Discriminação e preconceito

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Parte da confusão ao pensar sobre questões de raça origina-se da ambiguidade nos termos que usamos. Vou tentar sugerir definições práticas para alguns termos em nossa discussão sobre raça. O bom pensamento analítico requer que não confundamos um fenômeno comportamental com outro.

Vamos começar com “discriminação”. A discriminação é o ato de escolha, e a escolha é um fato necessário da vida. Passamos a vida discriminando a favor ou contra diferentes atividades e pessoas. Algumas pessoas compram no Carrefour e, portanto, discriminam o Pão de Açúcar. Alguns alunos discriminam a FGV em favor de frequentar o Insper. Muitas pessoas discriminam racialmente ao se casar dentro de sua própria raça, em vez de buscar parceiros de outras raças. As pessoas discriminam de várias maneiras quando firmam contratos e em outros relacionamentos. Em cada caso, uma pessoa é beneficiada pela discriminação e outra é prejudicada ou tem oportunidades reduzidas.

E quanto ao preconceito? Preconceito é um termo útil que costuma ser mal utilizado. Sua raiz latina é praejudicium, que significa “uma opinião ou julgamento formado … sem o devido exame.” Assim, podemos definir um ato prejudicial como aquele em que uma decisão é tomada com base em informações incompletas. O tomador de decisão pode usar estereótipos como um substituto para informações mais completas.

Descobrimos que, em um mundo de informações difíceis de serem obtidas, as pessoas procuram economizar nos custos de informação. Aqui está um exemplo simples, mas intuitivamente atraente. Você está indo trabalhar. Quando você abre a porta de casa e sai, é saudado por um grande tigre. A previsão desinteressante é que a pessoa média faria de tudo para evadir o local rapidamente. Por que ele faria isso é mais interessante. É improvável que o medo da pessoa e a decisão de buscar segurança sejam baseados em qualquer informação detalhada mantida sobre aquele tigre em particular. Mais provavelmente, sua decisão de buscar segurança é baseada no folclore do tigre, no que ela ouviu sobre os tigres ou como ela viu outros tigres se comportarem. Ela prejulga aquele tigre. Ela toma sua decisão com base em informações incompletas. Ela usa estereótipos de tigre.

Se uma pessoa não prejulgou aquele tigre, então ela se esforçaria para buscar mais informações antes de sua decisão de fugir. Ela pode tentar acariciar o tigre, falar com ele e buscar um lugar seguro apenas se o tigre responder de forma ameaçadora. A pessoa média provavelmente não escolheria essa estratégia. Ela presumiria que o custo esperado para obter mais informações sobre o tigre é maior do que o benefício esperado. Ela provavelmente concluiria: “Tudo que eu preciso saber é que ele é um tigre e provavelmente é como o resto deles.” Ao observar o comportamento dessa pessoa, não há como dizer sem ambiguidade se ela gosta ou não de tigres.

Da mesma forma, o fato mais facilmente observável de que um indivíduo é baixo, amputado, negro ou mulher fornece o que algumas pessoas consideram informações suficientes para a tomada de decisão ou para prever a presença de algum outro atributo que é mais difícil de observar. Por exemplo, se solicitados a identificar indivíduos com doutorado em física apenas observando raça e sexo, a maioria de nós atribuiria uma probabilidade maior de que homens brancos ou asiáticos tivessem tais diplomas do que homens ou mulheres negros. Suponha que você seja um chefe de polícia e esteja tentando encontrar os culpados por roubos de carros, você gastaria algum de seus recursos investigando pessoas em lares de idosos? Usar um atributo observável como proxy para um atributo inobservável ou difícil de observar está no cerne da teoria da decisão.

Por último, existe uma dimensão moral para a discriminação e o preconceito? A pessoa deve ser indiferente sobre se ela vai estudar na FGV ou no Insper e, portanto, tomar sua decisão jogando uma moeda? É mais correto usar a mesma técnica ao escolher se casar dentro ou fora de sua raça? É moralmente superior ser indiferente com respeito à raça no casamento, emprego e socialização? Pode-se fazer um caso moral rigoroso para a coerção do governo para determinar se alguém frequenta a FGV ou Insper, se casa fora de sua raça ou é indiferente quanto às características raciais de quem ele emprega?

 

Artigo original aqui.