Guerra, propaganda e cegueira

0

A propaganda torna você estúpido. Sabemos que os nacionalistas integrais ucranianos cometeram massacres abomináveis, particularmente durante a Segunda Guerra Mundial. Mas não sabemos o que eles estão fazendo à nossa porta há trinta anos, especialmente na guerra civil que travam há oito anos. Nossa própria estupidez nos permite apoiar os gritos de guerra de nossos políticos ao lado desses criminosos.

Slava Stetsko, a viúva do Primeiro-Ministro nazi Yaroslav Stetko, abriu as sessões de 1998 e de 2002 da Verkhovna Rada.

Quando a guerra irrompe, os governos sempre acreditam que devem reforçar o moral de seu povo, enchendo-o de propaganda. O que está em jogo, vida ou morte, faz com que os debates se intensifiquem e as posições extremistas ganham voz. Isso é exatamente o que estamos testemunhando, ou melhor, como estamos mudando. Nesse jogo, as ideias defendidas umas pelas outras não têm relação com seus pressupostos ideológicos, mas com sua proximidade com o poder.

No sentido etimológico, propaganda é apenas a arte de convencer, de difundir ideias. Mas nos tempos modernos, é uma arte que visa reconstruir a realidade para denegrir o adversário e engrandecer as próprias tropas.

Ao contrário da crença popular no Ocidente, não foram os nazistas ou os soviéticos que a inventaram, mas os britânicos e os Estados Unidos durante a Primeira Guerra Mundial.

Hoje, a OTAN coordena esforços nesta área a partir do seu Centro de Comunicação Estratégica em Riga (Letónia). Identifica os pontos sobre os quais quer atuar e organiza programas internacionais para concretizá-los.

Por exemplo, a OTAN identificou Israel como um ponto fraco: enquanto o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu era amigo pessoal do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, seu sucessor Naftali Bennett reconhecia os méritos da política russa. Ele até aconselhou a devolver a Crimeia e o Donbass e, acima de tudo, desnazificar a Ucrânia. O atual primeiro-ministro, Yaïr Lapid, é mais hesitante. Ele não quer apoiar os nacionalistas integrais que massacraram um milhão de judeus pouco antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Mas ele também quer manter boas relações com os ocidentais.

Para trazer Israel de volta ao caminho certo, a OTAN está tentando persuadir Tel Aviv de que, no caso de uma vitória russa, Israel perderia sua posição no Oriente Médio. Para isso, divulga o mais amplamente possível a mentira de que o Irã é aliado militar da Rússia. A imprensa internacional continua afirmando que, no campo de batalha, os drones russos são iranianos e em breve os mísseis de médio alcance também serão. No entanto, Moscou sabe muito bem como fabricar essas armas e nunca as pediu a Teerã. A Rússia e o Irã continuam negando essas alegações. Mas os políticos ocidentais, contando com a imprensa e não mera reflexão, já impuseram sanções aos traficantes de armas iranianos. Em breve Yair Lapid, filho do presidente do memorial Yad Vashem, será cercado e forçado a ficar do lado dos criminosos

Os britânicos, por sua vez, tradicionalmente se destacam na ativação da network de mídia e no alistamento de artistas. O MI6 conta com um grupo de 150 agências de notícias que trabalham na PR Network. Eles convencem todas essas empresas a retomar suas imputações e seus slogans.

O fundador do nacionalismo integralista ucraniano, Dmytro Dontsov, mostrava um ódio obsessivo contra os judeus e os ciganos. Durante a Guerra mundial, ele deixou a Ucrânia para se tornar administrador do Instituto Reinhard Heydrich. Foi esta instituição, sediada na Checoslováquia, que foi encarregada de planear o extermínio de todos os judeus e de todos os ciganos durante a Conferência de Wannsee. Ele acabou os seus dias pacificamente nos Estados Unidos.

Foram eles que os convenceram sucessivamente de que o presidente Vladimir Putin estava morrendo, depois que enlouqueceu, ou que estava enfrentando forte oposição em casa e que seria derrubado por um golpe de estado. Seu trabalho continua hoje com entrevistas cruzadas de soldados na Ucrânia. Você ouve os soldados ucranianos dizerem que são nacionalistas e os soldados russos dizem que estão com medo, mas devem defender a Rússia. Você ouve que os ucranianos não são nazistas e que os russos, vivendo sob uma ditadura, são forçados a lutar. Na realidade, a maioria dos soldados ucranianos não são “nacionalistas” no sentido de defensores de sua pátria, mas “nacionalistas integrais” no sentido de dois poetas, Charles Maurras e Dmytro Dontsov. Isso não é a mesma coisa.

Somente em 1925 o Papa Pio XI condenou o “nacionalismo integral”. A essa altura, Dontsov já havia escrito seu Націоналізм (Nacionalismo) (1921). Maurras e Dontsov definem a nação como uma tradição e pensam seu nacionalismo contra os outros (Maurras contra os alemães e Dontsov contra os russos). Ambos abominam a Revolução Francesa, os princípios da Liberdade, Igualdade e Fraternidade e denunciam incansavelmente judeus e maçons. Consideram a religião útil para a organização da sociedade, mas parecem agnósticos. Essas posições levam Maurras a se tornar um petanista e Dontsov um hitleriano. Este último afundará em um delírio místico varangiano (viking sueco). O próximo papa, Pio XII, revoga a condenação de seu antecessor, pouco antes do início da guerra. Ao ser solto, Maurras será condenado por inteligência com o inimigo (aquele que era germanofóbico),

Quanto aos soldados russos que vemos sendo entrevistados nos nossos noticiários de televisão, eles não nos dizem que são obrigados a lutar, mas que, ao contrário dos nacionalistas integrais, não são fanáticos. Para eles, a guerra, mesmo quando se está defendendo os seus, é sempre um horror. É porque nos dizem repetidamente que a Rússia é uma ditadura que entendemos outra coisa. Não aceitamos que a Rússia seja uma democracia porque, para nós, uma democracia não pode ser um regime autoritário. No entanto, por exemplo, a Segunda República Francesa (1848-1852) foi tanto uma democracia quanto um regime autoritário.

Somos fáceis de convencer porque não sabemos nada sobre a história e a cultura ucranianas. No máximo sabemos que a Novorossia foi governada por um aristocrata francês, Armand-Emmanuel du Plessis de Richelieu, amigo pessoal do czar Alexandre I. Ele continuou o trabalho do príncipe Grigori Potemkin que queria construir esta região no modelo de Atenas e Roma, o que explica por que a Novorossia ainda é de cultura russa (e não ucraniana) hoje sem nunca ter conhecido a servidão.

O memorial de Babi Yar em Kiev. Cerca de 33. 771 Ucranianos judeus foram ali fuzilados em dois dias, em 29 e 30 de Setembro de 1941 pelas Waffen SS ucranianas e pelos Einsatzgruppen de Reinhard Heydrich. Este massacre foi celebrado como uma vitória pelos nacionalistas integralistas. Actualmente, o governo ucraniano nomeou com o nome do nacionalista integralista Stepan Bandera a grande avenida que ai leva, « em honra » do maior criminoso da sua história.

Nós, na Ucrânia, não temos conhecimento das atrocidades do período entre guerras e da Segunda Guerra Mundial, e temos uma vaga ideia da violência da URSS. Não sabemos que o teórico Dontsov e seu discípulo Stepan Bandera não hesitaram em massacrar todos aqueles que não correspondiam ao seu “nacionalismo integral”, os judeus primeiro neste país khazar, depois os russos e os comunistas, os anarquistas por Nestor Makhno, e muitos mais. Os “nacionalistas integrais”, que se tornaram admiradores do Führer e profundamente racistas, voltaram ao centro do palco com a dissolução da URSS. Em 6 de maio de 1995, o presidente Leonid Kuchma viajou para Munique (nas instalações da CIA) para se encontrar com a líder dos Nacionalistas Integrais, Steva Stesko, a viúva do primeiro-ministro nazista. Ela tinha acabado de ser eleita para a Verkhovna Rada (Parlamento),

Alguns meses após a sua eleição, em 6 de Maio de 1995, Leonid Kuchma, o segundo presidente da nova Ucrânia, dirigiu-se a Munique para se encontrar com Slava Stetsko, a viúva do Primeiro-Ministro nazi ucraniano. Ele aceitou a introdução na nova Constituição de uma referência explicita ao nazismo : « preservar o património genético do povo ucraniano é uma responsabilidade do Estado » (sic).

mas não pôde ocupar o cargo porque foi destituída da nacionalidade ucraniana. Um mês depois, a Ucrânia adotou sua atual constituição, que afirma no artigo 16 que: “preservar o patrimônio genético do povo ucraniano é responsabilidade do Estado” (sic). Posteriormente, a mesma Steva Stetsko abriu duas vezes a sessão da Rada, concluindo seus discursos com o grito de guerra dos nacionalistas integrais: “Glória à Ucrânia!”.

A Ucrânia moderna construiu pacientemente seu regime nazista. Depois de proclamar a “herança genética do povo ucraniano”, promulgou várias leis. A primeira concede o benefício dos direitos humanos pelo Estado apenas para ucranianos, não para estrangeiros. A segunda define o que constitui a maioria dos ucranianos e a terceira (promulgada pelo presidente Zelensky) que forma minorias. O truque é que nenhuma lei fala sobre falantes de russo. Por padrão, os tribunais, portanto, não reconhecem o benefício dos direitos humanos.

Desde 2014, uma guerra civil colocou os nacionalistas integrais contra as populações de língua russa, principalmente as da Crimeia e Donbass. 20.000 mortos depois, a Federação Russa, aplicando sua “responsabilidade de proteger”, lançou uma operação militar especial para aplicar a resolução 2202 do Conselho de Segurança (Acordos de Minsk) e pôr fim ao martírio dos falantes de russo.

A propaganda da OTAN nos enche do sofrimento real dos ucranianos, mas ignora os oito anos de tortura, assassinato e massacres que a precederam. Ela nos fala sobre “nossos valores comuns com a democracia ucraniana”, mas que valores compartilhamos com os nacionalistas integrais e onde está a democracia na Ucrânia?

O Presidente Zelensky e o seu amigo, Benjamin Netanyahu. Este faz hoje em dia do apoio à Ucrânia o seu principal tema de campanha eleitoral. Netanyahu é o filho do secretário particular de Zeev Jabotinsky ; uma personalidade ucraniana que fez aliança com os nacionalistas integralistas contra os bolcheviques. Ele tentou por a comunidade judia ucraniana ao serviço destes anti-semitas, mas foi unanimemente denunciado no seio da Organização sionista mundial do qual se tornara administrador.

Não temos que escolher entre um ou outro, mas apenas defender a paz e, portanto, os Acordos de Minsk e a resolução 2202.

A guerra nos deixa loucos. Há então uma inversão de valores. O triunfo mais extremo. Alguns de nossos ministros falam em “sufocar a Rússia” (sic). Não vemos que apoiamos as ideias contra as quais acreditamos estar lutando.

 

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.