Como está a vida na Itália nazi-covid-fascista

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Agora que a narrativa está derretendo em lugares como o Reino Unido e até nos EUA, um leitor da Itália nos conta como a situação permanece grave lá:

Caro Tom,

Todos falam muito sobre a Austrália-nazista, a Áustria- nazista, mas quase ninguém fala sobre o que está acontecendo aqui na Itália-nazista. Eu só quero dar uma atualização e espero que você possa ajudar a compartilhar algumas informações internacionalmente.

Nosso governo, desde fevereiro de 2021, é formado por uma megacoalizão que inclui todos os partidos políticos com apenas 1 partido fingindo oposição, mas na verdade não fazendo oposição alguma.

Os decretos de emergência estão sendo decretados em um ritmo psicótico e compulsivo e o “estado de emergência” agora foi estendido até 31 de março de 2022.

Em dezembro de 2021, a taxa de vacinação na Itália para pessoas com mais de 12 anos era de cerca de 91%, a ocupação em UTIs era de apenas 9,5%, todos os adultos estão atualmente completando sua terceira dose, mas, ainda assim, tornaram os decretos de máscara mais rigorosos: agora você tem que usar máscara mesmo ao ar livre, e se você tiver a ousadia de entrar em um ônibus, então você deve usar uma máscara FFP2.

Aliás, não aguento nem andar na calçada agora aqui em Milão porque meu estômago se revira com cada “covidiota” mascarado que vejo andando sozinho.

Dados oficiais divulgados recentemente admitiram que 34% das internações por covid nos últimos 2 anos na verdade não foram relacionadas à covid e isso não foi à toa: aumentaram os repasses públicos aos hospitais para cada paciente de covid e, portanto, qualquer paciente internado por um osso quebrado, mas testando positivo para covid tornou-se um paciente covid.

Omicron está se espalhando rapidamente nos dias de hoje, com seus sintomas leves de gripe e nenhuma emergência real, é claro, e, enquanto outros lugares estão lentamente recuperando a sanidade mental, como a Inglaterra e a Irlanda, por exemplo, nossa imprensa ainda está em pleno modo de propaganda. Afinal, uma lei nacional no ano passado oficialmente dobrou as contribuições públicas aos meios de comunicação para que eles “informassem” sobre a covid. Um total de 386 milhões de euros.

Agora precisamos ter o que eles chamam de Super-Passaporte de Vacina, que você só obtém mediante vacinação ou recuperação, para fazer qualquer coisa: ir trabalhar, usar transporte público, entrar em bares e restaurantes, praticar esportes, ir ao banco ou correios.

A partir de 1º de fevereiro, os ratos não-vacinados não poderão entrar nem mesmo em comércios. Exceto para comprar comida ou gasolina… graças à generosidade deles.

E deve ser a coisa certa porque, embora todos saibamos agora que as almas vacinadas também estão espalhando amplamente o vírus, em outubro passado nosso Führer Sr. Draghi (ex-presidente do BCE, a propósito) disse na televisão que “o Passaporte de Vacina é uma medida com a qual os italianos podem garantir que estejam entre as pessoas não contagiosas”. Mas em julho passado, Draghi também disse, literalmente: “Você não é vacinado, você fica doente, você morre”. Obrigado meu Führer, por suas informações precisas.

Atualmente estou pensando em fugir deste país infernal, mas, infelizmente, minha esposa triplamente vacinada não está compartilhando minha opinião….

Por favor, informe as pessoas, se puder, que a Austrália ou a Áustria não estão sozinhas em seu delírio fascista. Aliás, temos muito a ensinar sobre o fascismo!

Não importa o que aconteça em outras partes do mundo, não podemos abandonar pessoas assim. A história deve continuar a ser contada.

Enquanto isso, Diego Fioretti nos conta como o Sistema de Saúde Soviético italiano está deixando os impuros morrerem:

Eu tive que escrever novamente, para que você soubesse o que realmente está acontecendo na Itália (ou Draghistão, se você preferir um novo nome).

Os estatistas sempre disseram, e continuam dizendo, que a Itália tem um sistema público de saúde muito bom. Alguns deles ousam dizer “o melhor sistema de saúde do mundo”, ou pelo menos um dos melhores. Teoricamente, ninguém deve precisar de consulta particular, tratamento ou qualquer coisa, porque tudo é de graça, gentilmente oferecido por Sua Majestade o Estado Italiano.

Claro que a verdade é muito diferente, e se você precisa de algo rápido e bom, você vai a uma clínica particular, se você puder pagar ou tiver um seguro de saúde privado.

Claro, novamente, você não precisa ler muitos jornais para encontrar histórias sobre desperdício de recursos e negligência médica.

Claro, novamente, você não precisa ser o Hayek para entender que estamos simplesmente pagando isso com nossos impostos extorquidos, e você não precisa estudar profundamente a tributação italiana para saber que a alíquota total é escandalosa de 59% ( aliás, foi mais nos anos anteriores e está aumentando novamente). Às vezes acho que deveríamos ter um bate-papo com a escória estatalista explicando-lhes a ideia simples de “não existe tal coisa como um almoço grátis” e perguntando onde diabos está meu dinheiro se há todas essas histórias de negligência médica e péssimo serviço, mas ok, esse não é o objetivo deste artigo.

O ponto deste artigo é: neste belo sistema público de saúde onde todos podem ser curados de graça, muitos hospitais não estão curando as pessoas não vacinadas contra a covid.

Você poderia dizer: ok, talvez existam alguns casos raros, mas não posso acreditar que os médicos não tratem esses pacientes. Isso é o que eu pensei quando houve o primeiro caso.

Mas depois houve um segundo, e um terceiro… Ontem à noite, em um dos raros talk-shows em que jornalistas realmente fazem jornalismo (fuori dal coro, diretor Mario Giordano), o repórter apresentou uma série de casos que me repugnaram totalmente.

Então, vamos ver essa lista de casos, que eu acho que pode ser parcial e totalmente incompleta:

Primeiro caso: Hospital IRCSS Galeazzi, Milão, Diretor Médico Dr. Fabrizio Pregliasco. Numa circular escreveu: “A partir da semana de 10 de janeiro considera-se necessário rever a programação das intervenções, reservando a atividade para os doentes: que tenham passaporte vacinal com a dose de reforço (vacinação/recuperação)”. Ele então respondeu que não é verdade que ele não trata os não vacinados, mas que é necessário remarcar as operações cirúrgicas. Na minha opinião, a lógica diz que se você continuar reprogramando a cirurgia deixando o vacinado primeiro, o não vacinado não fará cirurgia. Talvez eu esteja errado.

Segundo caso: Hospital Santa Chiara, Pisa, o Departamento de Ginecologia dirigido pelo dr. Bottone recusou operar um paciente oncológico. Depois da entrevista, provavelmente vão deixá-la ser operada. No mesmo hospital, se você tiver uma emergência e não estiver vacinado será tratado como caso de Covid, mesmo que não seja afetado por Covid.

Terceiro caso: muitos hospitais da região de Trento não aceitam pessoas não vacinadas. Elas podem fazer cirurgia, mas não podem ter reabilitação.

Então, no final das contas, parece que aqui na Itália há assistência médica gratuita para todos, exceto os judeus não vacinados.

2 COMENTÁRIOS

  1. É simplesmente assustador. O curioso nisso tudo, é que por muito tempo os brasileiros tinham a esperança de se tornar um país do “primeiro mundo”. Para isso? não é só a Itália, um país que tradicionalmente nunca foi muito adepto da lei. Com o IV Reich da União Europeia todos os países estão submetidos à ditadura nazi-covidiana. Existem bolsões de resistência, mas exatamente coo no jargão militar: um conjunto de tropas cercadas.