubou e substituiu o governo neutro da Ucrânia e instalou um raivosamente anti-russo em 2014. Os países da OTAN se recusaram unanimemente a negociar com a Rússia sobre a antiga linha vermelha de segurança nacional da Rússia contra a Ucrânia – a nação com a fronteira mais próxima do Kremlin (o comando central da Rússia) a apenas 317 quilômetros de distância – sendo adicionada à aliança militar anti-Rússia dos EUA, a OTAN. Em 7 de janeiro de 2022, a OTAN disse não a esse pedido da Rússia. Eles nem negociariam sobre isso. Eles estavam determinados a violar essa linha vermelha da Rússia. A única maneira que restou à Rússia para cumprir sua linha vermelha nesta questão que é tão essencial para a segurança nacional da Rússia, foi tomar a Ucrânia antes que a Ucrânia fosse levada para a OTAN e se tornasse equipada com um míssil nuclear dos EUA.

Da mesma forma, mas na direção oposta, a Crise dos Mísseis Cubanos de 1962 teve EUA o presidente John Fitzgerald Kennedy se recusando a permitir que a União Soviética fosse autorizada por Cuba e a instalar mísseis soviéticos que poderiam atingir o comando central dos EUA na Casa Branca em 30 minutos, mas a grande diferença com a Ucrânia naquela situação – a situação em que Cuba estava então – é que Kruschev estava disposto a negociar, e negociou, com Kennedy sobre o assunto para evitar uma guerra nuclear. A outra grande diferença, neste caso, é que o Kremlin está a apenas 5 minutos de voo de mísseis da Ucrânia, e não 30 minutos, e que os países da OTAN se recusaram totalmente a negociar com a Rússia.

Depois daquela rejeição de 7 de janeiro de 2022 pela OTAN — recusa até mesmo em negociar sobre o assunto —, a Rússia tinha uma necessidade de segurança nacional de agir, e nada menos do que uma invasão da Ucrânia poderia ser aquela ação necessária. Ela foi forçada pela OTAN, sobre a Rússia. A potência agressiva imperialista aqui é os EUA (virtual dono da aliança da OTAN), NÃO a Rússia. Os EUA exigem o direito de expandir seu império até uma distância de 5 minutos do comando central da Rússia; a Rússia não ameaça expandir sua fronteira até 5 minutos do comando central dos EUA. Os EUA e suas colônias mentem descaradamente sobre qual lado é o agressor contra o outro lado. A própria ideia de que a Rússia tinha algum interesse em invadir qualquer um dos países da OTAN – ou mesmo em invadir a Ucrânia antes do golpe de Estado de fevereiro de 2014 que virou a Ucrânia contra a Rússia – é uma mentira cruel e odiosa, que tem sua origem em Washington DC e é papagueada em todo o seu império.

2ª mentira: A guerra na Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022.

Na verdade, estamos agora no décimo ano desta guerra.  A guerra na Ucrânia começou em 2014, como disseram Stoltenberg, da OTAN, e Zelensky, da Ucrânia. Foi iniciada em fevereiro de 2014 por um golpe dos EUA que substituiu o presidente democraticamente eleito e neutro por um líder escolhido e ferozmente anti-russo, que imediatamente impôs um programa de limpeza étnica para se livrar dos moradores das regiões que haviam votado esmagadoramente no presidente deposto.

O regime dos EUA agora aplica brutalidade máxima ao povo ucraniano

A Rússia respondeu militarmente em 24 de fevereiro de 2022 para evitar que a Ucrânia permitisse que os EUA colocassem um míssil ali a apenas 500 quilômetros ou cinco minutos de voo de mísseis do Kremlin e, portanto, muito breve para a Rússia responder antes que seu comando central já fosse decapitado pelo ataque nuclear dos EUA. (Como manchete em 28 de outubro de 2022, “OTAN quer colocar mísseis nucleares na fronteira russa da Finlândia – Finlândia diz que sim”. Os EUA exigiram isso, especialmente porque colocarão mísseis nucleares americanos muito mais perto do Kremlin do que atualmente, a apenas 815 quilômetros de distância – não tão perto quanto a Ucrânia, mas o mais próximo até agora.)

3ª mentira: Esta é uma guerra entre a Ucrânia e a Rússia.

A Ucrânia era neutra entre a Rússia e os Estados Unidos até que o golpe ucraniano brilhantemente executado por Obama, que seu governo começou a planejar em junho de 2011, culminou com sucesso em fevereiro de 2014 e prontamente nomeou um anti-russo raivoso para impor em regiões que rejeitaram o novo governo anti-russo controlado pelos EUA uma “Operação Antiterrorista” para matar manifestantes e, finalmente, para  aterrorizar os residentes nessas regiões, a fim de matar o maior número possível deles e forçar os outros a fugir para a Rússia para que, quando as eleições fossem realizadas, os eleitores pró-Rússia não estivessem mais no eleitorado.

O governo dos EUA havia contratado a organização de pesquisas Gallup, antes e  depois do golpe, para sondar os ucranianos, e especialmente aqueles que viviam em sua república independente da Crimeia, sobre suas opiniões sobre EUA, Rússia, OTAN e UE, e, em geral, os ucranianos eram muito mais pró-Rússia do que pró-EUA, OTAN ou UE, mas isso era especialmente  o caso da Crimeia; assim, o governo americano sabia que os crimeianos seria especialmente resistentes. No entanto, essa não era uma informação realmente nova. Durante 2003-2009, apenas cerca de 20% dos ucranianos queriam a adesão à OTAN, enquanto cerca de 55% se opunham a ela. Em 2010, o Gallup descobriu que, enquanto 17% dos ucranianos consideravam a OTAN como “proteção de seu país”, 40% diziam que era “uma ameaça ao seu país”. Os ucranianos viam predominantemente a OTAN como um inimigo, não como um amigo. Mas após o golpe ucraniano de Obama em fevereiro de 2014, “a adesão da Ucrânia à OTAN obteria 53,4% dos votos, um terço dos ucranianos (33,6%) se oporia. No entanto, depois, o apoio ficou em torno de 45% – ainda mais que o dobro do que era antes do golpe.

Linha do tempo: a Crimeia é da Rússia ou da Ucrânia?

Em outras palavras: o que Obama fez foi geralmente bem-sucedido, tomou à força a Ucrânia, ou a maior parte dela, e mudou a mente dos ucranianos em relação aos EUA e à Rússia. Mas somente após a subsequente passagem do tempo é que o coração neoconservador dos bilionários americanos foi enxertado com sucesso na nação ucraniana para tornar a Ucrânia um lugar viável para posicionar mísseis nucleares dos EUA contra Moscou (que é o objetivo do governo dos EUA lá). E mais: os governantes dos Estados Unidos também precisavam fazer algum trabalho sobre a opinião pública dos EUA. Somente em fevereiro de 2014 – época do golpe de Obama – mais de 15% do público americano tinha uma visão “muito desfavorável” da Rússia. (Logo antes de a Rússia invadir a Ucrânia, esse número já havia subido para 42%. A imprensa americana – e a academia ou os “especialistas” em políticas públicas – têm sido muito eficazes na gestão da opinião pública, em benefício dos bilionários americanos.)

4ª mentira: Esta não é uma guerra entre a Ucrânia e a Rússia, é uma guerra entre a Europa e a Rússia.

Esta é uma reafirmação da 1ª mentira. A verdade é que esta é uma guerra entre os bilionários que controlam o governo dos EUA contra a Rússia, ou seja, sua tentativa desde 25 de julho de 1945 de conquistar (controlar) a Rússia, que tem mais recursos naturais do que qualquer outro país. Os bilionários americanos controlam especialmente as 100 maiores corporações americanas que vendem (principalmente armas) para o governo dos EUA e para suas colônias (seus governos “aliados”); e, portanto, para que continuem crescendo seus respectivos patrimônios, esses bilionários devem controlar seus mercados, que são esses governos. E eles fazem isso, de modo que suas carteiras de investimentos têm aumentado de valor ainda mais, muito mais, do que os mercados de ações dos EUA aumentaram em valor. É o seu plano de negócios coletivo.

Não só a OTAN foi criada pelo regime dos EUA em 1949 para que o regime pudesse conquistar a Rússia, mas até mesmo a UE foi criada pelo governo dos EUA com o mesmo propósito: conquistar a Rússia. Os países membros da OTAN e da UE recebem do governo dos EUA e de seus agentes suas instruções sobre suas relações internacionais. As nações europeias praticamente não têm soberania, mas são meras colônias de seu ditador (desde 25 de julho de 1945), o regime norte-americano, controlado por seus bilionários. A aristocracia americana controla as aristocracias de cada uma de suas colônias. Não pode haver democracia num império, e não há neste. Esta é a realidade da guerra na Ucrânia: é uma guerra imperialista do regime norte-americano e das suas colónias, contra a Rússia, e está sendo travada (até agora) nos campos de batalha da Ucrânia.

 

 

 

Artigo original aqui

6 COMENTÁRIOS

  1. Os Estados Unidos criaram um Império narco, de contrabando de armas, pornografia, tráfico humano e mentiras. Tudo o que é imoral, degradante e indigno passa pelo controle dos plutocratas e canalhocratas que tem nos líderes da Europa os seus bonecos de ventríloquo. Mesmo criando conflitos dentro de território europeu, ameaçando a vida de milhões, para movimentar sua indústria da guerra, são poucas as vozes na União Europeia para denunciar esses abusos. Eles não estão interessados em nenhum objetivo militar, senão em criar caos e destruição para lucrar com a barbárie.

  2. O mais impressionante é que tudo isso está bem documentado, inclusive em sites mainstream aonde os autores adoram inventar desculpinhas esfarrapadas. Mesmo assim tudo isso vai continuar sendo considerado mera teoria de conspiração e nunca virá a publico, e Putin continuará sendo Hitler 2.