Estado de apartheid oficializado na Austrália

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Se as imagens e vídeos divulgadas do Estado policial COVID na Austrália não são aterrorizantes o suficiente para você, espere até ouvir sobre as últimas novidades nos regimes federais dominantes.

Caso você não tenha visto o que está acontecendo nas ruas de Melbourne nos últimos dias, aqui está uma compilação de dois minutos.

Em 11 de outubro, o estado mais populoso da Austrália se transformará oficialmente em um estado de apartheid, tornando-se o primeiro território conhecido no mundo a segregar radicalmente os cidadãos “não vacinados” da sociedade em geral. As autoridades australianas em New South Wales estabeleceram um plano para retirar os direitos dos cidadãos e sujeitá-los ao confinamento domiciliar obrigatório como punição por se recusarem a “voluntariamente” tomar a vacina COVID.

Em New South Wales (NSW, o estado mais populoso da Austrália, que inclui Sydney), os políticos que governam o estado declararam que, em 11 de outubro, a sociedade será segregada em duas classes.

Depois de sair do último lockdown de meses de duração em NSW, aqueles que decidiram tomar a vacina COVID receberão de volta algumas de suas liberdades. Claro, esta política, como todas as outras políticas durante a era COVID, pode ser cancelada com base nos caprichos aleatórios dos políticos.

E aqueles que decidiram não cumprir “voluntariamente” as ordens do regime verão uma redução em seus direitos. Os “não vacinados” serão forçados ao confinamento domiciliar.

Em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, o vice-primeiro-ministro de NSW, John Barilaro, confirmou a criação de um regime de apartheid no estado, a partir de 11 de outubro.

“A referência de 70% se aplica a todo o estado, então haverá indivíduos na região e na zona rural de Nova Gales do Sul que escolherem não ser vacinados e que perderão suas liberdades em 11 de outubro”, anunciou Barilaro.

Barilaro confirmou que os residentes não vacinados que não estão presos em NSW ‘perderão suas liberdades’ quando o estado atingir sua meta de 70% de vacinados.

“A mensagem para os não vacinados é que você não alcançará nenhuma liberdade adicional a menos que seja vacinado.” NSW Vice-Premier John Barilaro

Os comentários de Barilaro seguiram-se a um discurso de Gladys Berejiklian, a premier de NSW, que anunciou que os cidadãos “não vacinados” teriam que esperar pelo menos até 1 ° de dezembro para sair do lockdown dos desobedientes, mas acrescentou que esta é apenas uma data potencial e que tudo está sujeito a mudanças.

“Eles terão que esperar atingir 80% e depois esperar passar mais um mês ou mais. É um dia desolador para aqueles que não foram vacinados”, declarou ela. (E nem pensar e desobedecer os chefes. Veja aqui uma pessoa sendo presa por sair de casa)

O Nine News Australia elaborou uma lista das “liberdades” que os australianos receberão parcialmente, caso aceitem as demandas do regime:

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Artigo impressionante! E ainda mais relevante considerando as imagens daquele vídeo, a população apanhando que nem bicho… loucura cara…

    O principal problema de qualquer conservador, é achar que basta ser contra os comunistas que isso já é o bastante para marcar posição. Na verdade, em primeiro lugar eles deveriam ser abertamente anti-democráticos. Não foi Hitler que possibilitou este genocídio australiano, foram os social democratas limpinhos…

    Que tragédia! Quem diria que a terra do Crocodilo Dundee se tornaria uma distopia sanitária radical. E pensar que tudo isso só foi possível com o desarmamento da população…

    RIP Austrália.

    who will be next?

  2. Quero ver os verde-amarelos sairem aos milhões nas ruas, pararem caminhões, acamparem, pelas seguintes pautas: 1) Não ao passaporte sanitário 2) proibição de decretos de lockdown 3) Fim do uso obrigatório de máscaras 4) Volta absoluta ao normal ( quem quiser ficar trancado em casa ou sair vestido de astronauta , ok, que se respeite, claro) .