Conselhos de livre mercado de Carl Menger para o príncipe herdeiro austríaco

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Imagine que você pudesse ser o tutor de um futuro rei. Que lições e conselhos você daria sobre as políticas econômicas que ele deveria seguir quando assumisse o trono? Isso é o que Carl Menger, fundador da Escola Austríaca de Economia, foi capaz de fazer em uma série de palestras particulares que proferiu ao príncipe herdeiro Rudolf, o herdeiro do Império Austríaco dos Habsburgo em 1876.

Cinco anos antes, em 1871, Menger publicou seu agora famoso livro, Grundsätze der Volkswirtschaftslehre (Princípios de Economia Política), no qual desafiava a teoria do valor-trabalho dos economistas clássicos, substituindo-a pela teoria do valor subjetivo e utilidade marginal. Os bens não recebem seu valor da quantidade de trabalho gasta em sua manufatura. Em vez disso, é porque valorizamos ter e usar algum bem desejado que aplicamos trabalho (e outros meios de produção) para trazê-lo a uma forma acabada utilizável para nosso consumo. E o grau desse valor reflete a importância para nós de ter uma unidade adicional daquele bem em comparação com a produção de outra coisa.

Conselhos de Menger para o Príncipe Herdeiro ser um “Bom Soberano”

Menger fora nomeado professor de economia na Universidade de Viena em 1873, e não muito tempo depois foi oferecido o cargo de tutor de economia ao príncipe herdeiro Rudolf pelo imperador austríaco, Franz Joseph. Como único filho do imperador, esperava-se que Rudolf algum dia ascendesse ao trono. Seu treinamento para aquele dia eventual deveria incluir uma consciência das instituições e políticas político-econômicas que assegurariam a estabilidade e prosperidade do país, bem como as liberdades das pessoas sob o domínio do monarca austro-húngaro. Essas palestras foram publicadas apenas em 1994 em alemão e inglês com o título Lições de Carl Menger para o príncipe herdeiro Rudolf da Áustria.

As palestras sobre os princípios básicos da economia e da política econômica foram ministradas de janeiro a abril de 1876. Na primeira palestra, Menger explicou o papel de um “bom soberano” em cujas mãos estava o bem-estar de seus súditos:

    Os chefes de Estado devem prestar atenção especial a essas circunstâncias e, por meio do bem-estar e do contentamento, tornar seu país poderoso, promovendo com sucesso os esforços dos cidadãos. Mas deve haver um limite para tal interferência por parte do Estado, pois é melhor para o bem-estar geral da sociedade se o indivíduo tem a responsabilidade de cuidar de seu próprio sustento e de sua família; pois tal responsabilidade o leva constantemente a uma atividade incessante que promove o bem-estar de toda a humanidade. Sem ser imposto, o cidadão individual deve compreender, entretanto, que o Estado está preparado para protegê-lo e apoiá-lo quando e onde sua força de vontade for insuficiente para superar os obstáculos em todos os empreendimentos econômicos ou para tomar medidas para promovê-los.

O que Menger transmitiu a Rudolf foi o lugar e os limites do estado dentro da sociedade sobre a qual um dia ele governaria. Ou seja, Menger enfatizou a ampla ordem institucional no contexto da qual os súditos do governante deveriam ser autorizados a agir por conta própria, respectivamente, a partir da qual a melhoria econômica e social geral se torna possível. Como disse Menger, “Dadas as complexidades das circunstâncias sociais, apenas o próprio indivíduo (sic) pode julgar corretamente a importância relativa de suas necessidades.” O governo nunca poderia saber o que era melhor para o indivíduo do que o próprio indivíduo.

Direitos de propriedade essenciais para uma sociedade livre e próspera

Fundamental em tudo isso é a instituição da propriedade. O indivíduo é incapaz, em termos de capacidade física e recursos econômicos, de proteger totalmente sua propriedade das agressões. Desprotegido, seus incentivos para trabalho, poupança e investimento seriam enfraquecidos e minados. “Portanto”, de acordo com Menger, “a economia nacional irá realmente prosperar apenas se e quando o estado proteger a propriedade dos cidadãos e, assim, incentivá-los à economia, moderação e indústria. . . Por esta razão, tal proteção é uma das funções econômicas mais importantes de qualquer governo.”

Consequentemente, Menger disse: “O estado moderno deve proteger os interesses das classes proprietárias (proprietários de imóveis, proprietários de casas e fábricas, comerciantes, capitalistas, etc.) contra os projetos impraticáveis ​​dos Socialistas e Comunistas”. Isso fazia parte do argumento geral de Menger contra o desafio do movimento socialista emergente. Confiscar propriedade, colocar o trabalho de todos nas mãos do estado, tornar o governo responsável por todas as necessidades de todos e entregar a educação dos jovens para um regime político, e todos os tipos de consequências indesejáveis ​​seguiriam:

  1. Isso diminuiria o senso de responsabilidade própria do indivíduo e a energia motivacional para seu próprio bem-estar e o de sua família;
  2. A autonomia individual para a escolha de sua própria ocupação seria eliminada, e ocupação de cada um seria dirigida pela mão reguladora do governo; a sociedade se tornaria um “sistema despótico socialista”;
  3. O direito e a capacidade de herança seriam abolidos, e junto desapareceria “uma das alavancas mais importantes para a indústria humana, autocontenção e economia, já que o indivíduo busca sustentar sua família e tem um desejo natural de estabelecer uma família bem-posicionada.”

Autonomia individual e uso do conhecimento de suas próprias circunstâncias

O governo, em geral, não precisa se preocupar excessivamente com a capacidade do indivíduo de se ajustar e se adaptar às mudanças econômicas. O investimento e a formação de capital podem parecer desvantajosos para os trabalhadores que podem perder seus empregos devido ao desenvolvimento industrial. Mas os trabalhadores podem se voltar para novos caminhos de emprego, especialmente por meio de eficiências de custo de investimento de capital que reduzem os preços, geram maior demanda e criam empregos alternativos por meio dos padrões de vida mais elevados resultantes. A poupança e o investimento, e a consequente intensificação da divisão do trabalho, permitem uma “prosperidade florescente para todos”.

Menger mais de uma vez em suas palestras para Rudolf alertou sobre os perigos indesejáveis ​​do “paternalismo político”. Embora a tarefa do governo seja “promover os esforços de seus cidadãos como meio para a prosperidade do povo e do estado” (por meio de seus melhores meios de produzir a riqueza da qual muitos impostos são retirados para as funções atribuídas ao Estado) , “O governo deve agir com a maior discrição ao promover as atividades econômicas individuais, para evitar com segurança o grave erro de agir como um guardião. . . o estado pode prejudicar muito os interesses dos cidadãos interferindo demais, ao mesmo tempo que irá definitivamente promover o interesse da economia nacional, permitindo espaço para ação individual e dando apoio apenas nos casos em que a força de um indivíduo é insuficiente.”

Repetidamente, Menger disse a Rudolf que apenas cada indivíduo conhece suas próprias circunstâncias, possui o conhecimento sobre os meios particulares que parecem mais adequados para atingir seus fins. O indivíduo sabe melhor o que é útil para ele. E é mais diligente quando trabalha para a realização de seus próprios objetivos escolhidos. Somente esse “desenvolvimento individual desimpedido” torna possível “um estágio avançado de civilização”.

    Nesse tipo de situação, todo o país prosperará, a cultura florescerá e avançará, sustentada por homens satisfeitos, autoconfiantes e trabalhadores; isso acontecerá, porém, em virtude da liberdade de que os cidadãos gozam em seus empreendimentos econômicos, pois então eles têm o maior interesse em seu próprio bem-estar e, portanto, no do Estado; e se o governo tomasse o curso errôneo do paternalismo e controlasse os assuntos mais privados do cidadão com a intenção de ajudá-lo, embora realmente o prejudicasse, a burocracia como agente do governo teria que se encarregar dos assuntos econômicos e interferir nas atividades individuais.

A variedade do trabalho realizado decorre da variedade de indivíduos e, por sua multiplicidade, promove o progresso em todos os sentidos; seria totalmente perdido com controles burocráticos abrangentes. Mesmo o funcionário público mais dedicado não passa de uma ferramenta cega dentro de uma grande máquina que trata todos os problemas de uma maneira estereotipada de acordo com regulamentos e instruções e não pode lidar com as exigências do progresso contemporâneo nem com a diversidade da vida prática. . .

A liberdade e a autossuficiência nos esforços econômicos dos cidadãos são a base do desenvolvimento geral de um estado; portanto, o estado deve realizar e defender esses princípios fundamentais. Pelo seu contrário, pelo paternalismo, ele estraga e impede o seu próprio progresso e infringe os direitos mais naturais dos seus cidadãos.

Atribuição de Menger de deveres limitados adicionais ao Estado

A difícil tarefa de um “governo sábio”, disse Menger, era determinar como promover essa melhoria sem obstrui-la. A razão para a necessidade de resolver isso de forma eficaz, explicou Menger, é que há casos em que as formas de intervenção governamental podem ser necessárias; o difícil desafio era não se transformar em “paternalismo e, assim, restringir a liberdade pessoal”. Nisto, Carl Menger estava seguindo a noção de um “sistema de liberdade natural” encontrado em A Riqueza das Nações de Adam Smith (1776).

Os deveres de um governo limitado incluíam, certamente, a manutenção interna da paz por meio da polícia e dos tribunais, juntamente com a defesa nacional contra agressores estrangeiros. Mas Smith e Menger também viram uma variedade de obras públicas que podem estar além dos interesses e meios financeiros de particulares. Isso incluiu o que hoje chamamos de projetos de infraestrutura – estradas, canais, rodovias, pontes – e escola de educação básica e alguma formação profissional.

Em uma escolha de palavras interessante, Menger se referiu a essas possíveis instâncias de intervenção governamental justificável na economia como “situações anormais”, em oposição à vida econômica cotidiana normal em que tal intervencionismo seria considerado desnecessário e potencialmente prejudicial. O que era crucial, Menger insistiu para o príncipe herdeiro, era sempre temer toda e qualquer política que envolvesse “obstrução paternalista”.

Os Princípios Fundamentais de uma Economia Livre

O príncipe herdeiro Rudolf estava intimamente ligado ao liberalismo econômico de Carl Menger. Na verdade, dois anos depois de proferir essas palestras, em 1878, eles foram co-autores de uma monografia publicada anonimamente sobre os fracassos da geração mais jovem da aristocracia austríaca em justificar seu lugar e posição na sociedade. As “virtudes burguesas” do trabalho, da economia e da indústria eram mais facilmente encontradas na classe média.

Os indivíduos conhecem suas próprias circunstâncias melhor do que qualquer um dos governantes, e os motivos da família e do aprimoramento pessoal servirão como incentivos para que cada um atue da maneira mais laboriosa e produtiva que achar melhor. Processos de mercado complexos não precisam de uma mão política dominante. Na verdade, qualquer paternalismo governamental só terá sucesso em minar os incentivos aos quais as pessoas precisam responder quando deixadas em liberdade em seus “direitos naturais”.

O príncipe herdeiro Rudolf nunca ascendeu ao trono austríaco. Devido a um trágico conjunto de circunstâncias pessoais, o herdeiro do Império Habsburgo tirou a própria vida, em um suicídio duplo com sua amante em 1889. Carl Menger, ao que tudo indica, ficou profundamente abalado com essa reviravolta, uma vez que permaneceram bons amigos ao longo dos anos, muitas vezes viajando juntos para várias partes da Europa em visitas oficiais da realeza. O pai de Rudolf, Franz Joseph, permaneceu no trono austríaco até 1916, quando morreu no meio da Primeira Guerra Mundial. E com a derrota da Áustria nesse conflito, o Império Austro-Húngaro chegou ao fim.

No entanto, as ideias subjacentes para um governo limitado sob os princípios liberais clássicos de liberdade pessoal e liberdade econômica permanecem tão relevantes hoje quanto quando Carl Menger fez aquelas palestras em 1876.

 

 

Artigo original aqui