Como os executivos aderiram aos lockdowns e a guerra econômica

1
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Há algum tempo, o mundo corporativo estava se desdobrando para satisfazer a Patrulha do Vírus com lockdowns, máscaras obrigatórias e ameaças de demitir quem não tomasse a injeção.

Isso foi supostamente devido à “ciência”, mas faz muito tempo que é evidente que esta era uma pseudo-justificativa limpinha. As grandes empresas obedeceram porque a cultura empresarial das elites corporativas tornou-se profundamente confusa e até corrupta.

Com suas ações sendo amplamente supervalorizadas devido à expansão monetária implacável e flagrante do Fed, os executivos perderam o controle de seu dever número 1 – a maximização do lucro. Este último foi sacrificado à sinalização de virtude corporativa, tapinhas nas costas dos políticos e convites para saraus na Casa Branca.

Esses “estadistas” corporativos obtêm todas as recompensas psíquicas acima, além de um enriquecimento de opções de ações, porque o Fed não vê isso de outra maneira. Eles têm o prazer de chamar isso de política de “efeitos de riqueza”, quando a verdade é que é uma política destruidora de mercado e destruidora de riqueza.

O total desperdício econômico e injustiça para funcionários, acionistas e várias outras partes interessadas provocadas pela nova sinalização de virtude corporativa agora são claramente evidentes nos dados globais que provam sem sombra de dúvida que todo o regime anti-Covid ditado pela Patrulha do Vírus foi completamente errado desde o início.

Ironicamente, a evidência mais concreta vem da Coreia do Sul, que é um caso de capitalismo dominado pelo Estado, se é que já houve um que não tenha sido. Os chamados Chaebols recebem suas ordens do estado em troca de acesso irrestrito a subsídios fiscais estaduais e acordos comerciais protecionistas que os protegem dos rigores da livre concorrência de mercado.

De qualquer forma, as empresas sul-coreanas cumpriram rigorosamente as demandas absurdas do governo para acabar com o Covid de modo que equivalia a um regime totalitário administrado por empresas que realmente fez as Fauci e as dondocas de Washington babarem de inveja.

Assim, durante 2020 e 2021, a Coreia do Sul buscou atingir o zero Covid com controles rígidos de fronteira, testes e rastreamento agressivos e uma campanha de vacinação que atingiu quase toda a população adulta com injeções de mRNA (e algumas de DNA). De fato, os dados mais recentes mostram que 87% da população está totalmente vacinada e 60% tomou a dose de reforço.

Ainda assim, o país não chegou a zero. Infecções e mortes aumentaram lentamente no ano passado. Mas chegou perto o suficiente para que os habituais “especialistas em saúde pública” altamente credenciados a considerassem um farol de luz:

Por exemplo, um vidente argumentou,

    A supressão máxima ajudou a ganhar tempo para os cientistas trabalharem e, portanto, encontrar uma saída sustentável da crise… O pivô da supressão máxima para a vacinação em massa foi uma mudança racional e lógica para alcançar uma transição bem-sucedida da pandemia.

Nunca os chamados “especialistas” foram tão completamente surpreendidos. Aqui está o que aconteceu com a nação livre de Covid da Coreia do Sul. Ou seja, o placar de repente deu tilt:

  • A taxa de casos sul-coreanos disparou para 800 por milhão, que é 86 vezes a taxa atual dos EUA de 91 por milhão;
  • A atual altíssima taxa sul-coreana é 3,3 vezes mais alta da de todos os tempos experimentada pelos EUA no pico Omicron no início de 2022.

Em suma, todo o arrastão Covid sul-coreano foi em vão. Quando o Omicron surgiu, uma população com imunidade natural mínima (da infecção por Covid) e taxas máximas de vacinação acabou sendo um alvo fácil para novas infecções.

É claro que a capitulação do Covid foi apenas um aquecimento para o que o mundo corporativo está fazendo em relação ao frenesi de guerra à toda em Washington e entre a grande mídia.

Veja o caso da Pepsi, por exemplo. Foi a empresa pioneira dos EUA que foi para a Rússia durante o auge da brutalidade soviética contra seus próprios cidadãos, mas agora é dirigida por um CEO de sinalização de virtude, que por acaso é um habitué do Fórum Econômico Mundial, onde preside um dos seus principais comitês.

Na época em que a Pepsi foi pela primeira vez à União Soviética – um lugar muito mais perverso e bárbaro do que a Rússia de Putin – as empresas americanas tinham coragem suficiente para revidar quando Washington ameaçava prejudicar os interesses corporativos e o valor dos acionistas.

Não mais, porém. O CEO da Pepsi, um certo Ramon Laguarta, decidiu precipitadamente parar de vender Pepsi na Rússia, mesmo antes que Washington pudesse emitir sanções obrigatórias.

Ao fazer isso, Laguarta destruiu dezenas de bilhões de valor de investimento que a Pepsi acumulou ao longo de cinco décadas. E ele fez isso, aparentemente, porque o tolo CEO do McDonald’s fechou suas 850 lojas na Rússia primeiro para receber um tapinha nas costas do governo Biden.

O Wall Street Journal, de fato, narrou a traição da Pepsi a seus acionistas de forma bastante sucinta:

    A Pepsi em 1974 foi uma das primeiras marcas americanas a entrar na União Soviética, depois de um Encontro de Guerra Fria em Moscou em 1959, quando o então vice-presidente Richard Nixon ofereceu um copo de refrigerante ao primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev.

Em 2022, a PepsiCo Inc. tinha 20.000 funcionários na Rússia e era o terceiro maior mercado da empresa depois dos EUA e do México. As 24 fábricas da empresa e três centros de P&D na Rússia fabricavam refrigerantes, batatas fritas, leite, iogurte, queijo, alimentos para bebês e fórmulas infantis.

Os principais funcionários da empresa discutiam a crise geopolítica quase todos os dias. Eles estavam relutantes em encerrar as operações russas, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Os líderes queriam fazer o certo por seus funcionários e consumidores, e estavam sob pressão para se juntar a outras empresas ocidentais que faziam ações para penalizar a Rússia. Eles também tinham uma responsabilidade para com os acionistas.

Na tarde de 8 de março, o McDonald’s disse que estava fechando seus restaurantes na Rússia. Então a Coca-Cola disse que estava suspendendo seus negócios lá. Em meia hora, o CEO da PepsiCo, Ramon Laguarta, enviou um memorando à equipe. A empresa pararia de vender Pepsi e 7UP na Rússia, ele disse a eles, mas não estava saindo.

Nos bastidores, os líderes da empresa exploraram outra ação que ainda poderia ser tomada. A PepsiCo poderia reduzir o valor de seus negócios russos a zero, modelando o processo usado para suas operações venezuelanas em 2015.

Por que destruir desenfreadamente o valor para o acionista? Porque os mercados corrompidos pelo Fed ignorariam as baixas contábeis, é por isso.

Não importa que dezenas de bilhões de investimentos cumulativos sejam destruídos pela sinalização de virtude dos executivos da Pepsi, seus executivos empanturrados de opções de ações não se importaram porque o mercado de ações engordado pelo Fed também não se importava.

Desnecessário dizer que a chamada imprensa financeira não tem escrúpulos em torcer por esse tipo de sinalização de virtude destrutiva dos executivos. O artigo do WSJ citado acima foi cheio de elogios às empresas que agem por motivos políticos, não econômicos:

    Desta vez, as empresas estavam mais preparadas. A pandemia deu aos líderes um manual de crise. Anos de ativismo corporativo em questões como mudança climática e discriminação racial os treinaram para responder a uma série de questões. A invasão pegou muitos de surpresa, mas eles reagiram rapidamente ao que era uma ameaça potencialmente fatal para seus funcionários e também uma ameaça à reputação de seus negócios.

Quando o presidente Vladimir Putin lançou o ataque em 24 de fevereiro, e a pressão de governos e funcionários começou a aumentar, além de aumentar as sanções contra a Rússia, as empresas agiram com velocidade incomum e um senso de ação coletiva. O resultado foi uma participação corporativa na geopolítica com poucos precedentes recentes.

Bem, eles acertaram, mas não têm noção do perigo. Ou seja, que nem o capitalismo nem a democracia podem prosperar quando os negócios se tornam uma ferramenta subserviente do Estado e um recipiente para a expressão da moda política e da conformidade social.

Além disso, a ideia de que essas ações capitulatórias foram realizadas pelos executivos para fins de proteção à reputação é simplesmente um absurdo. Ninguém iria parar de comprar batatas fritas da Pepsi e da Lay’s porque a matriz tem um negócio de 50 anos na Rússia.

De fato, a pura obsequiosidade e hipocrisia dos executivos desafia a credulidade. Por exemplo, o CEO da Volkswagen fechou suas fábricas russas por motivos práticos de falta de peças, mas mesmo assim explicou sua ação com uma falsa condescendência:

    Poucos dias após a invasão, Diess fechou ou reduziu a produção em algumas de suas maiores fábricas na Europa porque as fábricas não conseguiam obter chicotes elétricos de fornecedores na Ucrânia. Mais tarde, a empresa encerrou a produção em suas fábricas de automóveis na Rússia, citando sua “grande consternação e choque” com a invasão.

No final das contas, esse tipo de politicagem corporativa é o motivo pelo qual o Fed está imprimindo dinheiro desenfreado e gerando vastas bolhas de ativos como nunca antes na história. Os executivos politicamente corretos da Fortune 500, que deveriam estar em pé de guerra contra a degradação monetária desenfreada do Fed, não deram um pio sobre a digressão destrutiva do Fed na louca impressão de dinheiro.

O fato é que qualquer um que prestasse meia atenção poderia ver que o Edifício Eccles está cego aos efeitos de suas políticas keynesianas destrutivas há anos – pelo menos desde este alucinado do Ben Bernanke na véspera da Grande Crise Financeira:

Assim, a ata do Fed de janeiro de 2008 citou o presidente Bernanke como tranquilizador de que—

    “O Federal Reserve não está prevendo atualmente uma recessão.”

Isso mesmo. Pela data oficial do NBER (National Bureau Of Economic Research) o início da recessão oficial foi dezembro de 2007!

Ou seja, se Ben Bernanke ainda não sabia que uma recessão estava em andamento um mês após o início, por que alguém pensaria que o Fed teria alguma noção sobre o estado da economia doméstica e global, ou a capacidade e os meios para microgerenciar seu curso até mesmo no futuro próximo?

Nem foi a recessão de 2008 uma ocorrência única. A tabela abaixo foi montada pelo astuto Lance Roberts e deixa claro que a taxa de crescimento econômico real (ajustada pela inflação), mesmo às vésperas da recessão, nem sempre dá um sinal do que está por vir na curva macroeconômica. Como observou Roberts,

    Cada uma das datas acima mostra a taxa de crescimento da economia imediatamente antes do início de uma recessão. Você notará na tabela acima que em 7 das últimas 10 recessões, o crescimento real do PIB estava em 2% ou mais. Em outras palavras, de acordo com a mídia, NÃO houve indicação de recessão.

Mas no mês seguinte começou uma.

Com relação ao ciclo atual, Roberts observou ainda que a recessão de 2 meses de 2020 nunca realmente terminou, e que podemos estar à beira de uma recaída, apesar do falso boom estimulado pelos bacanais de impressão e gastos de Washington no ano passado:

    Embora o NBER tenha declarado a recessão de 2020 a mais curta da história, isso não impede que outra recessão ocorra mais cedo ou mais tarde. Todos os excessos que existiam antes da última recessão se agravaram desde então.

Dado que a dinâmica de uma recessão econômica permanece, será necessário apenas um evento inesperado e exógeno para empurrar a economia de volta à contração”.

E também um para empurrar os top 1% e 10% para um mundo de dor. Isso porque estes últimos respondem por 85% dos ativos financeiros e 75% do patrimônio líquido das famílias, respectivamente.

Então, quando o grande colapso da bolha finalmente chegar, o lamento e o ranger de dentes entre as famílias ricas – cujas contas de corretagem foram gordas além da sanidade pela notória inflação de ativos financeiros do Fed – será excruciante.

Talvez então os executivos sejam despertados de sua conformidade adormecida.

Ou pelo menos, podemos esperar.

 

 

 

Artigo original aqui