Capítulo 2 — A Base Ativista do Conhecimento

0
Tempo estimado de leitura: 21 minutos
  1. Homem e Ação

A característica do homem é a ação. O homem tem como objetivo alterar algumas das condições de seu ambiente, a fim de substituir um estado de coisas que menos lhe convém por outro estado que mais lhe convém. Todas as manifestações de vida e comportamento em relação às quais o homem difere de todos os outros seres e coisas conhecidas por ele são exemplos de ação, e só podem ser tratadas pelo que podemos chamar de ponto de vista ativista. O estudo do homem, na medida em que não é biologia, começa e termina com o estudo da ação humana.

Ação é conduta intencional. Não é apenas comportamento, mas comportamento gerado por julgamentos de valor, visando um fim definido e guiado por ideias relativas à adequação ou inadequação de meios definidos. É impossível lidar com isso sem as categorias de causalidade e finalidade. É um comportamento consciente. Está fazendo escolhas. É volição; é uma demonstração da vontade.

Às vezes, a ação é vista como a variedade humana da luta pela sobrevivência comum a todos os seres vivos. No entanto, o termo “luta pela sobrevivência” aplicado a animais e plantas é uma metáfora. Seria um erro inferir algo de seu uso. Ao aplicar literalmente o termo luta a animais e plantas, seria atribuído a eles o poder de tomar consciência de fatores que ameaçam sua existência, a vontade de preservar sua própria integridade e a faculdade mental de encontrar meios para sua preservação.

Visto do ponto de vista ativista, o conhecimento é uma ferramenta de ação. Sua função é aconselhar o homem como proceder em seus esforços para remover o desconforto. Nos estágios mais altos da evolução do homem, desde as condições da Idade da Pedra até as da era do capitalismo moderno, a inquietação também é sentida pela mera prevalência da ignorância em relação à natureza e ao significado de todas as coisas, independentemente do conhecimento sobre essas coisas fundamentais seriam úteis para qualquer planejamento tecnológico. Viver em um universo com cuja estrutura final e real não se conhece, cria em si um sentimento de ansiedade. Remover essa angústia e dar aos homens certeza sobre as últimas coisas tem sido desde os primeiros dias a preocupação da religião e da metafísica. Mais tarde, a filosofia do Iluminismo e suas escolas afiliadas prometeram que as ciências naturais resolveriam todos os problemas envolvidos. De qualquer forma, é fato que refletir sobre a origem e a essência das coisas, a natureza do homem e seu papel no universo, é uma das preocupações de muitas pessoas. Visto por esse ângulo, a pura busca de conhecimento, não motivada pelo desejo de melhorar as condições externas da vida, também é ação, isto é, um esforço para alcançar um estado de coisas mais desejável.

Outra questão é se a mente humana está preparada para a solução completa dos problemas envolvidos. Pode-se argumentar que a função biológica da razão é auxiliar o homem em sua luta pela sobrevivência e a remoção do desconforto. Dizem que qualquer passo além dos limites traçados por essa função leva a fantásticas especulações metafísicas que não são suscetíveis de demonstração nem de refutação. A onisciência é para sempre negada ao homem. Toda busca pela verdade deve, mais cedo ou mais tarde, mas inevitavelmente, levar a um dado irredutível.[1]

A categoria de ação é a categoria fundamental do conhecimento humano. Implica todas as categorias de lógica e a categoria de regularidade e causalidade. Implica a categoria de tempo e a de valor. Ela abrange todas as manifestações específicas da vida humana, distintas das manifestações da estrutura fisiológica do homem que ele tem em comum com todos os outros animais. Ao agir, a mente do indivíduo se vê diferente de seu ambiente, o mundo externo, e tenta estudar esse ambiente, a fim de influenciar o curso dos eventos que acontecem nele.

 

  1. Finalidade

O que distingue o campo da ação humana do campo dos eventos externos investigados pelas ciências naturais é a categoria da finalidade. Não sabemos de nenhuma causa final operando no que chamamos de natureza. Mas sabemos que o homem visa metas definidas escolhidas propositadamente. Nas ciências naturais buscamos relações constantes entre diversos eventos. No trato com a ação humana, buscamos os fins que o ator deseja ou desejou alcançar e o resultado que sua ação trouxe ou trará.

A distinção clara entre um campo de realidade sobre o qual o homem não pode aprender outra coisa senão que é caracterizado por uma regularidade na concatenação e sucessão de eventos e um campo no qual ocorre a busca proposital de fins escolhidos é uma realização de uma longa evolução. O homem, ele mesmo um ser atuante, foi primeiro inclinado a explicar todos os eventos como a manifestação da ação dos seres agindo de uma forma que não era essencialmente diferente da sua. O animismo atribuiu a todas as coisas do universo a faculdade de ação. Quando a experiência levou as pessoas a abandonar essa crença, ainda se presumia que Deus ou a natureza age de uma forma não diferente das formas da ação humana. A emancipação desse antropomorfismo é um dos fundamentos epistemológicos da ciência natural moderna.

A filosofia positivista, que hoje se denomina também filosofia científica, acredita que esta rejeição do finalismo pelas ciências naturais implica a refutação de todas as doutrinas teológicas, bem como dos ensinamentos das ciências da ação humana. Pretende que as ciências naturais podem resolver todos os “enigmas do universo” e fornecer uma resposta supostamente científica a todas as questões que podem perturbar a humanidade.

No entanto, as ciências naturais não contribuíram e não podem contribuir em nada para o esclarecimento daqueles problemas com os quais a religião tenta lidar. O repúdio ao antropomorfismo ingênuo que imaginava um ser supremo tanto como ditador quanto como relojoeiro foi uma conquista da teologia e da metafísica. Com respeito à doutrina de que Deus é totalmente diferente do homem e que sua essência e natureza não podem ser apreendidas pelo homem mortal, as ciências naturais e uma filosofia derivada delas nada têm a dizer. O transcendente está além do domínio sobre o qual a física e a fisiologia transmitem informações. A lógica não pode provar nem refutar o cerne das doutrinas teológicas. Tudo o que a ciência – além da história – pode fazer a esse respeito é expor as falácias da magia e das superstições e práticas fetichistas.

Ao negar a autonomia das ciências da ação humana e sua categoria de causas finais, o positivismo enuncia um postulado metafísico que não pode substanciar com nenhuma das descobertas dos métodos experimentais das ciências naturais. É um passatempo gratuito aplicar à descrição do comportamento do homem os mesmos métodos que as ciências naturais aplicam para lidar com o comportamento dos ratos ou do ferro. Os mesmos eventos externos produzem em homens diferentes e nos mesmos homens em momentos diferentes reações diferentes. As ciências naturais ficam impotentes diante dessa “irregularidade”. Seus métodos podem lidar apenas com eventos que são governados por um padrão regular. Além disso, eles não têm nenhum espaço para os conceitos de significado, de valoração e de fins.

 

III. Valoração

Valorizar é a reação emocional do homem aos vários estados de seu meio ambiente, tanto o do mundo externo quanto o das condições fisiológicas de seu próprio corpo. O homem distingue entre estados mais e menos desejáveis, como os otimistas podem expressar, ou entre males maiores e menores, como os pessimistas estão dispostos a dizer. Ele age quando acredita que a ação pode resultar na substituição de um estado menos desejável por um mais desejável.

O fracasso das tentativas de aplicar os métodos e os princípios epistemológicos das ciências naturais aos problemas da ação humana é causado pelo fato de essas ciências não possuírem um instrumento para lidar com a valoração. Na esfera dos fenômenos que estudam, não há espaço para nenhum comportamento intencional. O próprio físico e sua pesquisa física são entidades fora da órbita que investiga. Os julgamentos de valor não podem ser percebidos pelas atitudes observacionais do experimentador e não podem ser descritos nas sentenças protocolares da linguagem da física. No entanto, eles são, também do ponto de vista das ciências naturais, fenômenos reais, pois são um elo necessário em cadeias de eventos que produzem fenômenos físicos definidos.

O físico pode rir hoje da doutrina que interpretava certos fenômenos como o efeito de um horror vacui. Mas ele falha em perceber que os postulados do panfisicalismo não são menos ridículos. Se alguém elimina qualquer referência a julgamentos de valor, é impossível dizer algo sobre as ações do homem, ou seja, sobre todo o comportamento que não é meramente a consumação de processos fisiológicos que ocorrem no corpo humano.

 

  1. A quimera da Ciência Unificada

O objetivo de todas as marcas de positivismo é silenciar as ciências da ação humana. Por uma questão de argumento, podemos nos abster de analisar as contribuições do positivismo para a epistemologia das ciências naturais, tanto no que diz respeito à sua originalidade quanto à sua solidez. Tampouco precisamos nos deter por muito tempo nos motivos que incitaram os ataques apaixonados dos autores positivistas ao “procedimento não científico” da economia e da história. Eles estão defendendo reformas políticas, econômicas e culturais definidas que, como eles acreditam, trarão a salvação da humanidade e o estabelecimento da bem-aventurança eterna. Como não podem refutar a crítica devastadora que seus planos fantásticos receberam por parte dos economistas, eles querem suprimir a “ciência sombria”.

A questão de saber se o termo “ciência” deve ser aplicado apenas às ciências naturais ou também à praxeologia e à história é meramente linguística e sua solução difere com o uso de várias línguas. Em inglês, o termo ciência para muitas pessoas refere-se apenas às ciências naturais.[2] Em alemão costuma-se falar de uma Geschichtswissenschaft e chamar vários ramos da história Wissenschaft, como Literaturwissenschaft, Sprachwissenschaft, Kunstwissenschaft, Kriegswissenschaft. Pode-se descartar o problema como meramente verbal, uma discussão fútil sobre palavras.

Auguste Comte postulou uma ciência empírica da sociologia que, modelada a partir do esquema da mecânica clássica, deveria lidar com as leis da sociedade e os fatos sociais. As muitas centenas e milhares de adeptos de Comte se autodenominam sociólogos e os livros que estão publicando são contribuições à sociologia. Na verdade, eles lidam com vários capítulos da história até agora mais ou menos negligenciados e, em geral, procedem de acordo com os métodos bem testados de pesquisa histórica e etnológica. É irrelevante que mencionem no título dos seus livros a época e a zona geográfica de que tratam. Seus estudos “empíricos” necessariamente sempre se referem a uma época definida da história e descrevem fenômenos que passam a existir, mudam e desaparecem com o passar do tempo.

Não há como confirmar ou rejeitar pelo raciocínio discursivo as ideias metafísicas que estão na base do programa descaradamente anunciado da “Ciência Unificada”, conforme exposto na Enciclopédia Internacional da Ciência Unificada, a escritura sagrada do positivismo lógico, panfisicalismo e empirismo intolerante. Paradoxalmente, essas doutrinas, que começaram com uma rejeição radical da história, nos pedem que consideremos todos os eventos como parte do assunto de uma história cósmica abrangente. O que sabemos sobre eventos naturais, por exemplo, o comportamento do sódio e das alavancas, pode, como dizem, ser válido apenas para o período de agregação cósmica em que nós vivemos e as gerações anteriores de cientistas. Não há razão alguma para atribuir às afirmações químicas e mecânicas “qualquer tipo de universalidade” em vez de tratá-las como históricas.[3] Vistas desse ponto de vista, as ciências naturais se transformam em um capítulo da história cósmica. Não há conflito entre o fisicalismo e a história cósmica.

Devemos admitir que nada sabemos sobre as condições em um período da história cósmica para o qual as afirmações do que chamamos em nosso período de ciências naturais não serão mais válidas. Ao falar sobre ciência e conhecimento, temos em mente apenas as condições que nossa vida, pensamento e ação nos permitem investigar. O que está além das condições desse estado de coisas – talvez temporariamente limitado – é para nós uma região desconhecida e incognoscível. Naquele setor do universo acessível à nossa mente perscrutadora, prevalece um dualismo na sucessão e concatenação dos eventos. Existe, por um lado, o campo dos acontecimentos externos, do qual só podemos aprender que prevalecem relações mútuas constantes entre eles, e existe o campo da ação humana, sobre o qual nada podemos aprender sem recorrer à categoria de finalidade. Todas as tentativas de desconsiderar esse dualismo são ditadas por preconceitos metafísicos arbitrários, trazem à tona apenas tolices e são inúteis para a ação prática.

A diferença que existe em nosso ambiente entre o comportamento do sódio e o de um autor que em seus escritos se refere ao sódio não pode ser eliminada por qualquer referência à possibilidade de que houve ou haverá nos períodos futuros da história cósmica sobre o condições das quais nada sabemos. Todo nosso conhecimento deve levar em conta o fato de que, em relação ao sódio, nada sabemos sobre as causas finais que direcionam seu comportamento, ao passo que sabemos que o homem, por exemplo, ao escrever um ensaio sobre o sódio, visa fins definidos. As tentativas de behaviorismo (ou “behavioristas”)[4] para lidar com a ação humana de acordo com o esquema estímulo-resposta falharam lamentavelmente. É impossível descrever qualquer ação humana se não nos referirmos ao significado que o agente homem vê no estímulo, bem como no final que sua resposta visa.

Sabemos também o fim que impulsiona os campeões de todos esses modismos que hoje desfilam sob o nome de Ciência Unificada. Seus autores são movidos pelo complexo ditatorial. Eles querem lidar com seus semelhantes da mesma forma que um engenheiro lida com os materiais com os quais constrói casas, pontes e máquinas. Eles querem substituir a “engenharia social” pelas ações de seus concidadãos e seu próprio plano abrangente e exclusivo para os planos de todas as outras pessoas. Eles se veem no papel do ditador – o duce, o Führer, o czar da produção – em cujas mãos todos os outros espécimes da humanidade são meros peões. Se eles se referem à sociedade como um agente ativo, eles se referem a si mesmos. Se eles dizem que a ação consciente da sociedade deve ser substituída pela anarquia prevalecente do individualismo, eles se referem apenas à sua própria consciência e não a de qualquer outra pessoa.

 

  1. Os dois ramos das ciências da ação humana

Existem dois ramos das ciências da ação humana: a praxeologia de um lado, a história do outro.

A praxeologia é a priori. Parte da categoria de ação a priori e desenvolve a partir dela tudo o que ela contém. Por razões práticas, a praxeologia em regra não dá muita atenção aos problemas que não servem para o estudo da realidade da ação do homem, mas restringe seu trabalho aos problemas que são necessários para a elucidação do que está acontecendo na realidade. Sua intenção é lidar com a ação que ocorre sob condições que o agente homem tem de enfrentar. Isso não altera o caráter puramente apriorístico da praxeologia. Apenas circunscreve o campo que os praxeologistas costumam escolher para seu trabalho. Eles se referem à experiência apenas para separar aqueles problemas que são de interesse para o estudo do homem como ele realmente é e age de outros problemas que oferecem um interesse meramente acadêmico. A resposta à questão de saber se teoremas definidos da praxeologia se aplicam ou não a um problema definido de ação depende do estabelecimento do fato se as suposições especiais que caracterizam este teorema têm algum valor para a cognição da realidade. Com certeza, não depende da resposta à questão se essas suposições correspondem ou não ao estado real das coisas que os praxeólogos desejam investigar. As construções imaginárias que são a principal – ou, como algumas pessoas preferem dizer, a única – ferramenta mental da praxeologia descrevem condições que nunca podem estar presentes na realidade da ação. No entanto, eles são indispensáveis ​​para conceber o que está acontecendo nesta realidade.[5]

Seguindo na esteira das análises de Kant, os filósofos levantaram a questão: como pode a mente humana, pelo pensamento apriorístico, lidar com a realidade do mundo externo? No que diz respeito à praxeologia, a resposta é óbvia. Ambos, pensamento e raciocínio a priori de um lado, e ação humana do outro, são manifestações da mente humana. A estrutura lógica da mente humana cria a realidade da ação. Razão e ação são congêneres e homogêneas, dois aspectos do mesmo fenômeno. Nesse sentido, podemos aplicar à praxeologia a máxima de Empédocles: similia similibus percipiuntur — há conhecimento do semelhante pelo semelhante.

Alguns autores levantaram a questão um tanto superficial de como um praxeologista reagiria a uma experiência que contradiz os teoremas de sua doutrina apriorística. A resposta é: da mesma forma que um matemático reagirá à “experiência” de que não há diferença entre duas maçãs e sete maçãs ou um lógico à “experiência” que A e não- A são idênticos. A experiência relativa à ação humana pressupõe a categoria da ação humana e tudo o que dela deriva. Se não se refere ao sistema do a priori praxeológico, não se deve e não se pode falar de ação, mas apenas de eventos que devem ser descritos em termos das ciências naturais. A consciência dos problemas que preocupam as ciências da ação humana é condicionada pela familiaridade com as categorias a priori da praxeologia. A propósito, podemos também observar que qualquer experiência no campo da ação humana é especificamente experiência histórica, ou seja, a experiência de fenômenos complexos, que nunca pode falsificar qualquer teorema da maneira que um experimento de laboratório pode fazer com relação às declarações das ciências naturais.

Até agora, a única parte da praxeologia que se desenvolveu em um sistema científico é a economia. Um filósofo polonês, Tadeusz Kotarbinski, está tentando desenvolver um novo ramo da praxeologia, a teoria praxeológica do conflito e da guerra, em oposição à teoria da cooperação ou economia.[6]

O outro ramo das ciências da ação humana é a história. Compreende a totalidade dos eventos vividos sobre a ação humana. É o registro metodicamente organizado da ação humana, a descrição dos fenômenos como aconteceram, a saber, no passado. O que distingue as descrições da história daquelas das ciências naturais é que elas não são interpretadas à luz da categoria da regularidade. Quando o físico diz: se A encontra B, o resultado é C, ele quer, independentemente do que os filósofos possam dizer, afirmar que C surgirá sempre e onde quer que A encontrar B sob condições análogas. Quando o historiador se refere à batalha de Canas, ele sabe que está falando sobre o passado e que essa batalha em particular nunca mais será travada.

A experiência é uma atividade mental uniforme. Não existem dois ramos diferentes de experiência, um utilizado nas ciências naturais, o outro na pesquisa histórica. Cada ato de experiência é uma descrição do que aconteceu em termos do equipamento lógico e praxeológico do observador e seu conhecimento das ciências naturais. É a atitude do observador que interpreta a experiência adicionando-a ao seu próprio estoque de fatos experimentados já previamente acumulado. O que distingue a experiência do historiador daquela do naturalista e do físico é que ele busca o significado que o evento teve ou tem para aqueles que foram instrumentais em sua realização ou foram afetados por seu acontecimento.

As ciências naturais desconhecem as causas finais. Pois a finalidade da praxeologia é a categoria fundamental. Mas a praxeologia abstrai do conteúdo concreto dos fins que os homens visam. É uma história que trata dos fins concretos. Para a história a questão central é: qual foi o significado que os atores atribuíram à situação em que se encontravam e qual foi o significado de sua reação e, por fim, qual foi o resultado dessas ações? A autonomia da história ou, podemos dizer, das várias disciplinas históricas consiste em sua dedicação ao estudo do significado.

Talvez não seja supérfluo enfatizar repetidamente que, quando os historiadores dizem “significado”, eles se referem ao significado que os homens individuais – os próprios atores e aqueles afetados por suas ações ou os historiadores – viram nas ações. A história como tal nada tem em comum com o ponto de vista das filosofias da história que pretendem saber o significado que Deus ou um quase-Deus – como as forças produtivas materiais no esquema de Marx – atribui aos vários eventos.

 

  1. O caráter lógico da praxeologia

A praxeologia é a priori. Todos os seus teoremas são produtos do raciocínio dedutivo que parte da categoria de ação. As questões de saber se os julgamentos da praxeologia devem ser chamados analíticos ou sintéticos e se seu procedimento deve ou não ser qualificado como “meramente” tautológico são de interesse apenas verbal.

O que a praxeologia afirma com relação à ação humana em geral é estritamente válido sem nenhuma exceção para cada ação. Há ação e há ausência de ação, mas não há nada no meio. Toda ação é uma tentativa de trocar um estado de coisas por outro, e tudo o que a praxeologia afirma a respeito da troca refere-se estritamente a ela. Ao lidar com cada ação, encontramos os conceitos fundamentais fim e meio, sucesso ou fracasso, lucro ou perda, custos. A troca pode ser direta ou indireta, ou seja, efetuada por meio da interposição de uma etapa intermediária. Se uma ação definida foi uma troca indireta, isso deve ser determinado pela experiência. Mas se foi troca indireta, então tudo o que a praxeologia diz sobre troca indireta em geral se aplica estritamente a ela.

Todo teorema da praxeologia é deduzido pelo raciocínio lógico da categoria da ação. Ele compartilha da certeza apodítica fornecida pelo raciocínio lógico que parte de uma categoria a priori.

Na cadeia do raciocínio praxeológico, o praxeologista introduz certos pressupostos relativos às condições do ambiente em que uma ação ocorre. Em seguida, ele tenta descobrir como essas condições especiais afetam o resultado a que seu raciocínio deve conduzir. A questão de saber se as condições reais do mundo externo correspondem ou não a essas suposições deve ser respondida pela experiência. Mas se a resposta for afirmativa, todas as conclusões tiradas pelo raciocínio praxeológico logicamente correto descrevem estritamente o que está acontecendo na realidade.

VII. O caráter lógico da história

A história no sentido mais amplo do termo é a totalidade da experiência humana. História é experiência e toda experiência é histórica. A história compreende também toda a experiência das ciências naturais. O que caracteriza as ciências naturais como tais é o fato de abordarem o material da experiência com a categoria de uma regularidade estrita na sucessão de eventos. História no sentido mais restrito do termo, ou seja, a totalidade da experiência relativa à ação humana, não deve e não se refere a essa categoria. Isso o distingue epistemologicamente das ciências naturais.

A experiência é sempre uma experiência do passado. Não há experiência nem história do futuro. Seria desnecessário repetir esse truísmo se não fosse pelo problema da previsão de negócios pelos estatísticos, sobre o qual algo será dito mais tarde.[7]

A história é o registro das ações humanas. Estabelece o fato de que os homens, inspirados por determinadas ideias, fizeram determinados julgamentos de valor, escolheram determinados fins e recorreram a determinados meios a fim de atingir os fins escolhidos, e trata, além disso, do resultado de suas ações, o estado de coisas a ação provocada.

O que distingue as ciências da ação humana das ciências naturais não são os eventos investigados, mas a maneira como são vistos. O mesmo evento parece diferente quando visto à luz da história e quando visto à luz da física ou da biologia. O que interessa ao historiador em um caso de homicídio ou incêndio não é o que interessa ao fisiologista ou ao químico se eles não atuam como peritos de um tribunal. Para o historiador, os eventos do mundo externo estudados pelas ciências naturais contam apenas na medida em que afetam a ação humana ou são produzidos por ela.

O dado irredutível na história é chamado individualidade. Quando o historiador chega a um ponto além do qual não pode ir mais longe, ele se refere à individualidade. Ele “explica” um evento – a origem de uma ideia ou o desempenho de uma ação – remontando-o à atividade de um homem ou de uma multidão de homens. Aqui ele enfrenta a barreira que impede as ciências naturais de lidar com as ações dos homens, a saber, nossa incapacidade de aprender como eventos externos definidos produzem nas mentes dos homens reações definidas, isto é, ideias e volições.

Tentativas inúteis têm sido feitas para rastrear a ação humana até fatores que podem ser descritos pelos métodos das ciências naturais. Ressaltando o fato de que o desejo de preservar a própria vida e de propagar a própria espécie está embutido em cada criatura, a fome e o sexo foram proclamados como as principais ou mesmo como as únicas fontes da ação humana. No entanto, não se poderia negar que prevalecem diferenças consideráveis ​​entre a maneira como esses impulsos biológicos afetam o comportamento do homem e dos seres não humanos e que o homem, além de almejar a satisfação de seus impulsos animais, também pretende atingir outros fins que são especificamente humano e, portanto, geralmente denominado fins superiores. Nunca foi esquecido pelos historiadores que a estrutura fisiológica do corpo humano – em primeiro lugar os apetites da barriga e das glândulas sexuais – afeta as escolhas do agente homem. Afinal, o homem é um animal. Mas ele é o animal atuante; ele escolhe entre fins conflitantes. É precisamente este o tema da praxeologia e da história.

 

VIII. O método timológico

O ambiente em que o homem atua é moldado por eventos naturais, por um lado, e pela ação humana, por outro. O futuro para o qual ele planeja será codeterminado pelas ações de pessoas que estão planejando e agindo como ele. Se ele deseja ter sucesso, deve antecipar sua conduta.

A incerteza do futuro é causada não apenas pela incerteza sobre as ações futuras de outras pessoas, mas também pelo conhecimento insuficiente sobre muitos eventos naturais que são importantes para a ação. A meteorologia fornece algumas informações sobre os fatores que determinam as condições atmosféricas; mas esse conhecimento, na melhor das hipóteses, permite ao especialista prever o tempo com certa probabilidade por alguns dias, nunca por períodos mais longos. Existem outros campos em que a previsão do homem é ainda mais limitada. Tudo o que o homem pode fazer ao lidar com tais condições insuficientemente conhecidas é usar o que as ciências naturais lhe dão, por mais escasso que seja.

Radicalmente diferentes dos métodos aplicados para lidar com eventos naturais são aqueles aos quais o homem recorre ao antecipar a conduta de seus semelhantes. A filosofia e a ciência por muito tempo prestaram pouca atenção a esses métodos. Eles foram considerados não científicos e indignos de nota por parte de pensadores sérios. Quando os filósofos começaram a lidar com eles, eles os chamaram de psicológicos. Mas este termo tornou-se impróprio quando as técnicas de psicologia experimental foram desenvolvidas e quase tudo o que as gerações anteriores chamaram de psicologia foi rejeitado como não científico ou atribuído a uma classe de atividades desdenhosamente denominadas de “mera literatura” ou “psicologia literária”.

Na verdade, a psicologia experimental não tem nada a dizer e nunca disse nada sobre os problemas que as pessoas têm em mente quando se referem à psicologia no que diz respeito às ações de seus semelhantes. O problema principal e central da “psicologia literária” é o significado, algo que está além dos limites de qualquer ciência natural e de qualquer atividade de laboratório. Enquanto a psicologia experimental é um ramo das ciências naturais, a “psicologia literária” trata da ação humana, a saber, das ideias, julgamentos de valor e volições que determinam a ação. Como o termo “psicologia literária” é um tanto incômodo e não permite formar um adjetivo correspondente, sugeri substituí-lo pelo termo timologia.[8]

A timologia é um ramo da história ou, como Collingwood a formulou, pertence “à esfera da história”.[9] Trata-se das atividades mentais dos homens que determinam suas ações. Trata-se dos processos mentais que resultam em um tipo definido de comportamento, com as reações da mente às condições do ambiente do indivíduo. Trata-se de algo invisível e intangível que não pode ser percebido pelos métodos das ciências naturais. Mas as ciências naturais devem admitir que esse fator deve ser considerado real também do seu ponto de vista, pois é um elo de uma cadeia de eventos que resultam em mudanças na esfera cuja descrição consideram como o campo específico de sua estudos.

Ao analisar e demolir as afirmações do positivismo de Comte, um grupo de filósofos e historiadores conhecido como südwestdeutsche Schule elaborou a categoria de compreensão (Verstehen) que já era, em um sentido menos explícito, familiar aos autores mais antigos. Essa compreensão específica das ciências da ação humana visa estabelecer os fatos de que os homens atribuem um significado definido ao estado de seu meio ambiente, que valorizam esse estado e, motivados por esses julgamentos de valor, recorrem a determinados meios a fim de preservar ou para atingir um determinado estado de coisas diferente daquele que prevaleceria se eles se abstivessem de qualquer reação proposital. A compreensão lida com julgamentos de valor, com a escolha dos fins e dos meios a que recorrer para a consecução desses fins, e com a valorização do resultado das ações realizadas.

Os métodos de investigação científica não são categoricamente diferentes dos procedimentos aplicados por todos em seu comportamento mundano diário. Eles são apenas mais refinados e, tanto quanto possível, purificados de inconsistências e contradições. A compreensão não é um método de procedimento peculiar apenas aos historiadores. É praticado por bebês assim que superam o estágio meramente vegetativo de seus primeiros dias e semanas. Não há resposta consciente do homem a qualquer estímulo que não seja dirigido pelo entendimento.

A compreensão pressupõe e implica a estrutura lógica da mente humana com todas as categorias a priori. A lei biogenética representa a ontogenia do indivíduo como uma recapitulação abreviada da filogenia das espécies. De maneira análoga, pode-se descrever mudanças na estrutura intelectual. A criança recapitula em seu desenvolvimento pós-natal a história da evolução intelectual da humanidade.[10] O lactente torna-se timologicamente humano quando começa vagamente a amanhecer em sua mente que um fim desejado pode ser alcançado por um determinado modo de conduta. Os animais não humanos nunca vão além dos impulsos instintivos e reflexos condicionados.

O conceito de compreensão foi elaborado pela primeira vez por filósofos e historiadores que queriam refutar a depreciação dos positivistas aos métodos da história. Isso explica por que ele foi originalmente tratado apenas como a ferramenta mental do estudo do passado. Mas o entendimento dos serviços prestados ao homem ao lançar luz sobre o passado são apenas um estágio preliminar nos esforços para antecipar o que pode acontecer no futuro. Visto do ponto de vista prático, o homem parece estar interessado no passado apenas para poder prever o futuro. As ciências naturais lidam com a experiência – que necessariamente é sempre o registro do que aconteceu no passado – porque as categorias de regularidade e causalidade tornam tais estudos úteis para a orientação da ação tecnológica, que inevitavelmente sempre visa um arranjo das condições futuras. A compreensão do passado desempenha um serviço semelhante ao tornar a ação o mais bem-sucedida possível. A compreensão visa antecipar as condições futuras, na medida em que elas dependam das ideias, avaliações e ações humanas. Não existe, exceto para Robinson Crusoé antes de conhecer Sexta-Feira, nenhuma ação que pudesse ser planejada ou executada sem prestar atenção total ao que os companheiros do agente farão. Ação implica compreender as reações de outros homens,

A antecipação de eventos na esfera explorada pelas ciências naturais é baseada nas categorias de regularidade e causalidade. Existem em alguns desvios, pontes que desmoronariam se um caminhão carregado com dez toneladas passasse por cima delas. Não esperamos que tal carga faça a ponte George Washington tombar. Confiamos firmemente nas categorias que fundamentam nosso conhecimento físico e químico.

Ao lidar com as reações de nossos semelhantes, não podemos confiar em tal regularidade. Presumimos que, em geral, a conduta futura das pessoas, em igualdade de condições, não se desviará sem razão especial de sua conduta passada, porque assumimos que o que determinou sua conduta passada também determinará sua conduta futura. Por mais diferentes que possamos saber que somos das outras pessoas, tentamos adivinhar como elas reagirão às mudanças em seu ambiente. Com base no que sabemos sobre o comportamento passado de um homem, construímos um esquema sobre o que chamamos de seu caráter. Presumimos que esse caráter não mudará se nenhuma razão especial interferir e, dando um passo adiante, tentamos até mesmo prever como mudanças definidas nas condições afetarão suas reações. Em comparação com a certeza aparentemente absoluta fornecida por algumas das ciências naturais, essas suposições e todas as conclusões delas derivadas parecem um tanto instáveis; os positivistas podem ridicularizá-los como não científicos. No entanto, eles são a única abordagem disponível para os problemas em questão e indispensáveis ​​para qualquer ação a ser realizada em um ambiente social.

A compreensão não lida com o lado praxeológico da ação humana. Refere-se a julgamentos de valor e à escolha de fins e meios por parte de nossos semelhantes. Não se refere ao campo da praxeologia e da economia, mas ao campo da história. É uma categoria timológica. O conceito de caráter humano é um conceito timológico. Seu conteúdo concreto em cada instância é derivado da experiência histórica.

Nenhuma ação pode ser planejada e executada sem a compreensão do futuro. Mesmo uma ação de um indivíduo isolado é guiada por suposições definidas sobre os julgamentos de valor futuros do agente e é até agora determinada pela imagem que o ator tem de seu próprio personagem.

O termo “especular” foi originalmente empregado para significar qualquer tipo de meditação e formação de opinião. Hoje, é empregado com uma conotação ultrajante para depreciar aqueles homens que, na economia de mercado capitalista, se destacam em antecipar melhor as reações futuras de seus semelhantes do que o homem médio. O fundamento lógico desse uso semântico deve ser visto na incapacidade das pessoas míopes de perceber a incerteza do futuro. Essas pessoas não percebem que todas as atividades de produção visam satisfazer as necessidades futuras mais urgentes e que hoje nenhuma certeza sobre as condições futuras está disponível. Eles não estão cientes do fato de que existe um problema qualitativo em precaver-se para o futuro. Em nenhum ensaio socialista vê-se a mais mínima alusão ao fato de que um dos principais problemas da condução das atividades de produção consiste em antecipar as demandas futuras dos consumidores.[11]

Toda ação é uma especulação, ou seja, guiada por uma opinião definitiva sobre as condições incertas do futuro. Mesmo em atividades de curto prazo, essa incerteza prevalece. Ninguém pode saber se algum fato inesperado não tornará vão tudo o que ele providenciou para o dia seguinte ou para a hora seguinte.

 

____________________

Notas

[1] Veja abaixo, p. 53

[2] Diz RG Collingwood ( The Idea of ​​History [Oxford, 1946], p. 249): “Há um uso de gíria, como aquele para o qual ‘hall’ significa um music hall ou ‘imagens’ imagens em movimento, segundo as quais ‘ciência’ significa ciência natural. ” Mas “na tradição do discurso europeu … continuando ininterrupta até os dias atuais, a palavra ‘ciência’ significa qualquer corpo organizado de conhecimento.” Sobre o uso francês, ver Lalande, Vocabulaire technique et critique de la philosophie (5ª ed .: Paris, 1947), pp. 933-40.

[3] Otto Neurath, Foundations of the Social Sciences ( International Encyclopedia of Unified Science , Vol. II, No. 1 [3ª impressão; University of Chicago Press, 1952]), p. 9

[4] Ibidem , p. 17

[5] Mises, Human Action , pp. 237ss.

[6] T. Kotarbinski, “Considérations sur la théorie générale de la lutte,” Apêndice de Z Zagadnien Ogólnej Teorii Walki (Varsóvia, 1938), pp. 65-92; o mesmo autor, “Idée de la methodologie générale praxeologie”, Travaux du IXe Congrés International de Philosophie (Paris, 1937), IV, 190-94. A teoria dos jogos não tem nenhuma referência à teoria da ação. Claro, jogar é ação, mas fumar um cigarro ou mastigar um sanduíche também o é. Veja abaixo, pp. 87 e seguintes.

[7] Veja abaixo, p. 67

[8] Mises, Theory and History , pp. 264 e segs.

[9] Quando H. Taine, em 1863, escreveu “L’histoire au fond est un problemspolème de psychologie” ( Histoire de la litérature anglaise [10ª ed .; Paris, 1899], Vol. I, Introdução, p. Xlv), ele não o fez perceber que o tipo de psicologia que ele tinha em mente não era a ciência natural chamada psicologia experimental, mas aquele tipo de psicologia que chamamos de timologia e que a timologia é em si uma disciplina histórica, uma Geisteswissenschaft na terminologia de W. Dilthey ( Einleitung in die Geisteswissenschaften [Leipzig, 1883]). RG Collingwood ( a ideia de história[Oxford, 1946], pág. 221) distingue entre “pensamento histórico” que “estuda a mente como agindo de certas maneiras determinadas em certas situações determinadas” e uma outra forma problemática de estudar a mente, viz., “Investigando suas características gerais na abstração de qualquer situação ou ação particular . ” O último seria “não história, mas ciência mental, psicologia ou filosofia da mente”. Tal “uma ciência mental positiva como elevar-se acima da esfera da história e estabelecer as leis permanentes e imutáveis ​​da natureza humana”, ele aponta (p. 224), é “possível apenas para uma pessoa que confunde as condições transitórias de um certo idade histórica para as condições permanentes da vida humana. ”

[10] Língua, pensamento e cultura , ed. por Paul Henle (University of Michigan Press, 1958), p. 48. É claro que a analogia não é completa, pois a imensa maioria para em sua evolução cultural muito antes de atingir o pico timológico de sua idade.

[11] Mises, Theory and History , pp. 140 ff.

Artigo anteriorCapítulo 1 — A Mente Humana
Próximo artigoCapítulo 3 — Necessidade e Vontade
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.