Epílogo

0
Tempo estimado de leitura: 87 minutos

OBSERVAÇÕES INTRODUTÓRIAS

A marca característica dessa era de ditadores, guerras e revoluções é seu viés anticapitalista. A maioria dos governos e partidos políticos está ansiosa para restringir a esfera da iniciativa privada e da livre iniciativa. É um dogma quase incontestável que o capitalismo acabou e que o advento da arregimentação total das atividades econômicas é inescapável e altamente desejável.

Não obstante, o capitalismo ainda é muito vigoroso no Hemisfério Ocidental. A produção capitalista fez um progresso notável mesmo nos últimos anos. Os métodos de produção foram muito melhorados. Os consumidores foram abastecidos com produtos melhores e mais baratos e com muitos artigos novos inéditos há pouco tempo. Muitos países aumentaram o tamanho e melhoraram a qualidade de sua fabricação. Apesar das políticas anticapitalistas de todos os governos e de quase todos os partidos políticos, o modo de produção capitalista ainda está em muitos países cumprindo sua função social de fornecer aos consumidores mais, melhores e mais baratos bens.

Certamente não é um mérito de governos, políticos e dirigentes sindicais que o padrão de vida esteja melhorando nos países comprometidos com o princípio da propriedade privada dos meios de produção. Não são escritórios e burocratas, mas grandes empresas merecem crédito pelo fato de que a maioria das famílias nos Estados Unidos possui um automóvel e um aparelho de rádio. O aumento do consumo per capita na América, em comparação com as condições de um quarto de século atrás, não é uma conquista de leis e decretos executivos. É uma conquista de homens de negócios que aumentaram o tamanho de suas fábricas ou construíram novas.

Precisa-se enfatizar esse ponto porque nossos contemporâneos tendem a ignorá-lo. Enredados nas superstições do estatismo e da onipotência governamental, eles se preocupam exclusivamente com as medidas governamentais. Eles esperam tudo de uma ação autoritária e muito pouco da iniciativa de cidadãos empreendedores. No entanto, o único meio de aumentar o bem-estar é aumentar a quantidade de produtos. É isso que os negócios visam.

É grotesco que se fale muito mais sobre as conquistas da Autoridade do Vale do Tennessee do que sobre todas as conquistas sem precedentes e incomparáveis das indústrias americanas de processamento de operação privada. No entanto, foi apenas este último que permitiu às Nações Unidas ganhar a guerra e hoje permite aos Estados Unidos virem em auxílio dos países do Plano Marshall.

O dogma de que o Estado ou o Governo é a personificação de tudo o que é bom e benéfico e de que os indivíduos são subordinados miseráveis, com a intenção exclusiva de infligir dano uns aos outros e precisam urgentemente de um tutor, é quase incontestável. É tabu questioná-lo da maneira mais leve. Aquele que proclama a deidade do Estado e a infalibilidade de seus sacerdotes, os burocratas, é considerado um estudante imparcial das ciências sociais. Todas as objeções levantadas são rotuladas como tendenciosas e mesquinhas. Os partidários da nova religião da estatolatria não são menos fanáticos e intolerantes do que os conquistadores muçulmanos da África e da Espanha.

A história chamará nossa época de era dos ditadores e tiranos. Temos testemunhado nos últimos anos a queda de dois desses super-homens inflados. Mas o espírito que elevou esses canalhas ao poder autocrático sobreviveu. Permeia livros didáticos e periódicos, fala pela boca de professores e políticos, manifesta-se em programas de partidos e em peças e romances. Enquanto esse espírito prevalecer, não pode haver esperança de paz duradoura, de democracia, de preservação da liberdade ou de melhoria contínua do bem-estar econômico da nação.

EPÍLOGO

§.1
A falha do intervencionismo

NADA é mais impopular hoje do que a economia de livre mercado, i.e., o capitalismo. Tudo o que é considerado insatisfatório nas condições atuais é imputado ao capitalismo. Os ateus tornam o capitalismo responsável pela sobrevivência do Cristianismo. Mas as encíclicas papais culpam o capitalismo pela disseminação da irreligião e pelos pecados de nossos contemporâneos, e as igrejas e seitas protestantes não são menos vigorosas em sua denúncia da ganância capitalista. Os amigos da paz consideram nossas guerras um desdobramento do imperialismo capitalista. Mas os inflexíveis fomentadores de guerra nacionalistas da Alemanha e da Itália acusaram o capitalismo por seu pacifismo “burguês”, contrário à natureza humana e às leis inescapáveis da história. Os pregadores acusam o capitalismo de desorganizar a família e promover a licenciosidade. Mas os “progressistas” culpam o capitalismo pela preservação de regras supostamente desatualizadas de restrição sexual. Quase todos os homens concordam que a pobreza é resultado do capitalismo. Por outro lado, muitos deploram o fato de que o capitalismo, ao atender generosamente aos desejos das pessoas que pretendem obter mais amenidades e uma vida melhor, promova um materialismo crasso. Essas acusações contraditórias do capitalismo se contrapõem. Mas permanece o fato de que existem poucas pessoas que não condenariam o capitalismo completamente.

Embora o capitalismo seja o sistema econômico da civilização ocidental moderna, as políticas de todas as nações ocidentais são guiadas por ideias totalmente anticapitalistas. O objetivo dessas políticas intervencionistas não é preservar o capitalismo, mas substituí-lo por uma economia mista. Presume-se que essa economia mista não seja capitalismo nem socialismo. É descrito como um terceiro sistema, tão distante do capitalismo quanto do socialismo. Alega-se que fica a meio caminho entre o socialismo e o capitalismo, retendo as vantagens de ambos e evitando as desvantagens inerentes a cada um.

Mais de meio século atrás, o homem proeminente do movimento socialista britânico, Sidney Webb, declarou que a filosofia socialista é “apenas a afirmação consciente e explícita de princípios de organização social que já foram em grande parte adotados inconscientemente”. E acrescentou que a história econômica do século XIX foi “um registro quase contínuo do progresso do socialismo”.[1] Alguns anos depois, um eminente estadista britânico, Sir William Harcourt, declarou: “Somos todos socialistas agora.”[2] Quando, em 1913, um americano, Elmer Roberts, publicou um livro sobre as políticas econômicas do governo imperial da Alemanha conduzidas desde o final dos anos 70, ele as chamou de “socialismo monárquico”.[3]

No entanto, não era correto simplesmente identificar intervencionismo e socialismo. Existem muitos apoiadores do intervencionismo que o consideram o método mais apropriado para realizar — passo a passo — o socialismo pleno. Mas também há muitos intervencionistas que não são socialistas declarados; objetivam o estabelecimento da economia mista como um sistema permanente de gestão econômica. Eles se esforçam para restringir, regular e “melhorar” o capitalismo pela interferência do governo nas empresas e pelo sindicalismo trabalhista.

Para compreender o funcionamento do intervencionismo e da economia mista é necessário esclarecer dois pontos:

Primeiro: se dentro de uma sociedade baseada na propriedade privada dos meios de produção alguns desses meios são propriedade e operados pelo governo ou pelos municípios, isso ainda não significa um sistema misto que combinaria socialismo e propriedade privada. Enquanto apenas certas empresas forem controladas publicamente, as características da economia de mercado que determinam a atividade econômica permanecem essencialmente inalteradas. As empresas públicas, também, como compradoras de matérias-primas, produtos semiacabados e mão-de-obra, e como vendedores de bens e serviços, precisam se ajustar ao mecanismo da economia de mercado. Eles estão sujeitos às leis do mercado; eles têm de se esforçar para obter lucros ou, pelo menos, evitar perdas. Quando se tenta mitigar ou eliminar essa dependência, cobrindo as perdas dessas empresas com subsídios de fundos públicos, o único resultado é um deslocamento dessa dependência para outro lugar. Isso ocorre porque os meios para os subsídios precisam ser levantados em algum lugar. Eles podem ser aumentados através da cobrança de impostos. Mas a carga de tais impostos tem seus efeitos sobre o público, não sobre o governo que arrecada o imposto. É o mercado, e não o departamento de receite, que decide sobre quem recai a carga do imposto e como isso afeta a produção e o consumo. O mercado e sua lei inescapável são supremos.

Segundo: Existem dois padrões diferentes para a realização do socialismo. O primeiro padrão — podemos chamá-lo de padrão marxista ou russo — é puramente burocrático. Todas as empresas econômicas são departamentos do governo, assim como a administração do exército e da marinha ou do sistema de correios. Cada fábrica, loja ou fazenda está na mesma relação com a organização central superior da mesma forma que uma agência dos correios com o escritório do diretor-geral dos correios. A nação inteira forma um único exército de trabalho com serviço obrigatório; o comandante desse exército é o chefe de estado.

O segundo padrão — podemos chamá-lo de sistema alemão ou Zwangswirtschaft[4] — difere do primeiro porque, aparentemente e nominalmente, mantém a propriedade privada dos meios de produção, o empreendedorismo e as trocas de mercado. Os chamados empreendedores fazem a compra e venda, pagam os trabalhadores, contraem dívidas e pagam juros e amortizações. Mas eles não são mais empreendedores. Na Alemanha nazista, eles eram chamados de gerentes de loja ou Betriebsführer. O governo diz a esses aparentes empreendedores o que e como produzir, a que preços e de quem comprar, a que preços e a quem vender. O governo decreta com que salários os trabalhadores precisam trabalhar, a quem e sob quais condições os capitalistas devem confiar seus fundos. A troca de mercado é apenas uma farsa. Como todos os preços, salários e taxas de juros são fixados pela autoridade, eles são preços, salários e taxas de juros apenas na aparência; na verdade, são termos meramente quantitativos nas ordens autoritárias que determinam a renda, o consumo e o padrão de vida de cada cidadão. A autoridade, não os consumidores, dirige a produção. O conselho central de gerenciamento da produção é supremo; todos os cidadãos nada mais são do que servos civis. Isso é socialismo com a aparência externa de capitalismo. Alguns rótulos da economia de mercado capitalista são mantidos, mas significam aqui algo totalmente diferente do que significam na economia de mercado.

É necessário apontar esse fato para evitar uma confusão entre socialismo e intervencionismo. O sistema da economia de mercado obstruída, ou intervencionismo, difere do socialismo pelo próprio fato de ainda ser uma economia de mercado. A autoridade busca influenciar o mercado pela intervenção de seu poder coercitivo, mas não quer eliminá-lo por completo. Deseja que a produção e o consumo se desenvolvam em linhas diferentes daquelas prescritas pelo livre mercado e deseja atingir seu objetivo injetando no funcionamento das ordens do mercado, comandos e proibições para cujas aplicações o poder de polícia e seu aparato de coerção e a compulsão permanece preparado. Mas essas são intervenções isoladas; seus autores afirmam que não planejam combinar essas medidas em um sistema completamente integrado que regula todos os preços, salários e taxas de juros, e que, portanto, coloca o controle total da produção e do consumo nas mãos das autoridades.

No entanto, todos os métodos de intervencionismo estão fadados ao fracasso. Isso significa: as medidas intervencionistas precisam necessariamente resultar em condições que, do ponto de vista de seus próprios defensores, sejam mais insatisfatórias do que o estado de coisas anterior que foram designados a alterar. Essas políticas são, portanto, contrárias ao propósito.

Taxas mínimas de salários, sejam impostos por decreto do governo ou por pressão e compulsão sindical, são inúteis se fixarem os salários no nível do mercado. Mas se eles tentam aumentar os salários acima do nível que o mercado de trabalho livre teria determinado, eles resultam no desemprego permanente de uma grande parte da força de trabalho potencial.

Os gastos do governo não podem criar empregos adicionais. Se o governo fornece os fundos exigidos pela tributação dos cidadãos ou por empréstimos do público ele elimina empregos tanto quanto cria. Se os gastos do governo são financiados por empréstimos dos bancos comerciais, isso significa expansão do crédito e inflação. Se, no decurso de tal inflação, o aumento dos preços das mercadorias exceder o aumento dos salários nominais, o desemprego cairá. Mas o que faz o desemprego diminuir é precisamente o fato de que os salários reais estão caindo.

A tendência inerente da evolução capitalista é aumentar as taxas salárais reais de forma constante. Esse é o efeito da acumulação progressiva de capital por meio da qual os métodos tecnológicos de produção são aprimorados. Não há meio pelo qual o nível das taxas salariais possa ser aumentado para todos aqueles que desejam ganhar salários, a não ser por meio do aumento da cota per capita de capital investido. Sempre que cessa a acumulação de capital adicional, a tendência para um novo aumento das taxas de salários reais cessa. Se o consumo de capital for substituído por um aumento no capital disponível, os salários reais precisam cair temporariamente até que os freios a um novo aumento de capital sejam removidos. Medidas governamentais que retardam a acumulação de capital ou levam ao consumo de capital, como tributação confiscatória — são, portanto, prejudiciais aos interesses vitais dos trabalhadores.

A expansão do crédito pode provocar um boom temporário. Mas essa prosperidade fictícia precisa terminar em uma depressão geral do comércio, uma queda.

Dificilmente pode-se afirmar que a história econômica das últimas décadas contrariou as previsões pessimistas dos economistas. Nossa época tem de enfrentar grandes problemas econômicos. Mas essa não é uma crise do capitalismo. É a crise do intervencionismo, das políticas destinadas a melhorar o capitalismo e substituí-lo por um sistema melhor.

Nenhum economista jamais ousou afirmar que o intervencionismo poderia resultar em outra coisa senão em desastre e caos. Os defensores do intervencionismo — principalmente a Escola Histórica Prussiana e os Institucionalistas Americanos — não eram economistas. Pelo contrário. A fim de promover seus planos, eles negaram categoricamente que existisse algo como lei econômica. Em sua opinião, os governos são livres para alcançar tudo o que almejam, sem serem restringidos por uma regularidade inexorável na sequência dos fenômenos econômicos. Como o socialista alemão Ferdinand Lassalle, eles afirmam que o Estado é Deus.

Os intervencionistas não abordam o estudo das questões econômicas com desinteresse científico. A maioria deles é movida por um ressentimento invejoso contra aqueles cuja renda é maior do que a sua. Esse preconceito torna impossível para eles ver as coisas como realmente são. Para eles, o principal não é melhorar as condições das massas, mas prejudicar os empreendedores e capitalistas, mesmo que essa política vitimize a imensa maioria da população.

Aos olhos dos intervencionistas, a mera existência de lucros é questionável. Falam de lucro sem tratar de seu corolário, a perda. Não compreendem que os lucros e as perdas são os instrumentos através dos quais os consumidores controlam todas as atividades empresariais. São os lucros e as perdas que tornam os consumidores supremos na direção dos negócios. É absurdo comparar produção para lucro e produção para uso. No livre mercado, um homem só pode obter lucros fornecendo aos consumidores da maneira melhor e mais barata os produtos que eles desejam usar. Lucros e perdas retiram os fatores materiais de produção das mãos dos ineficientes e os colocam nas mãos dos mais eficientes. É sua função social tornar o homem tanto mais influente na condução dos negócios quanto melhor ele consegue produzir mercadorias pelas quais as pessoas lutam. Os consumidores sofrem quando as leis do país impedem os empresários mais eficientes de expandir o âmbito de suas atividades. O que fez com que alguns empreendimentos se tornassem “grandes negócios” foi precisamente o sucesso deles em atender da melhor forma a demanda das massas.

As políticas anticapitalistas sabotam a operação do sistema capitalista da economia de mercado. O fracasso do intervencionismo não demonstra a necessidade de adoção do socialismo. Simplesmente expõe a futilidade do intervencionismo. Todos aqueles males que os autodenominados “progressistas” interpretam como evidência do fracasso do capitalismo são o resultado de sua interferência supostamente benéfica no mercado. Só os ignorantes, identificando erroneamente o intervencionismo e o capitalismo, acreditam que o remédio para esses males é o socialismo.

§.2
O caráter socialista, antidemocrático e ditatorial do intervencionismo

Muitos defensores do intervencionismo ficam perplexos quando alguém lhes diz que, ao recomendar o intervencionismo, eles próprios estão promovendo tendências antidemocráticas e ditatoriais e o estabelecimento do socialismo totalitário. Eles protestam que são crentes sinceros e se opõem à tirania e ao socialismo. O que eles visam é apenas a melhoria das condições dos pobres. Eles dizem que são movidos por considerações de justiça social e favorecem uma distribuição de renda mais justa, precisamente porque pretendem preservar o capitalismo e seu corolário político ou superestrutura, a saber, o governo democrático.

O que essas pessoas não percebem é que as várias medidas que sugerem não são capazes de produzir os resultados benéficos almejados. Pelo contrário, eles produzem um estado de coisas que, do ponto de vista de seus defensores, é pior do que o estado anterior que eles pretendiam alterar. Se o governo, diante do fracasso de sua primeira intervenção, não está preparado para desfazer sua interferência no mercado e retornar a uma economia livre, precisa adicionar à sua primeira medida cada vez mais regulamentações e restrições. Prosseguindo passo a passo nesse caminho, finalmente chega-se a um ponto em que toda a liberdade econômica dos indivíduos desapareceu. Então surge o socialismo de padrão alemão, o Zwangswirtschaft dos nazistas.

Já mencionamos o caso das taxas salariais mínimas. Deixe-nos ilustrar o assunto com uma análise de um caso típico de controle de preços.

Se o governo quer possibilitar que pais pobres deem mais leite a seus filhos, ele precisa comprar o leite ao preço de mercado e vendê-lo àqueles pobres com prejuízo a uma taxa mais barata; o prejuízo pode ser coberto com os meios cobrados pela tributação. Mas se o governo simplesmente fixar o preço do leite em uma taxa inferior à do mercado, os resultados obtidos serão contrários aos objetivos do governo. Os produtores marginais irão, para evitar perdas, sair do ramo de produção e de comercialização de leite. Haverá menos leite disponível para os consumidores, não mais. Esse resultado é contrário às intenções do governo. O governo interferiu porque considerou o leite uma necessidade vital. Ele não queria restringir seu fornecimento.

Agora o governo tem de enfrentar a alternativa: ou abster-se de qualquer esforço de controle de preços, ou agregar à sua primeira medida uma segunda, i.e., fixar os preços dos fatores de produção necessários à produção do leite. Então, a mesma história se repete em um plano mais remoto: o governo precisa novamente fixar os preços dos fatores de produção necessários para a produção daqueles fatores de produção que são necessários para a produção do leite. Assim, o governo tem de ir cada vez mais longe, fixando os preços de todos os fatores de produção — tanto humanos (trabalho) quanto materiais — e forçando todo empreendedor e todo trabalhador a continuar trabalhando com esses preços e salários. Nenhum ramo de produção pode ser omitido dessa fixação geral de preços e salários e dessa ordem geral de continuar a produção. Se alguns ramos da produção fossem deixados livres, o resultado seria uma transferência de capital e trabalho para eles e uma queda correspondente da oferta de bens cujos preços o governo fixou. No entanto, são precisamente esses bens que o governo considera especialmente importantes para a satisfação das necessidades das massas.

Mas quando esse estado de controle total dos negócios é alcançado, a economia de mercado foi substituída por um sistema de economia planejada, pelo socialismo. Claro, esse não é o socialismo de gestão estatal imediata de cada fábrica pelo governo, como na Rússia, mas o socialismo do padrão Alemão ou Nazista.

Muitas pessoas ficaram fascinadas com o suposto sucesso do controle de preços alemão. Eles disseram: Você só precisa ser tão brutal e implacável quanto os nazistas e você terá sucesso em controlar os preços. O que essas pessoas, ávidas por combater o nazismo adotando seus métodos, não viram que os nazistas não impunham o controle de preços dentro de uma sociedade de mercado, mas que estabeleceram um sistema socialista completo, uma riqueza-comum totalitária.

O controle de preços é contrário ao propósito se for limitado apenas a algumas mercadorias. Não pode funcionar satisfatoriamente em uma economia de mercado. Se o governo não tira desse fracasso a conclusão de que deve abandonar todas as tentativas de controlar os preços, deve ir mais e mais longe até substituir o planejamento integral socialista da economia de mercado.

A produção pode ser dirigida pelos preços fixados no mercado pela compra e pela abstenção de compra por parte do público. Ou pode ser dirigido pelo conselho central de gestão da produção do governo. Não existe uma terceira solução disponível. Não existe um terceiro sistema social viável que não seja economia de mercado nem socialismo. O controle governamental de apenas uma parte dos preços deve resultar em um estado de coisas que — sem exceção — todos consideram absurdo e contrário ao propósito. Seu resultado inevitável é o caos e a agitação social.

É isso que os economistas têm em mente ao se referir à lei econômica e afirmar que o intervencionismo é contrário à lei econômica.

Na economia de mercado, os consumidores são supremos. Suas compras e abstenções de comprar determinam, em última análise, o que os empreendedores produzem e em que quantidade e qualidade. Elas determinam diretamente os preços dos bens de consumo e indiretamente os preços de todos os bens de produção, a saber, trabalho e fatores materiais de produção. Elas determinam o surgimento de lucros e de perdas e a formação da taxa de juros. Elas determinam a renda de cada indivíduo. O ponto focal da economia de mercado é o mercado, i.e., o processo de formação dos preços das mercadorias, taxas salariais e de juros e seus derivados, lucros e perdas. Torna todos os homens, na qualidade de produtores, responsáveis perante os consumidores. Essa dependência é direta com empreendedores, capitalistas, agricultores e homens profissionais, e indireta com pessoas que trabalham em troca de salários e ordenados. O mercado ajusta os esforços de todos aqueles que atendem às necessidades dos consumidores aos desejos daqueles para quem eles produzem, os consumidores. Submete a produção ao consumo.

O mercado é uma democracia em que cada centavo dá direito a voto. É verdade que os vários indivíduos não têm o mesmo poder de voto. O homem mais rico dá mais votos do que o mais pobre. Mas ser rico e ganhar uma renda maior é, na economia de mercado, resultado de uma eleição anterior. O único meio de adquirir riqueza e preservá-la, em uma economia de mercado não adulterada por privilégios e restrições governamentais, é servir aos consumidores da maneira melhor e mais barata. Os capitalistas e proprietários de terras que falham nesse aspecto sofrem perdas. Se eles não mudam seus procedimentos, eles perdem sua riqueza e tornam-se pobres. São os consumidores que tornam os pobres ricos e os ricos pobres. São os consumidores que fixam os salários de uma estrela de cinema e de um cantor de ópera em um nível mais alto do que os de um soldador ou contador.

Cada indivíduo é livre para discordar do resultado de uma campanha eleitoral ou do processo de mercado. Mas em uma democracia ele não tem outro meio de alterar as coisas além da persuasão. Se um homem dissesse: “Não gosto do prefeito eleito pela maioria dos votos; portanto, peço ao governo que o substitua pelo homem que prefiro”, dificilmente se poderia chamá-lo de democrata. Mas, se as mesmas reivindicações forem levantadas em relação ao mercado, a maioria das pessoas será muito estúpida para descobrir as aspirações ditatoriais envolvidas.

Os consumidores fizeram suas escolhas e determinaram a renda do manufatureiro de calçados, do astro de cinema e do soldador. Quem é o Professor Xavier para se arrogar o privilégio de anular sua decisão? Se ele não fosse um ditador em potencial, não pediria que o governo interferisse. Ele tentaria persuadir seus concidadãos a aumentar a demanda pelos produtos dos soldadores e a reduzir a demanda por sapatos e quadros.

Os consumidores não estão dispostos a pagar preços de algodão que tornariam lucrativas as fazendas marginais, i.e., aquelas que produzem nas condições menos favoráveis. Isso é muito infortuno para os agricultores envolvidos; eles precisam interromper o cultivo do algodão e tentar se integrar de outra forma ao todo da produção.

Mas o que pensaremos do estadista que interfere por compulsão para elevar o preço do algodão acima do nível que atingiria no livre mercado? O que o intervencionista almeja é a substituição da pressão policial pela escolha dos consumidores. Toda essa conversa: o estado deve fazer isso ou aquilo, em última instância significa: a polícia deve forçar os consumidores a se comportar de outra forma do que se comportariam espontaneamente. Em propostas como: nós vamos aumentar os preços agrícolas, nós vamos aumentar os salários, nós vamos baixar os lucros, nós vamos cortar os salários dos executivos, o “nós” em última análise se refere à polícia. No entanto, os autores desses projetos protestam que estão planejando a liberdade e a democracia industrial.

Na maioria dos países não socialistas, os sindicatos têm direitos especiais. Eles têm permissão para impedir que não-membros trabalhem. Eles podem convocar uma greve e, quando em greve, são praticamente livres para usar de violência contra todos aqueles que estão dispostos a continuar trabalhando, a saber, os fura-greves. Esse sistema atribui um privilégio ilimitado àqueles envolvidos em ramos vitais da indústria. Os trabalhadores cuja greve corta o fornecimento de água, luz, alimentos e outras necessidades, estão em posição de obter tudo o que desejam às custas do resto da população. É verdade que nos Estados Unidos seus sindicatos têm até agora exercido certa moderação ao aproveitar essa oportunidade. Outros sindicatos americanos e muitos sindicatos europeus foram menos cautelosos. Eles pretendem impor aumentos salariais sem se preocupar com o desastre que inevitavelmente resultará.

Os intervencionistas não são perspicazes o suficiente para perceber que a pressão e a compulsão sindical são absolutamente incompatíveis com qualquer sistema de organização social. O problema sindical não tem qualquer referência ao direito dos cidadãos de se associarem em assembleias e associações; nenhum país democrático nega a seus cidadãos esse direito. Ninguém contesta o direito de um homem parar de trabalhar e entrar em greve. A única questão é se os sindicatos devem ou não ter o privilégio de recorrer impunemente à violência. Esse privilégio não é menos incompatível com o socialismo do que com o capitalismo. Nenhuma cooperação social no âmbito da divisão do trabalho é possível quando algumas pessoas ou sindicatos de pessoas têm o direito de impedir, por meio da violência e da ameaça de violência, que outras pessoas trabalhem. Quando aplicada pela violência, uma greve em ramos vitais da produção ou uma greve geral equivale a uma destruição revolucionária da sociedade.

Um governo abdica se tolerar o uso de violência por parte de qualquer agência não governamental. Se o governo abandonar seu monopólio de coerção e compulsão, resultarão em condições anárquicas. Se fosse verdade que um sistema democrático de governo é inadequado para proteger incondicionalmente o direito de cada indivíduo de trabalhar em desacordo com as ordens de um sindicato, a democracia estaria condenada. Então a ditadura seria o único meio de preservar a divisão do trabalho e evitar a anarquia. O que gerou a ditadura na Rússia e na Alemanha foi justamente o fato de a mentalidade dessas nações inviabilizar a repressão à violência sindical em condições democráticas. Os ditadores aboliram as greves e assim quebraram a espinha do sindicalismo. Não se trata de greves no império soviético.

É ilusório acreditar que a arbitragem das controvérsias trabalhistas poderia inserir os sindicatos na estrutura da economia de mercado e tornar seu funcionamento compatível com a preservação da paz doméstica. A solução judicial de controvérsias é viável se houver um conjunto de regras disponíveis, segundo as quais casos individuais podem ser julgados. Mas se tal código é válido e suas disposições são aplicadas ao dissuadir, minando o nível das taxas salariais, não é mais o mercado que os fixa, mas o código e os que legislam a respeito. Então o governo é supremo e não mais os consumidores que compram e vendem no mercado. Se esse código não existir, não pode haver um padrão segundo o qual uma controvérsia entre empregadores e empregados possa ser decidida. É vão falar de salários “justos” na ausência de tal código. A noção de justiça é absurda se não estiver relacionada a um padrão estabelecido. Na prática, se os empregadores não cedem às ameaças dos sindicatos, a arbitragem equivale à determinação dos salários por um árbitro nomeado pelo governo. A decisão autoritária peremptória substitui o preço de mercado. A questão é sempre a mesma: o governo ou o mercado. Não existe uma terceira solução.

As metáforas são frequentemente muito úteis para elucidar problemas complicados e torná-los compreensíveis para mentes menos inteligentes.

Mas elas se tornam enganosas e resultam em absurdos se as pessoas esquecem que toda comparação é imperfeita. É tolice interpretar literalmente as expressões metafóricas e deduzir de sua interpretação as características do objeto que se desejava tornar mais facilmente compreensível por seu uso. Não há mal nenhum na descrição dos economistas de uma operação do mercado como automática e em seu costume de falar das forças anônimas que operam no mercado. Eles não podiam prever que alguém seria tão estúpido a ponto de interpretar essas metáforas literalmente.

Nenhuma força “automática” e “anônima” põe em ato o “mecanismo” do mercado. Os únicos fatores que direcionam o mercado e determinam os preços são atos intencionais dos homens. Não há automatismo; há homens que visam conscientemente os fins escolhidos e deliberadamente recorrem a meios definidos para atingir esses fins. Não existem forças mecânicas misteriosas; existe apenas a vontade de cada indivíduo de satisfazer sua demanda por vários bens. Não há anonimato; há você e eu e Bill e Joe e todo o resto. E cada um de nós está engajado na produção e no consumo. Cada um contribui com sua parte na determinação dos preços.

O dilema não é entre forças automáticas e ação planejada. É entre o processo democrático de mercado em que cada indivíduo tem sua parte e o domínio exclusivo de um órgão ditatorial. O que quer que as pessoas façam na economia de mercado, é a execução de seus próprios planos. Nesse sentido, toda ação humana significa planejamento. O que aqueles que se autodenominam planejadores defendem não é a substituição da ação planejada por deixar as coisas irem. É a substituição dos planos de seus semelhantes pelo plano do próprio planejador. O planejador é um ditador em potencial que deseja privar todas as outras pessoas do poder de planejar e agir de acordo com seus próprios planos. Ele visa apenas uma coisa: a preeminência absoluta e exclusiva de seu próprio plano.

Não é menos errado declarar que um governo que não é socialista não tem planos. Tudo o que um governo faz é a execução de um plano, ou seja, de um projeto. Alguém pode discordar de tal plano. Mas não se deve dizer que não é um plano de forma alguma. O professor Wesley C. Mitchell afirmou que o governo liberal britânico “planejou não ter nenhum plano”.[5] No entanto, o governo britânico na era liberal certamente tinha um plano definido. Seu plano era a propriedade privada dos meios de produção, a livre iniciativa e a economia de mercado. A Grã-Bretanha era realmente muito próspera sob esse plano que, de acordo com o Professor Mitchell, “não é um plano”.

Os planejadores fingem que seus planos são científicos e que não pode haver desacordo a respeito deles entre pessoas bem-intencionadas e decentes. Mas, no entanto, não existe um dever-ser científico. A ciência é competente para estabelecer o que é. Ela nunca pode ditar o que deve ser e quais os fins que as pessoas devem ter. É fato que os homens discordam em seus juízos de valor. É insolente arrogar-se o direito de anular os planos de outras pessoas e forçá-las a se submeterem ao plano do planejador. Qual plano deve ser executado? O plano do CIO ou de qualquer outro grupo? O plano de Trotsky ou o de Stalin? O plano de Hitler ou o de Strasser?

Quando as pessoas se comprometeram com a ideia de que, no campo da religião, apenas um plano deveria ser adotado, resultaram guerras sangrentas. Com o reconhecimento do princípio da liberdade religiosa, essas guerras cessaram. A economia de mercado salvaguarda a cooperação econômica pacífica porque não exerce força sobre os planos econômicos dos cidadãos. Se um plano principal tiver de substituir os planos de cada cidadão, lutas sem fim precisam surgir. Quem discorda do plano do ditador não tem outro meio de prosseguir senão derrotar o déspota pela força das armas.

É uma ilusão acreditar que um sistema de socialismo planejado pudesse operar de acordo com métodos democráticos de governo. A democracia está ligada ao capitalismo de uma forma indissolúvel. Ela não pode existir onde há planejamento. Vamos nos referir às palavras dos mais eminentes defensores contemporâneos do socialismo. O professor Harold Laski declarou que a obtenção do poder pelo Partido Trabalhista britânico na forma parlamentar normal precisa resultar em uma transformação radical do governo parlamentar. Uma administração socialista precisa de “garantias” de que seu trabalho de transformação não seria “perturbado” pela revogação em caso de derrota nas urnas. Portanto, a suspensão da Constituição é “inevitável”.[6] Como Carlos I e Jorge III ficariam satisfeitos se pudessem conhecer os livros do Professor Laski!

Sidney e Beatrice Webb (Lord e Lady Passfield) nos dizem que “em qualquer ação corporativa uma unidade leal de pensamento é tão importante que, se algo é para ser alcançado, a discussão pública precisa ser suspensa entre a promulgação da decisão e o cumprimento da tarefa”. Enquanto “o trabalho está em andamento” qualquer expressão de dúvida ou mesmo de medo de que o plano não tenha sucesso é “um ato de deslealdade ou até mesmo um ato de traição”.[7] Agora, como o processo de produção nunca cessa e algum trabalho está sempre em andamento e há sempre algo a ser alcançado, segue-se que um governo socialista nunca deve conceder qualquer liberdade de expressão e de imprensa. “Uma unidade leal de pensamento”, um belo e sonoro pleonasmo para os ideais de Filipe II e da inquisição! E ainda a esse respeito, outro eminente admirador dos soviéticos, o Sr. T. G. Crowther, fala sem qualquer reserva. Ele declara claramente que a inquisição é “benéfica para a ciência quando protege uma classe em ascensão”,[8] i.e., quando os amigos do Sr. Crowther recorrem a isso. Centenas de frases semelhantes poderiam ser citadas.

Na era vitoriana, quando John Stuart Mill escreveu seu ensaio On Liberty, pontos de vista como os do professor Laski, do Sr. e da Sra. Webb e do Sr. Crowther eram chamados de reacionários. Hoje eles são chamados de “progressistas” e “liberais”. Por outro lado, as pessoas que se opõem à suspensão do governo parlamentar e da liberdade de expressão e de imprensa e ao estabelecimento da inquisição são consideradas “reacionários”, “realistas (royalists) econômicos” e “fascistas”.

Os intervencionistas que consideram o intervencionismo como um método para concretizar o socialismo pleno, passo a passo, são, pelo menos, consistentes. Se as medidas adotadas não alcançam os resultados benéficos esperados e terminam em desastre, elas exigem cada vez mais a interferência do governo até que esse assuma a direção de todas as atividades econômicas. Mas os intervencionistas que veem o intervencionismo como um meio de melhorar o capitalismo e, assim, preservá-lo, estão totalmente confusos.

Aos olhos dessas pessoas, todos os efeitos indesejáveis e inconvenientes da interferência do governo nos negócios são causados pelo capitalismo. O próprio fato de uma medida governamental ter provocado um estado de coisas que eles não gostam é, para eles, uma justificativa para medidas adicionais. Eles não conseguem, por exemplo, perceber que o papel que os esquemas monopolísticos desempenham em nosso tempo é o efeito da interferência do governo, como tarifas e patentes. Eles defendem a ação do governo para a prevenção do monopólio. Dificilmente se poderia imaginar uma ideia mais irreal. Pois os governos a quem eles pedem para lutar contra o monopólio são os mesmos governos que se dedicam ao princípio do monopólio. Assim, o governo do New Deal americano embarcou em uma organização monopolística completa de todos os ramos de negócios americanos, pela NRA, e teve como objetivo organizar a agricultura americana como um vasto esquema monopolístico, restringindo a produção agrícola por uma questão de substituir os preços de monopólio pelos preços de mercado mais baixos. Era um partido para vários acordos internacionais de controle de mercadorias, cujo objetivo indisfarçável era estabelecer monopólios internacionais de várias mercadorias. O mesmo é verdade para todos os outros governos. A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas também era parte de algumas dessas convenções monopolistas intergovernamentais.[9] Sua repugnância pela colaboração com os países capitalistas não era grande a ponto de fazer com que perdesse qualquer oportunidade de fomentar o monopólio.

O programa desse intervencionismo autocontraditório é a ditadura, supostamente para libertar as pessoas. Mas a liberdade que seus defensores defendem é a liberdade de fazer as coisas “certas”, i.e., as coisas que eles próprios desejam que sejam feitas. Eles não são apenas ignorantes dos problemas econômicos envolvidos. Eles também não têm a faculdade de pensamento lógico.

A justificativa mais absurda do intervencionismo é fornecida por aqueles que veem o conflito entre capitalismo e socialismo como se fosse uma disputa pela distribuição de renda. Por que as classes proprietárias não deveriam ser mais compatíveis? Por que não deveriam conceder aos trabalhadores pobres uma parte de suas amplas receitas? Por que eles deveriam se opor ao projeto do governo de aumentar a parcela dos desprivilegiados decretando taxas salariais mínimas e preços máximos e reduzindo lucros e taxas de juros a um nível “mais justo”? A flexibilidade em tais assuntos, dizem eles, tiraria o vento das velas dos revolucionários radicais e preservaria o capitalismo. Os piores inimigos do capitalismo, dizem eles, são aqueles doutrinários intransigentes cuja defesa excessiva da liberdade econômica, do laissez-faire e do manchesterismo torna vã todas as tentativas de chegar a um acordo com as reivindicações do trabalho. Esses reacionários inflexíveis são os únicos responsáveis pela amargura das lutas partidárias contemporâneas e pelo ódio implacável que ela gera. O que é necessário é a substituição da postura puramente negativa dos realistas econômicos por um programa construtivo. E, é claro, “construtivo” aos olhos dessas pessoas é apenas intervencionismo.

No entanto, esse modo de raciocínio é totalmente vicioso. Parte-se do pressuposto de que as várias medidas de interferência do governo nos negócios atingirão esses resultados benéficos que seus defensores esperam delas. Despreza alegremente tudo o que a economia diz sobre sua futilidade em alcançar os fins buscados e suas consequências inevitáveis e indesejáveis. A questão não é se as taxas salariais mínimas são justas ou injustas, mas se elas geram ou não o desemprego de uma parte daqueles que desejam trabalhar. Ao chamar essas medidas de justas, o intervencionista não refuta as objeções levantadas contra sua conveniência pelos economistas — ele simplesmente mostra ignorância da questão abordada.

O conflito entre o capitalismo e o socialismo não é uma competição entre dois grupos de reclamantes a respeito do tamanho das porções a serem distribuídas a cada um deles a partir de um determinado fornecimento de bens. É uma disputa sobre qual sistema de organização social melhor serve ao bem-estar humano. Aqueles que lutam contra o socialismo não rejeitam o socialismo porque invejam os benefícios dos trabalhadores que eles (os trabalhadores) poderiam supostamente obter do modo de produção socialista. Eles lutam contra o socialismo precisamente porque estão convencidos de que ele prejudicaria as massas ao reduzi-las à condição de servos pobres inteiramente à mercê de ditadores irresponsáveis.

Nesse conflito de opiniões, todos precisam se decidir e tomar uma posição definitiva. Todos precisam estar do lado dos defensores da liberdade econômica ou do socialismo totalitário. Não se pode fugir desse dilema adotando uma posição supostamente intermediária, ou seja, o intervencionismo. Pois o intervencionismo não é um meio-termo nem um compromisso entre capitalismo e socialismo. É um terceiro sistema. É um sistema cujo absurdo e futilidade são aceitos não apenas por todos os economistas, mas até mesmo pelos marxianos.

Não existe tal coisa como uma defesa “excessiva” da liberdade econômica. Por um lado, a produção pode ser direcionada pelo esforço de cada indivíduo em ajustar sua conduta de forma a atender da maneira mais adequada às necessidades mais urgentes dos consumidores. Esta é a economia de mercado. Por outro lado, a produção pode ser dirigida por decreto autoritário. Se esses decretos dizem respeito apenas a alguns itens isolados da estrutura econômica, eles deixam de atingir os fins buscados e seus próprios defensores não gostam de seus resultados. Se eles se submetem a uma arregimentação completa, eles significam socialismo totalitário.

Os homens precisam escolher entre a economia de mercado e o socialismo. O Estado pode preservar a economia de mercado ao proteger a vida, a saúde e a propriedade privada contra agressões violentas ou fraudulentas; ou ele próprio pode controlar a condução de todas as atividades de produção. Alguma agência precisa determinar o que precisa ser produzido. Se não são os consumidores por meio da demanda e da oferta no mercado, precisa ser o governo por compulsão.

§.3
Socialismo e comunismo

Na terminologia de Marx e de Engels, as palavras comunismo e socialismo são sinônimos. Elas são aplicadas alternadamente sem qualquer distinção entre eles. O mesmo era verdade para a prática de todos os grupos e seitas marxistas até 1917. Os partidos políticos do marxismo que consideravam o Manifesto Comunista como o evangelho inalterável de sua doutrina se autodenominavam partidos socialistas. O mais influente e numeroso desses partidos, o partido alemão, adotou o nome de Partido Social-democrata. Na Itália, na França e em todos os outros países nos quais os partidos marxistas já desempenhavam um papel na vida política antes de 1917, o termo socialista também substituiu o termo comunista. Nenhum marxista jamais se aventurou, antes de 1917, em distinguir comunismo e socialismo.

Em 1875, em sua crítica ao programa de Gotha do Partido Social-democrata alemão, Marx fez uma distinção entre uma fase inferior (anterior) e uma superior (posterior) da futura sociedade comunista. Mas ele não reservou o nome de comunismo para a fase superior, e não chamou a fase inferior de socialismo como se fosse diferente do comunismo.

Um dos dogmas fundamentais de Marx é que o socialismo está fadado a vir “com a inexorabilidade de uma lei da natureza”. A produção capitalista engendra sua própria negação e estabelece o sistema socialista de propriedade pública dos meios de produção. Esse processo “executa-se por meio da operação das leis inerentes da produção capitalista”.[10] Ele não depende da vontade das pessoas.[11] É impossível para os homens acelerá-lo, atrasá-lo ou impedi-lo. Pois “nenhum sistema social jamais desaparece antes de todas as forças produtivas serem desenvolvidas para o desenvolvimento das quais ele é amplo o suficiente, e novos métodos superiores de produção nunca aparecem antes de as condições materiais de sua existência terem sido carregadas no ventre da sociedade anterior”.[12]

Essa doutrina é, naturalmente, inconciliável com as próprias atividades políticas de Marx e com os ensinamentos que ele apresentou para a justificação dessas atividades. Marx tentou organizar um partido político que, por meio da revolução e da guerra civil, realizasse a transição do capitalismo ao socialismo. O traço característico de seus partidos era, aos olhos de Marx e de todos os doutrinários marxistas, o de serem partidos revolucionários invariavelmente comprometidos com a ideia de ação violenta. Seu objetivo era se rebelar, estabelecer a ditadura dos proletários e exterminar impiedosamente todos os burgueses. Os feitos dos comunardos de Paris em 1871 foram considerados o modelo perfeito dessa guerra civil. A revolta de Paris, é claro, falhou lamentavelmente. Mas esperava-se que levantes posteriores tivessem sucesso.[13]

No entanto, as táticas aplicadas pelos partidos marxistas em vários países europeus eram irreconciliavelmente opostas a cada uma dessas duas variedades contraditórias dos ensinamentos de Karl Marx. Eles não confiavam na inevitabilidade da chegada do socialismo. Tampouco confiaram no sucesso de uma revolta revolucionária. Eles adotaram os métodos de ação parlamentar. Eles solicitaram votos em campanhas eleitorais e enviaram seus delegados aos parlamentos. Eles “degeneraram-se” em partidos democráticos. Nos parlamentos, eles se comportaram como outros partidos da oposição. Em alguns países, eles estabeleceram alianças temporárias com outros partidos e, ocasionalmente, membros socialistas sentavam-se nos gabinetes. Mais tarde, após o fim da Primeira Guerra Mundial, os partidos socialistas tornaram-se dominantes em muitos parlamentos. Em alguns países eles governaram exclusivamente, em outros em estreita cooperação com os partidos “burgueses”.

É verdade que esses socialistas domesticados antes de 1917 nunca deixaram de fazer juras falsas aos princípios rígidos do marxismo ortodoxo. Eles repetiram várias vezes que a chegada do socialismo é inevitável. Eles enfatizaram o caráter revolucionário inerente de seus partidos. Nada poderia despertar mais sua raiva do que quando alguém ousou contestar seu inflexível espírito revolucionário. No entanto, eles na verdade, eram partidos parlamentares tal como todos os outros partidos.

De um ponto de vista marxiano correto, conforme expresso nos escritos posteriores de Marx e de Engels (mas ainda não no Manifesto Comunista), todas as medidas destinadas a restringir, regular e melhorar o capitalismo eram simplesmente absurdos de “pequenos-burgueses” decorrentes de uma ignorância das leis imanentes da evolução capitalista. Os verdadeiros socialistas não devem colocar nenhum obstáculo no caminho da evolução do capitalismo. Pois apenas a maturidade total do capitalismo poderia trazer o socialismo. Recorrer a tais medidas não é apenas vão, mas prejudicial aos interesses dos proletários. Mesmo o sindicalismo não é um meio adequado para a melhoria das condições dos trabalhadores.[14] Marx não acreditava que o intervencionismo pudesse beneficiar as massas. Ele rejeitou violentamente a ideia de que medidas como salários mínimos, tetos de preços, restrição de taxas de juros, seguridade social e assim por diante são passos preliminares para a concretização do socialismo. Ele visava a abolição radical do sistema de salários, que só pode ser realizada pelo comunismo em sua fase superior. Ele teria sarcasticamente ridicularizado a ideia de abolir o “caráter de mercadoria” do trabalho dentro da estrutura de uma sociedade capitalista pela promulgação de uma lei.

Mas os partidos socialistas, da maneira como operavam nos países europeus, não estavam virtualmente menos comprometidos com o intervencionismo do que a Sozialpolitik da Alemanha do Kaiser e o New Deal americano. Foi contra essa política que Georges Sorel e o Sindicalismo dirigiram seus ataques. Sorel, um tímido intelectual de origem burguesa, condenou a “degeneração” dos partidos socialistas, pela qual atribuía a penetração de intelectuais burgueses. Ele queria ver o espírito de agressividade implacável, inerente às massas, revivido e livre da tutela de covardes intelectuais. Para Sorel, nada contava a não ser tumultos. Ele defendeu a ação direta, i.e., a sabotagem e a greve geral, como passos iniciais para a grande revolução final.

Sorel teve sucesso principalmente entre intelectuais esnobes e preguiçosos e  herdeiros não menos esnobes e preguiçosos de empresários ricos. Ele não moveu as massas perceptivelmente. Para os partidos marxistas na Europa Ocidental e Central, sua crítica veemente não passava de um incômodo. Sua importância histórica consistia principalmente no papel que suas ideias desempenharam na evolução do bolchevismo russo e do fascismo italiano.

Para entender a mentalidade dos bolcheviques, devemos novamente nos referir aos dogmas de Karl Marx. Marx estava totalmente convencido de que o capitalismo é um estágio da história econômica que não se limita a apenas alguns países avançados. O capitalismo tem a tendência de converter todas as partes do mundo em países capitalistas. A burguesia força todas as nações a se tornarem nações capitalistas. Quando soar a hora final do capitalismo, o mundo inteiro estará uniformemente no estágio de capitalismo maduro, maduro para a transição para o socialismo. O socialismo surgirá ao mesmo tempo em todas as partes do mundo.

Marx errou nesse ponto não menos do que em todas as suas outras declarações. Hoje mesmo os marxistas não podem e não negam que ainda prevalecem enormes diferenças no desenvolvimento do capitalismo em vários países. Eles percebem que há muitos países que, do ponto de vista da interpretação marxista da história, devem ser descritos como pré-capitalistas. Nesses países, a burguesia ainda não atingiu uma posição governante e ainda não estabeleceu a fase histórica do capitalismo, que é o pré-requisito necessário para o surgimento do socialismo. Esses países, portanto, precisam primeiro realizar sua “revolução burguesa” e precisam passar por todas as fases do capitalismo antes que possa haver qualquer questão de transformá-los em países socialistas. A única política que os marxistas poderiam adotar em tais países seria apoiar a burguesia incondicionalmente, primeiro em seus esforços para tomar o poder e depois em seus empreendimentos capitalistas. Um partido marxista não poderia, por muito tempo, ter outra tarefa que não seja ser subserviente ao liberalismo burguês. Só essa é a missão que o materialismo histórico, se aplicado de forma consistente, poderia atribuir aos marxistas russos. Eles seriam forçados a esperar em silêncio até que o capitalismo fizesse sua nação madura para o socialismo.

Mas os marxistas russos não queriam esperar. Eles recorreram a uma nova modificação do marxismo, segundo a qual era possível para uma nação pular uma das etapas da evolução histórica. Eles fecharam os olhos para o fato de que essa nova doutrina não era uma modificação do marxismo, mas sim a negação do último remanescente que restou dele. Foi um retorno indisfarçado aos ensinamentos socialistas pré-marxistas e antimarxistas, segundo os quais os homens são livres para adotar o socialismo a qualquer momento se o considerarem um sistema mais benéfico para o bem-estar comum do que o capitalismo. Explodiu totalmente todo o misticismo embutido no materialismo dialético e na alegada descoberta marxista das leis inexoráveis da evolução econômica da humanidade.

Tendo se emancipado do determinismo marxista, os marxistas russos estavam livres para discutir as táticas mais adequadas para a realização do socialismo em seu país. Eles não se preocupavam mais com problemas econômicos. Eles não precisavam mais investigar se a hora havia chegado ou não. Eles tinham apenas uma tarefa a cumprir: a tomada das rédeas do governo.

Um grupo sustentou que o sucesso constante só poderia ser esperado se o apoio de um número suficiente de pessoas, embora não necessariamente da maioria, pudesse ser conquistado. Outro grupo não era favorável a um procedimento tão demorado. Eles sugeriram uma estratégia mais atrevida. Um pequeno grupo de fanáticos deve ser organizado como os cavalheiros brancos da revolução. A disciplina estrita e a obediência incondicional ao chefe deveriam tornar esses revolucionários profissionais em aptos para um ataque repentino. Eles deveriam suplantar o governo czarista e então governar o país de acordo com os métodos tradicionais da polícia do czar.

Os termos usados para significar esses dois grupos — bolcheviques (maioria) para o último e mencheviques (minoria) para o primeiro — faz referência a uma votação realizada em 1903 em uma reunião realizada para a discussão dessas questões táticas. A única diferença que separava os dois grupos um do outro era a questão dos métodos táticos. Ambos concordaram quanto ao fim último: o socialismo.

Ambas as seitas tentaram justificar seus respectivos pontos de vista citando passagens dos escritos de Marx e de Engels. Esse é, é claro, o costume marxista. E cada seita estava em posição de descobrir nesses livros sagrados frases que confirmam sua própria posição.

Lenin, o chefe dos bolcheviques, conhecia seus compatriotas muito melhor do que seus adversários e seu líder, Plekhanov. Ele não cometeu, como Plekhanov, o erro de aplicar aos russos os padrões das nações ocidentais. Ele se lembrou de como as mulheres estrangeiras simplesmente usurparam o poder supremo por duas vezes e governaram em silêncio pela vida inteira. Ele estava ciente do fato de que os métodos terroristas da polícia secreta do Czar eram bem-sucedidos e estava confiante de que poderia melhorar consideravelmente esses métodos. Ele era um ditador implacável e sabia que os russos não tinham coragem de resistir à opressão. Como Cromwell, Robespierre e Napoleão, ele era um usurpador ambicioso e confiava totalmente na ausência de espírito revolucionário da imensa maioria. A autocracia dos Romanov estava condenada porque o infeliz Nicolau II era um fraco. O advogado socialista Kerensky falhou porque estava comprometido com o princípio do governo parlamentar. Lenin teve sucesso porque ele nunca teve como objetivo outra coisa senão sua própria ditadura. E os russos ansiavam por um ditador, por um sucessor de Ivan, O Terrível.

O governo de Nicolau II não foi encerrado por uma verdadeira revolta revolucionária. Ele desabou nos campos de batalha. Resultou uma anarquia que Kerensky não conseguiu dominar. Uma escaramuça nas ruas de São Petersburgo removeu Kerensky. Pouco tempo depois, Lenin teve seu 18 de Brumário. Apesar de todo o terror praticado pelos bolcheviques, a Assembleia Constituinte, eleita por direito universal para homens e mulheres, tinha apenas cerca de vinte por cento de membros bolcheviques. Lenin dissipou pela força das armas a Assembleia Constituinte. O curto interlúdio “liberal” foi liquidado. A Rússia passou das mãos dos ineptos Romanov para as de um verdadeiro autocrata.

Lenin não se contentou em conquistar apenas a Rússia. Ele estava totalmente convencido de que estava destinado a levar a felicidade do socialismo a todas as nações, não apenas à Rússia. O nome oficial que escolheu para o seu governo — União das Repúblicas Socialistas Soviéticas — não contém nenhuma referência à Rússia. Foi concebido como o núcleo de um governo mundial. Estava implícito que todos os camaradas estrangeiros por direito deviam lealdade a esse governo e que todos os burgueses estrangeiros que ousassem resistir eram culpados de alta traição e mereciam a pena de morte. Lenin não tinha a menor dúvida de que todos os países ocidentais estavam às vésperas da grande revolução final. Ele esperava diariamente seu colapso.

Na opinião de Lenin, havia apenas um grupo na Europa que poderia, embora sem qualquer perspectiva de sucesso, tentar impedir o levante revolucionário: os membros depravados da intelectualidade que usurparam a direção dos partidos socialistas. Lenin há muito tempo odiava esses homens por seu vício em procedimentos parlamentares e sua relutância em endossar suas aspirações ditatoriais. Ele se enfureceu contra eles porque os responsabilizou pelo fato de os partidos socialistas terem apoiado o esforço de guerra de seus países. Já em seu exílio na Suíça, que terminou em 1917, Lenin começou a dividir os partidos socialistas europeus. Agora, ele estabeleceu uma nova, uma Terceira Internacional, que ele controlou da mesma maneira ditatorial com que dirigiu os bolcheviques russos. Para esse novo partido, Lenin escolheu o nome de Partido Comunista. Os comunistas deveriam lutar até a morte contra os vários partidos socialistas europeus, esses “traidores sociais”, e deveriam providenciar a liquidação imediata da burguesia e a tomada do poder pelos trabalhadores armados. Lenin não diferenciou socialismo e comunismo como sistemas sociais. O objetivo que ele almejava não era chamado de comunismo em oposição ao socialismo. O nome oficial do governo soviético é União das Repúblicas Socialistas (e não comunistas) Soviéticas. No que diz respeito a isso, ele não quis alterar a terminologia tradicional que considerava os termos como sinônimos. Ele simplesmente chamou seus partidários, os únicos defensores sinceros e consistentes dos princípios revolucionários do marxismo ortodoxo, de comunistas e seus métodos táticos de comunismo, porque queria distingui-los dos “mercenários traiçoeiros dos exploradores capitalistas”, os malvados líderes sociais-democratas como Kautsky e Albert Thomas. Esses traidores, ele enfatizou, estavam ansiosos para preservar o capitalismo. Eles não eram verdadeiros socialistas. Os únicos marxianos genuínos foram aqueles que rejeitaram o nome de socialistas irremediavelmente caídos em descrédito.

Assim, a distinção entre comunistas e socialistas veio a ser. Os marxianos que não se renderam ao ditador de Moscou se autodenominam sociais-democratas ou, em suma, socialistas. O que os caracterizou foi a convicção de que o método mais adequado para a concretização dos seus planos de instauração do socialismo, objetivo final comum tanto a eles como aos comunistas, era obter o apoio da maioria dos seus concidadãos. Eles abandonaram os slogans revolucionários e tentaram adotar métodos democráticos para a tomada do poder. Eles não se preocuparam com o problema de saber se um regime socialista é ou não compatível com a democracia. Mas para a conquista do socialismo, eles estavam decididos a aplicar procedimentos democráticos.

Os comunistas, por outro lado, estavam nos primeiros anos da Terceira Internacional firmemente comprometidos com o princípio da revolução e da guerra civil. Eles eram leais apenas ao seu chefe russo. Expulsaram de suas fileiras todos os que eram suspeitos de se sentirem vinculados a alguma das leis de seu país. Eles conspiraram incessantemente e desperdiçaram sangue em rebeliões malsucedidas.

Lenin não conseguia entender por que os comunistas fracassaram em todos os lugares fora da Rússia. Ele não esperava muito dos trabalhadores americanos. Nos Estados Unidos, concordavam os comunistas, os trabalhadores careciam de espírito revolucionário porque eram estragados pelo bem-estar e mergulhados no vício de fazer dinheiro. Mas Lenin não duvidou que as massas europeias tinham consciência de classe e, portanto, estavam totalmente comprometidas com as ideias revolucionárias. A única razão pela qual a revolução não foi realizada foi, em sua opinião, a inadequação e covardia dos funcionários comunistas. Repetidamente ele depôs seus vigários e nomeou novos homens. Mas ele não teve maior sucesso.

Nos países anglo-saxões e latino-americanos, os eleitores socialistas confiam nos métodos democráticos. Aqui, o número de pessoas que desejam seriamente uma revolução comunista é muito pequeno. Muitos daqueles que proclamam publicamente sua adesão aos princípios do comunismo se sentiriam extremamente infelizes se a revolução surgisse e expusesse suas vidas e suas propriedades ao perigo. Se os exércitos russos marchassem para seus países ou se os comunistas domésticos tomassem o poder sem envolvê-los na luta, eles provavelmente se regozijariam na esperança de serem recompensados por sua ortodoxia marxiana. Mas eles próprios não anseiam por honrarias revolucionárias.

É um fato que em todos esses trinta anos de agitação pró-soviética apaixonada nem um único país fora da Rússia se tornou comunista por vontade própria de seus cidadãos. A Europa Oriental se voltou para o comunismo apenas quando os arranjos diplomáticos da política de poder internacional o converteram em uma esfera de influência e hegemonia exclusivas da Rússia. É improvável que a Alemanha Ocidental, França, Itália e Espanha adotem o comunismo se os Estados Unidos e a Grã-Bretanha não adotarem uma política de “désintéressement” diplomático absoluto. O que dá força ao movimento comunista nesses e em alguns outros países é a crença de que a Rússia é movida por um “dinamismo” inabalável, enquanto as potências anglo-saxãs são indiferentes e não muito interessadas em seu destino.

Marx e os marxianos erraram lamentavelmente ao presumir que as massas anseiam por uma derrubada revolucionária da ordem “burguesa” da sociedade. Os comunistas militantes são encontrados apenas nas fileiras daqueles que ganham a vida com seu comunismo ou esperam que uma revolução promova suas ambições pessoais. As atividades subversivas desses conspiradores profissionais são perigosas justamente por conta da ingenuidade daqueles que estão apenas flertando com a ideia revolucionária. Esses simpatizantes confusos e equivocados que se dizem “liberais” e que os comunistas chamam de “inocentes úteis”, os companheiros de viagem e até mesmo a maioria dos membros oficialmente registrados do partido, ficariam terrivelmente assustados se descobrissem um dia que seus chefes falam sério ao pregar a sedição. Mas então pode ser tarde demais para evitar um desastre.

Por enquanto, o perigo ameaçador dos partidos comunistas no Ocidente está em sua posição nas relações exteriores. A marca distintiva de todos os partidos comunistas atuais é sua devoção à política externa agressiva dos soviéticos. Sempre que precisam escolher entre a Rússia e seu próprio país, eles não hesitam em preferir a Rússia. Seu princípio é: certo ou errado, minha Rússia. Eles obedecem estritamente a todas as ordens emitidas por Moscou. Quando a Rússia era aliada de Hitler, os comunistas franceses sabotaram o esforço de guerra de seu próprio país e os comunistas americanos se opuseram veementemente aos planos do presidente Roosevelt de ajudar a Inglaterra e a França em sua luta contra os nazistas. Os comunistas de todo o mundo rotularam todos aqueles que se defenderam contra os invasores alemães de “fomentadores de guerra imperialistas”. Mas assim que Hitler atacou a Rússia, a guerra imperialista dos capitalistas mudou da noite para o dia em uma guerra justa de defesa. Sempre que Stalin conquista mais um país, os comunistas justificam essa agressão como um ato de autodefesa contra os “fascistas”.

Em sua adoração cega a tudo o que é russo, os comunistas da Europa Ocidental e dos Estados Unidos superam de longe os piores excessos já cometidos por chauvinistas. Eles ficam extasiados com os filmes russos, a música russa e as alegadas descobertas da ciência russa. Eles falam em palavras de êxtase sobre as realizações econômicas dos soviéticos. Eles atribuem a vitória das Nações Unidas aos feitos das forças armadas russas. A Rússia, eles afirmam, salvou o mundo da ameaça fascista. A Rússia é o único país livre, enquanto todas as outras nações estão sujeitas à ditadura dos capitalistas. Só os russos são felizes e desfrutam da felicidade de viver uma vida plena; nos países capitalistas, a imensa maioria sofre de frustração e desejos não realizados. Assim como o piedoso muçulmano anseia por uma peregrinação ao túmulo do Profeta em Meca, o intelectual comunista considera uma peregrinação aos santuários sagrados de Moscou como o grande evento de sua vida.

No entanto, a distinção no uso dos termos comunistas e socialistas não afetou o significado dos termos comunismo e socialismo quando aplicados ao objetivo final das políticas comuns a ambos. Foi só em 1928 que o programa da Internacional Comunista, aprovado pelo sexto congresso em Moscou,[15] começou a diferenciar comunismo e socialismo (e não apenas entre comunistas e socialistas).

Segundo essa nova doutrina, existe, na evolução econômica da humanidade, entre a fase histórica do capitalismo e a do comunismo, uma terceira fase, a saber, do socialismo. O socialismo é um sistema social baseado no controle público dos meios de produção e na gestão total de todos os processos de produção e de distribuição por uma autoridade central de planejamento. Nesse aspecto, é igual ao comunismo. Mas difere do comunismo na medida em que não há igualdade das porções atribuídas a cada indivíduo para seu próprio consumo. Ainda há salários pagos aos camaradas e esses salários são graduados de acordo com a conveniência econômica, na medida em que a autoridade central considera necessário para garantir a maior produção possível de produtos. O que Stalin chama de socialismo corresponde em grande parte ao conceito de Marx da “fase inicial” do comunismo. Stalin reserva o termo comunismo exclusivamente para o que Marx chamou de “fase superior” do comunismo. O socialismo, no sentido em que Stalin usou o termo recentemente, está se movendo em direção ao comunismo, mas em si ainda não é comunismo. O socialismo se transformará em comunismo assim que o aumento da riqueza que se espera da operação dos métodos de produção socialistas elevar o padrão de vida inferior das massas russas ao padrão mais elevado do qual desfrutam os distintos detentores de cargos importantes na Rússia atual.[16]

O caráter apologético dessa nova prática terminológica é óbvio. Stalin acha necessário explicar à vasta maioria de seus súditos o porquê de seu padrão de vida ser extremamente baixo, muito inferior ao das massas nos países capitalistas e ainda inferior ao dos proletários russos nos dias do governo czarista. Ele quer justificar o fato de que os salários e as remunerações são desiguais, que um pequeno grupo de funcionários soviéticos desfruta de todos os luxos que a técnica moderna pode oferecer, que um segundo grupo, mais numeroso que o primeiro, mas menos numeroso que a classe média na Rússia imperial, vive no estilo “burguês”, enquanto as massas, maltrapilhas e descalças, subsistem em favelas congestionadas e são mal alimentadas. Ele não pode mais culpar o capitalismo por esse estado de coisas. Assim, ele foi compelido a recorrer a um novo improviso ideológico.

O problema de Stalin era tanto mais ardente quanto os comunistas russos nos primeiros dias de seu governo que proclamaram apaixonadamente a igualdade de renda como um princípio a ser forçado desde o primeiro instante da tomada do poder pelos proletários. Além disso, nos países capitalistas, o truque demagógico mais poderoso aplicado pelos partidos comunistas patrocinados pela Rússia é despertar a inveja daqueles com rendas mais baixas contra todos aqueles com rendas mais altas. O principal argumento avançado pelos comunistas para apoiar sua tese de que o nacional-socialismo de Hitler não era um socialismo genuíno, mas que era, ao contrário, a pior variedade de capitalismo, era que havia na Alemanha nazista desigualdade no padrão de vida.

A nova distinção de Stalin entre socialismo e comunismo está em franca contradição com a política de Lenin, e não menos com os princípios da propaganda dos partidos comunistas fora das fronteiras russas. Mas tais contradições não importam no reino dos soviéticos. A palavra do ditador é a decisão final, e ninguém é tão prudente a ponto de arriscar oposição.

É importante perceber que a inovação semântica de Stalin afeta apenas os termos comunismo e socialismo. Ele não alterou o significado dos termos socialista e comunista. O partido bolchevique é, como antes chamado, comunista. Os partidos russófilos além das fronteiras da União Soviética se autodenominam partidos comunistas e lutam violentamente contra os partidos socialistas que, a seus olhos, são simplesmente traidores sociais. Mas o nome oficial da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas permanece o mesmo.

§.4
Agressividade russa

Os nacionalistas alemães, italianos e japoneses justificaram suas políticas agressivas pela falta do Lebensraum. Seus países são comparativamente superpopulosos. Eles são mal dotados pela natureza e dependem da importação de alimentos e matérias-primas do exterior. Eles precisam exportar manufaturados para pagar por essas importações tão necessárias. Mas as políticas protecionistas adotadas pelos países produtores de excedentes de alimentos e matérias-primas fecham suas fronteiras à importação de manufaturados. O mundo está manifestamente tendendo a um estado de plena autarquia econômica de cada nação. Em tal mundo, que destino está reservado para as nações que não podem alimentar nem vestir seus cidadãos com recursos domésticos?

A doutrina do Lebensraum dos povos autodenominados “have-not” (com poucos recursos) enfatiza que existem na América e na Austrália milhões de acres de terras não utilizadas muito mais férteis do que o solo estéril que os fazendeiros das nações com poucos recursos estão cultivando. As condições naturais para mineração e manufatura também são muito mais propícias do que nos países com poucos recursos. Mas os camponeses e trabalhadores alemães, italianos e japoneses estão impedidos de acessar essas áreas favorecidas pela natureza. As leis de imigração dos países comparativamente subpopulosos impedem sua migração. Essas leis aumentam a produtividade marginal do trabalho e, portanto, os salários nos países subpopulosos e os reduzem nos países superpopulosos. O alto padrão de vida nos Estados Unidos e nos domínios britânicos é pago pela redução do padrão de vida nos congestionados países da Europa e da Ásia.

Os verdadeiros agressores, dizem esses nacionalistas alemães, italianos e japoneses, são aquelas nações que, por meio de barreiras comerciais e migratórias, se apropriaram da maior parte das riquezas naturais da terra. O próprio Papa não declarou que a causa profunda das Guerras Mundiais é “aquele egoísmo frio e calculista que tende a acumular os recursos econômicos e materiais destinados ao uso de todos a tal ponto que as nações menos favorecidas pela natureza não são permitidas acesso a eles”?[17] A guerra que Hitler, Mussolini e Hirohito desencadearam foi, desse ponto de vista, uma guerra justa, pois seu único objetivo era dar àqueles com poucos recursos o que, por direito natural e divino, pertence-lhes.

Os russos não podem se aventurar em justificar sua política agressiva com tais argumentos. A Rússia é um país comparativamente subpopuloso. Seu solo é muito mais bem-dotado pela natureza do que o de qualquer outra nação. Oferece as condições mais vantajosas para o cultivo de todos os tipos de cereais, frutas, sementes e plantas. A Rússia possui imensas pastagens e florestas quase inesgotáveis. Possui os mais ricos recursos para a produção de ouro, prata, platina, ferro, cobre, níquel, manganês e todos os outros metais e petróleo. Não fosse o despotismo dos czares e a lamentável inadequação do sistema comunista, sua população poderia, há muito, ter desfrutado do mais alto padrão de vida. Certamente não é a falta de recursos naturais que empurra a Rússia para a conquista.

A agressividade de Lenin foi uma consequência de sua convicção de que ele era o líder da revolução mundial final. Ele considerava-se o legítimo sucessor da Primeira Internacional, destinado a cumprir a tarefa em que Marx e Engels falharam. A sentença do capitalismo soou, e nenhuma maquinação capitalista poderia atrasar mais a expropriação dos expropriadores. O que faltava era apenas o ditador da nova ordem social. Lenin estava pronto para carregar o fardo sobre seus ombros.

Desde os dias das invasões mongóis, a humanidade não teve de enfrentar uma aspiração tão inflexível e penetrante por uma supremacia mundial ilimitada. Em todos os países, os emissários russos e a quinta coluna comunista trabalhavam fanaticamente pelo “Anschluss” para a Rússia. Mas Lenin não tinha as primeiras quatro colunas. As forças militares da Rússia eram então desprezíveis. Quando eles cruzaram as fronteiras russas, eles foram parados pelos poloneses. Eles não podiam marchar mais para o oeste. A grande campanha pela conquista do mundo acabou.

Foi apenas conversa fiada para discutir os problemas de saber se o comunismo em um país é possível ou apenas desejável. Os comunistas haviam fracassado totalmente fora das fronteiras russas. Eles foram forçados a ficar em casa.

Stalin devotou toda a sua energia à organização de um exército permanente de um tamanho que o mundo nunca havia visto antes — mas ele não teve mais sucesso do que Lenin e Trotsky. Os nazistas derrotaram facilmente esse exército e ocuparam a parte mais importante do território da Rússia. A Rússia foi salva pelos britânicos e, acima de tudo, pelas forças americanas. O lend-lease americano permitiu que os russos seguissem os passos dos alemães quando a escassez de equipamentos e a ameaça de invasão americana os forçou a se retirarem da Rússia. Eles poderiam até mesmo derrotar ocasionalmente a retaguarda dos nazistas em retirada. Eles poderiam conquistar Berlim e Viena quando os aviões americanos destruíssem as defesas alemãs. Quando os americanos esmagaram os japoneses, os russos podiam silenciosamente os apunhalar pelas costas.

Naturalmente, os comunistas dentro e fora da Rússia e os companheiros de viagem apaixonadamente afirmam que foi a Rússia que derrotou os nazistas e libertou a Europa. Eles ignoram em silêncio o fato de que a única razão pela qual os nazistas não conseguiram capturar Moscou, Leningrado e Stalingrado foi sua falta de munições, aviões e gasolina. Foi o bloqueio que impossibilitou os Nazistas de fornecerem aos seus exércitos o equipamento necessário e para construir, no território russo ocupado, um sistema de transporte que pudesse enviar esse equipamento para a linha de frente. A batalha decisiva da guerra foi a Batalha do Atlântico. Os grandes eventos estratégicos na guerra contra a Alemanha foram a conquista África e da Sicília e a vitória na Normandia. Stalingrado foi, pelos padrões gigantescos dessa guerra, pouco mais do que um sucesso tático. Na luta contra os italianos e os japoneses, a participação da Rússia foi zero.

Mas os despojos da vitória vão somente para a Rússia. Enquanto as outras Nações Unidas não buscam o engrandecimento territorial, os russos estão em pleno andamento. Eles anexaram as três repúblicas bálticas, Bessarábia, a província de Carpatho-Russia[18] da Tchecoslováquia, parte da Finlândia, uma grande parte da Polônia e enormes territórios no Extremo Oriente. Eles reivindicam o resto da Polônia, Romênia, Hungria, Iugoslávia, Bulgária, Coréia e China como sua esfera de influência exclusiva. Eles estão ansiosos para estabelecer governos “amigáveis”, i.e., governos fantoches, nesses países. Mas devido à oposição dos EUA e da Grã-Bretanha, estes agora governariam toda a Europa continental, Ásia continental e Norte da África. Somente as guarnições americana e britânica na Alemanha barram o caminho dos russos para as margens do Atlântico.

Hoje, não menos que após a primeira Guerra Mundial, a verdadeira ameaça para o Ocidente não está no poder militar da Rússia. A Grã-Bretanha poderia facilmente repelir um ataque russo e seria pura loucura para os russos travar uma guerra contra os Estados Unidos. Não os exércitos russos, mas as ideologias comunistas ameaçam o Ocidente. Os russos sabem disso muito bem e não confiam em seu próprio exército, mas em seus partidários estrangeiros. Eles querem derrubar as democracias por dentro, não por fora. Suas principais armas são as maquinações pró-russas de suas Quintas Colunas. Essas são as divisões de quebra do Bolchevismo.

Os escritores e políticos comunistas dentro e fora da Rússia explicam as políticas agressivas da Rússia como mera autodefesa. Dizem que não é a Rússia que planeja a agressão, mas, ao contrário, as democracias capitalistas em declínio. A Rússia simplesmente quer defender sua própria independência. Esse é um método antigo e bem testado para justificar a agressão. Luís XIV e Napoleão I, Guilherme II e Hitler eram os homens mais pacíficos de todos. Quando invadiram países estrangeiros, fizeram-no apenas em legítima defesa. A Rússia era tão ameaçada pela Estônia ou pela Letônia quanto a Alemanha era por Luxemburgo e Dinamarca.

Um resultado dessa fábula de autodefesa é a lenda do cordão sanitário. A independência política dos pequenos países vizinhos da Rússia, que se mantém, é simplesmente um capitalismo improvisado destinado a impedir que as democracias europeias sejam infectadas com o germe do comunismo. Conclui-se, portanto, que essas pequenas nações perderam seu direito à independência. Pois a Rússia tem o direito inalienável de exigir que seus vizinhos, e também os vizinhos de seus vizinhos, sejam governados apenas por governos “amigáveis”, i.e., estritamente comunistas. O que aconteceria com o mundo se todas as grandes potências fizessem a mesma reivindicação?

A verdade é que não são os governos das nações democráticas que pretendem derrubar o atual sistema russo. Eles não encorajam a quinta coluna pró-democrática na Rússia e não incitam as massas russas a se oporem a seus líderes. Mas os russos estão ocupados dia e noite, fomentando a agitação em todos os países.

A intervenção muito tímida e hesitante das Nações Aliadas na Guerra Civil Russa não foi um empreendimento pró-capitalista e anticomunista. Para as Nações Aliadas, envolvidas em sua luta pela vida e morte com os alemães, Lenin era na época apenas uma ferramenta de seus inimigos mortais. Ludendorff havia enviado Lenin à Rússia para derrubar o regime de Kerensky e provocar a deserção da Rússia. Os bolcheviques lutaram pela força das armas contra todos aqueles russos que queriam continuar a aliança com a França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos. De um ponto de vista militar, era impossível para as nações ocidentais permanecerem neutras enquanto seus aliados russos se defendiam desesperadamente contra os bolcheviques. Para as Nações Aliadas, a Frente Oriental estava em jogo. A causa dos generais “brancos” era a sua própria causa.

Assim que a guerra contra a Alemanha chegou ao fim em 1918, os Aliados perderam o interesse nos assuntos russos. Não havia mais a necessidade de uma frente oriental. Eles não se importaram de forma alguma com os problemas internos da Rússia. Eles ansiavam pela paz e estavam ansiosos para se retirar dos combates. Eles estavam, é claro, envergonhados porque não sabiam como liquidar seus negócios de maneira adequada. Seus generais tinham vergonha de abandonar companheiros soldados que haviam lutado o melhor que podiam por uma causa comum. Deixar esses homens ao abandono foi, na opinião deles, nada menos que covardia e deserção. Tais considerações de honra militar atrasaram por algum tempo a retirada de destacamentos discretos dos Aliados e a suspensão das entregas aos Brancos. Quando isso foi finalmente realizado, os estadistas Aliados se sentiram aliviados. A partir daí, adotaram uma política de estrita neutralidade nos assuntos russos.

Foi muito lamentável que as Nações Aliadas tenham se envolvido na Guerra Civil Russa. Teria sido melhor se a situação militar de 1917 e 1918 não os tivesse forçado a interferir. Mas não se deve ignorar o fato de que o abandono da intervenção na Rússia foi equivalente ao fracasso final da política do Presidente Wilson. Os Estados Unidos entraram na guerra para fazer “um mundo seguro para a democracia”. A vitória havia esmagado o Kaiser e substituído na Alemanha um governo republicano pela relativamente branda e limitada autocracia imperial. Por outro lado, ela havia levado a Rússia a estabelecer uma ditadura em comparação com a qual o despotismo dos czares poderia ser chamado de liberal. Mas os Aliados não estavam tão ansiosos para fazer da Rússia um lugar seguro para a democracia quanto haviam tentado fazer da Alemanha. Afinal de contas, a Alemanha do Kaiser tinha parlamentos, ministros responsáveis pelos parlamentos, julgamentos por júri, liberdade de pensamento, de religião e de imprensa não muito mais limitados do que no Ocidente, e muitas outras instituições democráticas. Mas a Rússia soviética era um despotismo sem limites.

Os americanos, os franceses e os britânicos não viram as coisas sob esse ângulo. Mas as forças antidemocráticas na Alemanha, Itália, Polônia, Hungria e nos Bálcãs pensavam de maneira diferente. De acordo com a interpretação dos nacionalistas desses países, a neutralidade das potências aliadas em relação à Rússia era evidência do fato de que sua preocupação com a democracia havia sido uma mera cegueira. Os Aliados, argumentaram os nacionalistas, haviam lutado contra a Alemanha porque invejavam a prosperidade econômica da Alemanha e pouparam a nova autocracia russa porque não tinham medo do poder econômico russo. A democracia, concluíram esses nacionalistas, nada mais era do que um clichê conveniente para enganar as pessoas crédulas. E eles temiam que o apelo emocional desse slogan fosse um dia usado como um disfarce para ataques insidiosos à sua própria independência.

Desde o abandono da intervenção, a Rússia não tinha mais motivos para temer as grandes potências ocidentais. Os soviéticos também não temiam a agressão nazista. As afirmações contrárias, muito populares na Europa Ocidental e na América, resultaram de um completo desconhecimento dos assuntos alemães. Mas os russos conheciam a Alemanha e os nazistas. Eles tinham lido Mein Kampf. Eles aprenderam com esse livro não só que Hitler cobiçava a Ucrânia, mas também que a ideia estratégica fundamental de Hitler era embarcar na conquista da Rússia somente depois de ter finalmente e para sempre, aniquilado a França. Os russos estavam plenamente convencidos de que a expectativa de Hitler, expressa em Mein Kampf, de que a Grã-Bretanha e os Estados Unidos ficariam à margem dessa guerra e deixariam a França ser destruída em silêncio, era em vão. Eles tinham certeza de que uma nova guerra mundial, na qual eles próprios planejavam permanecer neutros, resultaria em uma nova derrota alemã. E essa derrota, argumentaram eles, tornaria a Alemanha — se não toda a Europa — segura para o bolchevismo. Guiado por essa visão, Stalin ajudou o então secreto rearmamento alemão já nos tempos da República de Weimar. Os comunistas alemães ajudaram os nazistas tanto quanto puderam em seus esforços para minar o regime de Weimar. Finalmente, Stalin entrou em agosto de 1939 em uma aliança aberta com Hitler, a fim de dar-lhe uma mão livre contra o Ocidente.

O que Stalin — como todas as outras pessoas — não antecipou foi o sucesso avassalador dos exércitos alemães em 1940. Hitler atacou a Rússia em 1941 porque estava plenamente convencido de que não só a França, mas também a Grã-Bretanha estavam acabadas, e que os Estados Unidos, ameaçados na retaguarda pelo Japão, não seriam suficientemente fortes para interferir com sucesso nos assuntos europeus.

A desintegração do Império dos Habsburgos em 1918 e a derrota nazista em 1945 abriram as portas da Europa à Rússia. A Rússia é hoje a única potência militar no continente europeu. Mas por que os russos estão tão empenhados em conquistar e anexar? Eles certamente não precisam dos recursos desses países. Stalin também não é movido pela ideia de que tais conquistas poderiam aumentar sua popularidade entre as massas russas. Seus súditos são indiferentes à glória militar.

Não são as massas que Stalin quer aplacar com sua política agressiva, mas os intelectuais. Pois é a ortodoxia marxista deles que está em jogo, a própria fundação do poder soviético.

Esses intelectuais russos não tinham imaginação suficiente para absorver as modificações do credo marxista que eram, de fato, um abandono dos ensinamentos essenciais do materialismo dialético, desde que essas modificações lisonjeassem seu chauvinismo russo. Eles engoliram a doutrina de que sua santa Rússia poderia saltar um dos estágios inextricáveis da evolução econômica, conforme descrito por Marx. Eles estavam orgulhosos de serem a vanguarda do proletariado e da revolução mundial que, ao realizar o socialismo pela primeira vez em um país, deu um exemplo glorioso para todas as outras nações. Mas é impossível explicar-lhes por que as outras nações não alcançaram finalmente a Rússia. Nos escritos de Marx e de Engels, que não podem ser ignorados, eles descobrem que os pais do marxismo consideravam a Grã-Bretanha e a França e mesmo a Alemanha como os países mais avançados na civilização e na evolução do capitalismo. Estes estudantes nas universidades marxianas podem ser muito estúpidos para compreender as doutrinas filosóficas e econômicas do evangelho marxiano. Mas eles não são muito estúpidos para ver que Marx considerava esses países ocidentais muito mais avançados do que a Rússia.

Então alguns desses estudantes de políticas econômicas e estatísticas começam a suspeitar que o padrão de vida das massas é muito mais alto nos países capitalistas do que em seu próprio país. Como isso pode ser possível? Por que as condições são muito mais propícias nos Estados Unidos que — apesar de serem as mais importantes na produção capitalista — são mais atrasadas no despertar da consciência de classe nos proletários?

A inferência a partir destes fatos parece inescapável. Se os países mais avançados não adotam o comunismo e se dão muito bem sob o capitalismo, se o comunismo se limita a um país que Marx considerava atrasado e não traz riquezas para todos, não é talvez a interpretação correta de que o comunismo é uma característica dos países atrasados e resulta em pobreza geral? Não deve um patriota russo ter vergonha do fato de que seu país está comprometido com esse sistema?

Tais pensamentos são muito perigosos em um país despótico. Quem se atrevesse a expressá-los seria impiedosamente liquidado pela G.P.U., mas mesmo sem falar, eles estão na ponta da língua de todo homem inteligente. Eles perturbam o sono dos oficiais supremos e talvez até mesmo o do grande ditador. Ele certamente tem o poder de esmagar todos os adversários. Mas considerações de conveniência tornam desaconselhável erradicar todas as pessoas que são, certa forma, judiciosas e administrar o país apenas com imbecis estúpidos.

Esta é a verdadeira crise do marxismo russo. A cada dia que passa sem trazer a revolução mundial a agrava. Os soviéticos têm de conquistar o mundo ou se sentir ameaçados em seu próprio país por uma deserção de intelectuais. É a preocupação com o estado ideológico das mentes mais astutas da Rússia que empurra a Rússia de Stalin para uma agressão implacável.

§.5
A Heresia de Trotsky

A doutrina ditatorial ensinada pelos bolcheviques russos, os fascistas italianos e os nazistas alemães indicam tacitamente que não pode haver discordância sobre quem será o ditador. As forças místicas que dirigem o curso dos acontecimentos históricos designam o líder providencial. Todos os justos estão obrigados a submeter-se aos insondáveis decretos da história e a dobrar-se diante do trono do homem do destino. Aqueles que se recusam a fazê-lo são hereges, canalhas abjetos que devem ser “liquidados”.

Na realidade, o poder ditatorial é tomado por aquele candidato que consegue exterminar todos os seus rivais e seus assistentes a tempo. O ditador abre seu caminho para o poder supremo massacrando todos os seus competidores. Ele preserva sua posição eminente ao mutilar todos aqueles que poderiam disputá-la. A história de todos os despotismos orientais é testemunha disso, bem como a experiência da ditadura contemporânea.

Quando Lenin morreu em 1924, Stalin suplantou seu rival mais perigoso, Trotsky. Trotsky escapou, passou anos no exterior em vários países da Europa, Ásia e América e finalmente foi assassinado na Cidade do México. Stalin continuou sendo o governante absoluto da Rússia.

Trotsky era um intelectual do tipo marxista ortodoxo. Como tal, ele tentou representar sua rixa pessoal com Stalin como um conflito de princípios. Ele tentou construir uma doutrina de Trotsky que se distinguia da doutrina de Stalin. Ele chamou as políticas de Stalin de uma apostasia do legado sagrado de Marx e de Lenin. Stalin respondeu da mesma forma. Na verdade, porém, o conflito era uma rivalidade de dois homens, não um conflito de ideias e princípios antagônicos. Houve uma ligeira discordância sobre os métodos táticos. Mas em todos os assuntos essenciais Stalin e Trotsky concordavam.

Trotsky tinha vivido, antes de 1917, muitos anos em países estrangeiros e estava, em certa medida, familiarizado com os principais idiomas dos povos ocidentais. Ele se fez passar por um especialista em assuntos internacionais. Ele realmente não sabia nada sobre a civilização ocidental, ideias políticas e condições econômicas. Como um exilado errante, ele se mudou quase que exclusivamente para os círculos de seus companheiros exilados. Os únicos estrangeiros que ele havia conhecido ocasionalmente nos cafés e clubes da Europa Ocidental e Central eram doutrinários radicais, por causa de suas preocupações marxianas excluídas da realidade. Suas principais leitura foram livros e jornais marxianos. Ele desprezava todos os outros escritos como literatura “burguesa”. Ele era absolutamente incapaz de ver os eventos de qualquer outro ângulo além do marxismo. Como Marx, ele estava disposto a interpretar cada grande greve e cada pequeno distúrbio como o sinal de que a grande revolução final se desencadearia.

Stalin é um georgiano educado de forma pobre. Ele não tem o menor conhecimento de nenhuma língua ocidental. Ele não conhece a Europa nem a América. Até mesmo suas conquistas como autor marxiano são questionáveis. Mas foi precisamente o fato de que, embora seja um defensor ferrenho do comunismo, ele não foi doutrinado com dogmas marxistas, o que o tornou superior a Trotsky. Stalin não foi enganado pelos falsos princípios do materialismo dialético. Quando confrontado com um problema, ele não procurou uma interpretação nos escritos de Marx e de Engels. Ele confiava em seu bom senso. Ele foi judicioso o suficiente para discernir o fato de que a política de revolução mundial inaugurada por Lenin e Trotsky em 1917 falhou completamente fora das fronteiras da Rússia.

Na Alemanha, os comunistas, liderados por Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, foram esmagados por destacamentos do exército regular e por voluntários nacionalistas em uma sangrenta batalha travada em janeiro de 1919 nas ruas de Berlim. A tomada do poder pelos comunistas em Munique na primavera de 1919 e o motim de Hölz em março de 1921 terminaram igualmente em desastre. Na Hungria, em 1919, os comunistas foram derrotados por Horthy e Gömbös e pelo exército romeno. Na Áustria, vários complôs comunistas fracassaram em 1918 e 1919; um violento tumulto em julho de 1927 foi facilmente reprimido pela polícia de Viena. Na Itália, em 1920, a ocupação das fábricas foi um fracasso completo. Na França e na Suíça, a propaganda comunista parecia ser muito poderosa nos primeiros anos após o armistício de 1918, mas se evaporou muito rapidamente. Na Grã-Bretanha, em 1926, a greve geral convocada pelos sindicatos resultou em um fracasso lamentável.

Trotsky estava tão cego por sua ortodoxia que se recusou a admitir que os métodos bolchevistas haviam falhado. Mas Stalin percebeu isso muito bem. Ele não abandonou a ideia de instigar surtos revolucionários em todos os países estrangeiros e de conquistar o mundo inteiro para os soviéticos. Mas ele estava plenamente consciente de que era necessário adiar a agressão por alguns anos e recorrer a novos métodos de execução. Trotsky estava errado ao acusar Stalin de estrangular o movimento comunista fora da Rússia. O que Stalin realmente fez foi aplicar outros meios para atingir fins comuns a ele e a todos os outros marxianos.

Como exegeta dos dogmas marxistas, Stalin era certamente inferior a Trotsky. Mas ele superou seu rival de longe como um político. O bolchevismo deve seus sucessos nas políticas mundiais a Stalin, não a Trotsky.

No âmbito da política interna, Trotsky recorreu aos truques tradicionais bem testados que os marxianos sempre aplicaram para criticar as medidas socialistas adotadas por outros partidos. O que Stalin fez não foi socialismo e comunismo, mas, ao contrário, uma monstruosa perversão dos elevados princípios de Marx e de Lenin. Todas as características desastrosas do controle público da produção e da distribuição como surgiram na Rússia foram, na interpretação de Trotsky, provocadas pelas políticas de Stalin. Elas não eram consequências inevitáveis dos métodos comunistas. Eram fenômenos consequentes do stalinismo, não do comunismo. Foi exclusivamente por culpa de Stalin que uma burocracia irresponsável absolutista era suprema, que uma classe de oligarcas privilegiados desfrutava de luxos enquanto as massas viviam à beira da fome, que um regime terrorista executava a velha guarda dos revolucionários e condenava milhões a trabalho escravo em campos de concentração, que a polícia secreta era onipotente, que os sindicatos do trabalho eram impotentes, que as massas eram privadas de todos os direitos e liberdades. Stalin não era um campeão da sociedade igualitária sem classes. Ele foi o pioneiro no retorno aos piores métodos de governo de classe e exploração. Um novo governo de cerca de 10% da população oprimiu e explorou impiedosamente a grande maioria do proletariado operário.

Trotsky não sabia explicar como tudo isso poderia ser alcançado por apenas um homem e seus poucos sicofantas. Onde estavam as “forças produtivas materiais”, muito faladas no materialismo histórico marxiano, que — “independentemente das vontades dos indivíduos” determinam o curso dos eventos humanos “com a inexorabilidade de uma lei da natureza”? Como pode um homem sozinho ser capaz de mudar a “superestrutura jurídica e política” que é única e inalteravelmente fixada pela estrutura econômica da sociedade? Até Trotsky concordou que não havia mais nenhuma propriedade privada dos meios de produção na Rússia. No império de Stalin, a produção e a distribuição são totalmente controladas pela “sociedade”. É um dogma fundamental do marxismo que a superestrutura de tal sistema deve ser necessariamente a felicidade do paraíso terrestre. Não há espaço nas doutrinas marxianas para uma interpretação que culpe os indivíduos por um processo degenerativo que poderia transformar a bênção do controle público dos negócios em maldade. Um marxiano coerente — se a coerência fosse compatível com o marxismo — teria de admitir que o sistema político de Stalin era a superestrutura necessária do comunismo.

Todos os pontos essenciais do programa de Trotsky estavam em perfeito acordo com a política de Stalin. Trotsky defendeu a industrialização da Rússia. Esse era o objetivo dos planos quinquenais de Stalin. Trotsky defendeu a coletivização da agricultura. Stalin criou os kolkhoz e liquidou os kulaks. Trotsky favoreceu a organização de um grande exército. Stalin organizou um exército desse tipo. Trotsky também não era um amigo da democracia quando ainda estava no poder. Pelo contrário, ele era um fanático adepto da opressão ditatorial de todos os “sabotadores”. É verdade que ele não previu que o ditador pudesse considerá-lo, Trotsky, um escritor marxiano e veterano do glorioso extermínio dos Romanovs, como o mais profano sabotador. Como todos os outros apoiadores da ditadura, ele assumiu que ele ou um de seus amigos próximos seria o ditador.

Trotsky foi um crítico do burocratismo. Mas ele não sugeriu nenhum outro método para a condução dos assuntos em um sistema socialista. Não há alternativa às empresas privadas com fins lucrativos, a não ser a gestão burocrática.[19]

A verdade é que Trotsky encontrou apenas uma falha em Stalin: que ele, Stalin, era o ditador e não ele mesmo, Trotsky. Em sua disputa, ambos estavam certos. Stalin estava certo ao argumentar que seu regime era a encarnação dos princípios socialistas. Trotsky estava certo ao afirmar que o regime de Stalin tinha feito da Rússia um inferno.

O trotskismo não desapareceu completamente com a morte de Trotsky. O boulangerismo na França também sobreviveu por algum tempo ao fim do General Boulanger. Ainda há Carlistas na Espanha, embora a linha de Dom Carlos tenha morrido. Esses movimentos póstumos estão, é claro, fadados ao fracasso.

Mas em todos os países há pessoas que, embora apegadas fanaticamente à ideia de planejamento global, i.e., à propriedade pública dos meios de produção, ficam assustadas quando são confrontadas com a verdadeira face do comunismo. Essas pessoas estão desapontadas. Elas sonham com um Jardim do Éden. Para eles, o comunismo, ou socialismo, permite uma vida fácil em riqueza e o gozo de todas as liberdades e prazeres. Elas não percebem as contradições inerentes à sua imagem da sociedade comunista. Elas engoliram acriticamente todas as fantasias lunáticas de Charles Fourier e todos os absurdos de Veblen. Eles acreditam firmemente na asserção de Engels de que o socialismo será um reino de liberdade ilimitada. Elas culpam o capitalismo por tudo o que não gostam e estão plenamente convencidos de que o socialismo os livrará de todo o mal. Eles atribuem seus próprios fracassos e frustrações à injustiça desse sistema competitivo “louco” e esperam que o socialismo lhes dê a posição eminente e as altas rendas que lhes são devidas. Elas são Cinderelas, que anseiam pelo príncipe-salvador que reconhecerá seus méritos e virtudes. O repúdio ao capitalismo e o culto ao comunismo são consolações para eles. Elas os ajudam a disfarçar para si mesmos sua própria inferioridade, e a culpar o “sistema” por suas próprias falhas.

Ao defender a ditadura, tais pessoas sempre defendem a ditadura de sua própria turma. Ao pedir planejamento, o que elas têm em mente é sempre seu próprio plano, não o de outros. Elas nunca admitirão que um regime socialista ou comunista é o verdadeiro e genuíno socialismo ou comunismo se ele não reivindicar para elas mesmas a posição mais alta e a renda mais alta. Para elas, a característica essencial do verdadeiro e genuíno comunismo é que todos os assuntos são conduzidos precisamente de acordo com sua própria vontade, e todos aqueles que discordam são espancados até a submissão.

É um fato que a maioria de nossos contemporâneos estão impregnados de ideias socialistas e comunistas. Entretanto, isso não significa que sejam unânimes em suas propostas de socialização dos meios de produção e controle público da produção e distribuição. Pelo contrário. Toda confraria socialista se opõe fanaticamente aos planos de todos os outros grupos socialistas. As várias seitas socialistas lutam entre si com a maior amargura.

Se o caso Trotsky e o caso similar de Gregor Strasser na Alemanha nazista fossem casos isolados, não haveria necessidade de lidar com eles. Mas eles não são incidentes casuais. Eles são típicos. O estudo dos mesmos revela as causas psicológicas tanto da popularidade do socialismo quanto de sua inviabilidade.

§.6
A liberação dos demônios

A história da humanidade é a história das ideias. Pois são ideias, teorias e doutrinas que guiam a ação humana, determinam os objetivos finais que os homens almejam e a escolha dos meios empregados para atingir esses objetivos. Os eventos sensacionais que despertam emoções e atraem a atenção de observadores superficiais são simplesmente a consumação de mudanças ideológicas. Não existem tais coisas como transformações abruptas e radicais nos assuntos humanos. O que é chamado, em termos bastante enganosos, de “ponto de virada na história” é a chegada ao palco de forças que há muito estão trabalhando nos bastidores. As novas ideologias, que há muito substituíram as antigas, estão levantando seu último véu, e até mesmo as pessoas mais estúpidas estão se tornando conscientes de mudanças que não haviam notado antes.

Nesse sentido, a tomada do poder por Lenin em outubro de 1917 foi certamente um ponto de inflexão. Mas seu significado era muito diferente do que os comunistas atribuíam a ele.

A vitória soviética desempenhou apenas um papel menor na evolução para o socialismo. As políticas pró-socialistas dos países industrializados da Europa Central e Ocidental tiveram consequências muito mais importantes a esse respeito. O esquema de segurança social de Bismarck foi um mais momentâneo  vanguardista no caminho do socialismo do que a expropriação das atrasadas manufaturas russas. As Ferrovias Nacionais Prussianas haviam fornecido o único exemplo de um negócio operado pelo governo que, por algum tempo, pelo menos, tinha evitado manifestar bancarrota. Os britânicos já haviam adotado elementos essenciais do sistema de seguridade social alemão antes de 1914. Os governos de todos os países industrializados haviam se engajado em políticas intervencionistas que só poderiam levar ao socialismo. Durante a guerra, a maioria deles embarcou no que foi chamado de socialismo do tempo de guerra. O programa alemão Hindenburg, que obviamente não pôde ser totalmente implementado devido à derrota da Alemanha, não foi menos radical, mas muito melhor concebido do que os tão falados planos quinquenais russos.

Para os socialistas dos países predominantemente industriais do Ocidente, os métodos russos não poderiam ter qualquer utilidade. Para esses países, a produção de bens manufaturados para exportação era indispensável. Eles não podiam adotar o sistema russo de autarquia econômica. A Rússia nunca havia exportado bens manufaturados em quantidades dignas de menção. Sob o sistema soviético, ela retirou-se quase inteiramente dos mercados mundiais de cereais e de matérias primas. Até mesmo os socialistas fanáticos não puderam deixar de admitir que o Ocidente não podia aprender nada com a Rússia. É óbvio que as conquistas tecnológicas das quais o bolchevismo se orgulhava eram apenas imitações desajeitadas das coisas feitas no Ocidente. Lenin definiu o comunismo da seguinte forma: “Poder soviético mais eletrificação”. Agora, a eletrificação não era certamente de origem russa, e as nações ocidentais superam a Rússia no campo da eletrificação não menos do que em qualquer outro ramo da indústria.

O verdadeiro significado da revolução de Lenin deve ser visto no fato de que ela foi a explosão do princípio de violência e opressão ilimitadas. Foi a negação de todos os ideais políticos que, durante três mil anos, guiaram a evolução da civilização ocidental.

O Estado e o governo são o aparato social da coerção e repressão violentas. Tal aparato, o poder policial, é indispensável para evitar que indivíduos e gangues antissociais destruam a cooperação social. A prevenção violenta e a supressão de atividades antissociais beneficiam toda a sociedade e cada um de seus membros. Entretanto, a violência e a opressão também são males e corrompem os responsáveis por sua implementação. É necessário limitar o poder dos que estão no poder para que não se tornem déspotas absolutos. A sociedade não pode existir sem um aparato de coerção violenta. Mas também não pode existir se os titulares do cargo forem tiranos irresponsáveis livres para infligir danos àqueles de quem não gostam.

É a função social das leis refrear a arbitrariedade da polícia. O estado de direito restringe a arbitrariedade dos oficiais o máximo possível. Ele limita estritamente seu poder discricionário, proporcionando assim aos cidadãos uma esfera na qual eles são livres para agir sem serem frustrados pela interferência do governo.

Independência e liberdade significam sempre liberdade da interferência policial. Na natureza não existem coisas como independência e liberdade. Existe apenas a rigidez intransigente das leis da natureza às quais o homem precisa se submeter incondicionalmente se quiser alcançar qualquer objetivo. Nem existe liberdade nas condições paradisíacas imaginárias que, segundo a fantástica tagarelice de muitos escritores, precederam o estabelecimento de vínculos sociais. Onde não há governo, todos estão à mercê de seu vizinho mais forte. A liberdade só pode ser realizada dentro de um estado estabelecido, pronto para impedir que um gângster mate e roube seus companheiros mais fracos. Mas é apenas o estado de direito que impede os governantes de se tornarem os piores gângsteres.

As leis estabelecem normas de ações legítimas. Elas estabelecem os procedimentos necessários para a revogação ou emenda de leis existentes e para a promulgação de novas leis. Elas também estabelecem os procedimentos necessários para a aplicação das leis em casos específicos, o devido processo legal. Elas estabelecem cortes e tribunais. Assim, elas visam evitar uma situação em que os indivíduos estejam à mercê dos que estão no poder.

Os homens mortais estão sujeitos a erros, e os legisladores e juízes são homens mortais. Em várias ocasiões, as leis em vigor ou sua interpretação pelos tribunais podem impedir os órgãos executivos de recorrer a certas medidas que poderiam ser benéficas. Se os legisladores reconhecerem as deficiências das leis válidas, eles podem alterá-las. É certamente uma coisa ruim que um criminoso possa às vezes escapar da punição porque ainda existe uma lacuna na lei ou porque o promotor negligenciou certas formalidades. Mas é um mal menor em comparação com as consequências de um poder de discrição ilimitada por parte do déspota “benevolente”.

É precisamente esse ponto que os indivíduos antissociais não conseguem ver. Tais pessoas condenam o formalismo do devido processo legal. Por que as leis deveriam impedir o governo de usar medidas benéficas? Não é um fetichismo fazer leis supremas e não um oportunismo? Eles defendem a substituição do Estado de direito (Rechtsstaat) pelo Estado social (Wohlfahrtsstaat). Nesse estado social, o governo paterno deve ser livre para fazer o que considerar benéfico para a riqueza comum. Nenhum “pedaço de papel” deve impedir um líder esclarecido de se esforçar para promover o bem-estar geral. Todos os oponentes precisam ser esmagados sem piedade para não frustrar a ação benéfica do governo. Nenhuma formalidade vazia precisa protegê-los por mais tempo de sua merecida punição.

É costumário chamar o ponto de vista dos defensores do Estado de bem-estar de ponto de vista “social” enquanto distinto do ponto de vista “individualista” e “egoísta” dos defensores do Estado de direito. Na realidade, porém, os defensores do Estado de bem-estar são totalmente fanáticos antissociais e intolerantes. Pois sua ideologia implica tacitamente que o governo realizará exatamente o que eles próprios consideram justo e benéfico. Eles ignoram totalmente a possibilidade de que possa surgir um desacordo sobre a questão do que é justo e apropriado e do que não é. Eles defendem o despotismo esclarecido, mas estão convencidos de que o déspota esclarecido se conformará em cada detalhe com seus próprios pontos de vista na elaboração das medidas a serem adotadas. Eles são a favor do planejamento, mas o que eles têm em mente é exclusivamente seu próprio plano, não o de outros. Eles querem exterminar todos os adversários, isto é, todos aqueles que discordam deles. Eles são totalmente intolerantes e não estão preparados para permitir qualquer dissensão. Qualquer defensor do Estado de bem-estar e do planejamento é um ditador em potencial. O que ele planeja é privar todos os outros homens de todos os seus direitos e estabelecer sua própria onipotência e a de seus amigos sem restrições. Ele se recusa a convencer seus concidadãos. Ele prefere “liquidá-los”. Ele despreza a sociedade “burguesa” que adora a lei e o procedimento legal. Ele mesmo adora a violência e o derramamento de sangue.

O conflito irreconciliável dessas duas doutrinas, Estado de direito versus Estado de bem-estar, estava em questão em todas as lutas que os homens travaram pela liberdade. Foi uma evolução longa e difícil. Os campeões do absolutismo triunfaram repetidas vezes. Mas finalmente o Estado de direito predominava no reino da civilização ocidental. O Estado de direito, ou governo limitado, como garantido pelas constituições e leis de direitos, é a marca registrada dessa civilização. Foi o Estado de direito que trouxe as maravilhosas conquistas do capitalismo moderno e de sua — como devem dizer os marxianos consistentes — “superestrutura”, a democracia. Tem assegurado um bem-estar sem precedentes para uma população cada vez maior. As massas nos países capitalistas de hoje gozam de um padrão de vida muito mais elevado do que as classes abastadas do passado.

Todas essas conquistas não impediram os defensores do despotismo e do planejamento. No entanto, teria sido absurdo para os campeões do totalitarismo ignorar abertamente as inextricáveis consequências ditatoriais de seus esforços. No século XIX, as ideias de liberdade e do Estado de direito tinham ganho tanto prestígio que parecia uma loucura atacá-las abertamente. A opinião pública estava firmemente convencida de que o despotismo estava acabado e nunca poderia ser restaurado. Não foi até mesmo o Czar da Rússia bárbara forçado a abolir a servidão, a estabelecer um julgamento pelo júri, a conceder uma liberdade limitada à imprensa e a respeitar as leis?

Assim, os socialistas recorreram a um truque. Eles continuaram a discutir a próxima ditadura do proletariado, ou seja, a ditadura das próprias ideias de cada autor socialista, em seus círculos esotéricos. Mas diante do público em geral, eles se expressaram de uma maneira diferente. O socialismo, disseram eles, trará verdadeira e completa liberdade e democracia. Ele removerá todos os tipos de restrições e coerção. O Estado vai “murchar”. Na futura comunidade socialista não haverá juízes e policiais, não haverá prisões e não haverá forca.

Mas os bolcheviques tiraram a máscara. Eles estavam plenamente convencidos de que o dia de sua vitória final e inabalável havia chegado. Não era possível nem necessária uma nova dissimulação. O evangelho do derramamento de sangue podia ser pregado abertamente. Encontrou uma resposta entusiástica entre todos os literatos degenerados e intelectuais de salão que por muitos anos já vinham delirando com os escritos de Sorel e Nietzsche. Os frutos da “traição dos intelectuais”[20] amadureceram. Os jovens que haviam se alimentado das ideias de Carlyle e de Ruskin estavam prontos para tomar as rédeas.

Lenin não foi o primeiro usurpador. Muitos tiranos o precederam. Mas seus predecessores estavam em conflito com as ideias sustentadas por seus contemporâneos mais eminentes. Eles sofreram oposição da opinião pública porque seus princípios de governo estavam em desacordo com os princípios aceitos do direito e da legalidade. Eles eram desprezados e detestados como usurpadores. Mas a usurpação de Lenin era vista sob uma luz diferente. Ele era o super-homem brutal por cuja vinda os pseudofilósofos ansiavam. Ele era o falso salvador que a história havia escolhido para trazer a salvação através do derramamento de sangue. Não era ele o seguidor mais ortodoxo do socialismo “científico” marxiano? Não era ele o homem destinado a realizar os planos socialistas para a execução dos quais os fracos estadistas das democracias em declínio eram muito tímidos? Todas as pessoas bem-intencionadas pediram o socialismo; a ciência, através da boca dos professores infalíveis, recomendou-o; as igrejas pregavam o socialismo cristão; os trabalhadores ansiavam pela abolição do sistema salarial. Aqui estava o homem para satisfazer todos esses desejos. Ele foi suficientemente criterioso para saber que não se pode fazer um omelete sem quebrar ovos.

Há meio século, todos os povos civilizados haviam criticado Bismarck quando ele disse que os grandes problemas da história precisam ser resolvidos com sangue e ferro. Hoje, a maioria dos homens quase civilizados se curvaram diante do ditador que estava preparado para derramar muito mais sangue do que Bismarck jamais derramou.

Esse foi o verdadeiro significado da revolução de Lenin. Todas as ideias tradicionais de direito e de legalidade foram derrubadas. A regência da violência desenfreada e da usurpação foi substituída pelo Estado de direito. O “horizonte estreito da legalidade burguesa”, como Marx o tinha apelidado, foi abandonado. Daí em diante, nenhuma lei poderia mais limitar o poder dos eleitos. Eles eram livres para matar ad libitum. Impulsos inatos do homem para o extermínio violento de todos aqueles de quem não gosta, reprimidos por uma longa e cansativa evolução, foram desencadeados. Os demônios estavam livres. Uma nova era, a era dos usurpadores, chegou. Os gângsters foram chamados à ação, e eles ouviram a Voz.

Naturalmente, Lenin não quis dizer isso. Ele não queria conceder a outras pessoas as prerrogativas que ele reivindicava para si mesmo. Ele não queria dar a outros homens o privilégio de liquidar seus oponentes. Somente ele teve a história eleita e confiada ao poder ditatorial. Ele era o único ditador “legítimo” porque uma voz interior lhe havia dito isso. Lenin não era brilhante o suficiente para prever que outras pessoas, imbuídas de outras crenças, poderiam ser ousadas o suficiente para fingir que também eram chamadas por uma voz interior. No entanto, em poucos anos, dois desses homens, Mussolini e Hitler, tornaram-se muito visíveis.

É importante perceber que o fascismo e o nazismo eram ditaduras socialistas. Os comunistas, tanto membros registrados de partidos comunistas quanto companheiros de viagem, estigmatizam o fascismo e o nazismo como a etapa mais alta, última e mais depravada do capitalismo. Isso está em perfeita consonância com seu hábito de chamar todos os partidos que não se submetem incondicionalmente aos ditames de Moscou — mesmo os social-democratas alemães, o partido clássico do marxismo — de mercenários do capitalismo.

É de muito mais impacto que os comunistas tenham conseguido mudar a conotação semântica do termo Fascismo. O fascismo, como veremos mais tarde, era uma variedade do socialismo italiano. Foi adaptado às condições particulares das massas em uma Itália superpopulosa. Não era um produto da mente de Mussolini e sobreviverá à queda de Mussolini. As políticas externas do fascismo e do nazismo, desde seus primórdios, eram bastante opostas uma à outra. O fato de que os nazistas e os fascistas cooperaram estreitamente após a guerra etíope, e foram aliados na segunda Guerra Mundial, não erradicou as diferenças entre esses dois princípios, assim como a aliança entre a Rússia e os Estados Unidos não erradicou as diferenças entre o sovietismo e o sistema econômico americano. O fascismo e o nazismo estavam ambos comprometidos com o princípio soviético da ditadura e com a opressão violenta dos dissidentes. Se alguém quiser atribuir o fascismo e o nazismo à mesma massa de sistemas políticos, precisa-se chamar essa classe de regime ditatorial e precisa também não negligenciar a atribuição dos soviéticos à mesma massa.

Nos últimos anos, as inovações semânticas dos comunistas foram ainda mais longes. Eles chamam de fascista a todos que não gostam, a todos os defensores do sistema de livre iniciativa. O bolchevismo, dizem eles, é o único sistema realmente democrático. Todos os países e partidos não comunistas são essencialmente antidemocráticos e fascistas.

É verdade que às vezes também os não-socialistas — os últimos remanescentes da antiga aristocracia — brincaram com a ideia de uma revolução aristocrática modelada de acordo com o padrão da ditadura soviética. Lenin havia aberto seus olhos. Lamentaram eles, que idiota nós fomos! Nós nos deixamos iludir pelos lemas espúrios da burguesia liberal. Acreditávamos que não era permissível desviar-nos do Estado de direito e esmagar impiedosamente aqueles que desafiaram nossos direitos. Como esses Romanovs foram tolos em dar a seus inimigos mortais o benefício de um julgamento justo! Se alguém levanta as suspeitas de Lenin, ele está acabado. Lenin não hesita em exterminar, sem nenhum julgamento, não só todos os suspeitos, mas também todos os seus parentes e amigos. Mas os czares estavam supersticiosamente receosos de quebrar as regras estabelecidas por esses pedaços de papel chamados leis. Quando Alexander Ulyanov conspirou contra a vida do Czar, ele foi executado sozinho; seu irmão Vladimir foi poupado. Assim, o próprio Alexandre III preservou a vida de Ulyanov-Lenin, o homem que exterminou impiedosamente seu filho, sua nora e seus filhos, e com eles todos os outros membros da família que ele poderia pegar. Não foi essa a política mais estúpida e suicida?

No entanto, nenhuma ação poderia resultar dos devaneios desses antigos tories. Eles eram um pequeno grupo de murmurantes sem poder. Eles não eram apoiados por nenhuma força ideológica e não tinham seguidores.

A ideia de uma revolução aristocrática motivou os Stahlhelm alemães e os Cagoulards franceses. Os Stahlhelm foram simplesmente desfeitos por ordem de Hitler. O governo francês poderia facilmente aprisionar os Cagoulards antes que eles tivessem qualquer oportunidade de fazer algum mal.

A coisa mais próxima de uma ditadura aristocrática é o regime de Franco. Mas Franco era apenas um fantoche de Mussolini e de Hitler, que queriam a ajuda da Espanha na guerra iminente contra a França ou, pelo menos, a neutralidade “amigável” da Espanha. Com seus protetores fora, ele terá de adotar métodos ocidentais de governo ou enfrentar a remoção.

A ditadura e a opressão violenta de todos os dissidentes são hoje instituições exclusivamente socialistas. Isso se torna evidente quando olhamos mais de perto o fascismo e o nazismo.

§.7
Fascismo

Quando a guerra eclodiu em 1914, o Partido Socialista Italiano estava dividido quanto à política a ser adotada.

Um grupo se agarrou aos rígidos princípios do marxismo. Essa guerra, diziam eles, é uma guerra dos capitalistas. Não parece que os proletários estejam ao lado de nenhuma das partes beligerantes. Os proletários precisam esperar pela grande revolução, a guerra civil dos socialistas unidos contra os exploradores unidos. Eles precisam representar a neutralidade italiana.

O segundo grupo foi profundamente afetado pelo ódio tradicional da Áustria. Na opinião deles, a primeira tarefa dos italianos era libertar seus irmãos não redimidos. Somente então apareceria o dia da revolução socialista.

Nesse conflito, Benito Mussolini, o homem de destaque no socialismo italiano, escolheu a princípio a posição marxiana ortodoxa. Ninguém poderia superar Mussolini no zelo marxiano. Ele foi o defensor intransigente do credo puro, o defensor inabalável dos direitos dos proletários explorados, o profeta eloquente do êxtase socialista que estava por vir. Ele era um oponente ferrenho do patriotismo, do nacionalismo, do imperialismo, da monarquia e de todas as crenças religiosas. Quando a Itália em 1911 abriu a grande série de guerras por um ataque insidioso à Turquia, Mussolini organizou violentas manifestações contra a partida das tropas para a Líbia. Agora, em 1914, ele marcou a guerra contra a Alemanha e a Áustria como uma guerra imperialista. Naquela época ele ainda estava sob a influência dominante de Angelica Balabanoff, filha de um rico proprietário de terras russo. A senhorita Balabanoff o havia iniciado nas sutilezas do marxismo. Aos seus olhos, a derrota dos Romanov contou mais do que a derrota dos Habsburgos. Ela não tinha nenhuma simpatia pelos ideais do Risorgimento.

Mas os intelectuais italianos eram, antes de tudo, nacionalistas. Como em todos os outros países europeus, a maioria dos marxistas ansiava por guerra e conquista. Mussolini não estava preparado para perder sua popularidade. O que ele mais odiava era não estar do lado da facção vitoriosa. Ele mudou de ideia e tornou-se o mais fanático defensor do ataque da Itália à Áustria. Com a ajuda financeira francesa, ele fundou um jornal para lutar pela causa da guerra.

Os antifascistas culpam Mussolini por essa deserção dos ensinamentos do marxismo rígido. Ele foi subornado, dizem eles, pelos franceses. Agora, mesmo estas pessoas deveriam saber que a publicação de um jornal requer fundos. Eles mesmos não falam de suborno se um americano rico fornece a um homem o dinheiro necessário para a publicação de um jornal de companheirismo, ou se os fundos fluem misteriosamente para as empresas editoras comunistas. É um fato que Mussolini entrou na política mundial como um aliado das democracias, enquanto Lenin entrou nela como um aliado virtual da Alemanha Imperial.

Mais do que qualquer outra pessoa, Mussolini foi fundamental para a entrada da Itália na primeira Guerra Mundial. Sua propaganda jornalística tornou possível que o governo declarasse guerra à Áustria. Somente aquelas poucas pessoas têm o direito de encontrar falhas em sua atitude nos anos de 1914 a 1918 que percebem que a desintegração do Império Austro-Húngaro significou a desgraça da Europa. Somente aqueles italianos eram livres para culpar Mussolini, que estava começando a entender que a única maneira de proteger as minorias de língua italiana nos distritos costeiros da Áustria contra a ameaça de aniquilação pelas maiorias eslavas, era preservar a integridade do Estado austríaco, cuja constituição garantia direitos iguais a todos os grupos linguísticos. Mussolini foi uma das figuras mais miseráveis da história. Mas o fato é que seu primeiro grande ato político ainda tem a aprovação de todos os seus compatriotas e da grande maioria de seus detratores estrangeiros.

Quando a guerra chegou ao fim, a popularidade de Mussolini minguou. Os comunistas, que ganharam popularidade com os acontecimentos na Rússia, seguiram em frente. Mas a grande aventura comunista, a ocupação das fábricas em 1920, terminou em completo fracasso, e as massas decepcionadas lembraram-se do ex-líder do partido socialista. Eles aderiram ao novo partido de Mussolini, os fascistas. Os jovens saudaram com entusiasmo turbulento o autoproclamado sucessor dos Césares. Mussolini gabou-se nos últimos anos de ter salvado a Itália do perigo do comunismo. Seus inimigos disputam fervorosamente suas reivindicações. O comunismo, dizem eles, não era mais um fator real na Itália quando Mussolini tomou o poder. A verdade é que a frustração do comunismo inchou as fileiras dos fascistas e tornou possível para eles destruir todos os outros partidos. A vitória esmagadora dos fascistas não foi a causa, mas a consequência, do fiasco comunista.

O programa dos fascistas, conforme esboçado em 1919, era veementemente anticapitalista.[21] Os New Dealers mais radicais e até mesmo os comunistas podem concordar com isso. Quando os fascistas chegaram ao poder, eles haviam esquecido os pontos de seu programa que diziam respeito à liberdade de pensamento e de imprensa e ao direito de reunião. Nesse aspecto, eles eram discípulos conscientes de Bukharin e de Lenin. Além disso, eles não suprimiram, como haviam prometido, as corporações industriais e financeiras. A Itália precisava urgentemente de crédito estrangeiro para o desenvolvimento de suas indústrias. O principal problema do fascismo, nos primeiros anos de seu governo, foi ganhar a confiança dos banqueiros estrangeiros. Teria sido suicida destruir as corporações italianas.

A política econômica fascista não diferia — no início — essencialmente de todas aquelas outras nações ocidentais. Era uma política de intervencionismo. Com o passar dos anos, ela se aproximava cada vez mais do padrão nazista de socialismo. Quando a Itália entrou na Segunda Guerra Mundial após a derrota da França, sua economia já estava amplamente moldada de acordo com o padrão nazista. A principal diferença era que os fascistas eram menos eficientes e ainda mais corruptos do que os nazistas.

Mas Mussolini não poderia permanecer por muito tempo sem uma filosofia econômica de sua própria invenção. O fascismo foi apresentado como uma nova filosofia, sem precedentes e desconhecida para todas as outras nações. Afirmava ser o evangelho que o espírito ressuscitado da Roma antiga trouxe aos decadentes povos democráticos cujos ancestrais bárbaros haviam destruído no Império Romano. Foi a consumação do Rinascimento e do Risorgimento em todos os aspectos, a libertação final do gênio latino do jugo das ideologias estrangeiras. Seu líder brilhante, o inigualável Duce, foi chamado para encontrar a solução final para os problemas ardentes da organização econômica da sociedade e da justiça social.

Do monte de poeira das utopias socialistas descartadas, os estudiosos fascistas resgataram o esquema do socialismo de guilda. O socialismo de guilda foi muito popular entre os socialistas britânicos nos últimos anos da Primeira Guerra Mundial e nos primeiros anos após o Armistício. Era tão impraticável que logo desapareceu da literatura socialista. Nenhum estadista sério jamais prestou atenção aos planos contraditórios e confusos do socialismo de guilda. Foi quase esquecido quando os fascistas lhe atribuíram um novo rótulo, e proclamaram ardentemente o corporativismo como a nova panaceia social. O público na Itália e no exterior foi cativado. Inúmeros livros, panfletos e artigos foram escritos em elogios ao stato corporativo. Os governos da Áustria e de Portugal logo declararam que estavam comprometidos com os nobres princípios do corporativismo. A encíclica papal Quadragesimo Anno (1931) continha alguns parágrafos que poderiam ser interpretados — mas não precisam ser — como uma aprovação do corporativismo. Na França, suas ideias encontraram muitos adeptos eloquentes.

Era só conversa fiada. Os fascistas nunca fizeram qualquer tentativa de realizar o programa corporativo, o autogoverno industrial. Eles mudaram o nome das câmaras de comércio para conselhos corporativos. Eles chamaram de corporazione as organizações compulsórias dos vários ramos da indústria que eram as unidades administrativas para a execução do padrão alemão de socialismo que haviam adotado. Mas não se tratava do autogoverno da corporazione. O gabinete fascista não tolerava a interferência de ninguém em seu controle autoritário absoluto da produção. Todos os planos para o estabelecimento do sistema corporativo permaneceram impraticados.

O principal problema da Itália é sua relativa superpopulação. Nessa era de barreiras ao comércio e migração, os italianos estão condenados a subsistir permanentemente em um mais baixo padrão de vida do que aquele dos habitantes dos países mais favorecidos pela natureza. Os fascistas só viram uma maneira de remediar essa infeliz situação: a conquista. Eles tinham a mente muito estreita para entender que o remédio recomendado era espúrio e pior do que o mal. Além disso, eles estavam tão cegos pela vaidade e vanglória que não perceberam que seus discursos provocadores eram simplesmente ridículos. Os estrangeiros que eles desafiaram insolentemente sabiam muito bem como as forças militares italianas eram insignificantes.

O fascismo não era, como seus defensores se vangloriavam, um produto original da mente italiana. Tudo começou com uma divisão nas fileiras do socialismo marxiano, que certamente era uma doutrina importada. Seu programa econômico foi emprestado do socialismo alemão não-marxiano e sua agressividade foi copiada igualmente dos alemães, os precursores All-deutsche ou Pan-Germânicos dos nazistas. Sua condução dos assuntos governamentais foi uma réplica da ditadura de Lenin. O corporativismo, seu adorno ideológico muito anunciado, era de origem britânica. O único ingrediente caseiro do fascismo era o estilo teatral de suas procissões, shows e festivais.

O episódio fascista de curta duração terminou em sangue, miséria e ignomínia. Mas as forças que geraram o fascismo não estão mortas. O nacionalismo fanático é uma característica comum a todos os italianos de hoje. Os comunistas certamente não estão dispostos a renunciar a seu princípio de opressão ditatorial contra todos os dissidentes. Nem os partidos católicos defendem a liberdade de pensamento, de imprensa ou de religião. Há, na Itália, apenas poucas pessoas que, em verdade, compreendem que a condição indispensável da democracia e dos direitos dos homens é a liberdade econômica.

Pode acontecer que o fascismo seja ressuscitado sob um novo rótulo e com novos slogans e símbolos. Mas se isso acontecer, as consequências serão prejudiciais. Pois o fascismo não é como os fascistas alardeavam um “novo modo de vida”[22]; é um caminho bastante antigo para a destruição e a morte.

§.8
Nazismo

A filosofia dos nazistas, o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, é a manifestação mais pura e mais consistente do espírito anticapitalista e socialista de nossa época. Suas ideias essenciais não são de origem alemã ou “ariana”, nem são peculiares aos alemães de hoje. Na árvore genealógica da doutrina nazista, latinos como Sismondi e Georges Sorel, e anglo-saxões como Carlyle, Ruskin e Houston Stewart Chamberlain, eram mais conspícuos do que qualquer alemão. Até mesmo o traje ideológico mais conhecido do nazismo, a fábula da superioridade da raça mestra ariana, não era de origem alemã; seu autor era um francês, Gobineau. Alemães de ascendência judaica, como Lassalle, Lasson, Stahl e Walter Rathenau, contribuíram mais para os princípios centrais do nazismo do que homens como Sombart, Spann e Ferdinand Fried. O lema no qual os nazistas condensaram sua filosofia econômica, a saber, Gemeinnutz geht vor Eigennutz (ou seja, que o bem comum está acima do lucro privado), é também a ideia subjacente ao New Deal americano e à gestão soviética dos assuntos econômicos. Isso implica que a busca do lucro prejudica os interesses vitais da imensa maioria, e que é dever sagrado do governo popular impedir o surgimento de lucros pelo controle público da produção e da distribuição.

O único ingrediente especificamente alemão no nazismo foi seu esforço após a conquista da Lebensraum. E isso, também, foi o resultado de sua concordância com as ideias que orientaram as políticas dos partidos políticos mais influentes em todos os outros países. Esses partidos proclamam a igualdade de renda como o principal. Os nazistas fazem o mesmo. O que caracteriza os nazistas é o fato de não estarem preparados para consentir com um estado de coisas no qual os alemães são condenados para sempre a serem “presos”, como dizem, em uma área relativamente pequena e superpovoada, na qual a produtividade da força de trabalho precisa ser menor do que nos países comparativamente subpovoados, que são mais bem-dotados de recursos naturais e capital. Eles visam uma distribuição mais justa dos recursos naturais da Terra. Como nação “sem recursos”, eles olham para a riqueza das nações mais ricas com os mesmos sentimentos que muitas pessoas nos países ocidentais olham para a renda mais alta de alguns de seus compatriotas. Os “progressistas” dos países anglo-saxões afirmam que “não vale a pena ter liberdade” para aqueles que são prejudicados pela pequenez comparativa de suas rendas. Os nazistas afirmam o mesmo em relação às relações internacionais. Em sua opinião, a única liberdade que importa é Nahrungsfreiheit (isto é, a liberdade dos alimentos de impotação). Eles visam a aquisição de um território tão grande e rico em recursos naturais que poderiam viver em autossuficiência econômica a um padrão não inferior ao de qualquer outra nação. Eles se consideram como revolucionários que lutam por seus direitos naturais inalienáveis contra os interesses particulares de uma série de nações reacionárias.

É fácil para os economistas explodir as falácias envolvidas nas doutrinas nazistas. Mas aqueles que menosprezam a economia como “ortodoxa e reacionária” e apoiam fanaticamente os credos espúrios do socialismo e do nacionalismo econômico não conseguem refutá-los. Para o nazismo nada mais era do que a aplicação lógica de seus próprios princípios às condições particulares da Alemanha relativamente superpovoada.

Por mais de setenta anos, professores alemães de ciência política, história, direito, geografia e filosofia imbuíram seus discípulos de um ódio histérico ao capitalismo e pregaram a guerra de “liberação” contra o Ocidente capitalista. Os “socialistas de cátedra” alemães, muito admirados em todos os países estrangeiros, foram os “marchadores” das duas guerras mundiais. No início do século, a grande maioria dos alemães já era partidária radical do socialismo e do nacionalismo agressivo. Eles já estavam firmemente comprometidos com os princípios do nazismo. O que faltou e foi acrescentado posteriormente foi apenas um novo termo para significar sua doutrina.

Quando as políticas soviéticas de extermínio em massa de todos os dissidentes e de violência implacável removeram as inibições contra assassinatos em massa que ainda preocupavam alguns dos alemães, nada mais poderia deter o avanço do nazismo. Os nazistas foram rápidos em adotar os métodos soviéticos. Eles importavam da Rússia: o sistema de partido único e a preeminência desse partido na vida política; a posição primordial atribuída à polícia secreta; os campos de concentração; a execução administrativa ou prisão de todos os oponentes; o extermínio das famílias dos suspeitos e dos exilados; os métodos de propaganda; a organização de partidos afiliados no exterior e seu emprego para combater seus governos domésticos e para espionagem e sabotagem; o uso do serviço diplomático e consular para fomentar a revolução; e muitas outras coisas mais. Em nenhum lugar houve discípulos mais dóceis de Lenin, Trotsky e Stalin do que os nazistas.

Hitler não foi o fundador do nazismo; ele foi seu produto. Ele era, como a maioria de seus colaboradores, um gângster sádico. Ele era inculto e ignorante; tinha reprovado mesmo nas primeiras séries do ensino médio. Ele nunca teve um trabalho honesto. É uma fábula que ele alguma vez tenha sido papeleiro. Sua carreira militar na Primeira Guerra Mundial foi bastante medíocre. A Cruz de Ferro de Primeira Classe foi concedida a ele após o fim da guerra como recompensa por suas atividades como agente político. Ele era um maníaco obcecado pela megalomania. Mas os professores instruídos alimentaram sua autoestima. Werner Sombart, que uma vez se vangloriou de sua vida dedicada à tarefa de lutar pelas ideias de Marx,[23] Sombart, quem a American Economic Association tinha eleito a Membro Honorário e em muitas universidades não alemãs a graduações honorárias, declarou com franqueza que Führertum significa uma revelação permanente e que o Führer recebe suas ordens diretamente de Deus, o Supremo Führer do Universo.[24]

O plano nazista era mais abrangente e, portanto, mais pernicioso do que o dos marxistas. Seu objetivo era abolir o laissez-faire não apenas na produção de bens materiais, mas também na produção de homens. O Führer não era apenas o gerente geral de todas as indústrias; ele também era o gerente geral da fazenda de criação, com a intenção de criar homens superiores e eliminar estoques inferiores. Um grandioso esquema de eugenia deveria ser posto em prática de acordo com princípios “científicos”.

É inútil para os campeões da eugenia protestar que eles não pensaram no que os nazistas executaram. A eugenia visa colocar alguns homens, apoiados pelo poder policial, no controle total da reprodução humana. Isso sugere que os métodos aplicados aos animais domésticos sejam aplicados aos homens. Foi exatamente isso que os nazistas tentaram fazer. A única objeção que um eugenista consistente pode levantar é que seu próprio plano difere daqueles dos estudiosos nazistas e que ele quer criar outro tipo de homem em vez daquele dos nazistas. Como todo apoiado do planejamento econômico visa apenas a execução de seu próprio plano, assim todo defensor do planejamento eugênico também visa a execução de seu próprio plano e quer agir como o criador do estoque humano.

Os eugenistas fingem que querem eliminar indivíduos criminosos. Mas a qualificação de um homem como criminoso depende das leis vigentes no país e varia de acordo com a mudança nas ideologias sociais e políticas. John Huss, Giordano Bruno e Galileo Galilei eram criminosos do ponto de vista das leis que seus juízes aplicavam. Quando Stalin roubou vários milhões de rublos do Banco Estatal Russo, ele cometeu um crime. Hoje é um crime na Rússia discordar de Stalin. Hoje é um crime na Rússia discordar de Stalin. Na Alemanha nazista, a relação sexual entre “Arianos” e os membros de uma raça “inferior” era um crime. Quem os eugenistas querem eliminar, Brutus ou César? Ambos violaram as leis de seu país. Se os eugenistas do século XVIII impedissem os viciados em álcool de gerar filhos, seu planejamento teria eliminado Beethoven.

Precisa ser enfatizado novamente: não existe tal coisa como um dever-ser científico. Quais homens são superiores e quais são inferiores só podem ser decididos por juízos de valor pessoal não passíveis de verificação ou falsificação. Os eugenistas se iludem ao assumir que eles mesmos serão chamados a decidir quais qualidades devem ser conservadas no estoque humano. Eles são muito estúpidos para levar em consideração a possibilidade de que outras pessoas possam fazer a escolha de acordo com seus próprios juízos de valor.[25] Aos olhos dos nazistas, o brutal assassino, a “fera de cabelos louros”, é o espécime mais perfeito da humanidade.

Os massacres perpetrados em massa nos campos de horror nazistas são horríveis demais para serem adequadamente descritos por palavras. Mas eram a aplicação lógica e consistente de doutrinas e políticas desfilando como ciência aplicada e aprovadas por alguns homens que, em um setor das ciências naturais, mostraram perspicácia e habilidade técnica em pesquisa de laboratório.

§.9
Os ensinamentos da experiência soviética

Muitas pessoas ao redor do mundo afirmam que a “experiência” soviética forneceu provas concludentes a favor do socialismo e refutou todas, ou pelo menos a maioria, das objeções levantadas contra ele. Os fatos, dizem eles, falam por si mesmos. Não é mais permitido prestar atenção ao falso raciocínio apriorístico dos economistas de salão que criticam os planos socialistas. Uma experiência crucial explodiu suas falácias.

Antes de tudo, deve-se entender que, no campo da ação humana intencional e das relações sociais, nenhuma experiência pode ser feita e nenhuma experiência jamais foi feita. O método experimental ao qual as ciências naturais devem todas as suas conquistas é inaplicável às ciências sociais. As ciências naturais são capazes de observar no laboratório as consequências da modificação isolada de um único elemento, enquanto outros elementos permanecem inalterados. Sua observação experimental refere-se, em última instância, a certos elementos que podem estar isolados na experiência dos sentidos. O que as ciências naturais chamam de fatos são as relações causais demonstradas nessas experiências. Suas teorias e hipóteses precisam estar de acordo com esses fatos.

Mas as experiências com as quais as ciências da ação humana têm de lidar são essencialmente diferentes. É uma experiência histórica. Trata-se de uma experiência de fenômenos complexos, de efeitos conjuntos produzidos pela cooperação de uma multiplicidade de elementos. As ciências sociais nunca estão em condições de controlar as condições de mudança e de isolá-las umas das outras na forma como o experimentador procede na organização de seus experimentos. Eles nunca têm a vantagem de observar as consequências de uma mudança em um único elemento, sendo as outras condições iguais. Eles nunca se deparam com fatos, no sentido em que as ciências naturais empregam esse termo. Cada fato e toda experiência com a qual as ciências sociais têm de lidar é aberto a várias interpretações. A experiência histórica e os fatos históricos nunca podem provar ou desprovar uma declaração na forma em que um experimento prova ou desprova.

A experiência histórica nunca comenta sobre si. Ela precisa ser interpretada do ponto de vista de teorias construídas sem a ajuda de observações experimentais. Não há necessidade de entrar em uma análise epistemológica dos problemas lógicos e filosóficos envolvidos. É suficiente se referir ao fato de que ninguém —  cientista ou leigo — jamais procedeu de outra forma ao lidar com a experiência histórica. Toda a discussão da relevância e do significado de fatos históricos tão logo cai em uma discussão de princípios gerais abstratos, logicamente antecedentes aos fatos a serem elucidados e interpretados. Referência à experiência histórica nunca pode resolver qualquer problema ou responder qualquer questão. Os mesmos eventos históricos e os mesmos números estatísticos são reivindicados como confirmações de teorias contraditórias.

Se a história pudesse provar e nos ensinar algo, seria o fato de que a propriedade privada dos meios de produção é um requisito necessário para a civilização e para o bem-estar material. Todas as civilizações têm, até então, sido baseadas na propriedade privada. Somente nações comprometidas com o princípio da propriedade privada se elevaram acima da penúria e produziram ciência, arte e literatura. Não há experiência para mostrar que qualquer outro sistema social poderia proporcionar à humanidade qualquer uma das conquistas da civilização. No entanto, poucas pessoas consideram isso como uma refutação suficiente e incontestável do programa socialista.

Ao contrário, há até mesmo pessoas que argumentam da forma contrária. Afirma-se frequentemente que o sistema da propriedade privada é feito precisamente porque foi o sistema que os homens aplicaram no passado. Por mais benéfico que um sistema social possa ter sido no passado, dizem, ele não pode ser no futuro também; uma nova era requer um novo modo de organização social. A humanidade atingiu a maturidade; seria lamentável que ela se apegasse aos princípios aos quais recorreu nas primeiras etapas de sua evolução. Esse é certamente o abandono mais radical do experimentalismo. O método experimental até pode afirmar: porque “A” produziu no passado o resultado “B”, ele também o produzirá no futuro. Ele nunca precisa afirmar: porque “A” produziu no passado o resultado “B”, está provado que não pode mais produzi-lo.

Apesar do fato de que a humanidade não teve experiência com o modo de produção socialista, os escritores socialistas construíram vários esquemas de sistemas socialistas baseados em raciocínios apriorísticos. Mas assim que alguém ousa analisar esses projetos e examiná-los com relação à sua viabilidade e sua capacidade de promover o bem-estar humano, os socialistas se opõem veementemente. Essas análises, dizem, não são mais do que especulações aprioristas vãs. Elas não podem refutar a exatidão de nossas declarações e a adequação de nossos planos. Elas não são experimentais. É preciso tentar o socialismo e então os resultados falarão por si mesmos.

O que esses socialistas estão pedindo é absurdo. Levadas até suas últimas consequências lógicas, sua ideia implica que os homens não são livres para refutar qualquer esquema, por mais absurdo, contraditório e impraticável que qualquer reformador goste de sugerir. Segundo eles, o único método autorizado para refutar tal plano — necessariamente abstrato e apriorístico — é testá-lo ao reorganizar a sociedade como um todo de acordo com seus projetos. Assim que se esboça o plano para uma ordem social melhor, todas as nações são obrigadas a experimentá-lo e ver o que acontece.

Mesmo os socialistas mais teimosos não podem deixar de admitir que existem vários planos para a construção da futura utopia que são incompatíveis entre si. Existe o modelo soviético de socialização integral de todas as empresas e sua gestão puramente burocrática; existe o modelo alemão da Zwangswirtschaft, cuja adoção completa, os países anglo-saxões são claramente tendentes; existe o socialismo de guilda, sob o nome de corporativismo, que ainda é muito popular em alguns países católicos. Existem muitas outras variedades. Os apoiadores da maioria desses esquemas concorrentes alegam que os resultados benéficos a serem esperados de seu próprio esquema só aparecerão quando todas as nações o tiverem adotado; eles negam que o socialismo em qualquer país já possa trazer as bênçãos que atribuem ao socialismo. Os marxistas declaram que a bem-aventurança do socialismo surgirá apenas em sua “fase superior” que, como eles insinuam, só aparecerá depois que a classe trabalhadora tiver passado “por longas lutas, por toda uma série de processos históricos, transformando totalmente tanto as circunstâncias quanto os homens”.[26] A inferência de tudo isso é que se deve realizar o socialismo e esperar tranquilamente por muito tempo até que seus benefícios prometidos cheguem. Nenhuma experiência desagradável no período de transição, por mais longa que seja, poderia refutar a afirmação de que o socialismo é o melhor de todos os modos concebíveis de organização social. Aquele que crê será salvo.

Mas qual dos muitos planos socialistas, contraditórios entre si, deveria ser adotado? Toda seita socialista proclama apaixonadamente que sua própria marca é o único socialismo genuíno e que todas as outras seitas defendem medidas falsificadas, totalmente perniciosas. Na luta entre si, as várias facções socialistas recorrem aos mesmos métodos de raciocínio abstrato que estigmatizam como apriorismo vãos sempre que são aplicados contra a correção de suas próprias declarações e a conveniência e praticabilidade de seus próprios esquemas. Não há, é claro, nenhum outro método disponível. As falácias implícitas em um sistema de raciocínio abstrato — como o socialismo — não podem ser quebradas de outra forma que não seja através de raciocínios abstratos.

A objeção fundamental à viabilidade do socialismo diz respeito à impossibilidade do cálculo econômico. Isso ficou irrefutavelmente demonstrado que uma comunidade socialista não estaria em condições de aplicar um cálculo econômico. Quando não há preços de mercado para os fatores de produção porque eles não são comprados nem vendidos, é impossível recorrer ao cálculo no planejamento de ações futuras e na determinação do resultado de ações passadas. Uma gestão socialista da produção simplesmente não saberia se o que planeja e executa é ou não o meio mais apropriado para atingir os fins buscados. Ela operará no escuro, como estava. Irá desperdiçar os fatores de produção escassos, tanto materiais quanto humanos (trabalho). Caos e pobreza para todos inevitavelmente resultarão.

Todos os socialistas anteriores tinham uma visão muito estreita para notar um ponto tão essencial. Os primeiros economistas tampouco conceberam sua importância. Quando o presente escritor em 1920 mostrou a impossibilidade de cálculo econômico sob o socialismo, os apologistas do socialismo embarcaram na busca de um método de cálculo aplicável a um sistema socialista. Eles falharam completamente nesses esforços. A futilidade dos esquemas que eles produziram poderia ser facilmente demonstrada. Os comunistas que não se sentiam totalmente intimidados pelo medo dos executores soviéticos, por exemplo Trotsky, admitiam deliberadamente que a contabilidade econômica é impensável sem relações de mercado.[27] A falência intelectual da doutrina socialista não pode mais ser disfarçada. Apesar de sua popularidade sem precedentes, o socialismo está acabado. Nenhum economista pode mais questionar sua impraticabilidade. O reconhecimento das ideias socialistas é hoje a prova de um completo desconhecimento dos problemas básicos da economia. As reivindicações dos socialistas são tão vãs quanto as dos astrólogos e mágicos.

Com relação a esse problema essencial do socialismo, vis., o cálculo econômico, a “experiência” russa não serve para nada. Os soviéticos estão vivendo em um mundo onde a maioria deles ainda está agarrada à economia de mercado. Eles fundam seus cálculos nos preços estabelecidos no exterior. Sem a ajuda desses preços, suas ações não teriam direção e tampouco planejamento. É somente na medida em que se referem a esse sistema de preços estrangeiros que são capazes de calcular, manter suas reservas e preparar seus planos. No que diz respeito a isso, pode-se concordar com a afirmação de vários autores socialistas e comunistas de que o socialismo em apenas um ou poucos países ainda não é um verdadeiro socialismo. É claro que esses autores dão um significado completamente diferente à sua declaração. Elas significam que as bênçãos do socialismo só podem surgir em uma comunidade socialista que se estenda ao mundo inteiro. Aqueles que estão familiarizados com os ensinamentos da economia precisam, ao invés disso, reconhecer que o socialismo justamente resultará em um caos total se for aplicado na maioria das partes do mundo.

A segunda principal objeção levantada contra o socialismo é que ele é um modo de produção menos eficiente do que o capitalismo e que prejudicará a produtividade do trabalho. Consequentemente, em uma comunidade socialista, o padrão de vida das massas será baixo quando comparado com as condições prevalecentes sob o capitalismo. Não há dúvida de que essa objeção não foi desmentida pela experiência soviética, o único fato certo sobre os assuntos russos sob o regime soviético em relação ao qual todas as pessoas concordam é que o padrão de vida das massas russas é muito inferior ao das massas no país que é considerado universalmente como sendo o exemplar do capitalismo: os Estados Unidos da América. Se fossemos considerar o regime soviético como uma experiência, teríamos de dizer que a experiência demonstrou claramente a superioridade do capitalismo e a inferioridade do socialismo.

É verdade que os defensores do socialismo têm a intenção de interpretar a baixeza do padrão de vida russo de uma maneira diferente. Como eles veem as coisas, não foi causado pelo socialismo, mas foi — apesar do socialismo — causado por outras agências. Eles se referem a vários fatores, e.g., a pobreza da Rússia sob os Czares, os efeitos desastrosos das guerras, a suposta hostilidade das nações democráticas capitalistas, a suposta sabotagem dos remanescentes da aristocracia e burguesia russa e dos Kulaks. Não há necessidade de entrar em um exame dessas questões. Pois não afirmamos que qualquer experiência histórica poderia provar ou refutar uma afirmação teórica na forma pela qual uma experiência crucial pode verificar ou falsificar uma afirmação relativa a eventos naturais; não são os críticos do socialismo, mas seus defensores fanáticos, que sustentam que a “experiência” soviética prova algo no que diz respeito aos efeitos do socialismo. No entanto, o que eles realmente estão fazendo ao lidar com os fatos manifestos e indiscutíveis da experiência russa é colocá-los de lado por meio de truques inadmissíveis e silogismos falaciosos. Eles repudiam os fatos óbvios comentando-os de tal forma que negam sua relevância e seu significado sobre a pergunta a ser respondida.

Suponhamos, por uma questão argumentativa, que sua interpretação esteja correta. Mas então ainda seria absurdo afirmar que a experiência soviética tem evidenciado a superioridade do socialismo. Tudo o que poderia ser dito é: o fato de que o padrão de vida das massas é baixo na Rússia não fornece provas conclusivas de que o socialismo é inferior ao capitalismo.

Uma comparação com a experimentação no campo das ciências naturais pode esclarecer a questão. Um biólogo quer testar um novo alimento patenteado. Ele o dá a uma série de cobaias. Todas elas perdem peso e eventualmente morrem. O experimentador acredita que seu declínio e morte não foram causados pelo alimento patenteado, mas por mera aflição acidental com pneumonia.

No entanto, seria absurdo para ele proclamar que seu experimento tinha evidenciado o valor nutritivo do composto porque o resultado desfavorável precisa ser atribuído a ocorrências acidentais, não relacionadas causalmente com o arranjo experimental. O melhor que ele poderia argumentar é que o resultado do experimento não foi conclusivo, que ele não prova nada contra o valor nutritivo do alimento testado. As coisas são, ele poderia argumentar, como se nenhuma experiência tivesse sido tentada.

Mesmo se os padrões de vida das massas russas fossem muito superiores ao dos países capitalistas, isso ainda não seria uma prova conclusiva da superioridade do socialismo. Pode-se admitir que o fato indiscutível de que o padrão de vida na Rússia é mais baixo do que no Ocidente capitalista, mas isso não prova de forma conclusiva a inferioridade do socialismo. Mas não é nada menos que uma idiotice anunciar que a experiência da Rússia demonstrou a superioridade do controle público dos meios de produção.

Tampouco o fato de que os exércitos russos, depois de terem sofrido muitas derrotas, finalmente — com armamentos fabricados pelas grandes empresas americanas e doados a elas pelos contribuintes americanos — terem ajudado os americanos na conquista da Alemanha prova a preeminência do comunismo. Quando as forças britânicas tiveram de apoiar uma queda temporária no Norte da África, o professor Harold Laski, o mais radical defensor do socialismo, foi rápido em anunciar o fracasso definitivo do capitalismo. Ele não foi suficientemente consistente para interpretar a conquista alemã da Ucrânia como o fracasso definitivo do comunismo russo. Também não retirou sua condenação do sistema britânico quando seu país saiu vitorioso da guerra. Se os acontecimentos militares devem ser considerados como prova da excelência de qualquer sistema social, é mais do sistema americano do que o do russo sobre os quais dão testemunho.

Nada do que aconteceu na Rússia desde 1917 contradiz qualquer das declarações dos críticos do socialismo e do comunismo. Mesmo que se baseie seu julgamento exclusivamente nos escritos dos comunistas e dos companheiros de viagem, não se pode encontrar nada nas condições russas que argumente a favor do sistema social e político soviético. Todo o progresso tecnológico das últimas décadas tem sido feito nos países capitalistas. É verdade que os russos tentaram copiar algumas dessas inovações. Mas todos os povos orientais atrasados fizeram o mesmo.

Alguns comunistas estão ansiosos para nos fazer acreditar que a opressão impiedosa dos dissidentes e a abolição radical da liberdade de pensamento, de expressão e de imprensa não são marcas inerentes ao controle público dos negócios. Eles são, segundo eles, apenas fenômenos acidentais do comunismo, sua assinatura em um país que — como era o caso da Rússia — nunca gozou de liberdade de pensamento e de consciência. Entretanto, esses apologistas do despotismo totalitário não conseguem explicar como os direitos do homem poderiam ser salvaguardados sob a onipotência do governo.

A liberdade de pensamento e de consciência é uma farsa em um país onde as autoridades são livres para mandar qualquer um que não goste para o Ártico ou para o deserto, e para atribuir-lhes trabalhos pesados para toda a vida. O autocrata pode sempre tentar justificar tais atos arbitrários, fingindo que eles são motivados exageradamente por considerações de bem-estar público e conveniência econômica. Só ele é o árbitro supremo na decisão de tudo o que diz respeito à execução do plano. A liberdade de imprensa é ilusória quando o governo possui e opera todas as fábricas de papel, escritórios de impressão e editoras, e finalmente decide o que deve ser impresso e o que não deve. O direito de reunião é vão se o governo for proprietário de todos os salões de reunião e determinar para que fins devem ser usados. O mesmo se aplica a todas as outras liberdades. Em um de seus lúcidos intervalos, Trotsky — Trotsky, o exilado caçado, e não o impiedoso comandante do exército vermelho — viu as coisas de forma realista e declarou: “Em um país onde o único empregador é o Estado, oposição significa morte por lenta fome. O velho princípio: quem não trabalha não deve comer, foi substituído por um novo; quem não obedece não deve comer”[28]. Essa confissão resolve a questão.

O que a experiência russa mostra é um nível muito baixo do padrão de vida das massas e um despotismo ditatorial ilimitado. Os apologistas do comunismo têm a intenção de explicar esses fatos incontestáveis como sendo apenas acidentais; eles não são, dizem eles, fruto do comunismo, mas ocorreram apesar do comunismo. Mas, mesmo que aceitássemos essas desculpas como argumento, seria absurdo afirmar que o “experimento” soviético demonstrou qualquer coisa a favor do comunismo e do socialismo.

§.10
A alegada inevitabilidade do socialismo

Muitas pessoas acreditam que a chegada do totalitarismo é inevitável. A “onda do futuro”, eles dizem, “levará a humanidade inevitavelmente para um sistema sob o qual todos os assuntos humanos são gerenciados por ditadores onipotentes. É inútil lutar contra os insondáveis decretos da história”.

A verdade é que falta à maioria das pessoas a capacidade intelectual e a coragem de resistir a um movimento popular, por mais pernicioso e irrefletido que seja. Bismarck uma vez lamentou a falta do que ele chamou de coragem civil, ou seja, bravura em lidar com assuntos cívicos, por parte de seus compatriotas. Mas também os cidadãos de outras nações não demonstraram mais coragem e justiça quando se depararam com a ameaça da ditadura comunista. Eles ou cederam silenciosamente, ou timidamente levantaram algumas objeções triviais.

O socialismo não é combatido criticando apenas algumas características acidentais de seus esquemas. Ao atacar a posição de muitos socialistas sobre divórcio e controle de natalidade, ou suas ideias sobre arte e literatura, não se refuta o socialismo. Não basta desaprovar as afirmações marxianas de que a teoria da relatividade ou a filosofia de Bergson ou a psicanálise são o luar “burguês”. Aqueles que encontram falhas no bolchevismo e no nazismo apenas por suas inclinações anticristãs endossam implicitamente todo o resto desses planos sangrentos.

Por outro lado, é pura estupidez elogiar regimes totalitários por supostas realizações que não têm nenhuma referência a seus princípios políticos e econômicos. É questionável se as observações de que na Itália fascista os trens estavam funcionando de acordo com o plano e a população de insetos nas camas dos hotéis de segunda categoria estava diminuindo estavam corretas ou não; mas em todo caso não é relevante para o problema do fascismo. Os companheiros de viagem são encantados pelos filmes russos, pela música russa e pelo caviar russo. Mas grandes músicos viveram em outros países e sob outros sistemas sociais; bons filmes também foram produzidos em outros países; e certamente não é mérito do Generalíssimo Stalin que o sabor do caviar seja delicioso. Nem a beleza dos bailarinos russos ou a construção de uma grande estação de energia no Dnieper enfraquece o abate em massa dos kulaks.

Os leitores de revistas ilustradas e os fãs de cinema anseiam pelo pitoresco. Os concursos de ópera dos fascistas e nazistas e o desfile dos batalhões femininos do Exército Vermelho estão perto de seus corações. É mais divertido ouvir os discursos de rádio de um ditador do que estudar tratados econômicos. Empreendedores e tecnólogos que estão à frente na melhoria da economia trabalham isoladamente; seu trabalho não é adequado para ser visto na tela. Mas os ditadores, com a intenção de espalhar a morte e a destruição, estão espetacularmente à vista do público. Vestidos com roupas militares, eles brilham mais que os burgueses incolores com roupas civis aos olhos dos telespectadores.

Os problemas de organização econômica da sociedade não são adequados para conversas leves em coquetéis da moda. Tampouco podem ser adequadamente tratados pelos desertores que assediam as assembleias de massa. Esses são assuntos sérios. Eles exigem um estudo cuidadoso. Eles precisam não ser tomados de ânimo leve.

A propaganda socialista nunca encontrou nenhuma oposição determinada. As críticas devastadoras com as quais os economistas exploraram a futilidade e a impraticabilidade dos esquemas e das doutrinas socialistas não chegaram aos formadores de opinião pública. As universidades eram dominadas principalmente por pedantes socialistas ou intervencionistas, não apenas na Europa continental, onde eram propriedades dos governantes e operadas por eles, mas até mesmo em países anglo-saxões. Políticos e estadistas, ansiosos para não perder popularidade, eram fervorosos em sua defesa da liberdade. A política de apaziguamento, tão criticada quando foi aplicada no caso dos nazistas e fascistas, foi universalmente aclamada por muitas décadas sobre todas as outras marcas do socialismo. Foi esse derrotismo que fez a geração crescente acreditar que a vitória do socialismo era inevitável.

Não é verdade que as massas estão pedindo com veemência o socialismo e que não há meios de resistir a ele. As massas favorecem o socialismo porque confiam na propaganda socialista dos intelectuais. Os intelectuais, não o povo, estão moldando a opinião pública. É uma desculpa esfarrapada dos intelectuais a de que eles precisam ceder às massas. Eles mesmos geraram as ideias socialistas e doutrinaram as massas com elas. Nenhum proletário ou filho de um proletário contribuiu para a elaboração dos programas intervencionistas e socialistas. Seus autores eram todos de origem burguesa. Os escritos esotéricos do materialismo dialético, de Hegel, o pai tanto do marxismo como do nacionalismo agressivo alemão, os livros de Georges Sorel, de Gentile e de Spengler não foram lidos pelo homem comum; eles não moviam as massas diretamente. Foram os intelectuais que os popularizaram.

Os líderes intelectuais dos povos produziram e propagaram as falácias que estão a ponto de destruir a liberdade e a civilização ocidental. Somente os intelectuais são responsáveis pelos massacres em massa que são a marca característica do nosso século. Só eles podem inverter a tendência e preparar o caminho para uma ofensiva de ressurreição da liberdade.

Não as míticas “forças produtivas materiais”, mas a razão e as ideias determinam o curso dos assuntos humanos. O que é necessário para deter a tendência ao socialismo e ao despotismo é o senso comum e a coragem moral.

 

__________________________

Notas

[1]              Sidney Webb em Fabian Essays in Socialism, publicado pela primeira vez em 1889 (edição americana, Nova York 1891, p. 4).

[2]              Cf. G. M. Trevelyan, A Shortened History of England (Londres 1942), p. 510.

[3]              Elmer Roberts, Monarchical Socialism in Germanv, (Nova York 1913).

[4]              Zwang significa compulsão, Wirtschaft significa economia. O equivalente em inglês para Zwangswirtschaft é algo como economia compulsória.

[5]              Cf. Wesley C. Mitchell, “The Social Sciences and National Planning” (em: Planned Society, ed. by Fincllay Mackenzie, Nova York 1937), p. 112.

[6]              Cf. Laski, Democracy in Crisis (Chapel Hill 1933), pp. 87-8.

[7]              Sidney e Beatrice Webb, Soviet Communism: A New Civilization? (Nova York 1936), Vol. II, pp. 1038-9.

[8]              C.f. T. G. Crowther, Social Relations of Science (Londres 1941), p. 333.

[9]              Cf. Coleção dessas convenções, publicada pela The International Labour Office sob o título Intergovernmental Commodity Control Agreements (Montreal, 1943).

[10]             Marx, Das Kapital (7th edition, Hamburg 1914), Vol. I, p. 728.

[11]             Marx, Zur Kritik der politischen Oekonomie, ed. por Kautsky (Stuttgart 1897), p. xi.

[12]             Ibid., p. xii.

[13]             Marx, Der Bürgerkrieg in Frankreich, ed. por Pfemfert (Berlim 1919), passim.

[14]             Marx, Value, Price and Profit, editado por Eleanor Marx Aveling (Nova York 1901), PP· 72-4.

[15]             Cf. Blueprint for World Conquest as Outlined by the Communist International, Human Events (Washington e Chicago), 1946, pp. 181-2.

[16]             Cf. David J. Dallin, The Real Soviet Russia (Yale University Press 1944), pp. 88-95.

[17]             Christmas Eve broadcast, New York Times, December 25th, 1941.

[18]             A anexação da Carpatho-Russia completamente explode a indignação hipócrita deles sobre os acordos de Munique de 1938.

[19]             Cf. Mises, Bureaucracy (Yale University Press 1944).

[20]             Cf. Benda, La Trahison des cleres (Paris 1927).

[21]             Esse programa foi reimpresso em Inglês no livro do Conde Carlo Sforza, Comtemporary Italy (traduzido por Drake e Denise de Kay, Nova York 1944), pp. 295-6.

[22]             Cf. Por exemplo Mario Palmieri, The Philosophy of Fascism (Chicago 1936), p. 248.

[23]             Sombart, Das Lebenswerk von Karl Marx (Jena, 1909), p. 3.

[24]             Sombart, A New Social Philosophy, traduzido e editado por K.F. Geiser (Princeton University Press, 1937), p. 194.

[25]             Cf. A crítica devastante da eugenia por H.S. Jennings, The Biological Basis of Human Natures (Nova York, 1930), pp. 223-52.

[26]             Cf. Marx, Der Bürgerkrieg in Frankreich, ed. por Pfemfert (Berlim, 1919), p. 54.

[27]             Cf. Hayek, Individualism and the Social Order (Chicago University Press 1948), pp. 89-91.

[28]             Citado por Hayek, The Road to Serfdom (1944), Cap. IX.

Artigo anteriorApêndice
Próximo artigoKeynes, o Homem
Ludwig von Mises foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico. Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política. Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico. Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de 'praxeologia'.