Roe x Wade: a hipocrisia dos ditadores globalistas

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Depois de dois anos apoiando lockdowns, coagindo injeções farmacêuticas experimentais e perseguindo outras formas de invasões implacáveis ​​de privacidade e direitos fundamentais, o “Mundo Livre” de repente despertou para condenar a decisão monumental da Suprema Corte americana de derrubar Roe v. Wade.

O precedente anterior de Roe v Wade regulava o aborto federalmente. A nova decisão agora permite que os estados estabeleçam suas próprias políticas de aborto.

A decisão perturbou muito a classe dominante global, especialmente os líderes globalistas progressistas do “mundo livre”. Esses chefes de estado mostraram ao mundo exatamente como estavam indignados com essa confusão.

Surpreendentemente, eles reivindicaram o manto dos direitos humanos, como se os dois anos anteriores de seu regime autoritário nunca tivessem acontecido, e propagandearam esses “direitos humanos” como uma necessidade para preservar uma sociedade livre.

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, que colocou sua polícia secreta contra manifestantes pacíficos e impediu a livre circulação de não-vacinados, foi o primeiro de muitos a defender o “direito das mulheres de escolher o que fazer com seus próprios corpos”.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, outro líder mundial que trancou seu país por 2 anos e forçou seus cidadãos a tomar injeções farmacêuticas experimentais, também tinha opiniões fortes sobre o assunto.

É “um dos dias mais sombrios para os direitos das mulheres na minha vida”, disse a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon. A política ganhou o apelido de “rainha do COVID louca pelo poder” por como ela atacava implacavelmente as liberdades civis.

“Não podemos considerar nenhum direito como garantido”, disse o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez. “As conquistas sociais correm sempre o risco de retroceder e sua proteção deve ser diária. As mulheres devem poder decidir livremente sobre suas vidas”.

Sanchez promoveu lockdowns ultra-restritivos nos últimos dois anos.

“O aborto é um direito fundamental para todas as mulheres”, disse o presidente francês Emmanuel Macron em um post no Twitter. “Deve ser defendido. Expresso minha solidariedade às mulheres cujas liberdades estão sendo desafiadas hoje pela Suprema Corte dos Estados Unidos”.

Macron promoveu lockdowns implacáveis ​​e políticas de vacina obrigatórias.

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, já havia se envolvido no assunto quando a decisão estava sendo deliberada. Ela obrigou seu país a se auto-sitiar por dois anos e, mais tarde, liberou as viagens para que não parecesse uma hipócrita por dar a palestra de formatura de Harvard.

 

Artigo original aqui