Mas as eleições vão mudar alguma coisa?

1

Está chegando a hora. Para muitas pessoas, todas as suas esperanças repousam no resultado das eleições. Eu entendo porque estes parecem tempos muito sombrios. Não podemos viver sem esperança. Mas também precisamos de realismo. Os problemas são profundos, penetrantes, escandalosamente entrincheirados.

Muitas pessoas tiveram ganhos financeiros em termos de poder com os lockdwons e não têm intenção de se desculpar ou abrir mão de seus ganhos. Além disso, o que aconteceu com este grande país indica algo muito mais pernicioso do que um erro político ou um erro ideológico.

A correção vai exigir uma grande mudança. Tragicamente, os políticos eleitos podem ser os menos propensos a pressionar por tal mudança. Isso se deve ao que chamamos de “Deep State”, mas deveria haver outro nome. É bastante óbvio agora que estamos lidando com uma fera que inclui mídia, empresas de tecnologia, organizações sem fins lucrativos e agências governamentais multinacionais e internacionais e todos os grupos que eles representam.

Dito isso, vamos tratar aqui do problema mais óbvio: o estado administrativo.

O enredo de cada episódio de Yes, Minister (Sim, Ministro) – uma comédia britânica que foi ao ar no início dos anos 1980 – é praticamente o mesmo. O ministro nomeado do Departamento de Assuntos Administrativos entra em cena com uma declaração grandiosa e idealista vindo de suas campanhas políticas. O secretário permanente que o atende responde afirmativamente e depois adverte que pode haver outras considerações a serem levadas em conta.

O resto segue como um relógio. As demais considerações se desdobram como inevitáveis ​​ou fabricadas nos bastidores. Por razões principalmente relacionadas a preocupações com a carreira – ficar longe de problemas, avançar na hierarquia ou evitar cair, agradar a algum interesse especial, obedecer ao primeiro-ministro que nunca vemos ou ser bem visto na mídia – ele recua e inverte sua visão. Termina como começa: o secretário permanente consegue o que quer.

A lição que se tira dessa série cômica é que os políticos eleitos estão em menor número e são enganados por todos os lados, apenas fingindo estar no comando quando, na verdade, os verdadeiros assuntos de Estado são administrados por profissionais experientes com cargos permanentes. Todos eles se conhecem. Eles dominaram o jogo. Eles têm todo o conhecimento institucional.

Os políticos, por outro lado, são hábeis no que realmente fazem, que é ganhar eleições e avançar em suas carreiras. Seus supostos princípios são apenas o verniz colocado para agradar o público.

O que torna a série especialmente dolorosa é que os espectadores não podem deixar de se colocar na posição de Ministro do Departamento de Assuntos Administrativos. Como teríamos feito as coisas de forma diferente? E se tivéssemos, teríamos sobrevivido? Essas são perguntas difíceis porque a resposta não é nada óbvia. Parece que a correção chegou.

Agora, com certeza, nesta série todos os jogadores têm elementos de charme. Rimos da burocracia e de seus modos. Estamos encantados com a estranhamente emergente falta de escrúpulos do político. No final, porém, o sistema parece funcionar mais ou menos. Talvez seja assim que as coisas deveriam ser. Sempre foi assim e sempre deve ser.

Qualquer um pode ser perdoado por acreditar nisso há apenas alguns anos. Mas então os últimos três anos aconteceram. A regra da burocracia administrativa em todos os países tornou-se altamente pessoal quando nossas igrejas foram fechadas, os negócios foram fechados, não podíamos viajar, não podíamos ir a academias ou teatros, e então eles vieram atrás de todos os braços insistindo que aceitássemos uma injeção que não queríamos e a maioria das pessoas não precisava.

O riso do tipo inspirado pelo Sim, Ministro acabou. Há muito mais em jogo. Mas, assim como as apostas são altas, também o problema de implementar uma solução – a democracia representativa como meio de recuperar a própria liberdade – também é extremamente difícil.

Todos os novos políticos chegam com ideais, assim como o Ministro da série. Em questão de semanas, dias ou mesmo horas, eles são confrontados com a realidade. Eles precisam de uma equipe, uma equipe experiente. Caso contrário, eles não podem sequer começar a gerenciar o processo legislativo ou participar dele. Eles têm uma agenda enorme para manter e isso se torna seu trabalho, em vez de promover mudanças.

De fato, todo o sistema parece manipulado contra a mudança. Começa com a equipe permanente no legislativo. É uma tribo. Eles vão de escritório em escritório. Todos eles se conhecem e também os funcionários permanentes das burocracias que atendem ao Congresso e, por sua vez, mantêm relações estreitas com os funcionários permanentes das burocracias executivas, que por sua vez mantêm relações estreitas com a mídia e os executivos corporativos que fazem lobby junto ao congressista. As pessoas ingênuas, por mais bem intencionadas que sejam, são rapidamente cooptadas.

Isso é essencialmente o que aconteceu com Trump. Ele imaginou que, como presidente, seria como um CEO, não apenas de todo o governo, mas de todo o país. Dentro de meses, mostraram a ele o contrário. Alguns meses depois, ele praticamente desistiu de lidar com o Congresso. A burocracia era insuperável. Ele estava sendo constantemente atacado pela mídia. É por isso que ele logo recorreu às ordens executivas e ao poder comercial: aqui ele poderia realmente ter influência.

É chocante que ninguém parecia tê-lo preparado para o trabalho. É sempre assim, e intencionalmente. Será assim para todos os novos direitistas que tomarem posse em janeiro de 2023 em todos os níveis de governo. Eles chegarão completamente despreparados para a tarefa e já preparados para falhar, mesmo nas coisas que aspiram a fazer, que de outra forma poderiam ser boas. Será uma escalada enorme, mesmo enquanto eles estão sendo atacados pela mídia e sendo ensinados sobre os caminhos do governo pela equipe permanente em todos os níveis.

Desconheço qualquer programa de treinamento que os alerte sobre os perigos que enfrentarão se realmente buscarem mudanças. E mesmo que estejam cientes, não está claro o que podem fazer.

É precisamente por isso que deve haver um foco como nunca antes no problema do estado administrativo. Ele tem que ser penetrado e desmontado pedaço por pedaço. Isso envolverá não apenas investigações constantes, mas também projetos de lei corajosos que não buscam cortes, mas o total desfinanciamento de agências inteiras, uma após a outra. Isso é o que será necessário para fazer uma mudança genuína.

Além do mais, pode haver apenas uma chance de fazer isso antes que seja realmente tarde demais. Minha leitura atual sobre a situação é que a direita não está pronta para o trabalho. Lembre-se de que também houve uma onda direitista em 1994 e, essencialmente, nada de bom aconteceu. Foi uma grande e devastadora decepção.

Isso não pode acontecer de novo. No final, o que é mais poderoso do que as mudanças políticas e até as convulsões eleitorais, que muitas vezes fracassam por causa da subversão, são mudanças dramáticas na opinião pública. Toda instituição se curva a isso, e é por isso que pesquisa, educação, ótimo jornalismo e meios de comunicação competentes, além de redes de amizade e organização comunitária, podem realmente ser mais fundamentais do que eleições. Tudo isso começou e está crescendo. Aí está a verdadeira esperança.

Caso contrário, a onda direitista pode acabar sendo nada mais do que mais um episódio de Sim, Ministro.

 

 

 

Artigo original aqui

Leia também A política é mortal; a burocracia é imortal

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom o artigo, antes de ler, tinha acabado de explicar para um libertário iludido de que o STF é apenas um mecanismo “coringa” da constituição utilizado para manter os “Outsiders” aqui do Brasil longe de realmente terem poder, mesmo que possuam certa influência no legislativo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.