Capítulo 6 – Mercenários, Guerrilhas, Milícias e a Defesa dos Estados Mínimos e Sociedades Livres

0
Tempo estimado de leitura: 26 minutos

Joseph R. Stromberg

 

Guerra e Economia

 

Ludwig von Mises, fundador da economia neo-austríaca, via a economia como parte da praxeologia — a ciência dedutiva voltada à ação humana. Seu aluno, o falecido Murray N. Rothbard, certa vez elaborou uma lista de possíveis subcampos da praxeologia. Um desses campos era a análise da ação hostil.[1] Nosso tópico reside onde a economia e os estudos da ação hostil se encontram. Historiadores e sociólogos, muitas vezes, trazem somente teorias econômicas de segunda mão em seus trabalhos; embora, idealmente, nas palavras de Mises: “[a] sociologia geral […] aborda a experiência histórica de um ponto de vista mais universal do que os outros ramos da história.”[2] Assim, a sociologia histórica, baseada numa economia sólida, poderia abordar de forma útil as questões de guerra, paz e estatismo.

Teorias de conflitos do Estado são encontradas nas obras de Herbert Spencer, Charles Comte, Charles Dunoyer, Franz Oppenheimer, Max Weber, Alexander Rüstow, Hugh Nibley; e nas obras de escritores recentes, como Rothbard, Charles Tilly, e Robert Carneiro.[3] A teoria da public choice completa uma síntese potencial, junto à literatura crítica mais recente sobre “bens públicos” e a sociologia Britânica pós-marxista de John A. Hall, Anthony Giddens, Michael Mann e Sir Ernest Gellner.[4]

 

Questões Fundamentais relativas à

provisão de Segurança ou Defesa

 

A provisão de proteção — segurança, defesa — exige, realmente, o monopólio territorial da violência nas mãos do estado? Hans-Hermann Hoppe, Jeffrey Hummel, Dan Garrett, e outros, sugerem que a segurança é divisível e multiplicável, e que o problema do “free rider” “prova” demais. Hoppe afirma o problema central da seguinte forma: “Uma agência de proteção financiada por impostos é uma contradição em seus termos e levará a cada vez mais impostos e menos proteção.”[5] O grande número de pessoas mortas por estados no século XX — chegando a 100 milhões, com mais mortos em tempos de paz de “reconstrução social” do que em guerras — faz uma pessoa suspeitar que a segurança fornecida pelo estado é extremamente custosa em todos os aspectos, e que as alternativas significativas vêm sendo negligenciadas. Uma proposta na literatura[6] é pela provisão da defesa baseada no mercado, realizada por companhias de seguros concorrentes que, com o tempo, substituiriam os estados.

 

Tipos de Guerra

 

Nós podemos deixar de lado as guerras tribais e feudais, com seus roubos de gado, personalismo e poesia épica. Na Europa, a guerra tradicional, em um sistema de estados em conflito, era caracterizada por manobras e batalhas entre “exércitos permanentes”, profissionais, comandados por oficiais aristocráticos, a serviço dos reis. Tal tipo de guerra era menos oneroso, tanto para o soberano quanto para a sociedade, do que a guerra moderna. Mesmo a feroz competição do início dos tempos modernos — com maiores exércitos, financiados com dívida pública — não alterou completamente esse quadro. De acordo com John U. Nef, na guerra do século XVIII de Don Carlos — realizada em solo Italiano, entre a Áustria e uma coalizão composta pela França, Espanha e Sardenha,

os exércitos rivais se encontraram em uma batalha feroz fora da cidade [de Milão e, mais tarde, Parma]. Em nenhuma das cidades, a simpatia dos habitantes foi seriamente movida para um lado ou para o outro. O único medo deles era que as tropas de qualquer um dos exércitos passassem pelos portões e saqueassem sua cidade. O medo provou ser infundado.[7]

A Revolução Francesa derrubou a velha ordem de guerra e, como escreve Pierre Van Den Berghe, “concebeu um monstro letal, o estado nacionalista Jacobino”. Hoje, nós pensamos na guerra como se necessariamente envolvesse exércitos de conscritos em massa, manias ideológicas e uma gama cada vez maior de “armas de destruição em massa”. Como Hoppe escreve, este padrão cresceu com a “democracia”, na qual os políticos profissionais, não sujeitos às restrições monárquicas tradicionais, controlam o monopólio da provisão da defesa.[8] As democracias rivais do século XX — regimes totalitários de incorporação em massa, voltados à engenharia social — também romperam as amarras do Antigo Regime e das leis de guerra. Outros modelos militares — mercenários, milícias e guerrilheiros — coexistiram, no entanto, com os exércitos reais e com os exércitos de conscritos em massa.

 

Segurança Fornecida Pelas Forças Contratadas

 

Os mercenários desempenharam um papel importante na política da Itália Renascentista, onde as ricas oligarquias mercantis nas cidades-estados providenciaram sua defesa através de soldados contratados. Um número de benefícios floresceu desse sistema. Um burguês prudente, que havia contratado mercenários, poderia dispensá-los quando seu trabalho fosse concluído. Os soldados não tinham grande incentivo para matar ou ser morto, e seus comandantes cavalgariam por uma vantagem e se renderiam quando perdessem. Como o jurista Britânico F.J.P. Veale escreveu, “ser soldado tornou-se uma profissão razoável e relativamente inofensiva”. Regras foram seguidas, incluindo uma “que uma cidade só poderia ser saqueada caso oferecesse resistência.”[9]

Jacob Burckhardt escreveu sobre Jacopo Sforza, um famoso mercenário “capitão”, que serviu a vários poderosos homens locais ou condottieri, que

nos assuntos monetários, Jacopo era totalmente confiável; mesmo após suas derrotas, ele ainda conseguiu encontrar crédito com os banqueiros. Ele frequentemente protegia os camponeses de suas próprias tropas e não gostava da destruição de uma cidade conquistada.

Ele possuía três regras: “deixe as esposas dos outros homens em paz; não ataque nenhum de seus seguidores, ou se o fizer, envie o homem ferido para longe; não monte em um cavalo com focinheira, ou naquele que deixa cair sua ferradura”. Isso parece ser bastante razoável para um guerreiro, mas o filho de Jacopo, Francesco Sforza, tomou o poder político em Milão, um resultado que ilustra a desvantagem da guerra mercenária Italiana.[10]

A carreira de John de Hawkwood, um veterano inglês da Batalha de Crécy, é ilustrativa. A famosa White Company de Hawkwood lutou a partir da década de 1360 até a década de 1390. Enquanto Hawkwood manteve seus contratos e não trocou de mestres até que seu trabalho estivesse concluído, ele acabou se tornando o senhor territorial de dois grandes estados, que lhe foram dados pelo papado em vez do pagamento em dinheiro. Muitos capitães mercenários aspiravam se tornar governantes políticos abertamente — homens a cavalo — em vez de meros subcontratados no negócio de provisão de segurança. Como H. Hearder e D.P. Waley declaram, “[os] interesses do empregador e do empregado eram divergentes. O condottiere buscava riqueza, fama e um território para si mesmo.”[11] Pior, as cidades, em certas ocasiões, sentiam-se obrigadas a pagar por mais soldados do que o necessário, para impedir que seus mercenários trocassem de lealdade.

Nicolau Maquiavel, teórico republicano e organizador de milícias, condenou o uso de mercenários logo de imediato. De seu ponto de vista, mercenários eram indivíduos fora da sociedade. J.G.A. Pocock escreve que, para Maquiavel, “[u]m soldado que não é nada mais que um soldado, representa uma ameaça a todas as outras atividades sociais, além de ser pouco apto em sua própria atividade.”[12] Mesmo que essa objeção seja atendida, o problema conceitual, previamente observado, ainda permanece — o monopólio territorial — mesmo que esses burgueses tenham conseguido, por algum tempo, cortar seus custos. “Certas vezes”, escreve Lewis Mumford,

as cidades empregavam mercenários profissionais para assegurar seu domínio sobre seus rivais: os Pisanos estiveram dentre os primeiros a contratar soldados profissionais, na guerra contra a cidade de Florença; e seu sucesso foi tão humilhante que a cidade começou a perder a fé em seu orgulhoso exército de cidadãos. Florença, uma cidade livre, concordou, sobre contrato, em entregar sua liberdade uma segunda vez, em 1322, ao Rei de Nápoles, em troca de sua proteção.[13]

Cidades militarmente bem-sucedidas cederam prontamente “às tentações de uma vida predatória e parasitária […] repetindo, alternadamente, os erros políticos dos Espartanos e Atenienses, quando não dos Romanos.”[14]

No fim, as cidades-estados Italianas — sejam elas defendidas por mercenários, milícias ou conscrições feudais — sucumbiram à intervenção de estados territoriais maiores. A invasão Francesa do Reino de Nápoles em setembro de 1494, marca o início da nova era. Bruce Porter comenta:

O desastre das cidades-estados Italianas mostra a dificuldade de tais pequenas “firmas” sobreviverem a uma guerra desenfreada. Enquanto o caso da Confederação Suíça indica que uma economia de escala não era uma condição absoluta para a sobrevivência: um pequeno estado poderia sobreviver caso seu território fosse defensível e sua população altamente unida.[15]

Antes que a Revolução Francesa mostrasse aos estados como explorar profundamente as reservas de mão de obra, até mesmo os grandes estados territoriais, em certas ocasiões, empregavam mercenários para complementar seus exércitos regulares. Um exemplo bem conhecido foi o uso Britânico de mercenários Hessianos na Revolução Americana. Na Idade Contemporânea, os estados, normalmente, têm condenado o uso da força militar por quaisquer entidades “privadas” e “não autorizadas”. Nas últimas duas décadas da Guerra Fria, por exemplo, o bloco Soviético na ONU exigiu constantemente, que os mercenários fossem taxados de “criminosos”, ao mesmo tempo em que exigia estender a proteção das leis de guerra às guerrilhas que o bloco apoiava.[16]

Com os mercenários modernos (talvez mais conhecidos por suas atividades na África pós-colonial) o problema de “quem paga” — consumidores individuais reais de segurança ou estados monopolistas territoriais? — permanece central. Suspeita-se que agências secretas de estados imperiais, que desejam se esquivar da responsabilidade por certas ações, constituem grande parte do “mercado” dos mercenários de hoje. Uma recente “defesa” de mercenários pelo romancista Frederick Forsyth é definida na mesma estrutura; Forsyth, aparentemente, espera que os estados intervencionistas Ocidentais, temerosos de sofrerem baixas entre suas forças regulares, alistem mercenários em vez de desistirem de intervir nos assuntos de outros países.[17] Isso parece ter pouco a ver com a segurança, proteção e defesa de indivíduos reais e suas famílias e propriedades.

 

Milícias e Segurança

 

Os sistemas de milícias caracterizam as repúblicas. As cidades-estados Gregas e a Roma republicana equiparavam o cidadão e o guerreiro. Os cidadãos tinham uma obrigação pessoal de tomar parte na guerra. Os sistemas militares republicanos, que normalmente combinavam a infantaria de “classe média” com a cavalaria aristocrática, originaram de um modelo indo-europeu mais antigo, que (idealmente) excluía os produtores econômicos da guerra. Os escritos de , Tito Lívio e — e seu sucessor, Maquiavel — são os semeadores da teoria republicana. Suas ideias foram adotadas pelos Americanos do século XVIII, em cuja guerra de secessão do Império Britânico tanto a milícia quanto a ideologia republicana desempenharam um papel. A Segunda Emenda da Constituição Americana reflete o contexto prático e ideológico, embora a emenda também consagre um direito individual de autodefesa que surgiu das leis e das práticas inglesas.[18]

Em uma pesquisa da legislação colonial e do início dos EUA, Hummel conclui que o recrutamento local sustentou o sistema de milícia até o período Jacksoniano, quando unidades genuinamente “voluntárias” surgiram. Dada a efetividade dos voluntários na Guerra do México (1847-1848) — embora em unidades temporárias do exército regular — Hummel questiona se a coerção era necessária para as milícias.[19]

 

Guerra de Guerrilha e Segurança

 

Não há distinção absoluta entre milícias e guerrilhas. A “guerra de guerrilha” refere-se a táticas e estilo ao invés de uma estrutura de força preexistente. É o caminho do lado mais fraco, seja na guerra “interna”, nas guerras de secessão ou nas guerras contra a dominação estrangeira. Mao Tse-tung forneceu este resumo: “Quando o inimigo avança, nós recuamos! Quando o inimigo se imobiliza, nós flagelamos! Quando o inimigo tenta evitar a batalha, nós atacamos! Quando o inimigo recua, nós perseguimos!”[20]

Os estrategistas da guerrilha permitem que o inimigo avance até o interior, onde suas linhas de suprimentos são mais longas, onde falta apoio popular e onde os guerrilheiros podem perseguir seus exércitos exaustos. Eles forçam o inimigo a exaurir sua força de trabalho e seus recursos mantendo o terreno — até que uma “batalha de aniquilação” decisiva contra o invasor enfraquecido, torne-se possível (Yorktown, Dien Bien Phu). As milícias, com seu menor tamanho e maior mobilidade, são bem adequadas para esse tipo de guerra.

As táticas de guerrilha são tão antigas quanto a própria guerra organizada. O Cônsul romano “o Protelador” assaltou e perseguiu os invasores cartagineses até que as forças romanas pudessem lançar batalhas decisivas. A Guerra Peninsular, na qual as juntas monarquistas mobilizaram grupos de guerrilha contra , é um exemplo posterior.

Para complicar ainda mais as coisas, a guerra de guerrilha transforma-se em uma “guerra revolucionária”. Algumas vezes, o objetivo revolucionário é a secessão política ou evitar o domínio estrangeiro. Mesmo aqui, um aspecto social revolucionário se insinua, como na Revolução Americana, em que uma ideologia libertário-republicana bem definida levou a reformas que acompanharam a luta militar. Em outros lugares, pequenos grupos com motivações ideológicas, especialmente marxistas, forneceram uma doutrina política como parte da luta militar.

 

A Revolução Americana e a Guerra de Guerrilha

 

William Marina escreve que a Revolução Americana foi um exemplo bem-sucedido de “guerra popular”. Os Britânicos nunca compreenderam o que os americanos pretendiam. George Washington, que se inclinava à guerra estilizada Europeia e não gostava de milícias, “chegou à sua estratégia para ‘prolongar’ a guerra”, escreve Marina, “[quase] por acidente.” Até mesmo as forças americanas “regulares” não eram muito regulares aos olhos europeus, e o papel das unidades de milícia fora muito subestimado. Os Americanos aproveitaram-se dos terrenos familiares — florestas, montanhas, etc. — e viveram da terra enquanto flagelavam o oponente sobrecarregado. Eles desfrutaram do apoio das massas. Onde isso não aconteceu, a guerra tornou-se uma luta social entre conservadores “Tories” e “patriotas” locais. Thomas Paine articulou as táticas instintivas dos americanos, que os Britânicos as compararam às dos “Índios Vermelhos”, e Charles Lee desenvolveu a teoria e a prática da guerra revolucionária. Guiados pela teoria republicana, os Americanos preferiram as forças armadas baseadas na milícia aos exércitos permanentes associados ao domínio imperial Britânico. Eles assaltariam com frequência suficiente para confundir o inimigo, voltavam para casa para cultivar e então retomavam a guerra. Comparou Truong Chinh: “Quando o inimigo vem, nós lutamos; quando ele vai embora, nós aramos”. Isso pode não ter parecido uma guerra para os Britânicos, mas foi efetivamente a base da vitória.[21]

 

Guerrilhas Confederadas e Saqueadores (1861-1865)

 

Os sulistas podem ter perdido sua guerra pela independência por não iniciarem uma guerra revolucionária. A visão convencional é de que as autoridades Confederadas falharam em centralizar o suficiente, para manter grandes exércitos no campo. Como comandante-chefe Confederado, Jefferson Davis seguiu uma estratégia de “defesa ofensiva” que, ao exigir grandes forças regulares para enfrentar os invasores, ou mesmo para invadir o território inimigo, provavelmente sacrificou as vantagens naturais do Sul. Essas vantagens incluíam um amplo interior, um terreno favorável, uma população familiarizada com armas de fogo e capaz de viver da terra, infraestrutura de milícia existente e apoio popular. Críticos de Davis — o Vice-presidente Alexander Stephens; J.D.B. DeBow; o governador Joe Brown da Geórgia; e Robert Toombs — lamentaram a decisão do governo, pela rejeição da opção de guerrilha. Historiadores como Robert Kerby, Grady McWhiney e Jeffrey Hummel agora concordam com a visão dos críticos. Ao desperdiçar mão de obra e recursos escassos em ataques frontais maciços e suicidas contra as forças inimigas armadas com rifles modernos, os líderes Confederados “esgotaram-se açoitando os Yankees”. Eles também esgotaram o povo Confederado. Essa recusa em adotar táticas viáveis foi atribuída ao medo da revolução social, que poderia desmascarar as relações raciais existentes — e não apenas a escravidão, que alguns Confederados estavam dispostos a sacrificar pela independência. Kerby afirma que a guerra de guerrilha se adequou aos hábitos e ideais políticos da sociedade Sulista — o individualismo, personalismo, republicanismo e descentralização — muito melhor do que a guerra de West Point perseguida em Richmond.[22]

No oeste Confederado, os Quantrill’s Raiders praticaram a guerra de guerrilha e conseguiram deter um número significativo das tropas da União. No Missouri, a guerra foi pessoal e brutal — uma das razões, talvez, porque Robert E. Lee chamou a guerra partidária de “um mal absoluto”. No Leste, os sucessos do capitão John Hunt Morgan e do coronel John S. Mosby com a cavalaria, altamente móvel, levaram os comandantes da União a rotulá-los de “fora-da-lei”. Essa foi essencialmente uma guerra de guerrilha a cavalo, e um uso mais inteligente de cavaleiros do que ataques de cavalaria heroicamente elaborados, para finalizar as batalhas de infantaria colossais.[23] A postura cavalheiresca de Morgan e Mosby os poupou da vergonha geralmente atribuída a Quantrill.

A última mensagem de Davis exortava os Confederados a continuar lutando, livres do fardo de manter cidades e territórios.[24] Era tarde demais. Como disse Stephens, a liderança conservadora Sulista desviou os instintos revolucionários do povo e desperdiçou seu entusiasmo.

 

Commandos Africânderes na Segunda

Guerra Dos Bôeres (1899-1903)

 

Os guerrilheiros podem ser derrotados por um inimigo ainda mais disposto a travar uma guerra total do que Abraham Lincoln estava. Foi o que aconteceu na África do Sul. Os Africânderes eram bons cavaleiros, atiradores superiores e habitantes resistentes da fronteira, capazes de travar guerras prolongadas. Eles possuíam uma instituição de milícia preexistente, o comando, liderado por cornetas de campo, que possuíam funções civis e militares.[25] Essas instituições desenvolveram-se na fronteira de ocupação dos bôeres por 200 anos.

Quando a guerra estourou, em outubro de 1899, os comandantes do Transvaal e do Estado Livre de Orange utilizaram suas forças em ataques e cercos em grande escala. A Grã-Bretanha prevaleceu em pouco tempo. Enquanto os Britânicos se preparavam para relaxar, os bôeres iniciaram uma guerra de guerrilha, mudando a equação. Como ideologia, o nacionalismo bôere provou ser mais resistente do que o nacionalismo confederado subdesenvolvido. As unidades Africânderes logo colocaram os Britânicos na mesma posição em que os colonialistas Americanos haviam os colocado dois séculos antes (como memoravelmente declarado no “Speech on Conciliation” de Edmund Burke): eles podiam controlar o território, mas não governar. Eles não estavam seguros fora de suas fortalezas.

Os Britânicos adotaram táticas de contra-insurgência, enviando mulheres e crianças Africânderes para campos de concentração (onde morreram 26.000 deles), queimando e destruindo fazendas, gado e outras propriedades Africânderes. Os comandantes Bôeres — enfrentando a destruição de toda a sua sociedade — fizeram as pazes e reafirmaram seu nacionalismo politicamente (fatidicamente na eleição de 1948 — um Majuba Hill político para a Inglaterra). Como disse um prisioneiro bôere: “Vocês, ingleses, lutam para morrer: nós, bôeres, lutamos para viver”.[26]

 

Guerra de Guerrilha Teorizada

 

Existem outras guerras nas quais as guerrilhas desempenharam um papel importante. Pensa-se nos guerrilheiros liderados pelos comunistas na Iugoslávia, Grécia, China e Vietnã, no Exército Republicano Irlandês e na OLP. Nem todas elas alcançaram a vitória, mas as guerrilhas criam grandes problemas para aqueles que estão acostumados com a guerra convencional. Um poder hegemônico obstinado seguirá a doutrina e as táticas de contra-insurgência para derrotar tais inimigos. Isso envolverá guerra contra os apoiadores das guerrilhas — reconcentración, “aldeias estratégicas”, campanhas aéreas massivas (que geralmente são contraprodutivas, a menos que o mero assassinato seja racional) e assim por diante. O poder então critica os “bandidos” e “terroristas” por forçá-los a se comportar tão mal.

Diz-se que os guerrilheiros, ao não responderem às autoridades superiores, imediatamente voltam-se a selvageria, diminuem a moral e solapam as regras da guerra. Esse argumento não está completo. Mesmo quando os partidários se conformam com as regras, o inimigo ainda os taxam como “bandidos” e “foras da lei”, passíveis a serem fuzilados se capturados, não dando a eles, desta forma, nenhum incentivo a seguir as regras. Certamente, no século XX, foram os estados que notoriamente descartaram as “leis da guerra” construídas ao longo de vários séculos — bloqueios para matar de fome as testemunhas, guerra submarina irrestrita, perseguições étnicas e bombardeios terroristas nas duas guerras mundiais. Os guerrilheiros cometem atrocidades? Claro. Eles conseguiriam cometê-los na mesma escala que os estados centralizados? Geralmente, não.

No século XIX, houve poucas guerras partidárias para estimular o pensamento militar. No século XX, o vínculo entre a revolução anticolonial e a guerra de guerrilha levou a muitas teorias sobre a última. Aqui, mencionarei apenas Michael Collins e Tom Barry, Ernesto Che Guevara-Lynch (que é dito ter levado consigo o livro de Barry, Guerilla Days in Ireland, nas campanhas), Régis Debray, Mao Tse-tung, Lin Piao, Ho Chi Minh e Vo Nguyen Giap.[27] Uma literatura sobre a contra-insurgência também foi desenvolvida, algumas das quais encalharam no Vietnã.

É verdade que a guerra de guerrilha pode ser brutal, mas isso não é uma grande recomendação de uma guerra oficial organizada. Diz-se que os guerrilheiros nunca vencem sem aliados. As revoluções Americana e Vietnamita são discutidas. A falta de apoio estrangeiro dos Confederados e dos Bôeres é observada. Mas a Revolução Americana — certamente — não precisava da França para fornecer a margem para a vitória.[28] A Revolução Chinesa teve sucesso com pouca ajuda real de seus aliados ideológicos. A vitória ou derrota das guerrilhas depende mais da moral, da exploração das vantagens, do armamento e da engenhosidade e do caráter do inimigo. De qualquer forma, a ajuda estrangeira vem com restrições. Foi observado que as milícias revolucionárias americanas eram eficazes localmente, mas que não serviriam para invadir o Canadá. Esse localismo de milícias é, na verdade, um argumento a seu favor — desde que se queira apenas defesa.

 

As Anomalias da “Defesa”:

Implicações para A Provisão de Segurança

 

O falecido Enoch Powell, estudioso clássico e parlamentar conservador, escreveu que a política de “defesa” americana na Europa se apoiava em dois pilares. O primeiro sustentava que a Rússia Soviética estava “empenhada na invasão e conquista da Europa Ocidental”; a segunda, que “a invasão foi evitada e ainda continuava a ser evitada” pelo compromisso dos Americanos com o suicídio nuclear. Isso era como “[a] prova de que os elefantes vagueiam pelas linhas férreas porque os pedaços do Times jogados pela janela do vagão os mantêm afastados”. Ambos eram “contrários à razão e à observação”.[29]

Perdida na guerra fria, “pensando no impensável”, estava a provisão de segurança para as pessoas reais, suas famílias, propriedades e sociedades. Agora estamos de volta ao início. Se os estados não são provedores confiáveis de segurança — se de fato são, frequentemente, o principal perigo para a liberdade e segurança, não apenas para os estrangeiros, mas também para o “seu próprio povo” — como nós podemos oferecer segurança enquanto mantemos uma sociedade livre e evitamos a armadilha construída no monopólio territorial do estado? Como Jeffrey Hummel me sugeriu, essa é, praticamente, a mesma questão de como os estados surgiram.

Perto do final de sua história magistral do pensamento republicano, Pocock escreve que abandonar o republicanismo seria “o fim […] da disputa com a história em sua forma distintamente Americana” — o fim, isto é, dos esforços para prevenir a decadência constitucional. “Mas o que sucederia a essa perspectiva é difícil de imaginar — as indicações do momento presente apontam inconclusivamente para vários tipos de anarquismo conservador — e seu fim parece não ter chegado.”[30]

Os liberais e republicanos clássicos sabiam que a organização militar representava uma grande ameaça à paz e à liberdade sociais. A inadequação da solução escolhida — constituições escritas — é evidente há muito tempo. Movimentos em massa para “restaurar” constituições — nos Estados Unidos ou em outro lugar — são extremamente improváveis e não abordariam a provisão de segurança monopolística territorial. No máximo, esses esforços poderiam nos comprar algumas décadas de vida em “tempos interessantes”.

O que está em jogo é se podemos alcançar a “comunidade livre e próspera” de Mises, sem vê-la cair na “centralização” do monopólio estatal. Em qualquer mundo imaginável, construir sociedades livres envolve extrema descentralização, secessão, mercados livres e comércio livre. Existiram sociedades radicalmente livres sob a lei: a antiga Irlanda, a Islândia medieval e a Pensilvânia colonial são exemplos.[31]

 

Defesa da Liberdade Ordenada Contra Estados em Ascensão

 

Se pudéssemos viver em uma “anarquia” ordenada — ou em uma república federal tão descentralizada, a ponto de ser uma “quase anarquia” — como manteríamos a nós mesmos, nossas propriedades (nossos vários territórios) e nossa sociedade a salvo de ameaças externas e internas? A teoria econômica apresenta o problema com maior clareza. Não se pode resolver sem ajuda. É aqui que olhamos para nossos antepassados liberais e republicanos e para as “lições” históricas.

A gravidade da busca foi sublinhada por Jacob Burckhardt: “Um eco das terríveis convulsões que acompanharam o nascimento do estado, o quanto isso custou, pode ser ouvido na primazia enorme e absoluta de que sempre desfrutou”. Morton Fried escreve que “o surgimento de um estado catalisa rapidamente a sua província, de modo que uma necessidade militar de defesa é precipitada no momento em que um estado nasce”. Assim, “o salto para o estado ocorre em um campo de tais saltos”, de modo que “o estado recém-nascido A se encontra não muito longe do estado recém-nascido B”.[32] Quer se refira à defesa do estado contra a província ou a necessidade das províncias, agora, de se defenderem desse estado, o ponto foi bem entendido.

Um caso de teste interessante ocorreu na África do Sul. Em 1848, a Grã-Bretanha proclamou a Soberania do Rio Orange como uma extensão da fronteira Britânica. Alguns bôeres, que se viam como emigrantes leais da Colônia do Cabo, apoiaram o domínio Britânico. A maioria dos bôeres resistiu ou ignorou o domínio Britânico. Alguns simplesmente preferiam os acordos existentes com o vizinho, Moshweshwe, Rei de Sotho, de quem obtiveram terras e com cujo povo negociavam. Outros bôeres, menos favoráveis à Moshweshwe, também se opuseram à autoridade Britânica. Por obstinada resistência, os Bôeres “insatisfeitos” bloquearam a construção do edifício estatal Britânico; e os oficiais Britânicos, que não gastariam dinheiro e mão de obra para sustentar a Soberania, retiraram-se em 1854. No entanto, um “estado sucessor” — o Estado Livre de Orange — emergiu, controlado por bôeres e outros colonos (Britânicos), que viram a oportunidade de busca de renda — apesar da perseverança dos Bôeres, ainda felizes com o quase-anarquismo patriarcal de sua organização maatskappy.[33]

O surgimento de um estado local — estimulado por interferência e exemplo — não é surpreendente. A percepção da “public choice” sobre pilhagem política, sem dúvida se aplica. Rotular os Bôeres que rejeitaram o governo Britânico — ou mesmo o governo de outros Africânderes — como “free riders” dificilmente os teriam perturbado. Em suas mentes, eles haviam fornecido sua segurança e as ofertas de “ajuda” Britânicas pareciam, com razão, mera racionalização imperialista.

 

Reservas Republicanas

 

Neste ponto de nossa pesquisa, onde o republicanismo confederado e o “liberalismo anarquista” se sobrepõem, vemo-nos admirando as milícias — embora peçamos que sejam voluntárias em vez de recrutadas. (Afinal, nos tempos do Antigo Testamento, os “fracos de coração” eram dispensados de lutar, mas, presumivelmente, faziam algo útil para a causa). Aqui, de fato, nós gostaríamos de planejar com antecedência o recurso à tática de guerrilha, contra a decisão de alguma potência de invadir nossas casas e propriedades.

Chegamos assim ao “Problema do ‘Caipira’[34] Ausente” Isto foi colocado de forma mais elegante pelo grande liberal francês Benjamin Constant na década de 1820. Constant atacou o utilitarismo de seu conterrâneo liberal Charles Dunoyer, que previa soluções econômicas para todos os problemas. Como escreve Ralph Raico, Constant destacou “uma certa contradição interna na sociedade livre, que só pode ser compensada colocando em ação forças antiutilitaristas, como a fé religiosa”. O próprio sucesso da liberdade em trazer prosperidade, diminui o número daqueles — Cleftes gregos, escoceses das Highlands — que possuem as habilidades e virtú pessoais para defendê-la.[35] Muitos no interior dos Estados Unidos temem que, no caso de um ataque dramático às suas liberdades, a ajuda de verdade pode não vir dos literatos de Manhattan, por mais “conservadores” que alguns deles possam ser. Eles imaginam que terão de fazer isso sozinhos e, portanto, desejam manter seus meios de defesa sob a Segunda Emenda.

A ausência de “caipiras” pode ser um problema, mas os ambientes urbanos per se não impedem a criação e a manutenção de milícias. No “inverno da grande secessão”, foram as companhias de milícias (com ligações ao Partido Democrata) nas cidades de Maryland, Pensilvânia e Nova York, que lançaram a ideia de uma Confederação do Meio Atlântico, como forma de evitar a guerra entre o Norte e o Sul. Certamente, a Suíça, por mais “moderna” e urbana que queira ser, é famosa justamente por seu sistema de milícias defensivas.[36] Em qualquer caso, uma disputa contínua pela liberdade pode trazer aliados imprevistos de diversos estratos sociais.

 

Novamente a Perspectiva Econômica

 

Che Guevara compreendia a utilidade do comando descentralizado e da flexibilidade tática, como mostram seus escritos.[37] No entanto, como ministro da economia cubano, ele trabalhava sob a ilusão de que o “planejamento” e o cálculo econômico socialista eram possíveis. Edmund Burke disse sua famosa frase, de que o estado não é “um acordo de parceria no comércio de pimenta e café, chita ou tabaco, ou algum outro acordo de baixa preocupação, a ser tomado por um pequeno interesse temporário, a ser dissolvido pela vontade dos partidos”.[38] Dada a história real do século XX, nós poderíamos rejeitar a mistificação do estado de Burke em favor de sua ideia de lealdade aos nossos próprios “pequenos pelotões”. Este último tema burkeano tem ligação com as análises econômicas de Molinari, Rothbard e Hoppe. Assim, voltamos aos mercenários “antirrepublicanos” — agora reembalados como empresas de segurança ou defesa.[39] Mas como nós chegaremos lá? Dito de outra forma, os problemas políticos e sociológicos ainda precisam ser resolvidos, para que a solução “econômica” possa vir por si mesma.

 

Conclusões: “Novo Modelo de não-Exércitos”

 

Partimos da verdade incontestável de que a defesa leva vantagem. Logo em 1861, observa McWhiney, “o rifle deu aos defensores uma vantagem de, pelo menos, três para um”.[40] E uma vez que as pessoas adotam as táticas de guerrilha, derrotá-las aumenta a proporção dos atacantes para os defensores para algo entre 4 para 1 e 6 para 1, ou superior. A “pacificação” e ocupação bem-sucedidas podem exigir uma superioridade de 10 para 1. Isso transfere os custos — em todos os sentidos — massivamente para os invasores. É por causa disso que a Grã-Bretanha atraiu tanta mão de obra do Canadá, Nova Zelândia e Austrália para derrotar alguns agricultores “holandeses”. O resultado final, é claro, ainda depende de fatores como armamento, geografia, ideologia, moral e liderança, mas os defensores determinados podem sobreviver a todos exceto os inimigos mais poderosos, ricos e cruéis.[41]

Muito se fala sobre a guerra “industrializada” — de 1861 — mas uma virada em direção a armamentos e organizações mais leves e flexíveis não representa “desindustrialização”, mas, em vez disso, diferentes escolhas de objetivos, estratégias e táticas. Certamente, os defensores de repúblicas ultramínimas e “anarquias” usarão produtos da indústria moderna, conforme disponíveis; mas recorrer a meios “primitivos” (armadilhas humanas, varas afiadas) cai dentro da lógica formal de fins/meios da praxeologia, que aplica os meios disponíveis aos problemas em questão. Isso destaca outra vantagem da defesa genuína: a possibilidade de “apontar com precisão” aos inimigos, sobre a qual Murray Rothbard escreveu, os guerrilheiros são praticamente capazes de distinguir amigo de inimigo e até mesmo de amigo de alguém neutro. Eles não precisam chafurdar no pântano moral da Guerra Total, que considera o bombardeio de civis moralmente aceitável.[42]

Carroll Quigley escreveu em 1966, que “[qualquer] aumento drástico na capacidade de funcionamento das forças de guerrilha indicaria […] um aumento no poder defensivo das armas existentes, e isto, por sua vez, indicaria uma capacidade de resistir às autoridades centralizadas e […] manter e defender as liberdades dos pequenos grupos”.[43] Tais armas realmente existem? Acredito que sim, e devemos lembrar que, quando Quigley escreveu, o resultado no Vietnã ainda era incerto. Certamente, o sucesso das guerrilhas antissoviéticas no Afeganistão (qualquer que seja o papel da assistência dos EUA) assemelha-se ao sucesso das guerrilhas Vietnamitas contra os Americanos, e ambas as guerras deram golpes comparáveis ao que os Bôeres fizeram ao Império Britânico. Em cada caso, os defensores transferiram custos significativos — no sentido mais amplo — para os atacantes.

Será que a intenção anunciada de recorrer a tais métodos teria um efeito dissuasor? Provavelmente não, uma vez que os possíveis invasores sempre se consideram excluídos do padrão histórico. Por outro lado, ninguém invadiu a Suíça recentemente.

 

Defesa Real: Uma Realidade em Mudança

 

Presumo que estados mínimos e anarquias podem passar sem bombas nucleares, mísseis de cruzeiro, bombardeiros furtivos e dispendiosos “sistemas” voltados à conquista mundial ou interferência universal. Quanto à “estrutura de força” de mera defesa, acredito que veríamos alguma combinação rústica de milícias e “companhias de seguro” — que talvez não tão mutuamente exclusivas quanto pensamos — com recurso à guerra de guerrilha em massa, organizada de alguma maneira e por quem quer que seja, in extremis.

Quanto aos “free riders”, a Revolução Americana conta a história. Se tivéssemos resolvido tudo isso, nunca teríamos lutado. Hummel lança um belo “e daí?” rothbardiano ao problema. Ele observa que, sem free riding, a própria civilização não existiria.[44] A defesa bem-sucedida da liberdade pode acabar por exigir “forças antiutilitaristas” sobre as quais Constant escreveu: o nacionalismo, a religião, o desejo de liberdade, o ódio ao inimigo, a pressão social para fazer a coisa certa e assim por diante. Se isso representa “interesse próprio esclarecido” pode depender do caráter próprio das pessoas. Alguns dos que normalmente falam em favor do homem econômico, que maximiza a utilidade, seriam os primeiros a coagir seus companheiros em tempo de guerra. Aqueles que valorizam a liberdade renunciarão à coerção e usarão outros meios para superar o parasitismo. Dados os custos associados à “defesa” promovida pelo monopólio estatal — aqueles milhões de mortos para começar — um pouco de free riding parece um preço pequeno.

Pode-se pensar que, tendo acabado de derrotar a potência mais poderosa do mundo, os americanos teriam rejeitado a ladainha federalista sobre ameaças estrangeiras e a iminente guerra destrutiva e a consequente necessidade de um estado mais poderoso. Eles obtiveram o estado mais forte, o que os levou a guerras periódicas — provando, sem dúvida, que o novo estado os salvou de outros perigos desconhecidos além da contemplação e enumeração — e elefantes de fato percorrem as ferrovias. Pode ser que os federalistas desejassem mais pelo império americano do que pela segurança — e que os antifederalistas, portanto, tinham a melhor parte do argumento.

Um comentário final: alguns anos atrás, Samuel H. Beer tentou provar a teoria de Wilson-Story-Lincoln de que a união Americana era “mais antiga” do que os estados que a compõem. Ele viu no Congresso Continental o germe de um novo poder “soberano” sobre os estados. O olhar mais leve para as provações e tribulações do Congresso coloca essa teoria de lado. Mas como um centro de exortação, coordenação e assim por diante, o Congresso fez um trabalho útil para superar o problema do free rider durante a guerra prolongada da América.[45]

 

_______________________________

Notas

[1]     Sobre “praxeologia”, veja Ludwig von Mises, Human Action, 3ª ed. revisada (Chicago: Henry Regnery, 1966), pp. 11-71; para seus subcampos, ver Murray N. Rothbard, Man, Economy, and State (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, 1993) , p. 65 [Tradução ao português disponível como Murray N. Rothbard, Homem, Economia e Estado com Poder e Mercado (Rio de Janeiro: Editora Konkin, 2021). N. do Tradutor]; e “Praxeology: Reply to Mr. Schuller,” American Economic Review 61, no. 5 (1951): 945-46.

[2]Mises, Human Action, p. 30.

[3]     Ver Robert Carneiro, “A Theory of the Origin of the State” em The Politicization of Society, editado por Kenneth S. Templeton, Jr. (Indianapolis: Liberty Press, 1979), pp. 34-36.

[4]     Ver especialmente Michael Mann, “States, Ancient and Modern,” Archives Européennes de Sociologie 18, no. 2 (1977); 262-98, e idem, “The Autonomous Power of the State”, Archives Européennes de Sociologie 25, no. 2 (1984): 185-213.

[5]     Cf. Hans-Hermann Hoppe, “The Private Production of Defense” (Auburn, Ala.: Ludwig von Mises Institute, n.d. [Essays in Political Economy]), pp. 1-16; op. cit. p. 5; Jeffrey Rogers Hummel, “National Goods Versus Public Goods: Defense, Disarmament, and FreeRiders”, Review of Austrian Economics 4 (1990): 88-122: e Dan Garret, “Public Goods and the Justification of the State: Review of David Schmidtz, The Limits of Government”, Humane Studies Review 7, no. 2 (Primavera de 1992).

[6]     Veja, por exemplo, Hoppe, “The Private Production of Defense”; Murray N. Rothbard, “Society Without a State”, Nomos 19 (1978): 191-207; e Linda e Morris Tannehill, The Market for Liberty (Lansing, Mich.: Tannehill, 1970).

[7]     John U. Nef, citado em Murray N. Rothbard, Egalitarianism as a Revolt Against Nature and Other Essays, editado por Roy A. Childs (Washington, D.C.: Libertarian Review Press, 1974), cap. 3, “The Anatomy of the State,” p. 51.

[8]     Pierre L. van den Berghe, “Denationalizing the State”, Society 33, no. 2 (janeiro-fevereiro de 1996): 64. Sobre os custos relativos da monarquia e da democracia, ver Hans-Hermann Hoppe, “Time Preference, Government, and the Process of De-Civilization” em The Costs of War, editado por John V. Denson, 2ª ed. (New Brunswick, N.J.: Transaction Publishers, 1999), pp. 455-508.

[9]     F.J.P. Veale, citado em Rothbard, “Anatomy of the State”, pp. 50-51.

[10]   Jacob Burckhardt, The Civilization of the Renaissance in Italy (Nova York: New American Library, 1960), pp. 53-54. A Parte Um, “O Estado como uma Obra de Arte”, pp. 39-120, examina a complexa mistura de feudalismo, republicanismo e guerra privada que foram marcas registradas da Itália renascentista. Ver também Daniel Waley, The Italian City-Republics (Nova York: McGraw Hill, 1969), especialmente pp. 132-35.

[11]   A Short History of Italy, editado por H. Hearder e D. P. Waley (Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press, 1963), pp. 78-79. Sobre Hawkwood, veja os três capítulos de William R. Forstchen em Mercs: True Stories of Mercenaries in Action, editado por Bill Fawcett (Nova York: Avon Books, 1999), pp. 20-43.

[12]   J.G.A. Pocock, The Machiavellian Moment: Florentine Political Thought and the Atlantic Republican Tradition (Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1975), pp. 199-200.

[13]   Lewis Mumford, The City in History (Nova York: Harcourt, Brace e World, 1961), p. 352.

[14]   Ibid.

[15]   Bruce , War and the Rise of the State (Nova York: The Free Press, 1994), p. 59.

[16]   H. C. Burmeister, “The Recruitment and Use of Mercenaries in Armed Conflicts,” American Journal of International Law 72, no. 1 (janeiro de 1978): 37-56, especialmente 53-56.

[17]   Veja os ensaios em Fawcett, Mercs, pp. 73-281; Frederick Forsyth, “Send in the Mercenaries,” Wall Street Journal (15 de maio de 2000), p. 50.

[18]   Sobre a teoria republicana em geral, ver Pocock, The Machiavellian Moment. Sobre republicanismo e armas privadas, consulte Robert E. Shalhope, “The Armed Citizen in the Early Republic,” Law and Contemporary Problems 49, no. 1 (Inverno de 1986): 125-41; e William Van Alstyne, “A Segunda Emenda e o Direito Pessoal de Portar Armas”, Duke Law Journal 43 (Abril de 1994): 1236-55.

[19]   Jeffrey Rogers Hummel, “A Milícia Americana e a Origem do Alistamento: Uma Reavaliação,” Journal of Libertarian Studies 15, no. 4 (Outono de 2001): 29-77.

[20]   Citado em Sun Tzu, The Art of War, editado por Samuel B. Griffith (Oxford: Oxford University Press, [1963] 1971), p. 51.

[21]   William F. Marina, “Militia, Standing Armies and the Second Amendment”, Law and Liberty 2, no. 4 (Primavera de 1976): 1-4, citação em p. 3; e “Revolution and Social Change: The American Revolution As a People’s War”, Literature of Liberty 1, no. 2 (Abril-Junho de 1978): 5-39, especialmente pp. 21-27. Truong Chinh citado em Norman Gall, “The Legacy of Che Guevara”, em Revolution: A Reader, editado por Bruce Mazlish, Arthur D. Kaledin e David B. Ralston (Nova York: Macmillan, 1971), p. 436.

[22]   Sobre essas questões, consulte Robert L. Kerby, “Why the Confederacy Lost,” Review of Politics 35, no. 3 (julho de 1973): 326-45; Grady McWhiney, Southerners and Other Americans (Nova York: Basic Books, 1973), cap. 7; idem, “Who Whipped Who?” pp. 105-27; e idem, “Conservatism and the Military”, Continuity 4/5 (Primavera/Outono em 1982): 93-126; George M. Frederickson, “Why the Confederacy Did Not Fight a Guerrilla War After the Fall of Richmond: A Comparative View”, Palestra Publicada (Gettysburg, Penn.: Gettysburg College, 1996); Joseph R. Stromberg, “The War for Southern Independence”, Journal of Libertarian Studies 3, no. 1 (1979): 31-53; Jeffrey Rogers Hummel, Emancipating Slaves, Enslaving Free Men: A History of the American Civil War (Chicago: Tribunal Aberto, 1996); e Richard E. Beringer, Herman Hattaway, Archer Jones e William N. Still, Jr., Why the South Lost the Civil War (Athens: University of Georgia Press, 1986).

[23]   Ver Richard S. Brownlee, Gray Ghosts of the Confederacy: Guerrilla Warfare in the West, 1861-1865 (Baton Rouge: Louisiana State University Press, [1958] 1986); John Ellis, A Short History of Guerrilla Warfare (Londres: Ian Allan, 1975), pp. 84-88; Virgil Carrington Jones, Gray Ghosts and Rebel Raiders (Nova York; Henry Holt, 1956); e James J. Williamson, Mosby’s Rangers (Nova York: Ralph B. Kenyon, [1896] 1982).

[24]Davis é citado em Kerby, “Why the Confederacy Lost,” p. 345.

[25]   F.A. van Jaarsfeld, “Die Veldkornet en sy aandeel in die opbou van die Suid-Afrikaanse Republiek tot 1870,” Archive Yearbook for South African History 13 (1950); Cmdt. J.J. Retief, “The Development of the Rank Structure of the Boer Commandos, Part I: 1715-1836,” Military History Journal 9, no. 4 (dezembro de 1993); e “The Development of the Rank Structure of the Boer Commandos, Part II: 1834-1902,” Military History Journal 9, no. 5 (junho de 1994); e Neville Gromm, “The Commando Act of the Orange Free State Republic,” Military History Journal 1, no. 5 (dezembro de 1969).

[26]   Citado em Ellis, Short History of Guerrilla Warfare, p. 119 e em Boer War discussed, pp. 118-23. Veja também Deneys Reitz, Commando: A Boer Journal of the Boer War (Londres: Faber and Faber Limited. [1929] 1975): John Fisher, The Afrikaners (Londres: Cassell, 1969), especialmente pp. 164-67; e Thomas Pahkenham, The Boer War (New York: Random House, 1979)., Frederickson compara as duas guerras em “Why the Confederacy Did Not Fight a Guerrilla War”.

[27]   Ver Vo Nguyen Giap, People’s War, People’s Army (Nova York: Bantam Books, 1962); Lin Piao, Long Live the Victory of People’s War! (Pequim: Foreign Languages Press, 1965); Michael Collins, The Path to Freedom (Boulder, Colo.: Roberts Rinehart Publishers, 1996); e Robert B. Asprey, War in the Shadows: The Guerrilla em History, 2 vols. (Garden City, N.Y.: Doubleday, 1975). Para o ponto sobre Guevara, Tom Barry, Guerilla Days in Ireland (Cork: Mercier Press, 1955), foi a bíblia e o livro-fonte de Che Guevara. (Robert O’Driscoll, “The Aesthetic and Intellectual Foundations of the Celtic Literary Revival in Ireland”, in idem, ed., The Celtic Consciousness [New York: George Braziller, 1982], p. 416.)

[28]Marina, “Revolution and Social Change”, p. 24.

[29]   Enoch Powell, “The Decline of America”, The Guardian, (7 de dezembro de 1988).

[30]Pocock, Machiavellian Moment, p. 545; ênfases minhas.

[31]   Joseph Peden, “Property Rights in Celtic Irish Law”, Journal of Libertarian Studies 1, no. 2 (Primavera de 1977): 81-94; Murray N. Rothbard, Conceived in Liberty (New Rochelle, N.Y.: Arlington House, 1975), vol. I, cap. 55, “‘The Holy Experiment’: The Founding of Pennsylvania, 1681-1690,” pp. 402-11; e David Friedman, “Private Creation and Enforcement of Law: A Historical Case,” Journal of Legal Studies 8 (Março de 1979): 399-415.

[32]   Jacob Burckhardt, Force and Freedom: Reflections on History (Boston: Beacon Press, 1964), p. 111; Morton Fried, “Tribe to State or State to Tribe in Ancient China?” em The Origins of Chinese Civilization, editado por David N. Keightley (Berkeley: University of California, 1983), p. 479.

[33]   Veja Timothy Keegan, “The Making of the Orange Free State, 1846-1854”, Journal of Imperial and Commonwealth History 17, no. 1 (1988): 26-54; e M.C.E. van Schoor, “Politieke Groeperinge in Transgariep,” Archive Yearbook for South-African History 13 (1950). E veja Joseph R. Stromberg, “Maatskappy, State and Empire,” Journal of Libertarian Studies 14, no. 1 (Inverno de 1998-99): 1-26. Os historiadores frequentemente notaram a falta de vontade ou incapacidade dos britânicos em gastar o dinheiro necessário para sustentar a expansão imperial estável na África Meridional do século XIX. Veja, por exemplo, C.F. Muller, Die Oorsprong van die Groot Trek (Cidade do Cabo: Tafelberg, 1974)

[34]   [N. do Tradutor: “Caipira”, neste contexto, refere-se aos habitantes tradicionais, interioranos, de determinado país, como se vê no decorrer do parágrafo, utiliza-se como exemplos os cleftes gregos e os highlanders escoceses, que historicamente desempenharam papéis cruciais na defesa de seus respectivos países de invasores estrangeiros.]

[35]   Leonard P. Liggio, “Charles Dunoyer e French Classical Liberalism”, Journal of Libertarian Studies 1, no. 3 (verão de 1977): 178; e Ralph Raico, “Classical Liberal Exploitation Theory: A Comment on Professor Liggio’s Paper”, Journal of Libertarian Studies 1, no. 3 (verão de 1977): 182-83 (do qual a citação foi extraída).

[36]   William C. Wright, The Secession Movement in the Middle Atlantic States (Cranbury, N.J.: Farleigh Dickinson University Press, 1973); sobre a Suíça, ver Stephen P. Halbrook, Target Switzerland: Swiss Armed Neutrality in World War II (Conshohocken, Penn.: Sarpedon Publishers, 1998).

[37]   Che Guevara em Guerrilla Warfare (New York: Frederick A. Praeger, 1961)

[38]   Edmund Burke: Selected Writings and Speeches, editado por Peter J. Stanlis (Garden City, N.Y.: Anchor Books, 1963), p. 471

[39]   Gustave de Molinari, “The Production of Security”, traduzido por J. Huston McCulloch (Occasional paper # 1, Nova York: Center for Libertarian Studies, 1977); Hoppe, “Private Production of Security”; Murray N. Rothbard, For a New Liberty (Nova York: Collier Books, [1973] 1978), pp. 237-41; David Osterfeld, “Anarcho-Capitalism and the Defense of the Nonstate”, Libertarian Forum 10, no. 2 (fevereiro 1977): 7-8; Morris e Linda Tannehill, The Market for Liberty; Jarret B. Wollstein, Society Without Coercion (Silver Springs, Md.: Society for Individual Liberty, 1969); Benjamin Tucker, Instead of a Book (New York: Haskell House, [1893] 1969), pp. 30-38 e 326-27; e David Friedman, The Machinery of Freedom (New Rochelle, N.Y.: Arlington House, 1978).

[40]McWhiney, “Conservatism and the Military”, p. 125: “os confederados podem muito bem ter ficado na defensiva e exaurido o Norte. Tal política de economia estaria de acordo com os princípios conservadores da guerra” (grifo meu).

[41]   Ver Glenn A. May, “Why the United States Won the Philippine American War, 1899-1902”, Pacific Historical Review 52, no. 4 (Novembro de 1983): 353-77, onde o fracasso da causa filipina é atribuída a seus líderes.

[42]   Sobre a guerra “industrializada”, ver William H. McNeill, The Pursuit of Power (Chicago: University of Chicago Press, 1982), pp. 144-387; John Keegan, The Face of Battle (Nova York: Viking Press, 1972), especialmente pp. 228-31; e Anthony Giddens, The Nation-State and Violence (Cambridge, U.K.: Polity Press, [1985] 1987), pp. 222-54. Sobre “apontar” os inimigos na guerra de pequena escala, ver Rothbard, “War, Peace, and the State,” pp. 72-73; e Hoppe, “Private Production”, pp. 10-11.

[43]   Carroll Quigley, Tragedy and Hope (Nova York: Macmillan, 1966), pp. 1208-09.

[44]Hummel, “National Goods Versus Public Goods”, pp. 107-22

[45]   Samuel H. Beer, To Make a Union (Cambridge, Mass.: Belknap Press, 1993), Cf. Edmund Cody Burnett, The Continental Congress (New York: W.W. Norton, [1941] 1964), para uma visão realista do papel do Congresso.