Eles disseram que as coisas seriam muito piores em estados sem lockdown. Eles estavam errados.

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Como quase todos os estados dos EUA, a Geórgia impôs uma ordem de permanência em casa em março de 2020 em resposta às demandas de funcionários de saúde pública alegando que uma ordem para ficar em casa diminuiria o total de mortes por covid-19.

Mas, ao contrário da maioria dos estados, a Geórgia revogou sua ordem de permanência em casa depois de apenas cinco semanas e começou a reduzir outras restrições rapidamente.

A mídia tradicional respondeu com furiosa oposição. Por exemplo, um artigo no The Atlantic declarou o fim da quarentena da Geórgia como um “experimento de sacrifício humano“. O The Guardian citou com aprovação um georgiano que insistiu que o fim da ordem de permanência em casa era “imprudente, prematuro e perigoso”.

Algumas semanas depois, outros estados começaram a revogar suas ordens de permanência em casa e também a revogaram outras restrições. A Flórida foi o maior entre esses estados.

Pouco depois disso, o Daily Beast declarou que a redução das restrições na Geórgia e na Flórida era “terrivelmente prematura” e citou um especialista que insistiu: “Se você suspender a restrição muito cedo, uma segunda onda virá e os danos serão substanciais tanto do ponto de vista médico quanto econômico. Não queremos jogar fora os sacrifícios que temos feito há semanas.”

Toda essa hipérbole sobre o sacrifício humano e a imprudência nos leva a concluir que os estados que acabaram com as quarentenas rapidamente devem ter experimentado um número muito pior de mortes por covid do que os estados que mantiveram as quarentenas por mais tempo. Na verdade, quando se trata de quarentenas, nos disseram, quanto mais tempo, melhor. Idealmente, os lockdowns não devem ser afrouxados até que todos possam ser vacinados.

Mas as coisas não saíram como esperado. Os especialistas se esforçaram para encontrar explicações para o porquê disso, mas o fato é que alguns dos estados mais rígidos (ou seja, Nova York e Massachusetts) têm mortes por covid em taxas muito piores do que os estados “imprudentes” como Geórgia e Flórida.

Além disso, com pouco a mostrar sobre seus lockdowns em termos de “saúde pública”, esses estados com quarentenas extremas também apresentam algumas das piores taxas de desemprego. Isso ocorreu apesar do fato de que os especialistas insistiram que o fracasso em impor lockdowns condenaria a economia de um estado a um desastre econômico posterior.

Comparações de estado para estado não estão ajudando a narrativa de pró lockdown

Um ano após o início das ordens para ficar em casa, até mesmo os meios de comunicação comuns estão sendo forçados a reconhecer que os resultados não são o que foi previsto. A Associated Press relatou no início desta semana:

    A Califórnia e a Flórida têm uma taxa de casos COVID-19 de cerca de 8.900 por 100.000 residentes desde o início da pandemia, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças federais. E ambos estão no meio entre os estados nas taxas de mortalidade COVID-19 – a Flórida ocupava o 27º lugar na sexta-feira; Califórnia foi o 28º.

Connecticut e Dakota do Sul são outro exemplo. Ambos estão entre os 10 piores estados quanto as taxas de mortalidade COVID-19. No entanto, o governador de Connecticut, Ned Lamont, um democrata, impôs várias restrições em todo o estado no ano passado após um aumento precoce de mortes, enquanto o governador de Dakota do Sul, Kristi Noem, um republicano, não emitiu decretos, já que as mortes por vírus dispararam no outono….

Como a Flórida, o Missouri não tinha um decreto de máscara em todo o estado, encerrou as restrições de negócios em junho passado e tem uma taxa cumulativa de mortalidade COVID-19 semelhante à da Califórnia.

Até o LA Times foi forçado a admitir essa realidade, embora insistisse que, quando você considera os níveis mais altos de pobreza e “superlotação” na Califórnia – tradução: a Califórnia é um terreno fértil para doenças – a Califórnia deveria ter taxas muito piores do que a Flórida para mortes por covid. Assim, o LA Times conclui: “A Califórnia controlou melhor o vírus”.

O LA Times prossegue apontando para o fato de que a taxa de mortalidade covid da Flórida, embora semelhante, é, no entanto, 6% maior do que a da Califórnia, e isso se traduz em três mil mortes que presumivelmente não teriam acontecido se a Flórida tivesse adotado regras de quarentena semelhantes às da Califórnia.

Mas os números não combinam tão bem em favor de lockdowns se usarmos o método do LA Times para fazer outras comparações. Por exemplo, a taxa total de mortes por milhão de Nova York é 67% maior do que a da Flórida. Traduzido em números brutos, isso significa que se a Flórida fosse como Nova York, a Flórida teria experimentado 54.000 mortes em vez das 33.000 que o CDC agora atribui ao covid na Flórida. (Os resultados de Nova Jersey são ainda piores do que os de Nova York.)

Da mesma forma, se a Flórida fosse como Massachusetts em seus resultados, a Flórida teria experimentado 54% mais mortes.

Se o LA Times vai alegar que a superlotação deve se traduzir em mais mortes na Califórnia, ele também deve observar que a Flórida se sai pior do que a Califórnia em termos de idade média e incidência de obesidade. Visto que a idade avançada e a obesidade são os principais fatores em hospitalizações e mortes por covid, podemos concluir que é a Flórida, e não a Califórnia, que preenche mais requisitos para números de covid especialmente ruins.

(De acordo com o CDC, Flórida e Nova York são equiparadas em termos de obesidade, a Flórida tem mais obesidade do que Massachusetts, e a Flórida tem a idade mediana mais alta de todas.)

E quanto à Geórgia, aquele experimento com sacrifício humano? Bem, o CDC relata a taxa total de mortes por milhão da Geórgia em 1.720. Isso é pior do que a taxa de 1.400 da Califórnia, mas a Geórgia ainda é de longe melhor do que Nova York, Nova Jersey e Massachusetts, que têm taxas de 2.530, 2.690 e 2.400, respectivamente.

E quanto ao desempenho econômico?

Enquanto isso, é provável que as economias da Flórida e da Geórgia tenham sofrido menos. Embora o Daily Beast nos tenha garantido que “os danos serão substanciais tanto do ponto de vista médico quanto econômico” se um estado encerrar as quarentenas “muito cedo”, agora descobrimos que as taxas de desemprego na Flórida e na Geórgia são 4,8 e 5,1, respectivamente.

Na Califórnia, o quadro é bem diferente, onde a taxa de desemprego agora está em 9%. Nova York não se sai muito melhor, com uma taxa de desemprego de 8,8%. Nova Jersey chega a 7,9%.

Em outras palavras, as terríveis previsões em torno dos estados que cancelaram as ordens para ficar em casa pela primeira vez foram espetacularmente erradas. Muitos entusiastas do lockdown farão agora o que o LA Times fez: discutir sobre pequenas diferenças entre a Flórida e a Califórnia para mostrar que a Califórnia se saiu um pouco melhor. Nova York, é claro, será completamente ignorada.

Como um médico da UC San Francisco admitiu: “Seria de se esperar que as Floridas do mundo tivessem se saído tremendamente pior do que as Californias do mundo…” Lugares como a Flórida e a Geórgia deveriam ser arrasados por um tsunami absoluto de morte se eles fossem “imprudentes” em acabar com restrições covid. Isso não aconteceu.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO