A maior vítima da COVID-19 são seus Direitos Individuais

3
Tempo estimado de leitura: 14 minutos

Enquanto as vítimas das contramedidas da COVID-19 impostas pelo governo são múltiplas, a maior e mais trágica de todas elas é a perda de liberdades individuais. Como observado por Jonathan Sumption no seu comentário ao Telegraph em 15 de fevereiro de 2021:[1]

“O que nos torna uma sociedade livre é o fato de que, ainda que o estado tenha poderes vastos, há limites convencionais sobre o que ele pode fazer com esses poderes. Os limites são convencionais porque eles não dependem de nossas leis, mas de nossas atitudes.

Existem facetas da vida humana que são nossas, um espaço pessoal no qual o estado não deveria se intrometer sem uma justificativa excepcional.

A democracia liberal se deteriora quando maiorias amedrontadas exigem coerção em massa de seus concidadãos, e pedem para que o nosso espaço pessoal seja invadido. Essas exigências são invariavelmente baseadas no que as pessoas consideram ser o bem comum. Todas elas afirmam que o despotismo é do interesse público.”

Uma liberdade frágil

Como Sumption aponta, “Nós não podemos entrar e sair do totalitarismo sempre que quisermos.” Ou escolhemos a liberdade, ou escolhemos viver sob a regra autoritária. Mesmo se (e há um grande “se” nesse ponto) restrições forem revogadas, a atitude do público pode colocar a liberdade em maus lençóis, já que a aceitação pública do governo passar de seus limites permitirá que o mesmo ocorra de novo e de novo a qualquer momento.

Esse é um problema sério, já que sempre haverá outras epidemias e pandemias. Há sempre a ameaça de terrorismo e mudança climática. Sempre haverá uma calamidade de saúde pública, seja obesidade ou diabetes, que podem ser usadas como justificativa para o governo se intrometer em nossas vidas privadas.

“Um limite foi ultrapassado”, escreve Sumption.[2] “Um grande tabu se foi. Outros governos dirão que a única questão que importa é se funciona e se eles podem ‘se safar’ … Já temos um exemplo notável. A vacina, que deveria tornar a quarentena desnecessária, tornou-se um motivo para mantê-la em vigor …

Infecções, hospitalizações e mortes estão caindo, mas milhões que praticamente não correm risco estão sendo mantidos em prisão domiciliar. Isso está sendo feito principalmente porque um regime seletivo de controles seria muito difícil para o estado aplicar. A coerção rapidamente se torna um objeto em si mesma.”

Vale a pena lutar pela liberdade pessoal

A liberdade pessoal, como apontada por Sumption, é criticamente importante, e talvez mais importante que tudo, para nossa saúde física e mental, é a liberdade para interagir com outros seres humanos. Essa é uma das necessidades humanas mais básicas e cruciais. Bebês privados de interação física não crescem e correm maior risco de morte.

Mas crianças, adolescentes, adultos e idosos não têm menos necessidade dela. Podemos tolerar a falta dela por mais tempo sem efeitos nocivos marcantes, mas com o tempo, isso afeta a saúde, a estabilidade emocional e a longevidade. O fato de permitirmos que o governo proíba a interação humana é um terrível sinal de uma sociedade à beira da autodestruição.

“Não tenho dúvidas de que existem situações extremas em que controles opressivos sobre nossas vidas diárias podem ser necessários e justificados”, escreve Sumption.[3]

Uma epidemia de Ebola, com uma taxa de mortalidade de 50%, por exemplo, pode se qualificar. No entanto, a COVID-19 está longe de ser uma ameaça séria. Conforme observado por Sumption, a COVID-19 “está bem dentro da faixa de perigos com os quais sempre tivemos, e sempre teremos, que conviver”.

Dados[4] mostram que a taxa geral de mortalidade por infecção não institucionalizada é de 0,26%. Pessoas com menos de 40 anos têm um risco de apenas 0,01% de morrer devido à infecção. A grande maioria dos testes positivos para SARS-CoV-2 não apresenta nenhum sintoma e a maioria não fica gravemente doente.

Devemos reaprender a aceitar as inevitabilidades da vida

Além disso, a idade média de morte por COVID-19 está em algum lugar entre 76,9, de acordo com um estudo,[5] e 82, de acordo com dados do governo do Reino Unido citados por Sumption.[6]

De qualquer forma, isso é em torno da idade média de morte por qualquer causa e, portanto, não é uma ameaça ultrajante à saúde pública. No entanto, o público voluntariamente abre mão da liberdade de viver uma vida normal, de alguma forma estranhamente convencido de que, ao negociar sua liberdade, as pessoas no final da vida serão poupadas da dor da morte. Elas não serão. Nenhum de nós será.

As inevitabilidades da vida – que incluem a incerteza, o risco momento a momento e a certeza da morte – exigem que não solicitemos que as pessoas deixem de viver para “salvar” outras das consequências de uma saúde debilitada, independentemente da idade. Isso é tão desumano quanto ilógico.

Em vez disso, a resposta, se realmente queremos proteger as massas, é educar e promover uma vida saudável em todas as fases da vida. Melhorar sua saúde por meio de um estilo de vida saudável, sol, ar fresco e comida de verdade é a melhor maneira de proteger a maioria das pessoas.

Colocar em quarentena e evitar a interação humana são provavelmente as piores coisas que você pode fazer por si mesmo e pela sociedade em geral.

E não sigamos o caminho de toda a devastação psicológica causada por ensinar as crianças a temerem suas próprias mãos, outras pessoas, o ar que respiram e que sua própria presença representa uma ameaça letal para os outros.

A imprensa tornou-se um instrumento de controle

Historicamente, a imprensa foi vista como um instrumento crucial para um público bem-informado e, portanto, como um suporte para uma sociedade livre e democrática. Na verdade, é por isso que jornalistas e meios de comunicação eram conhecidos como “o Quarto Poder”. Foi um reconhecimento de sua influência social. Para ser eficaz, a imprensa precisava desenvolver uma certa confiança pública. Hoje, a confiança na mídia convencional diminuiu drasticamente, e por boas razões.

Repetidamente, repórteres e meios de comunicação inteiros foram pegos vendendo notícias falsas, e quando a imprensa engana em vez de informar o público sobre os fatos, ela se torna uma ferramenta para a tirania. Seus espectadores se tornam mais ignorantes a cada dia, em vez de mais informados e, portanto, mais facilmente controlados e manipulados.

Em um artigo recente da Substack,[7] o jornalista independente Matt Taibbi aborda a tentativa da professora da UCLA e colíder do Centro de Investigação Crítica da Internet da UCLA, Sarah Roberts, de afastar os leitores da Substack. “A Substack é uma perigosa ameaça direta à mídia tradicional de notícias”, tuitou Roberts.

De acordo com seu raciocínio incompleto, os jornalistas que deixam as redações convencionais em busca da Substack e outros portais independentes estão tirando vantagem injusta da confiança que ganharam enquanto empregados remunerados no Quarto Poder. Então, uma vez por conta própria, eles podem imprimir o que quiserem sem ter que passar pela árdua tarefa de checar os fatos e outros procedimentos padrão.

“Insinuar que a confiança é algo que só pode ser conferido a uma redação convencional está além de um insulto, especialmente porque as principais organizações de notícias há muito tempo começaram a se tornar infames por trair exatamente aquelas ‘normas’ sagradas às quais Roberts se refere”, escreve Taibbi. [8]

“Por que uma fonte como o ex contratante da NSA Edward Snowden escolheu se apresentar a Glenn Greenwald em particular? Ele certamente não se incomodou com o fato de que Glenn não subiu na hierarquia de um jornal como o New York Times ou o Washington Post.

A resposta se conecta a um dos principais motivos pelos quais o público está migrando para lugares como o Substack: a percepção de que os meios de comunicação tradicionais se tornaram ferramentas dos próprios interesses corporativos e políticos que deveriam estar supervisionando.

Roberts reclama que as linhas divisórias entre opinião e reportagem estão confusas na Substack (um comentário absurdo por si só, mas isso é um problema à parte), mas o problema de ‘indefinição’ nessas outras organizações é muito mais grave. Jornais como o New York Times controlam o poder ou são agentes dele?”

Um século de mídia controlada

Conforme detalhado em “Reuters e BBC flagradas pegando dinheiro para campanha de propaganda“, a infiltração e a manipulação da mídia tem sido uma ocorrência rotineira desde 1915, quando as participações de JP Morgan, incluindo as indústrias do aço e construção naval, compraram o controle editorial de 25 dos mais influentes jornais, permitindo-lhes controlar notícias sobre preparação militar, políticas financeiras e outras histórias consideradas cruciais para seus interesses privados e corporativos.

Então, em 1948, a CIA lançou a Operação Mockingbird, uma campanha clandestina de infiltração na mídia que permitiu à agência controlar e injetar sua própria propaganda na grande imprensa. Hoje, várias décadas depois, está claro que a Operação Mockingbird nunca cessou. Conforme observado por Taibbi:[9]

“Os principais canais a cabo ‘tradicionais’, assim como muitos dos maiores jornais diários, há anos se envolvem em uma louca onda de contratação de ex espiões, colocando ninhos inteiros de conhecidos perjuros e capangas de Langley em suas folhas de pagamento como colaboradores, onde eles fornecem regularmente ‘comentários’ sobre as notícias nas quais eles próprios têm envolvimento.”

A máquina de propaganda moderna também inclui a Big Tech, que permite o controle de informações antes impensável por meio de censura automatizada em um espectro muito mais amplo de fontes.

Literalmente da noite para o dia, um indivíduo ou empresa envolvida na disseminação de informações verdadeiras que vão contra o status quo pode ter seu site banido pelos mecanismos de pesquisa, suas contas de mídia social eliminadas, seus serviços de hospedagem na web e e-mail cancelados e seus sistemas de pagamento online desligados. De um dia para o outro, você, seus pensamentos, opiniões e todo o seu trabalho árduo podem ser efetivamente apagados.

Figurões políticos pedem censura maciça

Agora estamos vendo até políticos começando a exigir a censura de oponentes políticos e veículos de notícias que não seguem adequadamente a linha política.

Os democratas da Câmara dos Estados Unidos da Califórnia – Anna Eshoo e Jerry McNerney – chegaram ao ponto de enviar uma carta a uma dúzia de empresas de TV a cabo, satélite e streaming, basicamente dizendo-lhes para censurar ou remover a Fox News, Newsmax e OANN. Conforme observado por Glenn Greenwald em um artigo[10] sobre a rápida escalada de pedidos de censura do governo:

“A justificativa dos democratas para silenciar seus adversários online e na mídia – ‘Eles estão espalhando notícias falsas e incitando o extremismo’ – é o que dizem os déspotas em toda parte … Desde quando é papel do governo dos Estados Unidos arbitrar e fazer cumprir os preceitos de ‘integridade jornalística’?

A menos que você acredite no direito do governo de regular e controlar o que a imprensa diz – um poder que a Primeira Emenda proíbe explicitamente – como alguém pode se sentir confortável com membros do Congresso se arrogando o poder de ditar quais meios de comunicação têm permissão para relatar e controlar como eles discutem e analisam as notícias do dia?”

O comissário da FCC, Brendan Carr, denunciou veementemente as ações dos democratas, chamando-as de “desvio marcante das normas da Primeira Emenda”, acrescentando que as demandas são “uma transgressão arrepiante dos direitos de liberdade de expressão de que todos os meios de comunicação neste país gozam … Nenhum funcionário do governo tem qualquer empresa perguntando sobre os ‘princípios morais’ que orientam a decisão de uma entidade privada sobre quais notícias levar. ”[11]

Qual o objetivo do controle?

É importante perceber que ditadores autoritários não estão, de fato, tentando ajudá-lo. Eles estão tentando mudar você. A censura não protege o público. É um mecanismo de controle, já que é improvável que você se rebele contra uma injustiça que você nem sabe que existe, ou se você sabe sobre ela, sua compreensão do problema é diametralmente oposta à verdade; portanto, você apoiará uma “solução” que irá perpetuar ou aprofundar o problema.

Em um nível ainda mais profundo, censura e supressão de informação é um esforço para alterar suas faculdades cognitivas, por que como você define pessoas e coisas que você não tem permissão para criticar? Conforme observado por Taibbi, a Big Tech e a mídia são ferramentas para políticos, empresas e a indústria de inteligência, cujos interesses são frequentemente diametralmente opostos aos das pessoas.

As empresas químicas não podem vender seus produtos tóxicos se um público informado os rejeitar. A indústria de alimentos falsos não pode florescer se o público entender os fundamentos da saúde. A tecnocracia não pode ser implementada se um público informado se opõe à agenda, e assim por diante.

O que vemos, mais claro do que nunca hoje em dia, é a divisão no jornalismo onde as normas da velha escola de coletar dados e depois entregá-los ao público e permitir que eles decidam se é bom ou ruim foram substituídas por interpretação subjetiva dos dados.

Essencialmente, a maioria dos repórteres convencionais agora lhe dizem como pensar sobre um determinado tópico. Eles até nos dizem como pensar sobre as pessoas que se recusam a pensar da maneira que foram instruídas a pensar. Dessa forma, o público acaba fazendo o trabalho sujo de censurar, cancelar e desumanizar o indesejável para ele.

Poder através da medicina

Enquanto o surgimento das ditaduras historicamente envolveu o uso das forças armadas para subjugar um público rebelde, a ditadura de hoje depende fortemente do uso da medicina como arma ideológica e do controle da informação. Se você dedicou um tempo para se familiarizar com o conceito de tecnocracia, que tem um componente trans humanista distinto, verá por que isso faz todo o sentido e era, de fato, inteiramente previsível.

Ao amarrar a questão dos cuidados de saúde ao aparato de vigilância digital, você acaba com uma plataforma muito robusta para controle de massa automatizado. O uso do medo também funciona bem neste cenário, uma vez que muitos desejam permanecer vivos e não querem que seus entes queridos morram. Então, eles caem em mentiras como “temos que fechar o mundo e nos isolar dentro de casa por meses a fio ou todos morreremos”.

Uma figura importante neste esquema de ditadura médica é Bill Gates, que agora exerce uma influência dominante não apenas sobre a Big Tech, mas também sobre a política de saúde global, agricultura e política alimentar (incluindo biopirataria e alimentos falsos), modificação do clima e outras tecnologias climáticas[12], vigilância, educação e mídia. Conforme relatado por The GrayZone:[13]

“Além da bonança de relações públicas sobre Gates, existe uma história perturbadora que deve levantar preocupações sobre se os planos de sua fundação para resolver a pandemia irão beneficiar o público global tanto quanto expandir e consolidar seu poder sobre as instituições internacionais.

A Fundação Gates já privatizou efetivamente o organismo internacional encarregado de criar a política de saúde, transformando-o em um veículo para o domínio corporativo. Facilitou o despejo de produtos tóxicos nas pessoas do Sul Global e até mesmo usou os pobres do mundo como cobaias para experimentos com drogas.

A influência da Fundação Gates sobre a política de saúde pública depende praticamente de garantir que os regulamentos de segurança e outras funções do governo sejam fracos o suficiente para serem contornados … Fortes evidências sugerem que a Fundação Gates funciona como um cavalo de Tróia para as empresas ocidentais, que obviamente não têm objetivo maior do que uma linha de fundo aumentada.”

De fato, conforme revisado em “Bill Gates – o filantropo mais perigoso da história moderna?”, Gates doa bilhões para empresas privadas e é investido nos próprios produtos e negócios para os quais doa dinheiro e promove como soluções para os problemas do mundo, sejam eles fome, doenças, vírus pandêmicos ou mudanças climáticas.

Conforme sugerido pelo The GrayZone, o império da saúde global de Gates é mais sobre a construção de um império para ele e seus camaradas tecnocratas do que a promoção da saúde pública.[14]

O Grande Reinício – um plano para capitalizar com a pandemia da COVID-19

Por um tempo, havia tanta incerteza sobre o SARS-CoV-2 e a infecção que ele causa que você está perdoado se optou por errar por excesso de cautela. Agora, no entanto, um ano inteiro depois, tornou-se óbvio que esta pandemia nunca foi tão séria quanto retratada pela mídia e que está sendo usada (seja pré-planejada ou não) como um veículo conveniente para uma revisão radical de quase todos os aspectos da vida. E não para melhor.

Em um relatório recente, o jornalista independente Johnny Vedmore investigou a história profissional e pessoal Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, que escreveu os livros A Quarta Revolução Industrial (2016), Moldando a Quarta Revolução Industrial (2018) e COVID-19: O Grande Reinício, consolidando assim seu papel como uma figura central para o movimento da tecnocracia moderna. Vedmore escreve:[15]

“Como a força motriz do Fórum Econômico Mundial […] Schwab tem cortejado chefes de estado, executivos de negócios e a elite dos círculos acadêmicos e científicos para o rebanho de Davos por mais de 50 anos.

Mais recentemente, ele também cortejou a ira de muitos devido ao seu papel mais recente como o líder do Grande Reinício, um grande esforço para refazer a civilização globalmente para o benefício expresso da elite do Fórum Econômico Mundial e seus aliados […]

Como muitos líderes proeminentes de agendas patrocinadas pela elite, o registro online de Schwab foi bem higienizado, tornando difícil encontrar informações sobre sua história inicial, bem como informações sobre sua família.

No entanto, tendo nascido em Ravensburg, Alemanha, em 1938, muitos especularam nos últimos meses que a família de Schwab poderia ter algum vínculo com os esforços de guerra do Eixo, laços que, se expostos, poderiam ameaçar a reputação do Fórum Econômico Mundial e trazer um escrutínio indesejado às suas missões e motivos professados [​​…]

Indo ainda mais fundo em suas atividades, torna-se claro que o verdadeiro papel de Schwab tem sido ‘moldar as agendas globais, regionais e industriais’ do presente, a fim de garantir a continuidade de agendas maiores e muito mais antigas que entraram em descrédito após a Segunda Guerra Mundial, não apenas a tecnologia nuclear, mas também as políticas de controle populacional influenciadas pela eugenia […]

Klaus Schwab está tentando criar a Quarta Revolução Industrial ou está tentando criar o Quarto Reich?”

O despovoamento é parte da agenda?

A história da família de Gates também é rica em eugenia[16], assim como a agenda do Clube de Roma[17], outro centro de poder tecnocrático. A Agenda 21 das Nações Unidas também sugere a necessidade de uma redução dramática no tamanho da população na próxima década.[18]

A ideia de que a eugenia pode retornar pode parecer uma possibilidade remota, mas considerando a história do uso de vacinas para inibir secretamente a fertilidade em populações nativas, seria ingênuo descartar a possibilidade imediatamente. Conforme relatado em um artigo de 2014 escrito por pesquisadores da Universidade da Louisiana e da Universidade de British Columbia:[19]

“Pesquisas publicadas mostram que em 1976 os pesquisadores da OMS conjugaram o toxoide tetânico (TT) com a gonadotrofina coriônica humana (hCG), produzindo uma vacina de ‘controle da natalidade’.

A conjugação de TT com hCG faz com que os hormônios da gravidez sejam atacados pelo sistema imunológico. Os resultados esperados são abortos em mulheres já grávidas e/ou infertilidade em receptoras ainda não grávidas. Inoculações repetidas prolongam a infertilidade. Atualmente, os pesquisadores da OMS estão trabalhando em vacinas anti-fertilidade mais potentes usando DNA recombinante.

As publicações da OMS mostram um propósito de longo prazo para reduzir o crescimento populacional em “países menos desenvolvidos” instáveis. Em novembro de 1993, surgiram publicações católicas dizendo que uma vacina abortiva estava sendo usada como profilática contra o tétano.

Em novembro de 2014, a Igreja Católica afirmou que tal programa estava em andamento no Quênia. Três laboratórios de bioquímica independentes e acreditados em Nairóbi testaram amostras de frascos da vacina antitetânica da OMS em uso em março de 2014 e encontraram hCG onde nenhum deveria estar presente […]

Dado que o hCG foi encontrado em pelo menos metade das amostras de vacinas da OMS conhecidas pelos médicos envolvidos na administração das vacinas como tendo sido usadas no Quênia, nossa opinião é que a campanha ‘anti-tétano’ do Quênia foi razoavelmente questionada pela Associação de Médicos Católicos do Quênia como uma frente para a redução do crescimento populacional.”

Determinadas vacinas também causaram infertilidade como um efeito colateral inesperado. Por exemplo, um estudo de 2018 publicado no Periódico de Toxicologia e Saúde Ambiental[20] descobriu que as mulheres que receberam vacinas contra o HPV sofreram taxas mais altas de infertilidade.

De acordo com este estudo, “se 100% das mulheres neste estudo tivessem recebido a vacina contra o HPV, os dados sugerem que o número de mulheres que já conceberam teria diminuído em 2 milhões”. Depois que críticos “céticos” das evidências científicas de que as vacinas apresentam riscos significativos à saúde atacaram publicamente o estudo, o artigo foi retirado pelo editor.[21]

O que perdemos é exponencialmente mais difícil de recuperar

É essencial salvaguardar os nossos direitos constitucionais e liberdades civis contra os excessos ilegais do governo. No entanto, muitos estão desistindo voluntariamente de liberdades que, uma vez perdidas, podem ser difíceis, senão impossíveis, de recuperar. Os passaportes de vacinas são apenas um exemplo.

Ao mostrar a prova de que recebeu a vacina COVID-19, por meio de um certificado digital ou aplicativo em seu telefone, a esperança é que você possa mais uma vez embarcar em um avião e viajar livremente, assistir a um show ou saborear uma refeição em seu restaurante favorito, como você costumava fazer.

Exceto que ser obrigado a apresentar seus “documentos” para viver sua vida não é realmente liberdade – é uma perda de liberdade pessoal que você já teve, uma que desapareceu bem diante de seus olhos e que está preparando o terreno para uma vigilância até mais intrusiva e erosão da privacidade.

Enquanto o governo tenha o dever de proteger a saúde e o bem-estar de seus cidadãos, esse dever deve ser avaliados frente a perda dos direitos e liberdades individuais. No momento, estamos enfrentando uma batalha de liberdade contra tirania. As quarentenas de longo prazo claramente não são do melhor interesse do público. Em vez disso, é o equivalente a abusar dele.

Você obedecerá ou lutará pela liberdade?

É vital entender que a grande maioria das informações às quais você é exposto na mídia convencional é propaganda cuidadosamente projetada, elaborada a partir de quase duas décadas de dados pessoais roubados e coletados de você.

Esses dados são então processados ​​por meio de algoritmos de aprendizado profundo muito sofisticados e avançados, que são capazes de prever com precisão o que acionará suas emoções para atingir o comportamento desejado.

Como identifiquei cuidadosamente em muitos artigos anteriores, esse plano resultará em perda progressiva de sua autonomia e liberdade que eventualmente resultará em tirania e escravidão. Portanto, esteja sempre vigilante e busque a verdade para que você possa entender a realidade bem o suficiente para distinguir entre um fato e uma narrativa fictícia que promete oferecer a você a libertação, mas, ao invés disso, acaba escravizando você.

Em meu livro mais recente, “A Verdade Sobre a COVID-19”, investigo as origens desse vírus e como a elite o usa para corroer lentamente sua liberdade individual. Também mostrarei como você pode se proteger contra esta doença e o que pode fazer para lutar contra os senhores tecnocráticos.

 

Artigo original aqui

Tradução de Carla Caroline

_____________________________

Notas

[1] TheTelegraph, 15 de fevereiro de 2021 (Arquivado)

[2] The Thelegraph, 15 de fevereiro de 2021 (Arquivado)

[3] O Telégrado, 15 de fevereiro de 2021 (Arquivado)

[4] Anais de Medicina Interna, 02 de setembro de 2020, DOI: 10.7326/M20-5352

[5] Anais de Medicina Interna, 02 de setembro de 2020, DOI: 10.7326/M20-5352

[6] O Telégrado, 15 de fevereiro de 2021 (Arquivado)

[7] Substack, Matt Taibbi, 01 de março de 2021

[8] Substack, Matt Taibbi, 01 de março de 2021

[9] Substack, Matt Taibbi, 01 de março de 2021

[10] Substack, Glenn Greenwald, 23 de fevereiro de 2021

[11] Substack, Glenn Greenwald, 23 de fevereiro de 2021

[12] The Nation, 16 de fevereiro de 2021

[13] The GrayZone, 08 de julho de 2020

[14] The GrayZone, 08 de julho de 2020

[15] Unlimited Hangout, 20 de fevereiro de 2021

[16] Lew Rockwell, 18 de julho de 2020

[17] Unlimited Hangout, 20 de fevereiro de 2021

[18] CS Globe, 11 de maio de 2017

[19] Periódico da Biblioteca de Acesso Aberto, outubro de 2017, 4(10): 1-30

[20] Periódico de Toxicologia e Saúde Ambiental, Parte A 2018; 81(14): 661-674

[21] Medscape, 10 de dezembro de 2019

3 COMENTÁRIOS

  1. Relaxa rapaz. A frase é estranha mesmo, mas dentro da narrativa anti-covidiana e anti-extrema imprensa é um apelo à uma certa racionalidade. Os conservadores americanos acreditam que o governo é um mal necessário, afinal de contas. Dentro do quadro geral, é impossível que este Instituto consiga publicar artigos 100% libertários. Se fosse o caso, seria só traduzir os artigos do Mises do Alabama, como eles fizeram nos primórdios do movimento, até serem roubados pelo Hélio Petrolão.

    O Bill Gates, até o sistema atacar as suas empresas, não tinha interesses na política. A Microsoft não tinha nem representante em Washington. As coisa mudaram. O sistema de violência agressiva dos criminosos do governo é bem persuasivo. Hoje em dia, a Microsoft não apenas está presente na capital mundial da máfia, mas também a sua fundação Bill e Melinda especialista em lobby na 1300 I St NW, Washington, DC. Mesmo um robocop do estado armado com um oitão tem mais poder do que bilionários…

    Outra coisa curiosa é o que se sabia sobre o Forum de Davos nos tempos de bloqueio pré-internet da extrema imprensa. Eram os poderosos capitalistas neoliberais querendo dominar o mundo. Eles ainda querem de fato isso, mas há muito tempo está claro que a sua agenda globalista não tem nada a ver com livre comércio. É o contrário. Assim é possível entender porque os socialistas se sentem tão bem naquele lugar…

    • Fala Maurício! Sim, concordo com você que é estratégico para o Instituto publicar artigos de diversas fontes e não apenas 100% libertárias e acho que mesmo com esse erro o artigo é muito válido, visto que esse não é o ponto principal do artigo, apenas comentei porque achei que seria importante deixar essa nota para os que estão chegando agora!
      Vejo que você é bem ativo nos comentários e um verdadeiro libertário! Me chama lá no Telegram @yuricw se tiver interesse de participar de um grupo libertário que tenho com alguns amigos bons libertários também…

  2. “Não tenho dúvidas de que existem situações extremas em que controles opressivos sobre nossas vidas diárias podem ser necessários e justificados” Errado!
    Os direitos naturais são absolutos e inalienáveis. Além disso quem determinará qual situação é extrema o bastante para que tais ações sejam necessárias e justificadas? Para os pandeminions e os especialistas do estado o covid é uma situação extrema o bastante… As percepções de risco são sempre subjetivas e impor controles opressivos a outras pessoas para reduzir uma percepção de risco de uma pessoa ou grupo de pessoas (estados, especialistas…) será sempre um autoritarismo.

    Esse trecho do artigo vai contra tudo o que aprendi nesse instituto ao longo dos anos. Creio que essa observação seja importante.