H. L. Mencken sobre a educação pública

2
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[Nota do Editor: Os seguintes trechos são retirados do Volume XXVIII, Número 110 da THE AMERICAN MERCURY (fevereiro de 1933). Eles apareceram em uma coluna intitulada “O que está acontecendo no mundo”. Mencken começa seus comentários apontando que as despesas do governo com as escolas públicas aumentaram de cerca de 5 dólares por aluno em 1880 para 100 dólares por aluno em 1933 (agora mais do que 12 mil dólares). Ele então questiona o que essas escolas geridas por armas de fogo realizaram. Críticos contemporâneos das escolas públicas apresentam uma visão cada vez mais detalhada de sua história e dos efeitos atuais. Por exemplo, veja o trabalho de Brett Veinotte; a produção de Richard Grove de “Ultimate History Lesson” de John Taylor Gatto ou o site de John. Para o artigo de John, “Por que as escolas não educam”, veja o número 53 do VOLUNTARYIST, página 8, voluntaryist.com]

Há, de fato, pouca evidência de que eles realmente fizeram por merecer o dinheiro que exigiram e conseguiram, em 1914 ou desde então. Se seu objetivo fundamental é fornecer ao país um eleitor esclarecido, eles falharam completa e miseravelmente, pois o eleitorado não está mais esclarecido hoje do que era antes de as escolas serem estabelecidas. Pelo contrário, há uma razão plausível para acreditar que ele regrediu na inteligência, pois lida com seus assuntos, não com crescente prudência, mas com crescente imbecilidade. O povo americano de cem anos atrás, quando as escolas públicas ainda eram poucas e pequenas, poderia ter sido descrito de forma plausível como de mentalidade política notável: eles eram ardentemente interessados ​​em assuntos públicos e intervinham neles, em geral, com rápida compreensão e bom senso. Mas hoje eles são tão letárgicos que é preciso uma calamidade para despertá-los e tão estúpidos que se torna cada vez mais impossível a cada ano que homens inteligentes e auto-respeitosos aspirem a cargos públicos entre eles.

Eu acredito que seria racional argumentar que a escola pública, longe de combater este imenso aumento na estupidez, tem sido muito responsável por isso. Pois o verdadeiro objetivo e propósito do pedagogo, e especialmente do pedagogo que também é um burocrata, é nunca despertar suas vítimas para um pensamento independente e lógico; é simplesmente forçá-los a um molde. E esse molde está fadado a ser limitado e tosco, pois o pedagogo é um ele mesmo homem limitado e tosco. O escritório que ele ocupa, em suas potencialidades, é um imensamente importante, mas em seus negócios diários é pueril e sem inspiração e raramente é preenchido por um homem (ou mulher) de qualquer força genuína e originalidade. Em todas as eras, os pedagogos foram os inimigos mais amargos de toda empreitada intelectual genuína e em nenhuma idade eles o guerrearam de forma mais violenta ou mais triste do que na nossa. Mais do que qualquer outra classe de líderes cegos dos cegos, eles são responsáveis ​​pela padronização degradante que agora aflige o povo americano. Teriam feito ainda pior, eu acredito, se tivessem poder para tal. Eles falharam apenas porque um número suficiente de suas vítimas sempre foi muito inteligente para sucumbir a eles e porque mesmo a maioria estúpida ainda preserva um ceticismo salvador sobre seus ridículos segredos. …

O problema básico com as escolas públicas é que eles caíram nas mãos de uma burocracia bem organizada e extremamente ambiciosa e o mecanismo para travar suas pretensões ainda não foi elaborado. Em todos os municípios americanos, embora todos eles estejam desesperadamente com falta de dinheiro e muitos estão falidos, eles têm resistido a todos os esforços para reduzir suas demandas sobre o tesouro público e na verdade neste ano sombrio de 1933 terão uma maior participação relativa do dinheiro público do que nunca. Tendo jogado o grotesco manto do serviço público sobre suas extorsões e convencido milhões dos que não pensam que são essenciais para o bem público. Deixe qualquer sujeito imprudente desafiá-lo e ele é denunciado imediatamente como um inimigo para o verdadeiro, o bom e o belo. Operando de forma insolente e por mais de uma geração, iludiram a grande maioria dos americanos em aceitar seus valores fajutos sem questioná-los e os encheu com a superstição de que, se as escolas públicas fossem fechadas, o país iria de imediato ao buraco. …

O primeiro grande efeito da educação universal gratuita nos Estados Unidos foi transformar o povo americano, uma vez tão independente e autossuficiente, em uma raça de pedintes sem vergonha, olhando para o governo, como se fosse algum tipo de Papai Noel cósmico, para todas as suas necessidades. E seu segundo efeito, agora mais horrivelmente visível todos os dias, tem sido colocá-los em um único molde, e um molde construído por tolos doutores, de modo que a prova do americanismo é a medida em que todo americano pensa e sente, aspira e se exulta como todos os outros americanos e todos abordam o mais próximo possível das ideias e emoções, aspirações e exultações de um idiota. …

A noção de que elas [as escolas públicas] fizeram e estão fazendo qualquer bem ponderável é largamente uma ilusão. O que eles realmente fizeram é muito mal. Eles tiraram o cuidado e a educação de crianças das mãos dos pais, onde pertencem, e os jogou sobre uma gangue de charlatões irresponsáveis ​​e estúpidos. Eles reuniram multidões dos ineducáveis ​​com ideias que os deixam desconfortáveis e que são inúteis para eles e que não servem para as inevitabilidades de sua humilde situação. Eles apoiaram todo tipo de bobagens que tem afligido o país, desde a baixa Proibição até as variedades de patriotismo mais floridas e degradantes. Eles são responsáveis, mais do que qualquer outra agência, pela atual descrença patética do povo americano, atordoados e ridicularizados por um infortúnio comum que outras pessoas enfrentam de uma forma realista e racional. No geral, eles realmente mancharam os Estados Unidos. Foi tudo ladeira abaixo desde que os pedagogos pegaram seu primeiro bilhão [de dólares].

 

Artigo original aqui

Tradução de Daniel Chaves Claudino
Revisão por Bruno Cavalcante

2 COMENTÁRIOS

  1. As escolas públicas, nos EUA, foram uma forma de revolução cultural. Tornando os indivíduos dóceis e dependentes do Estado. No Brasil ocorreu o mesmo com as universidades públicas, transformaram os brasileiros em incapazes dependentes do Estado, muito mais do que os EUA. Mas qual o objetivo final da revolução cultural? Para que tornar o Estado tão poderoso? Veja sobre o objetivo final aqui: http://carlosliliane64.wixsite.com/magiaeseriados