Como a impressão de dinheiro destruiu a Argentina e pode destruir outros países

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As palavras mais perigosas em política monetária e economia são “desta vez será diferente”. O grande erro dos políticos argentinos é acreditar que a inflação é multicausal e que tudo se resolve com doses crescentes de intervencionismo.

O índice de preços ao consumidor na Argentina teve um aumento anual de 58% em abril de 2022, o que significa 2,9 pontos percentuais acima da variação registrada em março passado. Uma verdadeira catástrofe. A inflação na Argentina é mais de seis vezes maior que a do Uruguai, cinco vezes maior que a do Chile e quatro vezes maior que a do Brasil e do Paraguai, países vizinhos expostos aos mesmos problemas globais.

Não, a inflação na Argentina não é multicausal; ela tem apenas uma causa: uma política monetária extrativista e confiscatória. Imprimindo pesos sem controle e sem demanda. A Argentina infla sua base monetária para financiar gastos públicos excessivos, inflados e destrutivos.

Até agora este ano, a base monetária aumentou 43,83%, o que é uma loucura total. A inflação de preços é de 58,2%.

Nos últimos três anos, a base monetária aumentou 179,73% e em dez anos mais de 1.543,8%. Isso é uma aberração econômica, não uma “política monetária inclusiva”, como Axel Kicillof, governador de Buenos Aires, chamou.

Nos últimos dez anos, o peso argentino perdeu 99% de seu valor em relação ao dólar. Esta é uma expropriação da riqueza do país imprimindo pesos inúteis.

Muitos peronistas argentinos dizem que os Estados Unidos também aumentam massivamente sua oferta monetária e não têm inflação. O argumento não se sustenta. A base monetária dos Estados Unidos cresce a uma taxa de 9,9%, seis vezes menos que a da Argentina, e, além disso, os Estados Unidos também sofrem com uma inflação de 8,5%. No auge do excesso de dinheiro nos EUA, a base monetária cresceu 26,9%. Nesse mesmo período, a da Argentina triplicou – com queda na demanda por pesos, enquanto a demanda global e local por dólares cresceu.

Em termos agregados, a oferta monetária, incluindo toda a moeda em circulação, disparou na Argentina 2.328,09% em dez anos, enquanto nos Estados Unidos dobrou. Em outras palavras, a oferta monetária agregada na Argentina na última década aumentou mais de onze vezes a taxa dos Estados Unidos. Só a Venezuela conduziu tamanha loucura.

Não são apenas os estrangeiros que não exigem pesos ou os aceitam em transações internacionais, o que é uma realidade. Os cidadãos da Argentina não aceitam sua própria moeda como reserva de valor, unidade de medida e forma de pagamento na maioria das vezes.

O mais triste é que muitos dizem que a Argentina já foi dolarizada antes e que não deu certo. Na Argentina não houve dolarização: houve um engano em que se declarou que um peso era igual a um dólar. Como as stablecoins quebrando no mercado hoje, a chamada dolarização era simplesmente uma falácia e, quando a bolha estourou, os formuladores de políticas destruíram ainda mais o poder de compra da moeda.

Os Estados Unidos não têm esse problema… ainda. A confiança no dólar ainda não está caindo; está aumentando, e é por isso que está se fortalecendo globalmente em relação à maioria das principais moedas do mundo. A principal razão para essa força relativa é que o Federal Reserve monitora a demanda global em dólares dos EUA e ele é visto como uma entidade que toma ações decisivas contra a inflação. No entanto, a falácia muitas vezes repetida de que a impressão massiva de dinheiro não causa inflação terminou abruptamente com o desastre cometido em 2020. Os EUA, a zona do euro e a maioria das economias globais decidiram enfrentar um choque de oferta com políticas maciças do lado da demanda, financiando o aumento sem precedentes nos gastos do governo com dinheiro recém-criado, e a inflação disparou vigorosamente.

O dólar americano não está sofrendo porque as alternativas são piores. Outras nações imprimem sua moeda de forma ainda mais agressiva ou também têm controles de capital e carecem de investidores e segurança jurídica. No entanto, o Federal Reserve não deve descansar sobre os louros. A confiança em uma moeda como reserva de valor, unidade de medida e meio de pagamento pode desaparecer mais rapidamente do que os formuladores de políticas imaginam. O atual sistema de freios e contrapesos da economia dos EUA e o sistema financeiro aberto mantêm o dólar americano como moeda de reserva mundial, mas as nuvens negras estão se acumulando. Por um lado, os políticos nos Estados Unidos estão cada vez mais defendendo a adoção de políticas monetárias ainda mais agressivas para financiar um orçamento governamental inacessível e crescente. Por outro lado, algumas nações começam a buscar alternativas ao dólar americano para vender commodities. Essas ameaças ainda são distantes, mas não devem ser ignoradas. O leitor pode pensar que a Argentina é um exemplo maluco para comparar com os Estados Unidos, mas o exagero é proposital. Basta olhar para a história de governos pressionando maciçamente o aumento do orçamento e financiando-o com uma moeda cada vez mais impopular, e os riscos para o euro ou o dólar se tornam mais aparentes. O leitor pode dizer que os cidadãos das economias desenvolvidas nunca permitiriam que algo assim acontecesse em suas nações, mas a Argentina também era uma economia rica e próspera décadas atrás. Era uma das economias mais ricas e maiores do mundo no início do século XX. Uma combinação de protecionismo, políticas populistas intervencionistas e decisões monetárias insanas destruíram a economia, e ela nunca se recuperou.

Todas as decisões insanas acima mencionadas dos governos argentinos são agora defendidas por políticos de todos os Estados Unidos e Europa: “Não vai acontecer conosco” e “Desta vez será diferente”. Não será diferente.

Os impérios sempre caem porque começam a destruir o poder de compra de sua moeda e porque sua posição no mundo desmorona à medida que o protecionismo e o intervencionismo corroem a confiança no governo e em suas instituições. Uma vez iniciada a destruição, é apenas uma questão de tempo até que os cidadãos comecem a economizar em ouro ou outras reservas reais de valor. Fica uma lição para todos aqueles que defendem a constante ampliação dos limites da política monetária e das medidas isolacionistas. Uma vez que você foi longe demais, não há como voltar atrás.

J.P. Morgan costumava dizer que ouro é dinheiro e todo o resto é crédito. Crédito é confiança. Uma vez que a confiança é perdida, a moeda se dissolve. Esta é uma lição para todos os países.

 

 

Artigo original aqui