‘É de graça’: Pfizer e Moderna projetam dezenas de bilhões em lucros COVID

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

E + $100 bilhões esperados em receita anual combinada

Na Era COVID, os comércios de família do seu bairro podem ter falido para sempre, mas os negócios estão “bombando” para as Big Pharma, com empresas de vacina COVID quebrando recorde após recorde.

Com enormes lucros sugados do suor dos pagadores de impostos em todo o mundo e com praticamente zero de responsabilidade legal sobre qualquer um de seus produtos, a Pfizer, Moderna e até mesmo a Johnson & Johnson são imbatíveis. Você, o pagador de impostos, pagou até pela pesquisa e desenvolvimento dos medicamentos, mas a Big Pharma ainda está te mandando a conta e ficando com todos os lucros.

Pfizer

A Pfizer revelou em um comunicado hoje que a empresa está revisando novamente suas metas de receita para cima, estimando entre US$81 e US$82 bilhões em receita para 2021. A Pfizer agora se projeta para dobrar sua receita de 2020, quando a gigante farmacêutica arrecadou US$41,9 bilhões. Em 2021, US$36 bilhões virão das vendas de vacina COVID desenvolvidos em parceria com a BioNTech. Com uma margem de lucro estimada de 30%, as picadas de mRNA por si só vão trazer mais de US$10 bilhões em lucro.

Ao contrário do contribuinte, que é forçado a recompensar a Pfizer e pagar por seus produtos, a empresa farmacêutica paga uma carga tributária percentual de um dígito devido ao seu externalização de ganhos.

As empresas e seus investidores ansiosos estão projetando que as doses de COVID para crianças pequenas – que, por qualquer análise de dados legítima, não são nem remotamente ameaçadas por COVID-19 – manterão a receita e as margens de lucro altas até 2022. A própria Pfizer já vendeu 115 milhões de doses pediátricas para o contribuinte americano

Moderna

A Moderna, que não obteve receita sustentável antes da era COVID (porque a empresa nunca lançou um produto no mercado com sucesso), espera gerar US$20 bilhões em receita em 2021. Não se surpreenda se seu próximo relatório de ganhos aumentar esse número ainda maior.

Isso é um aumento impressionante de 33 vezes em relação à era pré-COVID. Em 2019, a Moderna registrou receita de US$60 milhões. Este fluxo de receita será derivado de seu único produto – as picadas COVID.

As margens de lucro da injeção COVID da Moderna são quase o dobro das da Pfizer. Em 2021, a empresa gerou um fluxo de caixa livre positivo relatado de espantosos US$9,1 bilhões.

Como a Pfizer, a Moderna busca obter receitas futuras por meio de injeções de reforço sazonais e da venda de injeções pediátricas COVID. Ao contrário da Pfizer e da J&J, a Moderna não tem outros produtos para oferecer aos seus clientes. A Moderna é inteiramente uma empresa COVID-19. Sem ele, a empresa precisaria encontrar outras maneiras de preservar seu valor de mercado de US$140 bilhões.

Johnson & Johnson

Embora a Johnson & Johnson não pretenda atualmente lucrar com suas doses COVID (eles projetam que isso vai mudar no próximo ano), seus outros produtos tiveram um aumento nas vendas. As vendas de Tylenol e Motrin aumentaram 18%. Os analistas atribuíram a isso uma maior demanda devido aos efeitos colaterais das injeções COVID combinadas com o declínio da saúde devido às políticas governamentais relacionadas à pandemia.

A Johnson & Johnson espera gerar facilmente mais de US$90 bilhões em vendas para 2021, depois de conseguir US$69 bilhões nos primeiros 3 trimestres de 2021.

Ao contrário da Pfizer e da Moderna, que essencialmente se tornaram empresas de coronavírus, a J&J gera apenas uma fração de suas vendas com injeções COVID. A empresa espera gerar US$2,5 bilhões em receita com as picadas da COVID em 2021.

 

Artigo original aqui