Chegando ao Vale de Galt: A Secessão Diária

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

No dia 4 de julho, os Estados Unidos mais uma vez celebraram sua independência. Após um ano de lockdowns, máscaras e agora até vacinações obrigatórias em locais de trabalho e universidades, a ideia de que os EUA são um farol de liberdade para o resto do mundo parece exagerada. Essa atitude foi reiterada na nova música de Toby Keith, “Happy Birthday America”. As letras oprimidas de Keith refletem sobre a sua observação do desaparecimento do patriotismo americano, que estava presente não muito tempo atrás.

O problema da versão de orgulho nacional do cantor de “Courtesy of the Red, White and Blue” é que ela iguala o amor por seu país à aprovação das tendências imperialistas. Quando invadir países estrangeiros e derrubar seus governos é a fonte de orgulho em um país, então, diminuir o poder militar e desrespeitar uma bandeira nas Olimpíadas parece agressivo.

Para o libertário com base em direitos de propriedade, responsabilidade pessoal e educação financeira, o caminho a seguir não é ingressar em lutas de boxe político esquerda-direita, mas a secessão. Quando o império da lei falha com Derek Chauvin e o bom senso em relação à separação baseada em gênero em espaços sensíveis desaparece, os libertários não precisam chorar em seus travesseiros tomando sorvete de chocolate como depois de um fim de relacionamento devastador. O pêndulo político traz esperança ou decepção para aqueles que são leais a um determinado partido. Em vez disso, registre as queixas contra o Tio Sam e, hipoteticamente, previna-o de dominar sua vida.

A secessão é necessária diariamente, especialmente na educação e na saúde. O imenso sofrimento dos indivíduos em 2020 causado pela burocracia e pela política do governo ilustra a importância da independência pessoal.

Educação

O caráter do sistema de ensino público revelou suas verdadeiras cores. Muitos professores protestaram contra o retorno ao ensino presencial em sala de aula, apesar dos temores infundados de que as crianças sejam super espalhadoras do coronavirus. Onde as escolas foram retomadas formalmente, as administrações e os estados mascararam as crianças sem avaliar as consequências secundárias, como a exposição prolongada ao crescimento bacteriano nas máscaras.

Os resultados da escolarização virtual foram piores. Acusações de evasão virtual motivaram visitas aos Serviços de Proteção à Criança, especialmente onde o acesso à Internet era problemático. A disparidade de “perda de aprendizagem” era maior em comunidades de baixa renda, prejudicando os resultados acadêmicos de estudantes negros e hispânicos.

Infelizmente, a prioridade não é a saúde das crianças, mesmo agora, um ano depois. Com a vacinação contra o covid sendo exigida para a frequência escolar, existe a preocupação de que, para as crianças, as vacinas são estatisticamente mais letais do que a doença. Em Washington, DC, os menores de idade podem ser coagidos pelos administradores da escola à vacinação sem o consentimento ou conhecimento dos pais.

O sistema de educação pública está falhando com as crianças e, felizmente, a secessão escolar fornece um facho de esperança. As taxas de educação em casa quase triplicaram durante a pandemia, quando as opções de educação pública eram insatisfatórias. Em 2021, uma infinidade de opções para educação em casa está presente, variando de currículos individualizados a planos mais baseados na comunidade. O suporte para esse estilo de vida pode ser obtido por meio de comunidades online formais, cooperativas e grupos de educação domiciliar.

A “desescolarização” para as séries do ensino fundamental oferece suporte a estilos de educação flexíveis, onde as crianças são livres para descobrir e obter proficiência em habilidades com base em seus interesses. Essa aprendizagem precoce apoia a especialização e as tendências empreendedoras dos jovens, beneficiando crianças até a idade adulta.

Se o objetivo da educação é enriquecer a criança como um todo, a escola pública fica terrivelmente aquém desse objetivo. A secessão permite que os cuidadores primários criem seus filhos com seus valores, acima daqueles dos senhores do governo, e os mantenha protegidos fisicamente de intimidação emocional e social de professores e alunos com prioridades equivocadas.

Serviços de saúde

Semelhante à educação pública, a saúde americana já apresentava condições preexistentes de inadequação. A pandemia demonstrou claramente os problemas que assolam o sistema de assistência médica dos Estados Unidos, diretamente relacionados ou não. As mães sofreram com maus resultados nos partos devido às políticas de hospitais e de burocratas do governo. Medicamentos baratos e não patenteados, como a hidroxicloroquina e a ivermectina, ou ficaram totalmente indisponíveis ou certamente mais difíceis de obter, apesar do sucesso positivo no tratamento da doença manifestada.

No sistema de saúde atual, os médicos, mesmo os bem-intencionados, são restringidos por procedimentos hospitalares e seguem as recomendações de autoridades superiores, públicas e privadas. A realidade é que o sistema médico americano não é um mercado livre em qualquer sentido da palavra, não importa quantas vezes a afirmação seja contestada.

Os médicos na assistência médica convencional não têm autonomia para tomar decisões especializadas para seus pacientes. Por exemplo, as seguradoras exigem que uma certa porcentagem de crianças seja totalmente vacinada de acordo com o cronograma de vacinas recomendado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), caso contrário, o pediatra pode não atingir o limite para bônus de qualidade de atendimento. O apoio inflexível a essas recomendações padronizadas vem não apenas do órgão regulador e da seguradora de saúde, mas também da principal organização profissional para pediatras, a Academia Americana de Pediatria. Nadar contra a maré não é sábio em termos financeiros nem em relação à reputação dos médicos, mesmo que pacientes específicos tenham um risco maior de reações adversas.

No tratamento específico de covid, o procedimento ditou que os pacientes hospitalizados fossem colocados em ventiladores (com uma taxa de mortalidade de pacientes de covid em ventiladores de aproximadamente 58,8 por cento). A suplementação de oxigênio, um tratamento não invasivo, deveria ter sido fornecido inicialmente para níveis baixos de oxigênio, mas havia incentivos financeiros para diagnosticar covid-19 e ventilar. Graças à burocracia da Food and Drug Administration (FDA), os médicos foram limitados em sua capacidade de prescrever medicamentos com altas taxas de sucesso para pacientes no início da pandemia. Quantas vidas foram perdidas desnecessariamente devido à burocracia?

Com a divulgação dos e-mails do Dr. Anthony Fauci, o público pode agora observar que as recomendações pandêmicas do CDC não foram baseadas na “ciência” ou numa preocupação com a saúde pública. Fauci sabia que o as máscaras eram ineficazes para conter a disseminação viral, impedia que tratamentos bem-sucedidos se tornassem amplamente praticados e sabia que a taxa de mortalidade do covid era semelhante à de uma temporada de gripe severa. Fechar a economia nunca foi garantido.

Em um sistema atolado nos interesses conflitantes de agências reguladoras, procedimentos de prática médica e seguradoras de saúde, os pacientes podem ter uma solução simples: despedir o médico. Exigir mais parteiras e partos em casa devido a melhores resultados de saúde e parto. Visitar prestadores de cuidados alternativos que prescrevam tratamentos de grande sucesso com vitamina C e zinco. Prefira médicos não invasivos, como quiropráticos e naturopatas, que desejam tratar as causas das doenças em vez de apenas os sintomas.

O medo está infelizmente associado a tomar essas medidas. Mas a realidade esquecida é que o erro médico evitável persiste como a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos. A secessão das redes de seguro saúde pode não apenas fornecer melhores resultados gerais de saúde, mas pode ser mais acessível, pois os médicos recorrem à recusa de pagamentos de seguro saúde para ganhar maior autonomia.

Chegando ao Vale de Galt

O sucesso do libertarianismo é a independência da influência do estado. Aumentar a confiança nos mercados livres, onde a responsabilidade pessoal e a tomada de decisões prevalecem sobre a complacência, contribui para um patriotismo eficaz. Parar o motor Randiano do mundo para que os libertários possam prosperar no hipotético Vale de Galt além do alcance do governo (ou seja, em mercados externos) requer saída. Sair de uma escola ou sistema de saúde que não produz os fins desejados.

Finalmente, seja corajoso. A coragem não se restringe a proetestar na praça pública de Tiananmen. A defesa da liberdade é geralmente mais mundana: retirar seus filhos da influência de tiranos nas escolas ou sair de um emprego onde o empregador exige injeções, o que viola seus princípios morais. Embora essas ações pareçam assustadoras, e de fato são, aqueles que amam a liberdade são os que serão o baluarte impenetrável contra o mal. Nas palavras do lema favorito de Mises de Virgílio, “Tu ne cede malis, sed contra audentior ito.” (Não ceda ao mal, mas proceda cada vez mais ousadamente contra ele.)

 

Artigo original aqui.