O grande Ron Paul

1
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Muitas pessoas gostariam de ter conhecido uma grande figura da história. Como seria falar com Newton, Tesla, Shakespeare? Aqueles de nós que tiveram a sorte de conhecer o Dr. Ron Paul não precisam especular. Conhecemos uma das grandes figuras da história americana, o melhor congressista que o país já teve. Eu o conheço há décadas e gostaria de contar algo sobre ele como pessoa e sobre suas conquistas.

Tive a rara honra de servir como chefe de gabinete de Ron Paul no Congresso e estive ao seu lado em muitos momentos de orgulho naquele tempo e em suas campanhas presidenciais. As pessoas hoje às vezes comparam Ron Paul com Bernie Sanders. A comparação de Bernie com Ron é assim: ambos lançaram campanhas presidenciais insurgentes e anti-establishment quando estavam na casa dos 70 anos, sacudiram seus respectivos establishments partidários e atraíram grande número de seguidores jovens. Mas Bernie não é Ron.

Apenas na superfície: Bernie é um rabugento e difícil de trabalhar; Ron é um cavalheiro de bom coração que sempre mostrou seu apreço pelas pessoas que trabalham em seu escritório.

Mais importante, Ron exortou seus seguidores a ler e aprender. Inúmeros estudantes do ensino médio e universitários começaram a ler tratados densos e difíceis de economia e filosofia política porque Ron os encorajou. Os seguidores de Ron estavam curiosos o bastante para cavar abaixo da superfície. O Estado é realmente uma instituição benigna que pode nos fornecer sem custos tudo o que exigimos? Ou pode haver fatores morais, econômicos e políticos no caminho desses sonhos utópicos?

Não é difícil cativar um bando de pessoas delirantes exigindo coisas de outras pessoas, como Bernie Sanders faz. Tais apelos despertam os aspectos mais vis de nossa natureza e sempre atrairão uma multidão. É muito difícil, por outro lado, construir um exército de jovens intelectualmente curiosos o suficiente para ler livros sérios e considerar ideias que vão além da sabedoria convencional que aprenderam na escola sobre governo e mercado. É difícil construir um movimento de pessoas cujo senso moral esteja desenvolvido o suficiente para reconhecer que bradar demandas e aplicá-las com a arma do estado é o comportamento de um bandido, não de uma pessoa civilizada. E é difícil persuadir as pessoas da ideia contra-intuitiva de que a sociedade funciona melhor e os indivíduos são mais prósperos quando ninguém está “no comando”.

No entanto, Ron conseguiu todas essas coisas.

Como o indivíduo que alcançou mais pessoas com a mensagem de liberdade do que qualquer outro em nosso tempo, Ron também nos ensinou como essa mensagem pode e deve ser divulgada. Eu quero falar sobre algumas dessas lições.

Em primeiro lugar, Ron é um crítico do estado de guerra. O tema da guerra não pode e não deve ser evitado.

Ron não é um pacifista – uma antiga acusação contra aqueles que se opõem à guerra constante. Ele acredita no direito de autodefesa, mas não acredita no início da violência, seja por criminosos privados ou pelo Estado. O estado recentemente tirou mais de um milhão de vidas em suas guerras imperialistas antimuçulmanas. Ron Paul se opôs a elas com todo o seu coração e alma. Ele é um homem de paz e adepto da regra de ouro, em sua vida privada e política.

A guerra no Iraque, que ainda era um assunto em voga quando Ron concorreu pela primeira vez à indicação para ser o candidato presidencial republicano, foi vendida ao público com base em mentiras claras e ofensivas mesmo para os padrões do governo dos EUA. A devastação – em termos de mortes, mutilações, desvios e pura destruição – foi de assustar qualquer ser humano decente.

Sim, o Departamento de Educação é um ultraje, mas não é nada perto das imagens horríveis do que aconteceu com os homens, mulheres e crianças do Iraque. Se ele não iria denunciar um mal moral tão claro, Ron pensou, qual era o sentido de estar na vida pública?

Ainda assim, essa é a questão que os estrategistas teriam feito que ele evitasse. Basta falar sobre o orçamento, falar sobre a grandeza dos EUA, falar sobre o que todo mundo estava falando, e você se dará bem. E, eles esqueceram de acrescentar, será esquecido.

Mas se Ron tivesse se esquivado dessa questão, não teria havido a Revolução Ron Paul. Foi sua corajosa recusa de evitar certas verdades indescritíveis sobre o papel americano no mundo que fez com que os americanos, e especialmente os estudantes, parassem e prestassem atenção.

Preocupado com o orçamento? Você não pode administrar um império barato. Preocupado com o tateamento da TSA, ou espionagem do governo, ou câmeras apontadas para você? Estas são as políticas inevitáveis ​​de um poder hegemônico. Caso após caso, Ron apontou para a conexão entre uma política imperial no exterior e abusos e ultrajes em casa. Ainda na casa dos trinta, Murray Rothbard escreveu em particular que estava começando a ver a guerra como “a chave para todo o negócio libertário”. Aqui está outra maneira pela qual Ron Paul tem sido fiel à tradição rothbardiana. Uma vez após outra, em entrevistas e aparições públicas, Ron conduziu as perguntas feitas a ele de volta às questões centrais da guerra e da política externa.

Inspirados por Ron, os libertários começaram a desafiar os conservadores, lembrando-os de que a guerra, afinal, é o programa governamental definitivo. A guerra tem de tudo: propaganda, censura, espionagem, contratos de camaradas, impressão de dinheiro, gastos vertiginosos, criação de dívidas, planejamento central, arrogância – tudo que associamos às piores intervenções na economia.

Mas Ron Paul mudou permanentemente a natureza da discussão sobre guerra e política externa. A palavra “não intervenção” raramente aparecia em discussões de política externa antes de 2007. A oposição à guerra estava associada a causas anticapitalistas. Este não é mais o caso.

Ao expor o debate fraudulento sobre a política externa americana, Ron expôs uma verdade esquecida sobre a vida política americana. Os debates permitidos aos americanos são aqueles em que as decisões reais já foram tomadas: imposto de renda ou imposto sobre consumo, estímulo fiscal ou estímulo monetário, sanções ou guerra, guerra depois ou guerra imediata. Com debates como esses, pouco importa quem ganha. Ron puxou a cortina que encobria tudo isso. Ron continuou insistindo que não havia um verdadeiro debate sobre política externa nos Estados Unidos porque tudo o que nos era permitido fazer era discutir sobre que tipo de intervenção o governo dos EUA deveria adotar. Se a intervenção em si era desejável, ou se as suposições bipartidárias por trás da política externa dos EUA eram sólidas – isso nem foi mencionado, muito menos debatido

Claro, Ron aplica sua sabedoria à atual guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Em contraste com o incapacitado mental Biden e sua gangue de neoconservadores, ele nos exorta a ficar de fora disso. Da mesma forma, ele quer que evitemos um confronto com a China. Podemos ter relações amistosas com a China e a Rússia, e nenhum dos países nos ameaça. Por que provocar uma guerra que poderia levar à aniquilação nuclear do mundo? Como Ron disse em um artigo recente,

   “A guerra é um esquema”, escreveu o general americano Smedley Butler em 1935. Ele explicou: ‘Um esquema é melhor descrito, eu acredito, como algo que não é o que parece para a maioria dos as pessoas. Apenas um pequeno grupo “interno” sabe do que se trata. É conduzido para o benefício de muito poucos, às custas de muitos. Através da guerra, algumas pessoas fazem grandes fortunas.”

A observação do general Butler descreve perfeitamente a resposta dos EUA/OTAN à guerra na Ucrânia.

A propaganda continua a retratar a guerra na Ucrânia como a de um Golias não provocado para dizimar um inocente Davi, a menos que nós, os EUA e a OTAN, contribuamos com enormes quantidades de equipamento militar para a Ucrânia para derrotar a Rússia. Como sempre acontece com a propaganda, essa versão dos eventos é manipulada para trazer uma resposta emocional em benefício de interesses especiais.

A guerra é um esquema, com certeza. Os EUA estão se intrometendo na Ucrânia desde o fim da Guerra Fria, chegando ao ponto de derrubar o governo em 2014 e plantar as sementes da guerra que estamos testemunhando hoje. A única maneira de sair de um buraco é parar de cavar. Não espere isso tão cedo. A guerra é muito lucrativa.”

Vejamos a outra questão-chave na carreira de Ron no Congresso. Depois de suspender sua campanha para presidente em 2008, ele fez um discurso extraordinário. Nenhum grupo focal instou Ron a falar sobre o Fed, o Banco Central americano. Nenhum político havia criticado o Fed em uma eleição em seus 100 anos de história. Atenha-se ao roteiro, os profissionais teriam dito: impostos mais baixos e gastos mais baixos, o refrão monótono proferido por todo político republicano, que normalmente não tem interesse em ir até o fim com nenhuma dessas propostas. O Fed não pode ser ignorado.

Aqui, novamente, se Ron tivesse adotado o conselho político convencional, ele teria perdido esses momentos históricos e o fenômeno Ron Paul não teria sido apenas bem menor, mas poderia ter sido comprometido completamente. No entanto, Ron apontou o Fed como a fonte do ciclo de expansão e retração que prejudicou tantos americanos. Sua insistência obstinada nesse ponto deixou muitos americanos curiosos: o que, afinal, era o Fed e o que ele estava fazendo? Uma questão improvável, com certeza, e ainda assim foi sua vontade de falar sobre isso que, na minha opinião, ajuda a explicar grande parte de seu sucesso na arrecadação de fundos. Houve uma pequena, mas inexplorada parcela do público que respondeu com entusiasmo à simples menção de Ron ao Fed, e eles queriam mais.

Apenas alguns meses depois que Ron suspendeu oficialmente sua campanha de 2008, a crise financeira começou. Assim como Ron havia dito, havia algo realmente errado com a economia.

Porque ele não hesitou em dizer o que acreditava, mesmo que isso significasse lidar com um assunto que nenhum agente político o encorajaria a discutir, Ron foi um profeta. Esse ponto por si só abriu a cabeça de inúmeras outras pessoas para as ideias de Ron: aqui estava o único cara em Washington que nos avisou sobre o que estava por vir. (E, incidentalmente, houve um momento na história americana em que mais pessoas estavam lendo – e escrevendo! – livros anti-Fed?)

As pessoas também podiam ver que Ron não teve sorte apenas em 2007 e 2008. Em 2001, Ron disse no plenário da Câmara que a bolha alimentada pelo Fed nas ações de tecnologia, que acabara de estourar, estava sendo substituída por uma bolha imobiliária alimentada pelo Fed, que iria estourar com a mesma certeza.

Claro, não basta apenas se livrar do Fed, por mais essencial que seja. Precisamos de dinheiro sólido, e para Ron, seguindo Mises e Rothbard, isso significa o padrão-ouro. Certa vez, quando nosso Ron foi convidado ao Air Force One do outro Ron para um voo para Houston, Ron Paul comentou sobre o relógio de Reagan, que era feito de uma peça de ouro de US$20. “Gostaria que ainda tivéssemos esse sistema monetário”, disse Ron Paul. “Você sabe, nenhuma nação que abandonou o padrão-ouro permaneceu grande”, disse Reagan. Don Regan disse ao presidente para abandonar o assunto.

Em 1982, Ron Paul serviu na Comissão de Ouro dos EUA para avaliar o papel do ouro no sistema monetário. Na verdade, a Comissão foi ideia dele. Cumpria uma promessa feita na plataforma republicana.

Ron não conseguiu escolher os membros, então, desde o início, as cartas estavam marcadas. A maioria era dominada por monetaristas, que viam o ouro como muito escasso e o papel como bom. A equipe de Ron Paul estava pronta, no entanto, com este maravilhoso relatório minoritário.

Raramente uma dissidência sobre uma comissão do governo fez tanto bem!

O resultado foi o livro The Case for Gold, e foi o maior resultado da comissão. Ele abrange a história do ouro nos Estados Unidos, explica que seu colapso foi causado pelos governos e explica o mérito de se ter dinheiro sólido: os preços refletem as realidades do mercado, o governo permanece sob controle e as pessoas mantêm sua liberdade.

A erudição e o rigor impressionaram até os críticos da minoria. Ron e Lewis Lehrman trabalharam com uma equipe de economistas que incluía Murray Rothbard, que era o autor principal, então não é de surpreender que tal livro fosse o resultado.

Estou convencido de que os historiadores, concordando ou não com ele, continuarão a se maravilhar com Ron Paul por muitos e muitos anos. Os libertários daqui a um século estarão incrédulos com a própria noção de que tal homem realmente serviu no Congresso dos EUA de nosso tempo.

Uma das memórias mais emocionantes da campanha de 2012 foi a visão daquelas enormes multidões que se reuniam para ver Ron. Enquanto isso, seus concorrentes não conseguiam encher metade de um Starbucks. Quando trabalhei como chefe de gabinete de Ron no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, eu só podia sonhar com esse dia.

Agora, o que foi que atraiu todas essas pessoas a Ron Paul? Ele não ofereceu a seus seguidores uma vaga no governo federal. Ele não tentou aprovar nenhum projeto de lei fajuto. Na verdade, ele não fez nenhuma das coisas que associamos aos políticos. O que seus apoiadores amam nele não tem nada a ver com política.

Ron é o anti-político. Ele diz verdades fora de moda, educa em vez de lisonjear o público e defende os princípios mesmo quando o mundo inteiro está contra ele.

Claro, Ron Paul merece o Prêmio Nobel da Paz. Em um mundo justo, ele também ganharia a Medalha da Liberdade e todas as honras a que um homem em sua posição é elegível.

Mas a história está repleta de políticos esquecidos que ganharam pilhas de prêmios distribuídos por outros políticos. O que importa para Ron mais do que todas as honras e cerimônias do mundo são todos vocês e seu compromisso com as ideias imortais que ele defendeu durante toda a sua vida.

É a verdade de Ron e seu desejo de educar o público que deve nos inspirar à medida que avançamos no futuro.

Mal sabia ele que aqueles anos ingratos apontando as mentiras do Estado e se recusando a ser absorvido pela bolha de fato o tornariam um herói um dia. Ver Ron falando para milhares de jovens vibrando, quando a opinião respeitável os advertiu para ficarem longe desse homem perigoso, é mais gratificante e encorajador do que qualquer coisa. Fiquei especialmente emocionado quando um tempestuoso Ron, respondendo à descrição do establishment de sua campanha como “perigosa”, disse, você está certo – eu sou perigoso para eles.

Mesmo a grande mídia tem que reconhecer a existência de toda uma nova categoria de pensamento: uma que é anti-guerra, anti-Fed, anti-estado policial e pró-mercado. A visão libertária está até no mapa de quem a despreza. Isso também é coisa de Ron.

Os jovens estão lendo os principais tratados de economia e filosofia porque Ron Paul os recomendou. Quem mais na vida pública pode chegar perto de dizer isso?

Nenhum político vai enganar o público para abraçar a liberdade, mesmo que a liberdade fosse seu verdadeiro objetivo e não apenas uma palavra que ele usa para angariar apoio. Para que a liberdade avance, uma massa crítica do público deve entendê-la e apoiá-la. Isso não precisa significar uma maioria, nem mesmo algo próximo de uma maioria. Mas alguma linha de base de apoio tem que existir.

É por isso que o trabalho de Ron Paul é tão importante e tão duradouro.

 

 

 

Artigo original aqui

Faça como o editor deste instituto e assista diariamente o Grande Ron Paul comentando os principais acontecimentos no Ron Paul Liberty Report.

1 COMENTÁRIO