Hoppe: uma entrevista abrangente

0
Tempo estimado de leitura: 18 minutos

[Esta entrevista de Jeff Deist com Hans Hoppe aparecerá na próxima edição do The Austrian (março/abril de 2020).]

JEFF DEIST: Em sua recente palestra em Viena você mencionou sua infância feliz, mas pobre, filho de pais da Alemanha Oriental que foram levados para o oeste durante a Guerra Fria pelos soviéticos. Você pode elaborar mais sobre o impacto duradouro que a experiência deles tive sobre você, em termos de como você vê o poder do Estado e seus males correspondentes? De alguma forma, você ainda é influenciado por suas raízes “orientais”?

HANS-HERMANN HOPPE: O fato de meus pais serem refugiados, acabando por ficarem no Ocidente pela ocasião da Segunda Guerra Mundial, afastados e separados de suas casas originais na Alemanha Oriental ocupada pelos soviéticos, desempenhou um papel importante em nossa vida familiar. Em particular, a expropriação da família de minha mãe e sua expulsão de sua casa e seu lar pelos soviéticos, em 1946, como os chamados East Elbean Junkers, era um tópico constantemente recorrente em casa e assumiu ainda mais importância após o colapso, em 1989, da Alemanha Oriental e a seguinte “reunificação” alemã. Minha mãe, como muitas outras vítimas de desapropriações comunistas, buscou e esperou a restituição de sua propriedade – nesse caso, eu teria esperado o resto da vida. No entanto, como eu já sabia e havia previsto corretamente, isso não iria acontecer. Não haveria justiça. Mas meus pais ficaram chocados e indignados.

As inúmeras viagens que fizemos para visitar vários parentes na Alemanha Oriental confirmaram o julgamento de meus pais sobre o sistema soviético. Escassez, filas de espera, lojas vazias, produtos inferiores e serviços ruins. Controle por toda parte, espiões e informantes. Em todo canto, feiura cinzentas e decadência. Um muro de prisão construído ao redor de todo o país para impedir que alguém escape. E os proles-comunistas insistindo sem parar sobre os grandes sucessos alcançados sob sua liderança. No entanto, quando menino e adolescente, não entendi a razão de toda esse mal e miséria. De fato, a experiência na Alemanha Oriental fez pouco ou nada para abalar minhas próprias convicções esquerdistas na época. A Alemanha Oriental, pensava eu, era apenas o tipo errado de socialismo, com as pessoas erradas no comando.

Além do anticomunismo, meus pais, como a maioria das pessoas de sua geração, eram altamente protegidos ou até tímidos em relação a pronunciamentos políticos. A Alemanha havia perdido uma guerra devastadora e a população alemã foi submetida a uma sistemática campanha de reeducação liderada pelos Estados Unidos, uma Charakterwaesche (lavagem de caráter), como eu perceberia apenas muitos anos depois, de proporções verdadeiramente enormes, que envolvia reescrever completamente a história do ponto de vista do vencedor, essencialmente retratando os alemães como vilões congênitos. Isso tornou ainda mais difícil descobrir finalmente a importância fundamental dos direitos de propriedade privada e o mal do estatismo e da chamada propriedade pública.

No que diz respeito a quaisquer influências genuinamente “orientais”, sou cético. De qualquer modo, muito mais importante foi o fato de meus pais serem refugiados empobrecidos que desejavam ansiosamente se recuperar de suas perdas, subir na vida e instilar sua própria vontade de ter sucesso também em seus filhos. (De fato, estudos empíricos mais tarde demonstraram o sucesso profissional comparativamente maior de crianças refugiadas em comparação com seus pares não refugiados.) No entanto, no contexto alemão, você pode levar em conta minha educação protestante – luterana – e os traços de caráter normalmente associados a ela, ou seja, a “ética protestante”, descrita por Max Weber, como de alguma forma oriental.

JD: Você também mencionou sua época na universidade, estudando filosofia sob a direção do teórico crítico esquerdista Jürgen Habermas. Embora sua filosofia política seja radicalmente diferente da dele, fale sobre a influência dele sobre você e seu desenvolvimento da análise de classe “austríaca”. Ele é uma figura puramente maligna ou podemos aprender com ele?

HH: Olhando para trás, certamente posso dizer que Habermas tem sido uma figura amplamente maligna. Ele se tornou o intelectual mais famoso e influente da Alemanha e, como tal, desempenhou um papel importante no movimento gradual, mas constante, para a esquerda, tanto econômica quanto culturalmente. De fato, ele pode ser considerado o sumo sacerdote do historicamente e politicamente correto, da social-democracia e da centralização política.

No entanto, meu relacionamento com Habermas, embora não seja íntimo, foi cordial, e aprendi bastante com ele, principalmente com seus trabalhos anteriores, como Erkenntnis und Interesse (conhecimento e interesse). (Desde o final da década de 1970, parei essencialmente de seguir seu trabalho, pois era cada vez mais tedioso e obscuro.) De qualquer forma, foi Habermas quem me apresentou a tradição anglo-saxã da filosofia analítica e da filosofia da linguagem. Ele me ajudou a entender o “dualismo metodológico”, ou seja, que o estudo de objetos com os quais podemos nos comunicar (e ação comunicativa) requer métodos diferentes daqueles apropriados para o estudo de objetos não comunicativos (e ação instrumental). E, contra todas as afirmações empiristas e relativistas, Habermas sempre defendeu a noção de algum tipo de verdades sintéticas a priori.

No entanto, no que diz respeito ao meu trabalho sobre análise de classes e teoria da história, nada deve a Habermas, que na verdade tinha pouco interesse em economia e economia política, mas em vez disso em meu estudo anterior de Marx. Escrevi o artigo original sobre o assunto para uma conferência do Mises Institute sobre Marx e tentei mostrar como, substituindo apenas o Estado por empresas e impostos por salários, a teoria da exploração de Marx e sua teoria da história faz todo sentido.

JD: Seu discurso intitulado “Amadurecendo com Murray” em Nova York há dois anos revela muito sobre seu relacionamento pessoal com o falecido Murray N. Rothbard. Na verdade, você se mudou para Nova York principalmente para trabalhar com ele. Olhando para trás, você está feliz por ter trocado a Alemanha pelos EUA? Sua carreira e seu trabalho pareceriam muito diferentes se você tivesse permanecido em uma universidade europeia?

HH: Ah, sim, essa mudança foi a melhor e mais importante decisão que já tomei. Dadas as minhas opiniões na época, ou seja, minha perspectiva misesiana-rothbardiana, uma carreira acadêmica na Alemanha, mesmo que não fosse totalmente impossível, teria sido extremamente difícil, mesmo com credenciais acadêmicas estelares. Eu poderia ter ficado deprimido e desistido. Certamente, sem o incentivo constante que eu receberia de Rothbard nos EUA, eu teria escrito menos e, principalmente, em alemão, que ninguém além dos alemães lê.

Entretanto, graças à crescente influência e presença mundial na Internet do Instituto Ludwig von Mises, em Auburn, a situação mudou significativamente. Ainda é difícil, mas hoje em dia você também pode ter uma carreira acadêmica bem-sucedida na Europa, mesmo como austríaco (mas precisará escrever em inglês).

JD: Rothbard permanece relevante e controverso hoje em dia. Por que ele é tão constantemente incompreendido? Dada sua longa história com ele, tanto em Nova York quanto na UNLV, o que seus críticos não conseguem entender? Ele era caloroso e cordial como seus partidários afirmam, ou agressivo e intepestivo conforme dizem seus detratores? Seu trabalho em teoria social ofusca seu trabalho como economista?

HH: Rothbard foi um gênio de primeira grandeza. Ele está entre os maiores economistas, mas não era e não queria ser um mero economista-economista. Ele também foi um grande filósofo, sociólogo e historiador e, como tal, tornou-se criador de um grande sistema intelectual integrado. Qualquer pessoa familiarizada com toda a obra de Rothbard só pode ficar admirada perante suas conquistas. Mas nisso também reside um problema. O grande volume e o caráter interdisciplinar do trabalho de Rothbard tornam difícil para qualquer um, até mesmo para o aluno mais dedicado e talentoso, dar uma conta completa e justa de seu trabalho. Além disso, especialmente a economia, a peça central do sistema de Rothbard, é um campo técnico bastante seco, com um sex appeal muito limitado. Muito mais fácil, então, para os invejosos, preguiçosos e sem talento se engajarem em picuinhas. E mais fácil ainda não falar sobre o trabalho acadêmico de Rothbard, mas reduzi-lo ao ativista libertário (que ele também era, mesmo que apenas em seu tempo livre e para sua própria diversão).

No que diz respeito ao homem Rothbard, há algo nas duas declarações aparentemente contraditórias sobre sua personalidade. Você certamente não queria se tornar o alvo de uma das muitas missivas escritas por Rothbard. Como escritor, Rothbard poderia ser impiedoso e devastador, pronto para executar uma matança argumentativa. Por outro lado, como pessoa, em reuniões sociais, ele era gentil: caloroso, cordial, charmoso e divertido

JD: Rothbard frequentemente defendia você e seu trabalho, acusando os críticos de “Hoppefobia“. O que isso significou para você como um jovem estudioso? Por que a lealdade e a gratidão parecem tão escassas no meio acadêmico em geral, e nos círculos libertários?

HH: Se você escreve e assume uma posição clara e inequívoca em questões altamente controversas, deve esperar que as coisas esquentem um pouco. Caso contrário, se você não gostar clima quente, fique fora da cozinha. Dado o que escrevi ou disse em público (ou a maneira como disse ou escrevi), eu sabia que seria uma figura controversa; e quando jovem, fiquei muito satisfeito com as provocações e com o vigoroso debate intelectual. No entanto, eu não fazia ideia de quão absolutamente pessoais, desagradáveis ​​e até difamatórias e injuriosas alguns críticos e suas críticas poderiam ser. Em tais situações, então, a vinda de Rothbard em minha defesa foi um alívio bem-vindo e me deu um grande incentivo de confiança. Depois de alguns anos na academia, no entanto, desenvolvi uma pele bastante grossa e aprendi que muitos críticos e críticas não mereciam minha atenção e era melhor serem ignorados.

Quanto à lealdade e gratidão, é necessário que uma pessoa reconheça e admita que deve algo a outra pessoa; que essa outra pessoa fez algo de valor por ela que merece ser reconhecido. Tenho a tendência de concordar com a sua avaliação da academia e de certos círculos libertários como um ranking bastante baixo nesse sentido. E em ambos os casos, suspeito que a prevalência de ideias igualitárias seja responsável por esse resultado. O libertário típico ou “modal”, como descrito por Rothbard, é um sujeito igualitário, sem respeito à autoridade, com pouco conhecimento de história e assuntos globais. Ele se imagina tendo inventado tudo o que tem e sabe por si mesmo, como um homem feito por si mesmo e, como tal, pensa que não deve a ninguém nenhuma gratidão ou respeito especial.

O igualitarismo da academia, ou mais precisamente a parte dela que se ocupa majoritariamente com escrever e falar (ao invés de fazer, como a engenharia, por exemplo), é de um tipo diferente. Vamos chamar esse grupo de intelectuais. Os intelectuais geralmente sofrem de um ego inflado. Eles consideram o trabalho intelectual e, portanto, eles mesmos, mais importantes do que o trabalho e os trabalhadores mundanos ou manuais. Para eles, então, o fato de todos serem hoje subsidiados e mantidos financeiramente por não-intelectuais é apenas como as coisas devem ser. Não é preciso ser grato pelo que é auto-compreendido. Nesse sentido, os intelectuais são elitistas. Porém, em relação uns aos outros, são tipicamente igualitários. Todos escrevem e falam igualmente, e quem pode dizer que esse texto é melhor ou mais original que aquele. É verdade que seus salários e sua posição acadêmica podem ser bem diferentes. No entanto, essas diferenças são apenas o resultado de procedimentos e critérios burocráticos que nada têm a ver com verdade ou beleza. A popularidade também não importa no que diz respeito à verdade e à beleza. Não é necessário, portanto, que um intelectual se sinta menos intelectual do que qualquer outra pessoa.

JD: Você menciona compartilhar com Rothbard um profundo interesse na religião e na sociologia de várias religiões, apesar de ser um agnóstico. Você mudou sua perspectiva sobre o cristianismo e sua influência no Ocidente? O Ocidente pós-cristão será um lugar desagradável e tribal, contra as garantias dos secularistas?

HH: Quer você seja crente ou não, não há como negar que a religião desempenhou um papel extremamente importante na história humana e que é o Ocidente, ou seja, a parte do mundo moldada pela cristandade latina em particular, que superou todas as outras regiões do mundo, tanto em termos de suas conquistas materiais quanto culturais, e que entre suas realizações culturais superiores, em particular, está também a ideia de direitos humanos naturais e liberdade humana. A noção cristã de que cada pessoa é criada à imagem de Deus contribuiu para a tradição exclusivamente ocidental do individualismo e foi fundamental para abolir, por fim, a instituição da escravidão dentro da órbita cristã (enquanto perdurou fora do Ocidente, até hoje). E a separação institucional e a competição ciumenta de reconhecimento social e autoridade no Ocidente entre a igreja cristã e sua hierarquia de papas, cardeais, bispos e padres, por um lado, e todo o poder mundano com sua hierarquia de imperadores, reis, nobres, e chefes de família, por outro lado, contribuíram muito para a tradição exclusivamente ocidental do governo limitado (em oposição ao absolutista). Esse arranjo feliz e limitador de poder começou a desmoronar já nos séculos XVI e XVII, com a Reforma Protestante e a Contra-Reforma a seguir. Hoje, as várias igrejas cristãs são essencialmente apêndices do estado. Como tal, elas promovem até a importação em massa de pessoas de crenças rivais para terras anteriormente cristãs, minando ainda mais qualquer autoridade que ainda possuam na opinião pública e fortalecendo ao mesmo tempo o poder do estado pós-cristão totalmente secular.

JD: Democracia – o deus que falhou talvez seja o seu livro mais conhecido e controverso. Quase vinte anos depois, conte-nos sua opinião sobre o legado do livro. Você está satisfeito com sua notoriedade e impacto ou deseja que seus trabalhos sobre socialismo, propriedade e ética sejam mais apreciados?

HH: De fato, de todos os meus principais livros, Democracia tem sido o best-seller, e não é exagero dizer que o livro exerceu alguma influência notável em ajudar a dessantificar a instituição da democracia (poder da maioria) na opinião pública. Naturalmente, estou muito feliz com isso. O livro tem um certo “sex appeal“, se podemos colocar dessa forma. É interdisciplinar e não muito técnico, e oferece algumas teses e ideias teóricas novas, originais e provocativas, combinadas com visões e perspectivas históricas alternativas e revisionistas. Pode ser o único grande trabalho meu que uma pessoa lê e associa ao meu nome. Mas então, eu sempre espero, também pode haver outras pessoas para quem ele abre a porta para outras obras minhas, possivelmente mais importantes, porém menos sexies.

JD: Tanto seus fãs quanto seus críticos pinçam uma passagem de Democracia argumentando que indivíduos com objetivos e estilos de vida em desacordo com uma ordem social libertária seriam “removidos fisicamente” dessa comunidade. Desde então, você esclareceu como essa frase funciona como um adjetivo, não como um verbo. Em outras palavras, pessoas em desacordo com os termos acordados de uma comunidade privada simplesmente deveriam morar em outro lugar, assim como uma cidade é fisicamente separada de uma cidade vizinha. Quais são seus pensamentos sobre a controvérsia hoje?

HH: Isso remete à sua pergunta anterior sobre Hoppefobia. Todo esta polêmica, provavelmente iniciada por um dos suspeitos habituais de libertários de esquerda de Washington DC, foi uma tentativa deliberada de me difamar e me caluniar pessoalmente e juntamente o programa de um libertarianismo realista ou de libertário de direita descrito primeiro no livro.

Essencialmente, eu não disse nada mais controverso ou escandaloso nesta passagem curta do que dizer que alguém que insistir em usar roupa de banho em uma praia de nudismo pode ser expulso desta praia (mas fique à vontade para procurar outra), assim como alguém dizer que qualquer pessoa que insistir permanecer nu pode ser expulsa de um jantar formal (mas fique à vontade para procurar outra festa). No meu exemplo, no entanto, não foram os nus, mas os homossexuais que figuraram. Escrevi que, em um pacto estabelecido com o objetivo de proteger a família e os parentes, as pessoas que exibem abertamente e promovem habitualmente a homossexualidade podem ser expulsas e compelidas a procurar outro lugar para morar. Mas, em alguns círculos de “justiceiros sociais”, mencionar a homossexualidade e a expulsão em uma mesma frase aparentemente leva a um apagão intelectual e a uma perda de toda a compreensão da leitura.

Por fim, toda a campanha de difamação falhou e até saiu pela culatra, apenas aumentando minha própria popularidade e a influência do livro.

JD: Na sua conferência Property and Freedom na Turquia, você falou sobre o processo de “des-civilização”, pelo qual a lei positiva supera a lei natural sob o domínio de um agente estatal monopolizado. Os direitos de propriedade e a adjudicação de conflitos estão sob o domínio desse poder de monopólio. Gostamos da sua concepção do oposto: uma ordem social emergindo dos “princípios de justiça”, assumindo a forma de uma sociedade de direito privado – inteiramente voluntária – mais em harmonia com a ordem natural simples. Soa melhor e mais razoável que o anarquismo para as pessoas comuns! O anarcocapitalismo e as “comunidades de acordos” privadas resultantes são na verdade muito menos radicais do que se pensa? De fato, são consequências de conceitos de direito natural que muitas pessoas já aceitam?

HH: De fato, sim e sim novamente. Mesmo que pareça ser pouco mais do que uma mudança na semântica, pelas razões que você menciona, há muito prefiro os termos “sociedade de leis privadas” e “ordem natural” ao “anarcocapitalismo”. Porque todos estão familiarizados com o básico do direito privado. Em nossa vida cotidiana, sabemos o que é propriedade e o que ela implica e como é adquirida e transferida (e como não). Também sabemos o que são trocas, acordos e contratos (e o que não deve ser considerado como tal). Não há nada difícil ou especialmente complicado na lei natural da propriedade e do contrato. De fato, em muitas pequenas aldeias, as pessoas vivem de acordo com essas leis, sem a presença ou pressão de qualquer polícia ou juiz externo do governo. Existe auto-policiamento. No entanto, quem quer que faça política está sujeito às mesmas regras que todos os outros. E, se necessário, no caso de conflito, há auto-arbitragem e auto-adjudicação. Mas quem atua como juiz ou árbitro também está sujeito ao direito privado natural.

O surgimento de uma ordem natural regida pelo direito privado, portanto, não é difícil de explicar. O que é difícil de explicar é o surgimento de um estado. Por que deveria haver alguém, qualquer instituição, não sujeita ao direito privado? Por que deveria haver alguém que possa fazer leis? Por que deveria haver uma instituição que possa se isentar das regras aplicadas a todos os outros? Por que deveria haver alguns policiais que não podem violar a lei ou alguns juízes que não podem infringir a lei? Por que, de fato, deveria haver um juiz supremo e definitivo, isento de toda e qualquer acusação? Certamente, tudo isso não pode ser o resultado de um acordo ou contrato, porque ninguém em sã consciência assinaria um contrato que estipulasse que, em qualquer conflito que possa surgir entre você e eu, você sempre terá a palavra final.

JD: Voltemo-nos para a imigração. Você propõe a admissão contratual de imigrantes, com patrocinadores (ou os próprios imigrantes) financiando um seguro de fiança ou responsabilidade civil para pagar por qualquer custo criminal ou civil imposto aos contribuintes existentes. Os imigrantes permanecem em sua nova casa condicionalmente por um período inicial, sujeito a revogação da admissão por violações contratuais. Eles não recebem “bem-estar”; cidadania e direitos de voto ocorrem muito mais tarde. Você se refere a este sistema como satisfazendo o “princípio de custo total”. De muitas maneiras, isso é muito mais “aberto” do que as propostas de fronteiras abertas, porque não exige postos de controle ou centros de admissão ou vastas agências policiais de fronteira. Ele usa contratos e forças de mercado para moldar a imigração, em vez de maquinações políticas. Isso parece muito mais humano e prático, mas você é atacado como anti-imigração. O que explica isso?

HH: Como já mencionado, em alguns círculos a mera menção de duas palavras em uma mesma frase – desta vez “imigração” e “restrição” – é suficiente para provocar um apagão. Não há necessidade de ler mais e tentar compreender. Primeiro homofóbico, depois xenófobo. Na verdade, nunca conheci um defensor sério de uma “imigração zero, ponto final!” Também nunca tomei uma posição que pudesse ser descrita como anti-imigração. Em vez disso, sempre argumentei pela abordagem de senso comum da imigração seletiva.

Idealmente, com todas as terras e tudo sobre elas sendo propriedade privada, haveria uma enorme variedade de requisitos de entrada, isto é, em graus, respectivamente, de abertura e fechamento. Eu descrevi isso, por exemplo, no meu trabalho “Ordem Natural, o Estado e o Problema da Imigração”. Aeroportos, estradas, shoppings, hotéis etc. seriam bastante abertos, enquanto associações residenciais, retiros particulares, clubes etc. podem ser quase completamente fechadas. Em qualquer caso, no entanto, toda migração seria feita por convite e, invariavelmente, o princípio do custo total seria aplicado. O anfitrião que convida ou o convidado ou ambos devem pagar em conjunto o custo total associado à presença do convidado. Nenhum custo poderia ser deslocado e externalizado para terceiros, e o convidador e/ou convidado seria responsabilizado por todo e qualquer dano resultante do convite à propriedade de terceiros.

Se e enquanto houver um estado com a chamada propriedade pública, como é o caso no mundo de hoje, o melhor que se pode esperar é uma política de imigração que tente abordar esse ideal de ordem natural. Você mencionou algumas medidas possíveis a esse respeito. Mas defender, nas condições atuais, a adoção de uma política de “imigração livre” – todo estrangeiro pode entrar e se mudar e permanecer em todo o país, sem perguntas – certamente não é uma maneira de atingir esse objetivo. Pelo contrário, tornaria onipresente a integração forçada e a mudança de custos e terminaria rapidamente em desastre. Somente pessoas desprovidas de todo o senso comum poderiam defender tal política.

JD: Em seus debates com Walter Block sobre imigração, ele argumenta que todas as propriedades do governo deveriam estar sujeitas a livre homesteading (apropriação) por imigrantes. Sua resposta costuma ser caracterizada como “os contribuintes devem possuir bens públicos financiados pelos contribuintes”. Mas, na verdade, seu argumento se aplica apenas no contexto do argumento de Block, para refutar a noção de que a propriedade pública deve ser vista como “sem dono”. Se precisamos ter propriedade pública, os agentes estatais devem pelo menos atuar como curadores dessa propriedade em nome dos contribuintes que a financiam. Preciso?

HH: Preciso. Permitam-me apenas acrescentar que, no mundo de hoje, o às vezes mencionado “deserto” de montanhas, pântanos, tundra etc. não é mais verdadeiramente selvagem e, portanto, disponível para ser apropriado. Hoje não há mais centímetros na terra que não seja reivindicada como sendo a “propriedade” de algum governo. Qualquer região selvagem que existe, então, é uma região selvagem que foi barrada e impedida por algum governo, ou seja, com fundos de contribuintes, de ser apropriada por partes privadas (provavelmente pelos proprietários vizinhos). Se alguém, são os contribuintes domésticos que são os legítimos proprietários de tal região selvagem.

E, além disso, mesmo que algum território selvagem fosse disponibilizado para homesteading, seriam os residentes domésticos vizinhos, que haviam sido mais imediata e diretamente impedidos de fazê-lo antes, quem deveria ter a primeira chance de homesteading, bem antes de qualquer estrangeiro distante .

JD: A ética argumentativa hoppeana continua sendo objeto de rigoroso debate, mais recentemente entre o (economista) Robert Murphy e (o teórico jurídico) Stephan Kinsella. Quão importante é uma justificativa puramente lógica para a liberdade humana, em oposição aos argumentos normativos da lei natural de Rothbard ou ao utilitarismo de Mises? A experiência humana compartilhada da pessoa física é o melhor ponto de partida para argumentos contra o início da violência, ou seja, argumentos contra o Estado?

HH: Há algumas perguntas que podem ser respondidas definitivamente pela realização de um experimento simples. Para muitas outras, isso não é possível. Às vezes, estamos satisfeitos com respostas que parecem plausíveis ou parecem convincentes por motivos intuitivos. Mas, para a mente curiosa, algumas perguntas são de tão grande importância que exigem mais do que apenas plausibilidade ou intuição.

Os argumentos transcendentais são projetados para satisfazer esse desejo por mais, isto é, por certeza lógica ou justificativa definitiva. São respostas ao cético que nega que exista alguma justificação suprema e verdades a priori. Eles tentam estabelecer, por meio da auto-reflexão, o que o cético já deve pressupor como dado e verdadeiro, simplesmente para ser o cético que ele é, ou seja, para tornar possível seu ceticismo. Alguém alcançou a certeza de algo, então, se puder mostrar que mesmo um cético deve admitir isso, mesmo que seja para expressar de maneira significativa sua própria dúvida.

A ética argumentativa é a resposta para o relativista ético, ou seja, para qualquer pessoa que afirme – como um proponente vis-à-vis um oponente na argumentação – que não existe uma ética racional ou objetiva.

Em resposta ao proponente relativista, é essencialmente apontado que, em virtude de seu próprio envolvimento na argumentação, ele já efetivamente rejeitou sua própria tese, porque a argumentação é uma atividade, uma forma especial e sem conflitos de interação entre um proponente e um oponente com o objetivo específico de esclarecer e possivelmente chegar a um acordo mútuo sobre algumas reivindicações de verdade rivais. Como tal, pressupõe a aceitação como válida de tais normas ou regras de conduta humana que tornam possível a própria argumentação. E é impossível, então, argumentar contra e negar a validade de tais normas sem, assim, entrar em uma contradição performativa ou dialética.

Os pressupostos praxeológicos da argumentação, então, são duplos – e todos nós os conhecemos da experiência pessoal de maneira mais geral, também como condições e requisitos de paz e interações pacíficas: primeiro, cada pessoa tem direito ao controle ou propriedade exclusivos de seu corpo físico (que ele e somente ele pode controlar diretamente, à vontade), a fim de agir independentemente dos outros e chegar a uma conclusão por si próprio. E, em segundo lugar, pela mesma razão de posição ou autonomia mutuamente independentes, proponente e oponente devem ter direito a seus respectivos bens anteriores, ou seja, o controle exclusivo de todos os outros meios de ação externos apropriados indiretamente por eles antes e independentemente de um. outro.

Rothbard aceitou de imediato minha prova. De fato, ele a considerou um grande avanço. Quanto às várias críticas que me deparei, não me impressionaram, para dizer o mínimo.

JD: Você geralmente é otimista ou pessimista sobre o futuro do Ocidente? Você acha que estados burocráticos e escleróticos cederão a arranjos políticos mais satisfatórios e mais descentralizados? Ou você acha que Washington, DC, Bruxelas, et al. repetirão os terríveis erros do século XX: política externa agressiva, bancos centrais irrestritos e globalismo político?

HH: A curto e médio prazo, sou pessimista. É verdade que nossos padrões de vida aumentaram e o progresso tecnológico nos permite fazer coisas que não faz muito tempo, eram consideradas impossíveis, mas ao mesmo tempo os poderes coercitivos do Estado se expandiram continuamente, e os direitos de propriedade privada e a liberdade pessoal foram correspondentemente diminuídos. O processo de centralização política e monetária continuou inabalável. Os bancos centrais criam mais do que nunca dinheiro e crédito do nada. A dívida e as obrigações fiscais do governo aumentaram para níveis exorbitantes, de modo a tornar um calote futuro uma certeza virtual. Durante todo o tempo, impostos e regulamentações paralisaram o crescimento econômico. Fica claro, então, que um grave colapso econômico está em andamento. Ao mesmo tempo, na maioria dos países ocidentais as populações foram completamente desomogenizadas pelas políticas de imigração que favorecem o multiculturalismo. E a migração para o Ocidente por não-ocidentais aumentou enormemente ainda como resultado das intermináveis ​​guerras e aventuras militares dos EUA no Oriente Médio e em outros lugares. A maioria dos países ocidentais agora contém em suas próprias culturas nativas grandes bolsões e grupos de pessoas não apenas diferentes, mas também rivais e até hostis.

Combinado com uma grande crise econômica, isso cria uma mistura explosiva, os ingredientes de uma guerra civil.

É incrível como as elites dominantes conseguiram manter o programa funcionando até agora. Mas não há dúvida de que o dia do acerto de contas deve finalmente chegar e, quando isso acontecer, vejo dois cenários prováveis ​​de como escapar do perigo da guerra civil. O primeiro é a variante do homem forte, um regime autoritário que tenta manter todas as coisas unidas por meio de poderes ditatoriais centralizados. E a segunda variante é a da descentralização: da secessão, separação e desagregação, a fim de se aproximar do ideal de uma ordem natural. Naturalmente, a segunda variante é a preferida pelos libertários (e recomendada por Mises). No entanto, para fazer essa variante vencer, os libertários precisam preparar o terreno. O público deve ser educado sobre as vantagens econômicas e sociais de pequenas unidades políticas concorrentes e é necessário encontrar e nutrir líderes carismáticos em potencial para as várias causas descentralistas e secessionistas.

JD: Finalmente, como a vida na Turquia afeta sua perspectiva? As antigas noções de Oriente e Ocidente estão desmoronando, e devemos considerar procurar aliados no Oriente na luta pela civilização e pela propriedade?

HH: Como mencionado anteriormente e enfatizado também por Mises, a ideia de liberdade é originalmente uma ideia ocidental, criada por homens brancos ocidentais e, embora tenha perdido alguma força lá, ainda é mais proeminente e difundida no Ocidente. Isso não significa que seja restrito ao Ocidente ou acessível apenas às mentes ocidentais.

Se aprendi algo vivendo em vários países e em minhas muitas viagens, é que existe muito mais variedade e variação sociocultural na Terra do que o ocidental típico poderia imaginar: não apenas a variedade de países, mas ainda mais. as variações regionais e locais dentro de cada país. Em quase todos os lugares, você pode encontrar alguns libertários ou liberais clássicos, e deve procurá-los onde quer que estejam, é claro. Mas, assim como precisamos aprender em nossas relações particulares com outras pessoas como distinguir entre potenciais convertidos, por um lado, e casos sem esperança, por outro, e para não desperdiçar nosso tempo e esforço à toa, então, e pelo mesmo motivo, também precisamos aprender em nossa busca por aliados como distinguir países, regiões e localidades esperançosos, menos esperançosos ou até sem esperança. E devemos reconhecer realisticamente que lugares diferentes oferecem perspectivas e potenciais imensamente diferentes e desiguais a esse respeito.

 

Artigo original aqui.