Capítulo IV — A comunidade socialista sob condições estacionárias

0
Tempo estimado de leitura: 30 minutos

§1
Condições estacionárias

Assumir condições econômicas estacionárias é uma conveniência teórica e não uma tentativa de descrever a realidade. Não podemos dispensar essa linha de pensamento se quisermos entender as leis da mudança econômica. Para estudar o movimento, devemos primeiro imaginar uma condição em que ele não existe. A condição estacionária é aquele ponto de equilíbrio para o qual concebemos que todas as formas de atividade econômica tendem e que seria realmente atingido se novos fatores não criassem, entretanto, um novo ponto de equilíbrio. No estado imaginário de equilíbrio, todas as unidades dos fatores de produção são empregadas da maneira mais econômica, e não há razão para contemplar quaisquer mudanças em seu número ou em sua disposição.

Mesmo que seja impossível imaginar uma ordem econômica socialista viva — isto é, mutável — porque a atividade econômica sem cálculo econômico parece inconcebível, é muito fácil postular uma ordem econômica socialista em condições estacionárias. Precisamos apenas evitar perguntar como essa condição estacionária é alcançada. Se fizermos isso, não haverá dificuldade em examinar a estática de uma comunidade socialista. Todas as teorias e utopias socialistas sempre tiveram apenas a condição estacionária em mente.

 

§2
As desutilidades e a satisfação do trabalho

Os escritores socialistas retratam a comunidade socialista como a terra dos desejos do coração. As fantasias doentias de Fourier vão mais longe nessa direção. No estado futuro de Fourier, todos os animais nocivos terão desaparecido e, em seus lugares, haverá animais que ajudarão o homem em seu trabalho — ou mesmo farão seu trabalho por ele. Um anticastor cuidará da pesca; um antibaleia moverá veleiros calmamente; um anti-hipopótamo rebocará os barcos do rio. Em vez do leão, haverá um antileão, um corcel de incrível rapidez, em cujo dorso o cavaleiro se sentará tão confortavelmente quanto em uma carruagem bem suspensa “Será um prazer viver em um mundo com tais servos.”[1] Godwin chegou a pensar que os homens poderiam ser imortais depois que a propriedade fosse abolida.[2] Kautsky nos diz que sob a sociedade socialista “um novo tipo de homem surgirá […] um super-homem […] um homem exaltado”.[3] Trotsky fornece informações ainda mais detalhadas: “O homem se tornará incomparavelmente mais forte, mais sábio e mais refinado. Seu corpo mais harmonioso, seus movimentos mais rítmicos, sua voz mais musical. A média humana se elevará ao nível de um Aristóteles, de um Goethe, de um Marx. Acima dessas outras alturas, novos picos surgirão.”[4] E escritores desse tipo de coisa estão continuamente sendo reimpressos e traduzidos para outras línguas, e são objeto de exaustivas teses históricas!

Outros escritores socialistas são mais circunspectos em seus pronunciamentos, mas partem de suposições essencialmente semelhantes. A teoria marxista tacitamente basilar é a ideia nebulosa de que os fatores naturais de produção são tantos que não precisam ser economizados. Tal conclusão de fato decorre inevitavelmente de um sistema que considera o trabalho como o único elemento dos custos, que não aceita a lei dos rendimentos decrescentes, rejeita a lei malthusiana da população e se perde em fantasias obscuras sobre a possibilidade ilimitada de aumentar a produtividade.[5] Não precisamos ir mais longe nessas questões. Basta reconhecer que, mesmo em uma comunidade socialista, os fatores naturais de produção seriam limitados em quantidade e, portanto, teriam de ser economizados.

O segundo elemento que deveria ser economizado é o trabalho. Mesmo se ignorarmos as diferenças de qualidade, é óbvio que o trabalho está disponível apenas em uma extensão limitada: o indivíduo só pode realizar uma certa quantidade de trabalho. Mesmo que o trabalho fosse um puro prazer, teria que ser usado economicamente, pois a vida humana é limitada no tempo, e a energia humana não é inesgotável. Mesmo o homem que vive no seu lazer, livre de considerações monetárias, precisa dispor de seu tempo, ou seja, escolher entre as diferentes formas possíveis de gastá-lo.

Está claro, portanto, que, no mundo como o conhecemos, o comportamento humano precisa ser governado por considerações econômicas. Pois embora nossas necessidades sejam ilimitadas, os bens de primeira ordem concedidos pela natureza são escassos; e, com uma dada produtividade do trabalho, bens de uma ordem superior podem servir para aumentar a satisfação das necessidades apenas pelo aumento do trabalho. Bem, além do fato de que o trabalho não pode ser aumentado além de certo ponto, um aumento do trabalho é acompanhado por uma desutilidade crescente.

Fourier e sua escola consideram a desutilidade do trabalho como resultado de arranjos sociais perversos. Só estes, em sua opinião, são os culpados pelo fato de que, no uso aceito, as palavras “trabalho” e “trabalho pesado” são sinônimos. O trabalho em si não é desagradável. Pelo contrário, todos os homens precisam ser ativos. A inatividade acarreta um tédio intolerável. Para que o trabalho se torne atraente, deve ser realizado em locais de trabalho saudáveis e limpos; o prazer do trabalho deve ser despertado por um feliz sentimento de união entre os trabalhadores e pela alegre competição entre eles. A causa principal da repugnância que o trabalho desperta é a sua continuidade. Até mesmo os prazeres enfraquecem se durarem muito. Portanto, os trabalhadores precisam poder trocar suas ocupações à vontade; o trabalho será então um prazer e não criará mais aversão.[6]

Não é difícil expor o erro contido nesse argumento, embora seja aceito por socialistas de todas as escolas. O homem sente o impulso para a atividade. Mesmo que a necessidade não o levasse ao trabalho, ele nem sempre se contentaria em rolar na grama e se bronzear ao sol. Mesmo os animais jovens e as crianças cujo alimento é fornecido pelos pais chutam seus membros, dançam, pulam e correm para exercer poderes ainda não clamados pelo trabalho. Estar ativo é uma necessidade física e mental. Assim, em geral, o trabalho proposital dá satisfação. No entanto, apenas até certo ponto; além disso, é apenas trabalho pesado. No diagrama a seguir, a linha o–x ao longo da qual o produto do trabalho é medido, marca a linha divisória entre a desutilidade do trabalho e a satisfação que o exercício de nossas faculdades proporciona, que pode ser chamada de satisfação imediata devido ao trabalho. A curva, a, b, c, p representa a desutilidade do trabalho e a satisfação imediata do trabalho em relação ao produto. Quando o trabalho começa, é desagradável. Após as primeiras dificuldades serem superadas, e corpo e mente estarem melhor adaptados, em seguida, o desagrado diminui. Em b nem o desagrado nem a satisfação predominam. Entre b e c prevalece a satisfação direta. Após c, recomeça o desagrado. Com outras formas de trabalho, a curva pode ser diferente, como em o c1 p1 ou o p2.

Isso depende da natureza do trabalho e da personalidade dos trabalhadores. É diferente para navegadores e jóqueis: é diferente para homens lentos e enérgicos.[7]

Por que o trabalho continua quando a desutilidade que sua continuação ocasiona excede a satisfação direta que deriva dele? Porque algo mais além da satisfação direta com o trabalho vem em consideração, a saber, a satisfação proporcionada pelo produto do trabalho; chamamos isso de satisfação indireta no trabalho. O trabalho continuará enquanto a insatisfação que ele desperta for contrabalançada pelo prazer derivado de seu produto. O trabalho só será interrompido no ponto em que sua continuação der origem a mais inutilidade do que utilidade. Os métodos pelos quais Fourier desejava privar o trabalho de sua falta de atratividade baseavam-se de fato em observações corretas, mas ele superestimou a importância de seu argumento.

É claro que a quantidade de trabalho que proporciona satisfação direta no trabalho supre uma fração tão pequena das necessidades que as pessoas consideram indispensáveis que prontamente enfrentam as dificuldades de realizar um trabalho cansativo. Mas é um erro supor que qualquer mudança significativa ocorreria se os trabalhadores pudessem mudar de ocupação em intervalos curtos. Pois, em primeiro lugar, o produto do trabalho seria reduzido por causa da diminuição da habilidade adquirida pelo indivíduo como resultado da diminuição da prática em cada uma de suas várias ocupações; também porque cada mudança causaria perda de tempo e o trabalho seria gasto no embaralhamento. E, em segundo lugar, apenas uma pequena parte do excesso de desutilidade do trabalho sobre a satisfação direta do trabalho se deve ao cansaço com o trabalho específico em mãos. Consequentemente, a capacidade de obter satisfação direta de outra forma de trabalho não é o que teria sido se o primeiro trabalho não tivesse sido executado. Claramente, a maior parte da desutilidade é devida à fadiga geral do organismo e ao desejo de ser liberado de qualquer outra restrição. O homem que trabalhou por horas em uma mesa preferirá cortar lenha por uma hora em vez de passar outra hora na mesa. Mas o que tornava seu trabalho desagradável não era apenas a necessidade de mudança, mas também a duração do trabalho. Se o produto não deve ser diminuído, a duração da jornada de trabalho só pode ser reduzida com o aumento da produtividade. A opinião generalizada de que há trabalho que cansa apenas o corpo e trabalho que cansa apenas a mente é incorreta, como cada um pode provar por si mesmo. Todo trabalho afeta todo o organismo. Nós nos enganamos neste ponto porque ao observarmos outras formas de ocupação, vemos apenas a satisfação direta do trabalho. O balconista tem inveja do cocheiro, porque ele gostaria de um pouco de lazer ao dirigir: mas sua inveja duraria apenas enquanto a satisfação superasse a dor. Da mesma forma caça e pesca, escalada de montanha, equitação e condução são realizados por esporte. Mas esporte não é trabalho no sentido econômico. É o duro fato que os homens não podem subsistir com a pequena quantidade de trabalho que produz satisfação direta com o trabalho, que os compele a sofrer o cansaço do trabalho, não a má organização do trabalho.

É óbvio que melhorias nas condições sob as quais o trabalho é realizado podem aumentar o produto com cansaço inalterado ou diminuir o cansaço para o mesmo produto.

Mas seria impossível melhorar essas condições mais do que realmente ocorre sob o capitalismo sem aumento de custos. Que o trabalho é menos cansativo quando realizado em conjunto é conhecido desde a antiguidade, e onde parece possível deixar os trabalhadores trabalharem juntos sem reduzir a produção, isso é feito.

Existem, é claro, naturezas excepcionais que se elevam acima do nível comum. O grande gênio criativo que se perpetua em obras e atos imortais não distingue, ao trabalhar, a dor do prazer. Para esses homens, a criação é ao mesmo tempo a maior alegria e o mais amargo tormento, uma necessidade interior. O que eles criam não tem valor para eles como um produto: eles criam por causa da criação, não pelo resultado. O produto não lhes custa nada porque, ao trabalhar, nada lhes é mais caro do que o seu trabalho. E seu produto custa à sociedade apenas o que eles poderiam ter produzido por outro trabalho. Em comparação com o valor do serviço este custo não é nada. O gênio é realmente um presente de Deus.

Agora, a história de vida de grandes homens é familiar a todos. Assim, o reformador social é facilmente tentado a considerar o que ouviu deles como atributos comuns. Constantemente encontramos pessoas inclinadas a considerar o modo de vida do gênio como o modo de vida típico de um simples cidadão de uma comunidade socialista. Mas nem todo mundo é um Sófocles ou Shakespeare, e ficar atrás de um torno mecânico não é a mesma coisa que escrever poemas de Goethe ou fundar o Império de Napoleão. Portanto, é fácil ver a natureza das ilusões alimentadas pelos marxistas com respeito às satisfações e ao trabalho árduo dos habitantes da comunidade socialista. Aqui, como em tudo mais o que há para dizer sobre a comunidade socialista, o marxismo segue as linhas estabelecidas pelos utópicos. Com referência expressa às ideias de Fourier e Owen de restaurar para o trabalho “a atratividade perdida pela divisão do trabalho”, ao providenciar para que cada forma de trabalho seja realizada por um curto período de tempo, Engels vê no socialismo uma organização da produção “na qual o trabalho não será um meio para escravizar, mas para libertar a humanidade, o que dará a cada indivíduo a oportunidade de desenvolver e exercer todas as suas capacidades, físicas e mentais, em todas as direções, e transformará uma maldição em uma bênção”.[8]

E Marx fala de “uma fase superior da sociedade comunista após ter eliminado a sujeição escravista do indivíduo sob a divisão do trabalho, uma sociedade em que o contraste entre o trabalho mental e físico desapareceu” e “o trabalho não se tornou apenas um meio de vida, mas a primeira necessidade da própria vida.”[9] Max Adler promete que a sociedade socialista “pelo menos” não atribuirá a ninguém qualquer trabalho “que deve causar-lhe sofrimento”.[10] Essas afirmações se distinguem das declarações de Fourier e sua escola apenas pelo fato de que não há nenhuma tentativa de fornecer-lhes uma base de prova. Fourier e sua escola, no entanto, tinham outro dispositivo, além das mudanças de ocupação, para tornar o trabalho mais atraente: a competição. Os homens seriam capazes das maiores conquistas se inspirados por un sentiment de rivalité joyeuse ou de noble émulation (um sentimento de alegre rivalidade ou de nobre emulação). Aqui, pela primeira vez, eles reconhecem as vantagens da competição, que em todos os outros lugares eles descrevem como perniciosas. Se os trabalhadores apresentarem deficiência de desempenho, será suficiente dividi-los em grupos: imediatamente se estabelecerá uma competição acirrada entre os grupos, que dobrará a energia do indivíduo e, de repente, despertará em todos un acharnement passione au travail (uma implacabilidade apaixonada ao trabalho).[11]

A observação de que a competição leva a um desempenho maior é, obviamente, correta o suficiente, mas é superficial. A competição não é em si uma paixão humana. Os esforços desenvolvidos pelos homens em competição não são feitos por causa da competição, mas para o fim alcançado por ela. A luta não é travada por si mesma, mas pelo prêmio que acena ao vencedor. Mas que prêmios estimulariam a rivalidade dos trabalhadores em uma comunidade socialista? A experiência mostra que títulos e recompensas de honra não são estimados muito bem. Bens materiais para aumentar a satisfação das necessidades não podiam ser dados como prêmios, uma vez que o princípio da distribuição seria independente do desempenho individual, e o aumento per capita por meio do esforço aumentado de um único trabalhador seria tão insignificante que não contaria. Não bastaria a simples satisfação do dever cumprido: é precisamente porque não se pode confiar neste incentivo que procuramos outros. E mesmo se fosse assim, o trabalho ainda seria cansativo. Com isso, não se tornaria atraente em si mesmo.

A escola de Fourier, como vimos, considera como ponto principal de sua solução para o problema social que o trabalho se torne uma alegria em vez de um trabalho pesado.[12] Mas, infelizmente, os meios que fornece para isso são bastante impraticáveis. Se Fourier tivesse realmente sido capaz de mostrar como tornar o trabalho atraente, ele teria merecido as honras divinas concedidas a ele por seus seguidores.[13] Mas suas tão elogiadas doutrinas nada mais são do que as fantasias de um homem incapaz de ver claramente o mundo como ele realmente é. Mesmo em uma comunidade socialista, o trabalho desperta sentimentos de dor e não de prazer. [14]

§3
 O “prazer do trabalho”

Se isso for reconhecido, um dos principais suportes da estrutura socialista do pensamento desmorona. Portanto, é muito fácil entender por que os socialistas tentam obstinadamente sustentar que existe no homem um impulso inato de se esforçar para trabalhar, que o trabalho proporciona satisfação per se e que apenas as condições insatisfatórias sob as quais o trabalho é realizado na sociedade capitalista poderiam restringir o prazer natural do trabalho e transformá-lo em trabalho duro.[15]

Como prova dessa afirmação, eles colecionam assiduamente declarações feitas por trabalhadores em fábricas modernas sobre a satisfação do trabalho. Eles fazem perguntas dirigidas aos trabalhadores e ficam extraordinariamente satisfeitos quando as respostas são do tipo que eles desejam ouvir. Mas, por causa de sua predisposição, eles deixam de notar que entre as ações e as respostas daqueles a quem interrogam há uma contradição que exige solução. Se o trabalho proporciona satisfação per se, por que o trabalhador é pago? Por que ele não recompensa o empregador pelo prazer que o empregador lhe dá ao permitir que trabalhe? Em nenhum outro lugar as pessoas são pagas pelo prazer que lhes é dado, e o fato de os prazeres serem recompensados deveria, pelo menos, dar uma pausa para reflexão. Por definição comum, o trabalho não pode dar satisfação direta. Definimos trabalho apenas como aquela atividade que não dá nenhuma sensação direta de prazer, que é realizada apenas porque o produto do trabalho produz sensações indiretamente prazerosas, suficientes para contrabalançar as sensações primárias de dor.[16] A chamada “alegria do trabalho”, geralmente aduzida em apoio à ideia de que o trabalho desperta sentimentos de satisfação, não de dor, pode ser atribuída a três sensações bem distintas. Há primeiro o prazer que pode ser obtido com a perversão do trabalho. Quando o funcionário público abusa de seu cargo, muitas vezes durante o desempenho de sua função de maneira formalmente correta, de modo a satisfazer os instintos de poder, ou para dar rédea solta a impulsos sádicos, ou para ceder a luxúrias eróticas (e neste nem sempre é preciso pensar meramente em coisas condenadas pela lei ou pela moral), os prazeres que se seguem, sem dúvida, não são prazeres do trabalho, mas prazeres derivados de certas circunstâncias associadas. Considerações semelhantes se aplicam também a outros tipos de trabalho. A literatura psicanalítica tem repetidamente apontado como extensivamente questões desse tipo influenciam a escolha da ocupação. Na medida em que esses prazeres contrabalançam a dor do trabalho, eles se refletem também nas taxas de pagamento; a maior oferta de mão-de-obra nas ocupações que oferecem maior espaço para esse tipo de perversão tende a diminuir a remuneração. O trabalhador paga pelo “prazer” com uma renda menor do que ele poderia ganhar de outra forma. Por “alegria do trabalho” as pessoas também entendem a satisfação de completar uma tarefa. Mas isso é prazer em estar livre do trabalho, em vez de prazer no trabalho em si.

Aqui temos um tipo especial de prazer, que pode ser demonstrado que existe em qualquer lugar, em nos livrarmos de algo difícil, desagradável, doloroso, o prazer de “eu fiz”. O romantismo socialista e os socialistas românticos elogiam a Idade Média como uma época em que o prazer do trabalho era irrestrito. Na verdade, não temos informações confiáveis de artesãos medievais, camponeses e seus assistentes sobre o “prazer do trabalho”, mas podemos presumir que o prazer deles estava em ter realizado seu trabalho e iniciado as horas de prazer e repouso. Monges medievais, que na paz contemplativa de seus mosteiros copiaram manuscritos, nos legaram observações que são certamente mais genuínas e confiáveis do que as afirmações de nossos românticos. No final de muitos manuscritos excelentes, lemos: Laus tibi sit Christe, quoniam liber explicit iste.[17] Assim: Louve o Senhor porque a obra está concluída. Não porque o trabalho em si tenha dado prazer. Mas não devemos esquecer a terceira e mais importante fonte de alegria do trabalho — a satisfação que o trabalhador sente porque seu trabalho vai tão bem que, por meio dele, ele pode ganhar a vida para si e sua família. Esse prazer do trabalho está claramente enraizada no prazer do que chamamos de divertimento indireto do trabalho. O trabalhador se alegra porque em sua capacidade de trabalho e em sua habilidade vê a base de sua existência e de sua posição social. Ele se alegra porque alcançou uma posição melhor do que a dos outros. Ele se alegra porque vê em sua capacidade de trabalho a garantia do sucesso econômico futuro. Ele se orgulha porque pode fazer algo “bom”, ou seja, algo que a sociedade valoriza e, consequentemente, paga no mercado de trabalho. Nada aumenta o respeito próprio mais do que esse sentimento; o que de fato é frequentemente exagerado para a crença ridícula de que alguém é indispensável. Para o homem saudável, entretanto, dá a força para se consolar pelo fato inalterável de que ele só pode satisfazer suas necessidades com trabalho duro e dor. Como as pessoas dizem: ele tira o melhor proveito de um mau trabalho. Das três fontes daquilo que podemos chamar de “alegria do trabalho”, a primeira, decorrente da perversão das verdadeiras finalidades do trabalho, existirá sem dúvida na comunidade socialista. Como na sociedade capitalista, será naturalmente restrito a um círculo estreito. As outras duas fontes de alegria do trabalho provavelmente secarão completamente.

Se a conexão entre o rendimento do trabalho e a renda do trabalhador for dissolvida, como deve ser na sociedade socialista, o indivíduo sempre trabalhará sob a impressão de que proporcionalmente muito trabalho foi acumulado sobre ele. Desenvolver-se-á a antipatia neurastênica superaquecida pelo trabalho, que hoje podemos observar em praticamente todos os escritórios do governo e empresas públicas. Em tais negócios, onde o pagamento depende de horários rígidos, todos pensam que estão sobrecarregados, que simplesmente estão recebendo muito para fazer e coisas que são muito desagradáveis para que suas realizações não sejam devidamente apreciadas e recompensadas. Destes sentimentos nasce um ódio taciturno pelo trabalho que impede até mesmo o prazer de concluí-lo. A comunidade socialista não pode contar com a “alegria do trabalho”.

§4
O estímulo ao trabalho

É dever do cidadão da comunidade socialista trabalhar para a comunidade de acordo com seus poderes e sua capacidade: em troca, ele tem uma reivindicação contra a comunidade por uma parte do dividendo social. Aquele que injustificadamente omite o cumprimento de seu dever será chamado de volta à obediência pelos métodos usuais de coerção estatal. A administração econômica exerceria um poder tão grande sobre os cidadãos individuais que é inconcebível que alguém pudesse resistir permanentemente.

No entanto, não é suficiente que os cidadãos cheguem às suas tarefas com pontualidade e passem o número de horas prescrito nos seus postos. Eles devem realmente trabalhar enquanto estão lá.

No sistema capitalista, o trabalhador recebe o valor do produto de seu trabalho. O salário estático ou natural tende a tal nível que o trabalhador recebe o valor do produto do seu trabalho: i.e. tudo o que é atribuível ao seu trabalho.[18] O próprio trabalhador está, portanto, preocupado que sua produtividade seja a maior possível. Isso não se aplica ao trabalho feito apenas para taxas por tarefa. O nível das taxas de tempo também depende da produtividade marginal do tipo particular de trabalho em questão. A forma técnica de pagamento de salários que é habitual não altera o nível dos salários a longo prazo. A taxa de salários sempre tende a retornar ao seu nível estático e as taxas de tempo não são exceção.

Mas, mesmo assim, o trabalho realizado em troca de salários por tempo nos dá a oportunidade de observar como o trabalho é realizado quando o trabalhador sente que não está trabalhando para si mesmo, porque não há conexão entre sua produção e sua remuneração. Com salários fixos, o trabalhador mais hábil não tem incentivo para fazer mais do que o mínimo esperado de cada trabalhador. Os salários por tarefa são um incentivo à atividade máxima, os salários por tempo, ao mínimo. Sob o capitalismo, a graduação dos salários por tempo para diferentes tipos de trabalho mitiga muito esses efeitos sociais do sistema de pagamento por tempo. O trabalhador tem um motivo para encontrar uma posição onde o trabalho mínimo exigido seja tão grande quanto ele pode realizar, porque o salário aumenta com o aumento das exigências mínimas.

Somente quando nos afastamos do princípio de graduar os salários por tempo de acordo com o trabalho exigido, o salário por tempo começa a afetar adversamente a produção. Isso é particularmente perceptível no caso do emprego estadual e municipal. Aqui, nas últimas décadas, não apenas o mínimo exigido dos trabalhadores individuais foi continuamente reduzido, mas todos os incentivos para um trabalho melhor — por exemplo, tratamento diferente dos vários graus e rápida promoção de trabalhadores e capazes para cargos mais bem pagos — foram removidos. O resultado dessa política justificou claramente o princípio de que o trabalhador só faz seus melhores esforços quando sabe que tem a ganhar com isso.

No socialismo, não pode existir a conexão usual entre o trabalho executado e sua remuneração. Todas as tentativas de determinar o que o trabalho do indivíduo produziu e, assim, de determinar a taxa de salário, devem falhar devido à impossibilidade de calcular as contribuições produtivas dos diferentes fatores de produção. A comunidade socialista provavelmente poderia tornar a distribuição dependente de certos aspectos externos do trabalho executado. Mas qualquer diferenciação seria arbitrária. Suponhamos que o requisito mínimo seja determinado para cada ramo de produção. Suponhamos que seja feito com base na proposta de Robdertus para um “dia normal de trabalho”. Para cada indústria, é estabelecido o tempo que um trabalhador com força e esforço médios pode continuar trabalhando e a quantidade de trabalho que um trabalhador médio com habilidade média e indústria média pode realizar nesse tempo.[19]

Ignoraremos completamente as dificuldades técnicas no modo de decidir, em qualquer exemplo concreto particular, a questão de saber se esse mínimo foi alcançado ou não. Não obstante, é óbvio que qualquer determinação geral desse tipo só pode ser totalmente arbitrária. Os trabalhadores das diferentes indústrias nunca seriam levados a concordar neste ponto. Todos afirmariam que haviam sido sobrecarregados e se esforçariam para reduzir a quantidade que lhes foi atribuída. Qualidade média do trabalhador, habilidade média, força média, esforço médio, indústria média — todas essas são concepções vagas que não podem ser determinadas com exatidão. Agora é evidente que o desempenho mínimo calculado para o trabalhador de qualidade, habilidade e força médias será alcançado apenas por uma parte — digamos metade — dos trabalhadores. Os outros farão menos. Como as autoridades podem verificar se um desempenho abaixo do mínimo é devido a preguiça ou incapacidade? Ou a decisão irrestrita da administração deve ser permitida livremente, ou certos critérios gerais devem ser estabelecidos. Sem dúvida, como resultado, a quantidade de trabalho executada seria continuamente reduzida.

Sob o capitalismo, todos que tomam parte ativa na vida dos negócios estão preocupados que o trabalho seja pago pelo produto total. O empregador que demite um trabalhador que vale seu salário prejudica a si mesmo. O capataz que dispensa um bom trabalhador e retém um mau, afeta adversamente os resultados comerciais do departamento sob sua responsabilidade e, portanto, indiretamente a si mesmo. Aqui, não precisamos de critérios formais para limitar as decisões de quem deve julgar o trabalho executado. No socialismo, tais critérios teriam de ser estabelecidos, porque, do contrário, os poderes confiados aos responsáveis poderiam ser arbitrariamente mal utilizados. E então o trabalhador não teria mais interesse no desempenho real do trabalho. Ele só se preocuparia em fazer o que for prescrito pelos critérios formais para evitar a punição.

Que tipo de resultados serão alcançados por trabalhadores que não estão diretamente interessados no produto do trabalho pode ser aprendido com a experiência de mil anos de trabalho escravo. Autoridades e funcionários de empresas estaduais e municipais fornecem novos exemplos. Uma tentativa pode ser feita para enfraquecer a força argumentativa do primeiro exemplo, argumentando que esses trabalhadores não tinham nenhum interesse no resultado de seu trabalho porque não participavam da distribuição; na comunidade socialista, todos perceberiam que ele estava trabalhando para si mesmo e isso o impulsionaria para a atividade mais elevada.

Mas esse é apenas o problema. Se o trabalhador se esforça mais no trabalho, então ele tem muito mais desutilidade laboral para superar. Mas ele receberá apenas uma fração infinitesimal do resultado de seu esforço aumentado. A perspectiva de receber um milionésimo do resultado de seu esforço aumentado dificilmente o estimulará a exercer seus poderes mais do que ele precisa.[20]

Os escritores socialistas geralmente ignoram essas questões delicadas em silêncio ou com alguns comentários inconsequentes. Eles apenas apresentam algumas frases sentenciosas e nada mais.[21] O novo homem do socialismo será livre de egoísmo mesquinho; ele estará moralmente infinitamente acima do homem da época assustadora da propriedade privada e de um profundo conhecimento da coerência das coisas e de uma nobre percepção do dever ele dedicará todas as suas faculdades ao bem-estar geral. Mas um exame mais detalhado mostra que esses argumentos conduzem a apenas duas alternativas concebíveis: a livre obediência à lei moral, sem compulsão, exceto a da consciência individual, ou serviço forçado sob um sistema de recompensa e punição. Nenhum dos dois alcançará o fim. O primeiro não fornece incentivo suficiente para persistir na superação da desutilidade do trabalho, embora seja publicamente exaltado em todas as ocasiões possíveis e proclamado em todas as escolas e igrejas; o último só pode levar ao cumprimento formal do dever, nunca ao cumprimento com o gasto de todos os poderes.

O escritor que mais se ocupou desse problema foi John Stuart Mill. Todos os argumentos subsequentes são derivados dele. Suas ideias podem ser encontradas em toda a literatura do assunto e na discussão política cotidiana; eles se tornaram até mesmo palavras-chave populares. Todos estão familiarizados com eles, mesmo que não conheçam totalmente o autor.[22] Eles forneceram por décadas um dos principais suportes da ideia socialista e contribuíram mais para sua popularidade do que os argumentos inspirados no ódio e frequentemente contraditórios de agitadores socialistas. Uma das principais objeções, diz Mill, que poderia ser levantada contra a praticabilidade da ideia socialista, é que cada pessoa estaria incessantemente ocupada em fugir de sua justa cota de trabalho.

Mas aqueles que defendem essa objeção esquecem até que ponto a mesma dificuldade existe sob o sistema sob o qual nove décimos dos negócios da sociedade são agora conduzidos. A objeção supõe que trabalho honesto e eficiente só pode ser obtido daqueles que individualmente colhem o benefício de seus próprios esforços. Mas, no sistema atual, apenas uma pequena fração de todo o trabalho pode fazer isso. Taxas de tempo ou salários fixos são as formas de remuneração prevalecentes. O trabalho é realizado por pessoas que têm menos interesse pessoal na execução da tarefa do que os membros de uma comunidade socialista, pois, ao contrário desta, não trabalham para uma empresa da qual são sócios. Na maioria dos casos, eles não são supervisionados e dirigidos pessoalmente por pessoas cujos próprios interesses estão ligados aos resultados do empreendimento. Pois empregados remunerados por tempo, realizam inclusive trabalhos de fiscalização, gestão e técnicos. Pode-se admitir que o trabalho seria mais produtivo em um sistema em que a totalidade ou uma grande parte do produto do esforço extra pertencesse ao trabalhador, mas no sistema atual é precisamente esse incentivo que falta. Mesmo se o trabalho comunista pudesse ser menos vigoroso do que o de um proprietário camponês, ou de um operário trabalhando por conta própria, provavelmente seria mais enérgico do que o de um trabalhador contratado, que não tem nenhum interesse pessoal no assunto.

Pode-se ver facilmente a causa do erro de Mill. Último representante da escola clássica dos economistas, ele não sobreviveu para ver a transformação da economia pela teoria subjetiva do valor e não conhecia a ligação entre os salários e a produtividade marginal do trabalho. Ele não percebe que o trabalhador tem interesse em fazer o máximo porque sua renda depende do valor do trabalho que realiza. Sem a luz do pensamento econômico moderno, ele vê apenas na superfície e não no âmago das coisas. Sem dúvida, o indivíduo que trabalha por um salário por tempo não tem interesse em fazer mais do que manterá seu emprego. Mas se ele puder fazer mais, se seu conhecimento, capacidade e força permitirem, ele procura um cargo onde mais se deseja e onde possa, assim, aumentar sua renda. Pode ser que ele falhe em fazer isso por preguiça, mas isso não é culpa do sistema. O sistema faz tudo o que pode para incitar a todos ao máximo empenho, pois garante a todos os frutos do seu trabalho. Que o socialismo não pode fazer isso é a grande diferença entre socialismo e capitalismo.

No caso extremo de obstinada perseverança em não cumprir a parte devida do trabalho, a comunidade socialista, pensa Mill, teria poderes de reserva que a sociedade agora tem à sua disposição: poderia submeter os trabalhadores às regras de uma instituição coercitiva. Demissão, o único remédio no momento, não é remédio quando nenhum outro trabalhador que pode ser contratado faz melhor do que seu predecessor. O poder de despedir apenas permite ao empregador obter do seu trabalhador a quantia habitual de trabalho; mas esse trabalho costumeiro pode ser de qualquer grau de ineficiência.

A falácia desse argumento é clara. Mill não percebe que o salário é ajustado de acordo com essa quantidade costumeira de trabalho e que os trabalhadores que desejam ganhar mais devem fazer mais. Pode-se admitir imediatamente que sempre que prevalece o salário por tempo, o trabalhador individual é obrigado a procurar outro lugar para um emprego em que a quantidade costumeira de trabalho seja maior, porque ele não tem chance de aumentar sua renda fazendo mais trabalho se permanecer onde ele está. Nessas circunstâncias, ele deve mudar para o trabalho por tarefa, assumir outra ocupação ou mesmo emigrar. Desse modo, milhões emigraram dos países europeus, onde a quantidade costumeira de trabalho é baixa, para a Europa Ocidental ou para os Estados Unidos, onde precisam trabalhar mais, mas ganham mais. Os trabalhadores inferiores ficam para trás e se contentam em trabalhar menos por menos salários.

Se isso for mantido em mente, também é fácil entender o caso do trabalho de supervisão e gestão realizado pelos funcionários. Suas atividades também são pagas de acordo com o valor do serviço: eles também devem fazer o máximo que puderem se quiserem obter o maior rendimento possível. Eles podem e devem receber autoridade em nome do empresário para contratar e demitir trabalhadores sem medo de que eles abusem do poder. Eles desempenham a tarefa social que lhes incumbe de assegurar que o trabalhador obtenha apenas o salário de seu trabalho, independentemente de qualquer outra consideração.[23] O sistema de cálculo econômico fornece um teste suficiente da eficácia de seu trabalho. Isso distingue seu trabalho do tipo de controle que poderia ser exercido sob o socialismo. Eles se prejudicam se, por motivos de vingança, tratam um trabalhador pior do que ele merece. (Naturalmente, “merece” não é usado aqui em nenhum sentido ético.)

Esta autoridade para despedir trabalhadores e fixar os seus salários que o empregador possui e delega aos subordinados, é considerada pelos socialistas como perigosa nas mãos de indivíduos particulares. Mas os socialistas ignoram o fato de que a capacidade do empregador de exercer esse poder é limitada, que ele não pode demitir e maltratar arbitrariamente porque o resultado seria prejudicial para ele. Ao se esforçar para comprar mão de obra o mais barato possível, o empregador está cumprindo uma de suas tarefas sociais mais importantes.

Mill admite que, no estado atual da sociedade, é flagrante a negligência por parte das classes não educadas de trabalhadores contratados dos deveres que se comprometem a cumprir. Isso, ele pensa, só pode ser atribuído a um baixo nível de educação. No socialismo, com a educação universal, todos os cidadãos iriam, sem dúvida, cumprir seu dever para com a sociedade com o mesmo zelo que a maioria dos membros das classes alta e média que recebem salários o cumpre hoje. É claro que o pensamento de Mill envolve repetidamente o mesmo erro. Ele não vê que também neste caso haja uma correspondência entre pagamento e desempenho. Por fim, é obrigado a admitir que não pode haver dúvida de que a remuneração por salários fixos não produz o máximo de zelo em nenhuma classe de funcionários. Nessa medida, diz Mill, objeções poderiam ser feitas contra a organização socialista do trabalho. Não é, entretanto, de acordo com Mill, de forma alguma essa inferioridade continuará em uma comunidade socialista, como é assumido por aqueles cuja imaginação está pouco acostumada a ir além do estado de coisas com o qual estão familiarizados. Não é impossível que, sob o socialismo, o espírito público seja tão geral que a devoção desinteressada ao bem-estar comum substitua o autointeresse. Aqui, Mill mergulha nos sonhos dos utópicos e concebe que é possível que a opinião pública seja poderosa o suficiente para incitar o indivíduo a um maior zelo pelo trabalho, que a ambição e a presunção sejam motivos eficazes, e assim por diante.

É preciso apenas dizer que, infelizmente, não temos razão para supor que a natureza humana será diferente no socialismo do que é agora. E nada prova que as recompensas na forma de distinções, presentes materiais, ou mesmo o honroso reconhecimento de concidadãos, induzirão os trabalhadores a fazer mais do que a execução formal das tarefas que lhes são atribuídas. Nada pode substituir completamente o motivo para superar o aborrecimento do trabalho que é dado pela oportunidade de obter o valor total desse trabalho.

Muitos socialistas, é claro, pensam que este argumento pode ser refutado apelando para o trabalho que no passado foi realizado sem o incentivo de um pagamento de salário. É o caso do trabalho de cientistas e artistas, do médico que se esgota no leito do doente, do soldado que morre com a morte de um herói, do estadista que tudo sacrifica por sua ideia. Mas o artista e o cientista encontram sua satisfação no trabalho em si e no reconhecimento que esperam obter em algum momento, mesmo que apenas da posteridade, embora os ganhos materiais não sejam alcançados. O médico e o soldado profissional estão na mesma posição que muitos outros trabalhadores cujo trabalho está associado ao perigo. A oferta de trabalhadores para essas profissões reflete sua menor atratividade e o salário é adaptado de maneira correspondente. Mas se, apesar do perigo, um homem entra na profissão por causa da maior remuneração e outras vantagens e honras, ele não pode fugir dos perigos sem o maior prejuízo para si mesmo. O soldado profissional que se acovardou, o médico que se recusou a tratar um caso infeccioso, poria em risco suas futuras carreiras a tal ponto que eles praticamente não teriam escolha no assunto. Não se pode negar que há médicos que se preocupam em fazer o máximo nos casos em que ninguém detectaria negligência, e que há soldados profissionais que correm perigo quando ninguém os puniriam por evitá-lo. Mas, nesses casos excepcionais, como no caso do estadista convicto que está pronto para morrer por seus princípios, o homem se eleva, como é dado a poucos, ao cume mais alto da masculinidade, para completar a união de vontade e ação. Em sua devoção exclusiva a um único propósito que põe de lado todos os outros desejos, pensamentos e sentimentos, remove o instinto de autopreservação e o torna indiferente à dor e ao sofrimento, tal homem esquece o mundo, e nada permanece, exceto uma coisa para que ele sacrifica a si mesmo e sua vida. De tais homens costumava-se dizer, de acordo com a estimativa estabelecida para seus objetivos, que o espírito do Senhor os movia, ou que eles estavam possuídos pelo diabo — tão incompreensíveis eram seus motivos para o funcionamento normal da humanidade.

É certo que a humanidade não teria se elevado acima dos animais se não tivesse tais líderes; mas é certo que a humanidade não consiste principalmente de tais homens. O problema social essencial é transformar as massas em membros úteis na sociedade. Os escritores socialistas deixaram por muito tempo de exercer sua engenhosidade neste problema insolúvel.

Kautsky não pode nos dizer nada além de que o hábito e a disciplina fornecerão incentivos para trabalhar no futuro. “O capital acostumou tanto o trabalhador moderno a trabalhar dia após dia que ele não pode suportar ficar sem trabalho. Há até pessoas que estão tão acostumadas a trabalhar que não sabem o que fazer nas horas de lazer e ficam infelizes quando não podem trabalhar.” Kautsky não parece temer que este hábito possa ser abandonado com mais facilidade do que outros hábitos, como comer e dormir, mas não está preparado para confiar apenas neste incentivo e admite abertamente que “é o mais fraco”. Ele, portanto, recomenda disciplina. Naturalmente, não “disciplina militar” nem “obediência cega a uma autoridade imposta de cima”, mas “disciplina democrática — a livre sujeição à liderança eleita”. Mas então surgem dúvidas e ele se esforça para dissipá-las com a ideia de que sob o socialismo o trabalho será tão atraente “que será um prazer trabalhar”, mas finalmente admite que isso não será suficiente no início, e finalmente chega à conclusão de que, além da atratividade do trabalho, algum outro incentivo deve ser exercido, “o do salário do trabalho”.[24]

Assim, mesmo Kautsky, depois de muitas limitações e considerações, chega a este resultado, que o aborrecimento do trabalho só será superado se o produto do trabalho, e apenas o produto de seu próprio trabalho, for atribuído ao trabalhador, na medida em que ele também não é um proprietário ou empregador. Mas isso é negar a viabilidade da organização socialista do trabalho, uma vez que a propriedade privada dos meios de produção não pode ser abolida sem abolir ao mesmo tempo a possibilidade de remunerar o trabalhador de acordo com o produto de seu trabalho.

§5
A produtividade do trabalho

As velhas teorias “distributivistas” baseavam-se no pressuposto de que bastava uma distribuição igualitária para que todos tivessem, senão riquezas, pelo menos uma existência confortável. Isso parecia tão óbvio que dificilmente se deu o trabalho de provar. No início, o socialismo assumiu esse pressuposto em sua totalidade, e esperava que o conforto para todos seria alcançado por uma distribuição igual da renda social.

Somente quando as críticas de seus oponentes chamaram sua atenção para o fato de que a distribuição igualitária da renda obtida por toda a sociedade econômica dificilmente melhoraria as condições das massas, é que eles propuseram que os métodos de produção capitalistas restringiam a produtividade do trabalho, e que o socialismo removeria essas limitações e multiplicaria a produção para garantir a todos uma vida em circunstâncias confortáveis. Sem se preocupar com o fato de não terem conseguido refutar a afirmação da escola liberal de que a produtividade sob o socialismo cairia tanto que a carência e a pobreza seriam generalizadas, os escritores socialistas começaram a promulgar afirmações fantásticas sobre o aumento da produtividade que se esperava sob o socialismo.

Kautsky menciona duas maneiras de alcançar o aumento da produção por meio da transição dos métodos de produção capitalistas para os socialistas. Um é a concentração de toda a produção nas melhores empresas e o fechamento das menos eficientes.[25] Que este é um meio de aumentar a produção não pode ser negado, mas é um meio que opera de forma mais eficaz sob o regime de uma economia de troca. A competição elimina implacavelmente todos os empreendimentos e preocupações produtivas inferiores. O fato de o fazer é uma fonte constante de queixas dos envolvidos e, por isso, as empresas mais fracas exigem subsídios do Estado, consideração especial nos contratos públicos e, em geral, restrições à liberdade de concorrência em todas as formas possíveis. Kautsky é forçado a admitir que os trustes formados por empresas privadas exploram ao máximo esses meios para obter maior produtividade e, de fato, os considera francamente como os precursores da revolução social. É mais do que questionável se o Estado socialista sentiria a mesma necessidade de realizar melhorias semelhantes na produção. Não continuaria um empreendimento não lucrativo em vez de provocar preconceito local com sua descontinuação? O empresário privado fecha sem muito esforço empresas que já não pagam; e assim obriga o trabalhador a mudar de local e às vezes até de ocupação. Sem dúvida, isso envolve dificuldades iniciais para as pessoas envolvidas, mas é uma vantagem geral, pois torna possível um abastecimento mais barato e melhor do mercado. O Estado socialista faria o mesmo? Ao contrário, não seria restringido por razões políticas para evitar o descontentamento local?

Na maioria das ferrovias estatais, todas as reformas desse tipo são frustradas pela tentativa de evitar os danos a distritos específicos que resultariam da eliminação de ramos de licenças, oficinas e usinas de energia supérfluos. Até mesmo a administração do exército encontrou oposição parlamentar quando, por razões militares, se desejou retirar uma guarnição de um determinado local.

Seu segundo método para obter maior produção, a saber, “economias de todos os tipos”, conforme ele próprio admite,

Kautsky já encontra operando sob a confiança de hoje. Ele menciona particularmente economias de materiais, despesas de transporte, anúncios e custos de publicidade.[26] No que diz respeito a economias de materiais e transporte, a experiência mostra que nada funciona com menos economia e com mais desperdício de trabalho e material de todo tipo do que os serviços públicos e empreendimento. A iniciativa privada, por outro lado, induz naturalmente o proprietário a trabalhar com a maior economia em seu próprio interesse.

É claro que o estado socialista economizaria todas as despesas de publicidade, todos os custos dos viajantes e agentes comerciais. Mas é mais do que provável que empregaria muito mais pessoas a serviço do aparelho de distribuição. A experiência do tempo de guerra nos ensinou como o aparato social de distribuição pode ser complicado e caro. Os custos de pão, farinha, carne, açúcar e outros cartões foram realmente menores do que os custos de propaganda? O enorme pessoal necessário para operar um sistema de racionamento foi mais barato do que as despesas com viajantes e agentes comerciais?

O socialismo eliminaria os pequenos varejistas. Mas em seu lugar deve criar centros de distribuição que não seriam mais baratos. As lojas cooperativas não empregam menos mão-de-obra do que as lojas de varejo organizadas em linhas modernas, e muitas delas, por causa de seus elevados gastos, não poderiam competir com estas últimas se não tivessem privilégios de isenção de impostos.

Em termos gerais, deve-se dizer que é inadmissível escolher custos especiais na sociedade capitalista e logo inferir do fato de que eles desapareceriam em uma sociedade socialista, que a produtividade desta ultrapassaria a da primeira. É necessário comparar os custos totais e os rendimentos totais de ambos os sistemas. O fato de o carro elétrico não precisar de gasolina não é prova de que seja mais barato de operar do que o carro movido a gasolina.

A fraqueza do argumento de Kautsky é evidente, quando ele afirma que “pela aplicação desses dois métodos, um regime proletário poderia elevar a produção a um nível tão alto que seria possível aumentar consideravelmente os salários e, ao mesmo tempo, reduzir as horas de trabalho”. Aqui ele está fazendo uma afirmação para a qual não oferece qualquer prova.[27]

E não é melhor com os outros argumentos que muitas vezes são apresentados para provar a suposta maior produtividade de uma sociedade socialista. Quando, por exemplo, as pessoas argumentam que sob o socialismo todos os que são capazes de trabalhar terão de trabalhar, estão tristemente enganadas quanto ao número de ociosos sob o capitalismo.

 

Até onde pode ser julgado, não há razão convincente para supor que o trabalho sob o socialismo seria mais produtivo do que sob o capitalismo. Pelo contrário, pode-se afirmar que, sob um sistema que não oferece incentivo ao trabalhador para superar o aborrecimento do trabalho e se esforçar ao máximo, a produtividade do trabalho deve declinar inevitavelmente. Mas o problema da produtividade não pode ser tratado apenas dentro dos limites de um estudo das condições estáticas. Incomparavelmente mais importante do que a questão de se a transição para o socialismo aumentaria a produtividade é a questão de se, dada a existência de uma ordem socialista, ela seria capaz de aumentar ainda mais a produção e alcançar o progresso econômico. Isso nos leva ao problema da dinâmica.

 

_______________________________

Notas

[1]              Fourier, Oeuvres complètes, Vol. IV, 2nd Edition, Paris 1841, p. 254 et seq.

[2]              Godwin, Das Eigentum (A tradução de Bahrfeld daquela parte do Political Justice que trata do problema da propriedade), Leipzig 1904, p. 73 et seq.

[3]              Kautsky, Die soziale Revolution, 3rd Edition, Berlim 1911, II, p. 48.

[4]              Trotsky, Literatur und Revolution, Viena 1924, p. 179.

[5]              “Hoje, todas as empresas […] são, antes de mais, uma questão de rentabilidade… Uma sociedade socialista não conhece outra questão que não seja a de ter força de trabalho suficiente, e se esta tem o trabalho […] está feito.” (Bebel, Die Frau und der Sozialismus, p. 308.) “Por toda a parte é a instituição social e os métodos de produção e distribuição ligados a estes que produzem carência e miséria, e não o número de pessoas”. (lbid., p. 368.) “Não sofremos de falta, mas de superfluidade de alimentos, tal como temos uma superfluidade de produtos industriais.” (Ibid., p. 368, também Engels, Herrn Eugen Dührings Umwälzung der Wissenschaft, p. 305.) “Temos… não demasiadas, mas sim pouquíssimas pessoas”. (lbid., p. 370.)

[6]              Considerant, Exposition abrégée du Système Phalanstérien de Fourier, 4th Impression, 3rd Edition, Paris 1846, p. 29 et seq.

[7]              Jevons, The Theory of Political Economy, 3rd Edition, Londres 1888, pp. 169, I72 et seq.

[8]              Engels, Herrn Eugen Dührings Umwälzung der Wimmsclulft, p. 317.

[9]              Marx, Zur Kritik des sozialdemokratischen Parteiprogramms von Gotha, p. I7.

[10]             Max Adler, Die Staatsauffassung des Marxismus, Viena 1922, p. 287.

[11]             Considerant, Exposition abrégée du Système Phalanstérien de Fourier, p. 33.

[12]             Considerant, Studien uber einige Fundamentalprobleme der sozialen Zukunft (contido em Fourier’s System der sozialen Reform, traduzido por Kaatz, Leipzig 1906), p. 55 et seq. Fourier tem a distinção de ter introduzi do as fadas nas ciências sociais. No seu estado futuro as crianças, organizadas em “Petites Hordes”, farão o que os adultos não fazem. A eles será confiada, entre outras coisas, a manutenção das estradas. “É ao seu respeito próprio que a Harmonia ficará grata por ter, por toda a terra, caminhos mais suntuosos do que os caminhos dos nossos canteiros de flores. Serão tratados com árvores e arbustos, mesmo com flores, e regados na calçada. As pequenas Hordas correm freneticamente para o trabalho, que é realizado como uma obra piedosa, um ato de caridade para com a Falange, um serviço a Deus e à Unidade.” Por volta das três horas da manhã eles se levantam, limpando os estábulos, cuidando do gado e dos cavalos, e trabalhando nos matadouros, onde cuidam para que nenhum animal seja tratado com crueldade, matando sempre da forma mais humana. “Têm uma alta polícia do reino animal.” Quando o trabalho termina, eles se lavam, se vestem e aparecem triunfantes na mesa do café da manhã. Confira Fourier, Oeuvres complètes, Vol. V, 2nd Edition, Paris 1841, pp. 141, 159.

[13]             B. Fabre des Essarts, Odes Phalanteriennes, Montreuil-Sour-Bois 1900. Béranger e Victor Hugo também veneraram Fourier. O primeiro dedicou a ele um poema, reimpresso em Bebel (Charles Fourier, Stuttgart 1890, p. 294 et seq.).

[14]             Os escritores socialistas ainda estão longe de saber disso. Kautsky (Die soziale Revolution, II, p. 16 et seq.) considera que a principal tarefa de um regime proletário é; “transformar o trabalho, que hoje é um fardo, num prazer, para que as pessoas gostem de trabalhar e os trabalhadores vão alegremente para o trabalho”. Ele admite que “essa não é uma questão tão simples” e conclui que “dificilmente será possível tornar rapidamente o trabalho em fábricas e minas atrativo”. Mas ele não pode naturalmente abandonar completamente a ilusão fundamental do socialismo.

[15]             Veblen, The Instinct of Workmanship, Nova York 1922, p. 31 et seq.; De Man, Zur Psychologie des Sozialismus, p. 45 et seq.; De Man, Der Kampf um die Arbeitsfreude, Jena 1927, p. 149 et seq.

[16]             Desconsideramos aqui o prazer acima mencionado em começar a trabalhar, que na prática é sem importância. Veja p. 166.

[17]             Wattenbach, Das Schriftwesen in Mittelalter, 3rd Edition, Leipzig 1896, p. 500. Entre os muitos ditos e versos semelhantes citados por Wattenbach está o ainda mais drástico: Libro completo saltat scriptor pede leto.

[18]             Clark, Distribution of Wealth, Nova York 1907, p. 157 et seq.

[19]             Rodbertus-Jagetzow, Briefe und sozialpolitische Aufsätze, editado por R. Meyer, Berlim (1881), p. 553 et seq. Não entraremos aqui nas outras propostas de Rodbertus para a jornada normal de trabalho. Eles são totalmente baseados na visão insustentável que Rodbertus formou sobre o problema do valor.

[20]             Schäffle, Die Quintessenz des Sozialismus, 18th Edition, Gotha 1919, p. 30 et seq.

[21]             Degenfeld-Schonburg, Die Motive des volkswirtschaftlichen Handelns und der deutsche marxismus, Tübingen 1920, p. 80.

[22]             J. S. Mill, Principles, p. 126 et seq. Não podemos examinar aqui até que ponto Mill assumiu essas ideias de outros. Sua ampla difusão deve-se à brilhante exposição em que Mill os apresentou em sua muito lida obra.

[23]             A competição entre os empresários garante que os salários não caiam abaixo desse nível.

[24]             Kautsky, Die soziale Revolution, II, p. 15 et seq.

[25]             Kautsky, Die soziale Revolution, II, p. 21 et seq.

[26]             Kautsky, Die soziale Revolution, II, p. 26.

[27]             Nos anos de economia controlada, ouvíamos muitas vezes falar de batatas congeladas, frutas estragadas, vegetais estragados. Essas coisas não aconteciam anteriormente? Certamente. Mas eles aconteciam com menos frequência. O comerciante cujas frutas estragaram sofreu perda monetária e isso o tornou cuidadoso no futuro. Se ele não tomasse maior cuidado, ele estaria arruinado no final. Ele deixou de dirigir a produção e foi removido para um lugar na vida econômica onde não poderia mais causar danos. Mas é diferente com os bens com os quais o Estado lida. Aqui não há interesse individual por trás das mercadorias.

Artigo anteriorCapítulo III — Distribuição de renda
Próximo artigoCapítulo V — A posição do indivíduo sob o socialismo
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.