Cap. II — Da armadilha malthusiana à revolução industrial: reflexos sobre a evolução social

0
Tempo estimado de leitura: 27 minutos

I. Teoria Econômica

 

Para a teoria econômica, a questão de como aumentar a riqueza e enriquecer tem uma singela resposta.

Ele tem três componentes: você fica mais rico:

(a) por meio da acumulação de capital, ou seja, a construção de bens intermediários de “produtor” ou “capital” que podem produzir mais bens de consumo por unidade de tempo do que podem ser produzidos sem eles ou bens que não podem ser produzidos de todo, com apenas terra e trabalho (e a acumulação de capital, por sua vez, tem algo a ver com a preferência por menos tempo);

(b) através da participação e integração na divisão do trabalho; e

(c) através do controle populacional, isto é, mantendo o tamanho ideal da população.

Robinson Crusoé[1], sozinho em sua ilha, originalmente tem apenas seu próprio “trabalho” e “terra” (natureza) à sua disposição. Ele é tão rico (ou pobre) quanto a natureza o faz. Algumas de suas necessidades mais urgentes, que ele pode satisfazer diretamente, tão somente equipado apenas com as próprias mãos. No mínimo, ele sempre pode satisfazer seu desejo de lazer desta maneira: imediatamente. No entanto, a satisfação de muitos de seus desejos requer mais do que natureza e mãos nuas, ou seja, algum método de produção indireto e demorado. A maioria, de fato, quase todos os bens e tipos de satisfação associados requerem a ajuda de algumas ferramentas apenas indiretamente úteis: de bens de produção ou de capital. Com a ajuda dos bens de produção, torna-se possível produzir mais por unidade de tempo dos mesmos bens que podem ser produzidos também com as mãos (como lazer) ou produzir bens que não podem ser produzidos com apenas terra e trabalho. Para pescar mais do que com as próprias mãos, Crusoé constrói uma rede; ou, para construir um abrigo que ele não pode construir com as próprias mãos, ele deve construir um machado.

No entanto, construir uma rede ou um machado requer um sacrifício (economia). Certamente, espera-se que a produção com a ajuda de bens de produção seja mais produtiva do que sem ela; Crusoé não gastaria tempo construindo uma rede se não esperasse que pudesse pescar mais peixes por unidade de tempo com a rede do que sem ela. No entanto, produzir um bem de produção envolve um sacrifício; pois leva tempo para construir um bem de produção e o mesmo tempo não pode ser usado para o gozo ou consumo de lazer ou outros bens de consumo disponíveis imediatamente. Ao decidir se deve ou não construir a rede que irá gerar aumento de produtividade, Crusoé deve comparar e classificar dois estados esperados de satisfação: a satisfação que ele pode alcançar agora, sem mais espera, e a satisfação que ele só poderá alcançar mais tarde, depois de uma espera mais longa. Tempo. Ao decidir construir a rede, Crusoé determinou que ele classifica o sacrifício: o valor abdicado de um consumo maior agora, no presente, abaixo da recompensa: o valor de um consumo maior posteriormente, no futuro. Caso contrário, se ele tivesse classificado essas magnitudes de maneira diferente, ele teria se abstido de construir a rede.

Essa ponderação e a possível troca de presente com mercadorias futuras e satisfações associadas são governadas pela preferência temporal. Os bens presentes são invariavelmente mais valiosos que os futuros, e trocamos os primeiros contra os últimos apenas com um prêmio. O grau, no entanto, em que os bens presentes são preferíveis aos futuros, ou a disposição de renunciar a algum possível consumo atual para um maior consumo futuro, ou seja, a disposição de economizar, é diferente de pessoa para pessoa e um ponto no tempo para outro. Dependendo da altura de suas preferências pessoais, Crusoé economizará e investirá mais ou menos e seu padrão de vida será maior ou menor. Quanto menor a preferência de tempo, ou seja, mais fácil para Crusoé adiar a gratificação atual em troca de uma satisfação antecipada maior no futuro.

Segundo, as pessoas podem aumentar sua riqueza através da participação na divisão do trabalho. Assumimos que Crusoé se junta ao nativo Sexta-Feira. Por causa de suas diferenças naturais, físicas ou mentais ou das diferenças de “terra” (natureza) que enfrentam, surgem quase automaticamente vantagens absolutas e comparativas na produção de vários bens. Crusoé está melhor equipado para produzir um bem e Sexta-Feira outro. Se eles se especializarem no que é particularmente bom em produzir, a produção total de bens será maior do que se eles não tivessem se especializado e permanecessem na posição de um produtor isolado e autossuficiente. Como alternativa, se Crusoé ou Sexta-Feira são produtores superiores de todos os bens, o produtor superior geral deve se especializar naquelas atividades em que sua vantagem é especialmente maior e o produtor inferior geral deve se especializar nas atividades em que sua desvantagem é comparativamente menor. Desse modo, também, a produção geral de bens produzidos será maior do que se cada um tivesse permanecido em isolamento autossuficiente.

Terceiro, a riqueza da sociedade depende do tamanho da população, isto é, se a população é ou não mantida em seu tamanho ideal. Essa riqueza depende do tamanho da população decorre da “lei dos rendimentos” e da “lei malthusiana da população”, que Ludwig von Mises saudou como

[…] uma das grandes realizações do pensamento. Juntamente com o princípio da divisão do trabalho, forneceu os fundamentos da biologia moderna e da teoria da evolução; a importância desses dois teoremas fundamentais para as ciências da ação humana perde apenas para a descoberta da regularidade no entrelaçamento e sequência dos fenômenos de mercado e sua inevitável determinação pelos dados de mercado. As objeções levantadas contra a lei malthusiana, bem como contra a lei dos rendimentos, são vãs e triviais. Ambas as leis são indiscutíveis.[2]

Em sua forma mais geral e abstrata, a lei dos rendimentos decrescentes afirma que, para qualquer combinação de dois ou mais fatores de produção, existe uma combinação ideal (de modo que qualquer desvio a partir dele envolva desperdício de material ou “perdas de eficiência”). Aplicada aos dois fatores originais de produção, trabalho e terra (bens dados pela natureza), a lei implica que se alguém aumentasse continuamente a quantidade de trabalho (população) enquanto a quantidade de terra (e a tecnologia disponível) permanecesse fixa e inalterado, eventualmente será atingido um ponto em que a produção física por entrada de unidade de trabalho é maximizada. Este ponto marca o tamanho ideal da população. Se a população crescesse além desse tamanho, a renda per capita cairia; e da mesma forma, a renda per capita seria menor se a população caísse abaixo desse ponto (pois a divisão do trabalho diminuiria, com uma perda de eficiência). Para manter o nível ótimo de renda por pessoa, a população não deve mais crescer, mas permanecer estacionária. Existe apenas uma maneira de uma sociedade estacionária aumentar ainda mais a renda real per capita ou crescer em tamanho sem perda de renda per capita: através da inovação tecnológica, isto é, através do emprego de ferramentas melhores e mais eficientes, possibilitadas pelas economias produzidas pela abstenção de lazer ou outro consumo imediato. Se não houver inovação tecnológica (a tecnologia é fixa), a única maneira possível de a população crescer em tamanho sem uma queda concomitante da renda per capita é através da utilização de mais (e possivelmente melhor) terra. Se não há terra adicional disponível e a tecnologia está estagnada em determinado nível, contudo, então qualquer crescimento populacional para além do ideal levará a um declínio progressivo no rendimento per capita.

Esta última situação também foi chamada de “armadilha malthusiana”. Ludwig von Mises a caracterizou assim:

O ajuste consciente da taxa de natalidade à disponibilidade de bens é uma condição indispensável da vida humana e da ação, da civilização e de qualquer melhoria de saúde e bem-estar. […]

Os que se opõem ao controle da natalidade querem eliminar um procedimento indispensável à preservação da cooperação pacífica entre os homens, assim como à divisão social do trabalho. Onde quer que o padrão médio de vida seja prejudicado pelo aumento excessivo da população, surgem conflitos de interesses irreconciliáveis. Cada indivíduo torna-se novamente um rival de todos os outros indivíduos na luta pela sobrevivência. A aniquilação dos rivais passa a ser o único meio de aumentar o seu próprio bem-estar. […]

Os meios necessários à melhoria das condições de vida e à própria sobrevivência são limitados; as condições naturais, sendo como são, reservam unicamente ao homem a possibilidade de escolher a guerra sem trégua contra todos os seus semelhantes ou a cooperação social. Mas a cooperação social torna-se impossível, se as pessoas cederem sem restrições ao impulso natural de proliferação.[3]

Já foi descrito e explicado (no capítulo anterior) como tudo isso funcionou nas sociedades de caçadores-coletores. É concebível que a humanidade nunca tenha deixado o estilo de vida aparentemente confortável para caçadores-coletores. Isso teria sido possível se a humanidade tivesse sido capaz de restringir todo o crescimento populacional além do tamanho ideal de um bando de caçadores-coletores (de algumas dezenas de membros). Nesse caso, ainda poderíamos viver hoje, como todos os nossos antepassados ​​diretos viveram dezenas de milhares de anos, até 11.000 ou 12.000 anos atrás. De fato, no entanto, a humanidade não conseguiu fazê-lo. A população cresceu e, consequentemente, territórios cada vez maiores tiveram que ser tomados em posse até que um deles ficasse sem terra adicional. Além disso, os avanços tecnológicos realizados no âmbito das sociedades de caçadores-coletores (como a invenção do arco e flecha, há cerca de 20.000 anos atrás, por exemplo) aumentaram (ao invés de diminuíram) a velocidade desse expansionismo. Como caçadores e coletores (como todos os animais não humanos) apenas esgotam (consomem) o suprimento de bens dados pela natureza, mas não produzem e, portanto, acrescentam a esse suprimento, melhores ferramentas em suas mãos apressaram (e não atrasaram) o processo de expansão territorial.

A Revolução Neolítica, que começou cerca de 11.000 anos atrás, trouxe algum alívio temporário. A invenção da agricultura e criação de animais permitiu que um número maior de pessoas sobrevivesse na mesma quantidade inalterada de terra e na instituição da família, privatizando (internalizando) os benefícios, bem como os custos da produção dos filhos, forneceu uma nova verificação, até então desconhecida, do crescimento da população. Mas nenhuma inovação trouxe uma solução permanente para o problema do excesso de população. Os homens ainda não conseguiam manter a calma, e a maior produtividade provocada pelo novo modo de produção não parasitário representado pela agricultura e criação de animais foi rapidamente exaurida novamente pelo crescente tamanho da população. Um número significativamente maior de pessoas poderia ser sustentado no mundo agora, mas a humanidade ainda não escapara da armadilha malthusiana – há até duzentos anos, com o início da chamada Revolução Industrial.

 

II. História Econômica: O Problema

 

O problema a ser explicado a seguir foi capturado por dois gráficos que descrevem o crescimento da população mundial, por um lado, e o desenvolvimento da renda per capita (padrões de vida médios), por outro.

O primeiro gráfico, retirado de Colin McEvedy e Richard Jones[4], mostra o crescimento da população humana de 400 a.C. até o presente (2.000 d.C.). O tamanho da população era de cerca de quatro milhões no início da Revolução Neolítica. Mas até cerca de 7.000 anos atrás (5.000 a.C.), a área cultivada (primeiro apenas na região do Crescente Fértil e depois também no norte da China) era pequena demais para afetar muito o tamanho da população global. Até então, a população havia crescido para cerca de cinco milhões. Mas desde então, o crescimento da população aumentou rapidamente: 2.000 anos mais tarde (3000 a.C.) tinha quase triplicado para quatorze milhões, há 3.000 anos (1.000 a.C.) tinha chegado a cinquenta milhões[5], e apenas 500 anos depois, quando o gráfico é estabelecido, o tamanho da população mundial ficou em cerca de 100 milhões. Desde então, como o gráfico indica, o tamanho da população continuou a aumentar lentamente, mas de maneira mais ou menos constante, até cerca de 1800 (para cerca de 720 milhões), quando ocorreu uma quebra significativa e o crescimento da população aumentou acentuadamente para atualmente, apenas cerca de 200 anos, mais tarde, atingindo sete bilhões.

Figura I: População total mundial (milhões) – medidas em milhões de pessoas

O segundo gráfico, extraído de Gregory Clark[6], mostra o desenvolvimento da renda per capita desde o início da história humana registrada até o presente. Também mostra uma quebra significativa ocorrendo por volta de 1800. Até aquele momento, ou seja, na maior parte da história humana registrada, a renda real per capita (em termos de comida, moradia, roupas, aquecimento, iluminação e iluminação) não aumentava. Ou seja, os padrões de vida médios na Inglaterra do século XVIII não eram significativamente mais altos do que os da antiga Babilônia, onde podiam ser encontrados os registros mais antigos de salários e vários preços de bens de consumo. Naturalmente, com a vida sedentária e a propriedade privada, surgiram diferenças distintas em riqueza e renda. Existiam grandes proprietários de terras (senhores) que viviam em enorme luxo, mesmo pelos padrões de hoje, quase desde o início da vida estabelecida. Nem os padrões de vida médios sempre e em todos os lugares eram igualmente baixos. Existiam diferenças regionais pronunciadas entre, por exemplo, a renda real inglesa, indiana e da África Ocidental em 1800. E, é claro, no que diz respeito às comparações entre períodos de tempo, muitas tecnologias existiam em 1800 na Inglaterra, desconhecidas na Roma antiga, Grécia, China ou Babilônia. No entanto, em todo o caso, em todos os lugares e em todos os momentos, a esmagadora maioria da população, a massa de pequenos proprietários de terras e a maioria dos trabalhadores, viviam perto ou apenas um pouco acima do nível de subsistência. Houve altos e baixos na renda real, devido a vários eventos externos, mas em nenhum lugar houve uma tendência ascendente contínua na renda per capita discernível até cerca de 1800.

Figura II: História econômica mundial em uma imagem. A renda aumentou acentuadamente em muitos países depois de 1800, mas diminuiu em outros.

Em conjunto, os dois gráficos capturam o significado histórico mundial da chamada Revolução Industrial, que ocorreu cerca de 200 anos atrás, bem como o significado – e em particular a extensão – do estágio malthusiano anterior do desenvolvimento humano. Até cerca de 1800, existia pouca diferença nas economias de seres humanos e animais não humanos. Para animais (e plantas), é sempre e invariavelmente verdade que um aumento em seu número invadirá os meios disponíveis de subsistência e acabará por levar à superpopulação, a “espécimes supernumerosas”, como Mises os chamou, que deve ser “eliminada” devido à falta de sustentação. Hoje sabemos que, no que diz respeito aos humanos, isso não deve ser assim: não existem espécimes supernumerosas que são assim eliminados nas sociedades ocidentais modernas. Mas, na maior parte da vida humana, esse foi realmente o caso.

Certamente, o tamanho da população poderia crescer, principalmente porque mais terras foram adquiridas para uso agrícola e, em parte, devido à melhor tecnologia incorporada nos bens de produção e a uma divisão do trabalho prolongada e intensificada. Mas todos esses “ganhos” econômicos sempre foram devorados rapidamente por uma população crescente que novamente invadiu os meios de subsistência disponíveis e levou à superpopulação e ao surgimento do “espécime supernumeroso” para o qual não havia espaço na divisão do trabalho e que consequentemente tiveram que desaparecer silenciosamente ou se tornar uma ameaça (um “mal” econômico) na forma de mendigos, vagabundos, saqueadores, bandidos ou guerreiros. Durante a maior parte da história humana, então, a lei de ferro dos salários prevaleceu. A renda era mantida em patamar de subsistência devido à substancial classe de “espécimes supernumerosas”.

 

III. História Explicada

 

Por que demorou tanto tempo para sair da armadilha malthusiana; e o que aconteceu que finalmente conseguimos? Por que demorou tanto tempo até desistirmos da existência de caçadores-coletores em favor da existência de colonos agrícolas? E por que, mesmo após a invenção da agricultura e criação de animais, foram necessários mais de 10.000 anos até a aparente fuga final da humanidade da armadilha malthusiana? A teoria econômica, ou o que eu disse sobre isso, não responde e não pode responder a essas perguntas.

A resposta padrão entre economistas, em particular também entre economistas libertários, é: deve ter havido impedimentos institucionais, em particular uma proteção insuficiente dos direitos de propriedade privada, que impediram um desenvolvimento mais rápido e esses impedimentos foram removidos apenas recentemente (cerca de 1800). Essencialmente, essa também é a explicação de Ludwig von Mises.[7] Da mesma forma, Murray N. Rothbard apresentou ideias semelhantes.[8] Quero argumentar que essa explicação é equivocada ou pelo menos insuficiente e apresentar o esboço de uma explicação alternativa (hipotética).

Por um lado, caçadores e coletores, pelo que sabemos, tinham muito tempo livre em suas mãos para inventar a agricultura e a criação de animais. De novo e em inúmeros lugares, eles sofriam com excesso de população e consequentemente queda de renda; e, no entanto, embora o custo de oportunidade do lazer perdido tenha sido baixo, ninguém em qualquer lugar, por dezenas de milhares de anos, considerava a agricultura e a criação de animais uma fuga (pelo menos temporária) das condições malthusianas. Em vez disso, até cerca de 11.000 anos atrás, as tribos de caçadores-coletores responderam ao desafio recorrente da superpopulação sempre pela migração, ou seja, usando terras adicionais em uso (até finalmente ficarem sem terra) ou lutando entre si até a morte até a população o tamanho foi suficientemente reduzido para impedir a queda da renda real.

Além disso, os direitos de propriedade nas sociedades sedentárias estavam bem protegidos em muitos lugares e épocas. A ideia de propriedade privada e a proteção bem-sucedida da propriedade privada não são invenções e instituições do passado recente, mas são conhecidas há muito tempo e praticadas quase desde o início da vida sedentária. Pelo que sabemos, por exemplo, os direitos de propriedade em 1200 na Inglaterra e em grande parte da Europa feudal estavam melhor protegidos do que hoje na Inglaterra e na Europa contemporâneas. Ou seja, todo incentivo institucional favorável à acumulação de capital e à divisão do trabalho existia – e, em nenhum lugar, até cerca de 1800, a humanidade conseguiu se livrar da armadilha malthusiana do excesso de população e da renda per capita estagnada. Assim, a instituição de proteção à propriedade pode e deve ser considerada apenas como necessária, e não também como suficiente, do crescimento econômico (aumento da renda per capita).

Deve haver algo mais – algum outro fator, que não apareça na teoria econômica – que terá que explicar tudo isso.

Parte da resposta é óbvia: a humanidade não escapou da armadilha malthusiana porque, como observado anteriormente, os homens não conseguiam manter as calças fechadas. Se o tivessem feito, não haveria excesso de população. Isso pode ser apenas parte da resposta, no entanto. Porque o controle populacional pode impedir a queda da renda real, mas não pode aumentar a renda.[9] Algum outro fator “empírico” que não consta da teoria econômica pura (apriorística) deve explicar a duração da era malthusiana e como finalmente conseguimos sair dela. Esse fator ausente é a variável histórica da inteligência humana, e a resposta simples para as perguntas acima, então, (a ser elaborada a seguir) é: porque durante a maior parte da história a humanidade simplesmente não era inteligente o suficiente – e leva tempo para se cultivar inteligência.[10]

Até cerca de 11.000 anos atrás, a humanidade não era inteligente o suficiente, de modo que nem seus membros mais brilhantes eram capazes de conceber a ideia de produção indireta ou indireta de bens de consumo subjacente à agricultura e pecuária. A ideia de plantar primeiro as culturas, depois cuidar e proteger e finalmente colhê-las não é óbvia ou trivial. A ideia de domar, criar e criar animais também não é óbvia ou trivial. Requer um grau considerável de inteligência para conceber tais noções. Foram necessários dezenas de milhares de anos de seleção natural em condições de caçadores-coletores para finalmente criar inteligência suficiente para possibilitar tais conquistas cognitivas.

Da mesma forma, foram necessários vários milhares de anos mais de seleção natural em condições agrícolas, para atingir um limiar no desenvolvimento da inteligência humana (ou mais precisamente: a preferência de tempo reduzida correlacionou-se à alta inteligência), de modo que o crescimento da produtividade pudesse superar continuamente qualquer população crescimento. Desde o início da Revolução Neolítica, até cerca de 1800 invenções suficientes (melhorias tecnológicas) foram feitas por pessoas brilhantes (e imitadas por outros de menor inteligência) para explicar (além de terras mais usadas na agricultura) por um aumento significativo da população mundial: de cerca de quatro a 720 milhões (agora, sete bilhões). Mas durante toda a era, a taxa de progresso tecnológico nunca foi suficiente para permitir o crescimento populacional combinado com o aumento da renda per capita.

Hoje, tomamos como certo que é apenas a falta de vontade de consumir menos e economizar mais que impõe limites ao crescimento econômico. Temos um suprimento aparentemente interminável de recursos naturais e receitas de como produzir mais, melhores e diferentes produtos, e são apenas nossas economias limitadas que nos impedem de empregar esses recursos e implementar tais receitas. No entanto, esse fenômeno é realmente bastante novo. Durante a maior parte da história humana, as economias foram contidas pela falta de ideias sobre como investi-los produtivamente, ou seja, como converter economias simples (armazenamento) em economias produtivas (produção de bens de produção). Para Crusoé, por exemplo, não era suficiente ter uma preferência de tempo baixa e economizar. Em vez disso, Crusoé também teve que conceber a ideia de uma rede e deve saber como construí-la do zero. A maioria das pessoas não é inteligente o suficiente para inventar e implementar algo novo, mas pode, na melhor das hipóteses, imitar, mais ou menos perfeitamente, o que outras pessoas mais brilhantes inventaram antes delas. No entanto, se ninguém é capaz de fazer isso ou imitar o que os outros inventaram antes, mesmo os direitos de propriedade mais seguros não farão diferença. Todo incentivo precisa de um receptor para funcionar e, se um receptor estiver ausente ou insuficientemente sensível, diferentes estruturas de incentivo não importam. Portanto, a instituição de proteção à propriedade deve ser considerada apenas uma condição necessária (mas não suficiente) do crescimento econômico (aumento da renda per capita). Da mesma forma, requer inteligência para reconhecer a maior produtividade física da divisão do trabalho.

O mecanismo pelo qual maior inteligência humana (combinada com baixa preferência de tempo) foi criada ao longo do tempo é simples. Dado que o homem é fisicamente fraco e mal equipado para lidar com a natureza bruta, era vantajoso para ele desenvolver sua inteligência.[11] Maior inteligência traduzida em sucesso econômico, e sucesso econômico, por sua vez, traduzido em sucesso reprodutivo (produzindo um número maior de descendentes sobreviventes). Para a existência de ambos os relacionamentos, estão disponíveis enormes quantidades de evidências empíricas.[12]

Não há dúvida de que a existência de caçadores-coletores requer inteligência: a capacidade de classificar vários objetos externos como bons ou ruins, a capacidade de reconhecer uma multiplicidade de causas e efeitos, estimar distâncias, tempo e velocidade, pesquisar e reconhecer paisagens, localizar várias coisas (boas ou ruins) e lembrar sua posição em relação umas às outras, etc.; mais importante, a capacidade de se comunicar com os outros por meio da linguagem e, assim, facilitar a coordenação. Nem todos os membros de uma banda eram igualmente capazes de tais habilidades. Alguns eram mais inteligentes que outros. Essas diferenças nos talentos intelectuais levariam a uma visível diferenciação de status dentro da tribo – de “excelentes” e “péssimos” caçadores, coletores, e comunicadores – e essa diferenciação de status resultaria em diferenças no sucesso reprodutivo de vários membros da tribo, especialmente considerando os costumes sexuais “soltos” que prevaleciam entre os caçadores-coletores. Ou seja, em geral os membros “excelentes” da tribo produziriam um número maior de filhotes sobreviventes e, assim, transmitiriam seus genes com mais sucesso para a próxima geração do que os “ruins”. Consequentemente, se e na medida em que a inteligência humana tem alguma base genética (o que parece inegável à luz da evolução de toda a espécie), as condições de caçadores-coletores produziriam ao longo do tempo (selecionariam) uma população com inteligência média crescente e ao mesmo tempo um nível cada vez mais alto de inteligência “excepcional”.

A competição interna das tribos, e a seleção e criação de inteligência superior por meio de taxas diferenciais de sucesso reprodutivo, não cessaram depois que a vida de caçadores-coletores foi abandonada em favor da agricultura e criação de animais. No entanto, os requisitos intelectuais do sucesso econômico tornaram-se um pouco diferentes sob condições sedentárias.

A invenção da agricultura e criação de animais foi, por si só, uma conquista cognitiva notável. Exigia um horizonte de planejamento prolongado. Exigia disposições mais longas e insights mais profundos e de maior alcance sobre as cadeias de causas e efeitos naturais. E exigia mais trabalho, paciência e resistência do que nas condições de caçadores-coletores. Além disso, foi fundamental para o sucesso como agricultor que alguém possuísse algum grau de conhecimento matemático para contar, medir e proporções. Exigia inteligência para reconhecer as vantagens da divisão do trabalho entre famílias e abandonar a autossuficiência. Foi necessário um pouco de alfabetização para projetar contratos e estabelecer relações contratuais. E exigia alguma habilidade de cálculo monetário e de contabilidade para ter sucesso econômico. Nem todos os agricultores eram igualmente aptos a essas habilidades e tinham um grau de preferência temporal igualmente baixo. Pelo contrário, nas condições agrícolas, em que cada família era responsável por sua própria produção de bens de consumo e descendentes e não havia mais “gratuidade”, como nas condições de caçadores-coletores, na desigualdade natural do homem e na correspondente diferenciação social de e entre membros mais ou menos bem-sucedidos de uma tribo tornou-se cada vez mais e mais visível (principalmente pelo tamanho das propriedades de uma pessoa). Como consequência, a tradução do sucesso econômico (produtivo) e de status em sucesso reprodutivo, i.e, a geração de uma quantidade maior de descendentes por parte dos economicamente bem-sucedidos, tornou-se ainda mais direta e evidente.

Além disso, essa tendência de seleção para inteligência superior seria particularmente pronunciada sob condições externas “severas”. Se o ambiente humano é imutavelmente constante e “ameno” – como nos trópicos sem estação, onde um dia é como mais um ano – a inteligência alta ou excepcional oferece uma vantagem menor do que em um ambiente inóspito com variações sazonais amplamente flutuantes. Quanto mais desafiador o ambiente, maior o prêmio atribuído à inteligência como requisito de sucesso econômico e, consequentemente, reprodutivo. Portanto, o crescimento da inteligência humana seria mais pronunciado em regiões mais severas (historicamente, geralmente do norte) da habitação humana.

Os seres humanos vivem – consomem – animais e plantas, e os animais vivem com outros animais ou plantas. As plantas, portanto, permanecem no início da cadeia alimentar humana. O crescimento das plantas, por sua vez, depende da presença (ou ausência) de quatro fatores: dióxido de carbono (que é distribuído uniformemente pelo mundo e, portanto, não interessa aqui), energia solar, água e, muito importante, minerais (como potássio, fosfatos, etc.).[13]

No equador, onde (nas proximidades) os primeiros humanos modernos viveram, duas das três condições de crescimento biológico foram atendidas perfeitamente. Existia uma abundância de luz solar e de chuva. A chuva caía previsivelmente quase diariamente. Os dias e as noites eram igualmente longos e as temperaturas durante todo o ano eram confortavelmente quentes, com pouca ou nenhuma diferença entre dia e noite e verão e inverno. Na floresta tropical, as temperaturas raramente excedem 30 graus Celsius e raramente caem abaixo de 20 graus Celsius. Os ventos eram geralmente calmos, interrompidos apenas por breves tempestades repentinas. As condições para a habitação humana, então, pareceriam bastante atraentes; e, no entanto, a densidade populacional nas regiões tropicais é e sempre foi extremamente baixa em comparação com a região mais ao norte (e sul), às vezes, como nas florestas tropicais da Amazônia, quase tão baixa quanto a densidade populacional típica de desertos ou regiões árticas. A razão para isso é a extrema escassez de minerais do solo nos trópicos.

O solo dos trópicos é, geologicamente falando, antigo (em comparação com as regiões afetadas pela sequência histórica da terra dos períodos glacial e interglacial) e quase completamente drenado de minerais (exceto regiões equatoriais com atividade vulcânica de produção mineral) como em algumas ilhas da Indonésia, como Java, por exemplo, onde a densidade populacional humana sempre foi significativamente maior). Como resultado, a enorme característica de biomassa dos trópicos não produz crescimento novo, excedente ou excessivo. O cultivo agrícola ocorre o ano todo, mas é lento e não leva a um aumento na biomassa total. Uma vez crescida, a floresta tropical apenas se recicla. Além disso, a proporção esmagadora dessa biomassa está na forma de árvores de madeira dura e de crescimento lento, isto é, de matéria morta; e as folhas da maioria das plantas tropicais, devido à sua necessidade peculiar de proteção (resfriamento) contra o intenso sol do equador, não são apenas duros e resistentes, mas frequentemente venenosos ou pelo menos desagradáveis ​​para os seres humanos e outros comedores de plantas, como gado e veado. Essa ausência de crescimento excedente e a química especial das plantas tropicais explica o fato de que, ao contrário do que se imagina frequentemente, os trópicos suportam apenas incrivelmente poucos e pequenos animais. De fato, os únicos animais existentes em abundância são formigas e cupins. Uma biomassa tropical (principalmente de madeira) de mais de 1.000 toneladas por hectare produz não mais que 200 kg de carne (massa animal), ou seja, um cinco milésimos da massa vegetal. (Por outro lado, na savana de pastagens da África Oriental, meras cinquenta toneladas de massa vegetal por quilômetro quadrado [100 hectares] produz cerca de vinte toneladas de massa animal: elefantes, búfalos, zebras, gnus, antílopes e gazelas.) No entanto, onde existem tão poucos animais e pequenos, apenas poucos humanos podem ser sustentados. (De fato, a maioria das pessoas que morava nos trópicos vivia perto de rios e sustentava suas vidas essencialmente pela pesca, e não pela caça e coleta).

Em seu local de origem, então, os seres humanos chegaram muito rapidamente ao ponto em que tiveram que deixar o ambiente paradisíaco, quente, estável e previsível dos trópicos e entrar em outras regiões em busca de comida. As regiões ao norte (e ao sul) do equador eram regiões sazonais, no entanto. Ou seja, eles tinham menos e menos chuvas constantes do que os trópicos, e as temperaturas caíam cada vez mais e variavam mais amplamente à medida que se movia para o norte (ou para o sul). Nas regiões do norte da habitação humana, as temperaturas podem variar facilmente em mais de 40 graus por dia e as temperaturas sazonais em mais de 80 graus. A biomassa total produzida sob tais condições foi significativamente menor do que nos trópicos. Mas longe do equador o solo tinha (com bastante frequência) minerais mais variados e suficientes para compensar as desvantagens climáticas e criar condições ideais para o cultivo da vegetação mais adequada ao consumo animal e humano: plantas que cresciam rapidamente e, em períodos curtos, produziam grandes excedentes sazonais de biomassa fresca – principalmente gramíneas (incluindo grãos) – que podem sustentar muitos animais de tamanho considerável.

Durante a última era glacial, que terminou cerca de 10.000 anos atrás, as regiões que ofereciam condições climáticas menos que paradisíacas, mas um suprimento alimentar superior incluía (concentrando-se aqui no hemisfério norte, onde ocorreu a maior parte do desenvolvimento considerado) todos a África supraequatorial – incluindo o Saara – e a maior parte da massa terrestre da Eurásia (exceto o norte da Europa e a Sibéria, ainda árticos). Desde então, e essencialmente continuando até hoje, um cinturão norte de desertos, que se amplia para o leste, passou a separar toda a zona de regiões sazonais em um meridional de regiões subequatoriais e uma região setentrional que inclui agora também a maior parte do norte da Europa e Sibéria. Essencialmente , desde o estágio caçador-coletor do desenvolvimento humano, essencialmente até hoje, portanto, a maior densidade populacional era encontrada nestas regiões “temperadas” (imagem depois modificada apenas pelas altitudes).

É importante perceber, neste contexto, que o que passamos a considerar como regiões “moderadas” da habitação humana eram na verdade condições de vida bastante severas e, nas latitudes mais altas do norte, até condições extremamente adversas, em comparação com os trópicos constantemente quentes, condições às quais os primeiros humanos se adaptaram. Em contraste com o ambiente estável e imutável dos trópicos, as regiões temperadas apresentaram maiores mudanças e flutuações e, portanto, colocavam (cada vez mais) desafios intelectuais difíceis para caçadores e coletores. Eles não apenas tiveram que aprender a lidar com animais grandes, que não existiam nos trópicos (exceto nas partes vulcânicas da Indonésia), e seus movimentos. Mais importante, fora das regiões equatoriais, as mudanças sazonais e as flutuações no ambiente humano tiveram um papel cada vez maior, e tornou-se cada vez mais importante prever tais mudanças e flutuações e antecipar seus efeitos no futuro suprimento de alimentos (de plantas e animais). Aqueles que puderam fazê-lo com sucesso e fazer os preparativos e ajustes adequados tiveram mais chances de sobrevivência e proliferação do que aqueles que não puderam.

Fora da floresta equatorial, ao norte (e ao sul), existiam estações chuvosas pronunciadas e tinham que ser levadas em consideração. Choveu durante o verão e estava seco no inverno. Além disso, o crescimento e a distribuição de plantas e animais foram afetados pelos ventos setentrionais (ou do hemisfério sul). Em regiões ainda mais ao norte (ou sul), cada vez mais separadas desde o final da última era glacial das regiões subequatoriais por uma faixa de desertos (norte e sul), as estações das chuvas mudaram, com chuvas no inverno e secas no verão. Os ventos que afetavam a distribuição das chuvas eram predominantemente do oeste. Os verões eram quentes e secos, enquanto as temperaturas do inverno, mesmo em baixas altitudes, podiam facilmente atingir níveis de congelamento “mortais”, mesmo que apenas por curtos períodos. As estações de crescimento foram, portanto, limitadas. Por fim, nas regiões mais ao norte da habitação humana, ou seja, ao norte das latitudes do Mediterrâneo, a chuva caiu irregularmente ao longo do ano e, com ventos predominantes no oeste, chovia mais no oeste (norte da Europa) do que no leste (norte da Ásia). Caso contrário, porém, as mudanças sazonais e as flutuações nessa zona de habitação humana eram extremas. A duração dos dias (luz) e das noites (escuridão) variou notavelmente ao longo do ano. Nas regiões do extremo norte, um dia claro de verão e uma noite escura de inverno podem durar mais de um mês. Mais importante, toda a região (e especialmente quando se movia na direção norte) experimentou longos períodos de condições de congelamento muitas vezes extremas durante o inverno. Durante esses períodos, que duravam de muitos meses à maior parte do ano, todo o crescimento das plantas ficou essencialmente parado. As plantas morreram ou ficaram inativas. A natureza parou de fornecer alimentos, e os seres humanos (e animais) foram ameaçados de fome e o perigo de congelar até a morte. As estações de cultivo, durante as quais um excedente de comida e abrigo poderia compensar estes problemas, foram curtas também. Além disso, as diferenças extremas entre invernos longos, rigorosos e congelantes e os verões curtos, suaves a quentes afetaram a migração de animais. A menos que eles tivessem se adaptado totalmente às condições do Ártico e pudessem entrar em alguma forma de hibernação durante as estações “mortas”, os animais precisavam migrar de estação para estação, geralmente por longas distâncias para locais distantes. E como os animais constituíam grande parte do suprimento de alimentos humanos, os caçadores-coletores também tinham que migrar regularmente por grandes distâncias.

Diante do pano de fundo desta imagem dura da ecologia e da geografia humanas, ainda mais modificadas e complicadas, é claro, pela existência de cordilheiras, de rios e de corpos d’água, fica evidente por que a seleção natural em favor de uma inteligência maior entre os caçadores e os coletores seria mais pronunciada à medida que se avançava para o norte (ou para o sul), rumo às regiões mais frias da habitação humana. Sem dúvida, era necessária uma inteligência significativa para que os humanos vivessem com sucesso nos trópicos. Mas a constância dos trópicos agia como um freio natural para o desenvolvimento da inteligência humana. Como um dia era parecido com o outro nos trópicos, havia pouca ou nenhuma necessidade de que alguém pensasse em algo além do que o terreno que o cercava ou plantasse algo para além do futuro imediato. Em contraste marcante, a sazonalidade cada vez maior das regiões afastadas dos trópicos se traduzia num ambiente mais desafiador para a inteligência.

A existência de mudanças e de flutuações sazonais – de chuva e de seca, de verão e de inverno, de calor insuportável e de frio congelante, de ventos e de calmarias – exigia que mais fatores remotos, entre os quais o sol, a lua e as estrelas, e tempos maiores fossem levados em consideração se alguém quisesse agir com sucesso e sobreviver e procriar. Mais cadeias de causa e efeito tinham de ser reconhecidas, com cadeias argumentativas mais extensas. O planejamento tinha de ser de longo prazo. Era preciso agir agora, a fim de ter sucesso muito depois. Tanto o período de produção – a lacuna de tempo entre um esforço produtivo e sua conclusão – quanto o período de provisão – tempo futuro para o qual era preciso fazer economia (armazenagem) – precisaram ser aumentados. Nas regiões mais ao norte, com invernos mortais e longos, provisões de comida, de roupas, de abrigos e de aquecimento tinham de ser feitas para durar quase o ano todo ou mais. O planejamento tinha de ser em termos de anos, e não dias ou meses. Da mesma forma, na busca de animais migratórios, tinham de ser atravessados territórios mais extensos, o que exigia habilidades incríveis de orientação e de navegação. Somente grupos inteligentes o bastante em média para gerar líderes excepcionais com habilidades intelectuais superiores eram recompensados com o sucesso – sobrevivência e procriação. Os grupos e os líderes, por outro lado, incapazes de tais realizações eram punidos com o fracasso, ou seja, a extinção.

O maior progresso rumo à invenção da agricultura e da pecuária, há cerca de onze mil anos, deve, portanto, ter ocorrido nas regiões mais ao norte da habitação humana. Ali, a competição dentro e entre grupos de caçadores e coletores deve ter gerado, com o tempo, a população mais inteligente – precavida e com visão de longo prazo. E realmente, durante dezenas de milhares de anos até cerca de onze mil anos atrás, todo avanço tecnológico importante se originou nas regiões ao norte: principalmente na Europa ou, no caso das cerâmicas, no Japão. Por outro lado, durante o mesmo período, as ferramentas usadas nos trópicos permaneceram as mesmas.

Mas o poder explanatório do desenho da evolução social acima vai além. A teoria admitidamente hipotética aqui apresentada pode explicar por que se levou tanto tempo para escapar da armadilha malthusiana, e como tal feito foi possível e não permanecemos presos à armadilha malthusiana para sempre: a humanidade simplesmente não era inteligente o bastante para alcançar os aumentos de produtividade necessários para compensar continuamente o crescimento populacional. Certo limiar de inteligência média e extraordinária teve de ser alcançado para tornar isso possível, e foi preciso tempo (até cerca de 1800) para “cultivar” tal nível de inteligência. A teoria pode explicar o corroborado e aceito (ainda que persistentemente ignorado pelo “politicamente correto”) fato da pesquisa sobre a inteligência: que o QI médio dos países diminui gradativamente quando se viaja do norte para o sul (de cem ou mais pontos quando nos países mais ao norte para cerca de setenta na África subsaariana):[14] Mais especificamente a teoria pode, assim, explicar por que a Revolução Industrial teve início e depois prevaleceu em algumas regiões – geralmente setentrionais –, mas não em outras, por que sempre houve diferenças regionais persistentes de renda e por que essas diferenças poderiam ter aumentado (e não diminuído) desde a época da Revolução Industrial.

A teoria também explica algo que a princípio pode parecer anômalo: que não foi nas regiões mais ao norte que a Revolução Neolítica aconteceu, há cerca de onze mil anos, conquistando aos poucos e sucessivamente o mundo, mas sim em regiões muito mais ao sul – ainda assim bem ao norte dos trópicos: no Oriente Médio, na China central (vale do rio Yang-Tsé) e na Mesoamérica. O motivo para esta aparente anomalia é fácil de detectar, contudo. A fim de inventar a agricultura e a pecuária, eram necessários dois fatores: inteligência suficiente e circunstâncias naturais favoráveis para aplicar tal inteligência. O segundo fator era o que faltava nas regiões ao norte, o que evitou que seus habitantes fizessem a invenção revolucionária. As condições congelantes extremas e a extrema brevidade da estação de cultivo praticamente impossibilitavam a agricultura e a pecuária, mesmo que a ideia tivesse sido concebida. O necessário para realmente implementar a ideia eram as circunstâncias naturais favoráveis à vida sedentária: uma estação de cultivo longa e quente (além de culturas adequadas e de animais domesticáveis).[15] Tais condições climáticas existiam nas mencionadas regiões “temperadas”. Ali, o desenvolvimento competitivo da inteligência humana entre caçadores e coletores fez progresso suficiente (mesmo que ficasse para trás do desenvolvimento mais ao norte), tanto que, combinada com circunstâncias naturais favoráveis, a ideia da agricultura e da pecuária pôde ser implementada. Desde o fim da última Era do Gelo, há cerca de dez mil anos, a zona de climas temperados se expandiu para o norte, para latitudes maiores, tornando a agricultura e a pecuária cada vez mais possíveis ali. Deparando-se com pessoas ainda mais inteligentes, as novas e revolucionárias técnicas de produção não foram apenas rapidamente imitadas e adotadas; técnicas melhores tiveram origem aqui. Ao sul dos centros da invenção original, a nova técnica também seria adotada aos poucos (com exceção dos trópicos) – afinal, é mais fácil imitar que inventar. Deparando-se com pessoas menos inteligentes ali, contudo, pouca ou nenhuma contribuição ao desenvolvimento de práticas mais eficientes de agricultura e pecuária surgiria. Todos os ganhos posteriores de eficiência nestas regiões viriam da imitação de técnicas inventadas em outros lugares, em regiões mais ao norte.

 

IV. Implicações e Visão Geral

 

Há várias implicações e sugestões a partir disso. Primeiro, a teoria da evolução social aqui mostrada expressa uma crítica fundamental ao rampante igualitarismo de dentro das ciências sociais em geral, mas também entre muitos libertários. Sim, os economistas aceitam “diferenças” humanas na forma de diferentes produtividades laborais. Mas essas diferenças são geralmente interpretadas como resultado de condições externas distintas, ou seja, de diferentes dons e educação. Só raramente características internas, biológicas, são admitidas como fontes possíveis das diferenças humanas. Ainda assim, mesmo quando os economistas admitem o óbvio – que as diferenças humanas têm fontes biológicas e internas também, como Mises e Rothbard admitem –, eles geralmente ignoram que essas diferenças são em si resultado de um processo longo de seleção natural em favor das características humanas e das disposições (físicas e mentais) determinantes do sucesso econômico e, mais ou menos grande e positivamente correlacionado com o sucesso econômico e sucesso reprodutivo. Isto é, ainda se ignora que nós, homens modernos, somos muito diferentes dos nossos antepassados de centenas e milhares de anos atrás.

Em segundo lugar, uma vez que se percebe que a Revolução Industrial foi resultado do crescimento evolucionário da inteligência humana (e não apenas da remoção de barreiras institucionais ao crescimento), o papel do estado pode ser considerado como algo fundamentalmente diferente em condições malthusianas e pós-malthusianas. Em condições malthusianas, o estado não importa muito, pelo menos não no que diz respeito aos macroefeitos. Um estado mais explorador simplesmente levará a uma população menor (como a peste negra faria), mas isso não afeta a renda per capita. Na verdade, ao diminuir a densidade populacional, a renda per capita pode até aumentar, como aconteceu depois da Grande Peste em meados do século XIV. Reversamente, um estado “bom” e menos explorador permitirá o crescimento da população, mas a renda per capita não aumentará e poderá até diminuir, porque a terra per capita diminui. Tudo mudou com a Revolução Industrial. Porque, se os ganhos de produtividade superam continuamente o crescimento populacional e permitem um aumento constante da renda per capita, então uma instituição exploradora como o estado pode crescer sem diminuir a renda per capita e reduzir a população. O estado, então, torna-se um freio permanente à economia e à renda per capita.

Por fim, em condições malthusianas prevalecem os efeitos eugênicos positivos: os bem-sucedidos economicamente produzem mais descendentes, e a população é aos poucos aprimorada (cognitivamente). Em condições pós-malthusianas, a existência e o crescimento do estado geram um efeito disgênico duplo principalmente em condições de um estado democrático de bem-estar social.[16] Primeiro, os “economicamente deficientes”, como principais “clientes” do estado de bem-estar social, produzem mais descendentes, e os economicamente bem-sucedidos, menos. Depois, o crescimento constante do estado parasitário, possível pelo crescimento da economia basal, afeta sistematicamente as exigências para o sucesso econômico. O sucesso econômico torna-se cada vez mais dependente da política e do talento político, ou seja, o talento de usar o estado para enriquecer à custa dos outros. De qualquer forma, a população piora (no que diz respeito às exigências cognitivas para a prosperidade e o crescimento econômico), em vez de melhorar.

Por fim, é importante notar na conclusão que, assim como a Revolução Industrial e a consequente fuga da armadilha malthusiana não foram de forma alguma um desenvolvimento necessário na história humana, seu sucesso e suas realizações tampouco são irreversíveis.

 

___________________________

NOTAS

[1] Personagem do romance homônimo de Daniel Defoe (1660-1731)

[2] Ludwig von Mises, Ação Humana: Um Tratado sobre Economia (Chicago: Regnery, 1966), p. 761

[3] Ibid., P. 765-66

[4] McEVEDY, Colin & JONES, Richard. Atlas of World Population History. Op. cit., p. 342

[5] Ibid., P. 344

[6] Gregory Clark, Adeus à Esmola: Uma Breve História Econômica do Mundo (Princeton, NJ: Princeton University Press, 2007), p. 2)

[7] Mises, Ação Humana, pp. 617-23.

[8] ROTHBARD, Murray N. “Left and Right”. In: Egalitarianism as a Revolt Against Nature and Other Essays. Auburn: Mises Institute, 2000. [Em língua portuguesa, ver: ROTHBARD, Murray N. Esquerda e Direita: Perspectivas para a Liberdade. Apres. Arthur A. Erich, Jr.; trad. Maria Luiza X. de A. Borges. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 3a ed., 2010. (N. E.)].

[9] Quando o Taiti foi redescoberto por europeus em 1767, cerca de mil ou, possivelmente, dois mil anos depois de ele ter sido inicialmente colonizado por fazendeiros austronésios, sua população era estimada em 50.000 habitantes (atualmente é de 180.000). De acordo com todos os relatos, os taitianos levavam uma existência paradisíaca. A renda per capita real era elevada, e um dos motivos eram as condições climáticas altamente favoráveis nas ilhas polinésias. Os homens taitianos tampouco conseguiam conter seus ímpetos sexuais, mas, para manterem seu alto padrão de vida, os taitianos praticavam uma forma impiedosa e rigorosíssima de controle populacional, que envolvia o infanticídio e guerras sanguinárias. O local era paradisíaco, mas um paraíso reservado aos que conseguiam permanecer vivos. No entanto, os taitianos continuavam a viver na Idade da Pedra; suas ferramentas permaneceram essencialmente inalteradas desde que chegaram à(s) ilha(s) pela primeira vez. Não houve nenhuma acumulação de capital, e a renda per capita real, ainda que elevada, devido a circunstâncias externas favoráveis, havia permanecido estagnada.

[10] Ver: HART, Michael H. Understanding Human History. Op. cit.

[11] Veja também Arnold Gehlen, Man (Nova York: Columbia University Press, 1988).

[12] Veja também Hart, Entendendo a História Humana; Clark, Adeus à Esmola, cap. 6; e Richard Lynn, Dysgenics: Deterioração genética em populações modernas (Ulster: Ulster Institute for Social Research, 2011), cap. 2)

[13] Sobre este assunto, ver Josef H. Reichholf (1945), Stabile Ungleichgewichte: Die Ökologie der Zukunft (Frankfurt: Suhrkamp, 2008); também Carroll Quigley (1910-1977), The Evolution of Civilizations: An Introduction to Historical Analysis (Indianapolis: Liberty Classics, 1979), cap. 6

[14] Ver Richard Lynn (1930) e Tatu Vanhanen (1929-2015), IQ and Global Inequality (Augusta, Ga.: Washington Summit Publishers, 2006); Richard Lynn, The Global Bell Curve: Race, IQ and Inequality Worldwide (Augusta, Ga.: Washington Summit Publishers, 2008); idem, Race Differences in Intelligence: An Evolutionary Analysis (Augusta Ga.: Washington Summit Publishers,

2008).

[15] A maior escassez deste tipo de safras e de animais no continente americano é provavelmente o motivo da invenção relativamente tardia da agricultura e do pastoreio na Mesoamérica.

[16] LYNN, Richard. Dysgenics. Op. cit.