Máscaras causam males à saúde e são um símbolo de submissão

1
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Informações para pessoas que valorizam o direito constitucional à liberdade de expressão e também se ressentem de receber instruções do tipo “calem a boca e façam o que mando”

O Dr. Russell Blaylock escreveu um artigo abrangente sobre máscaras faciais, descrevendo a pesquisa que mostra que o uso de máscaras em muitos pacientes pode facilmente:

1] causar hipóxia em alguns pacientes;

2] causar hipercapnia nesses mesmos pacientes;

3] prejudicar a imunidade; vírus respiratórios nocivos (e também bactérias – boas e ruins) ao expirar (forçando, assim, que os vírus – e as bactérias – sejam respirados novamente, em vez de serem excretados do sistema respiratório do corpo); e

5] aumentam a concentração de vírus potencialmente prejudiciais nas passagens nasais, o que pode aumentar a probabilidade desses vírus entrarem no cérebro através dos nervos olfativos.

Leia os trechos do artigo de Blaylock abaixo sobre o uso de máscaras e pergunte a si mesmo: por que muitos cientistas, não “peitaram” os burocratas do CDC e DOH, não “peitaram” os políticos, jornalistas, etc. pensando nas desvantagens de exigir, sob pena de multa, o uso de máscaras por pessoas perfeitamente saudáveis, não infectadas e assintomáticas – especialmente aquelas que vivem em áreas do país onde o risco de entrar em contato com um caso de COVID-19 é de 1 em 10.000!

E então pergunte-se sobre quais outras estratégias anti-COVID foram planejadas por esses mesmos líderes de torcida em tempo integral da COVID:

1] “achatar a curva” (diminuindo as chances de imunidade do rebanho e também aumentando as chances da teórica “segunda onda” bem propagandizada);

2] testando grandes porcentagens da população – mesmo pessoas assintomáticas – com kits de teste inacessíveis e não confiáveis ​​que são notoriamente defeituosos por causa de seus muitos falsos positivos e também falsos negativos), garantindo assim que mais e mais pessoas sejam diagnosticadas erroneamente com COVID, quando na realidade, muitos dos casos positivos no teste devem-se simplesmente a um resfriado comum recente causado por um coronavírus benigno;

3] fazer “rastreamento de contato” intrusivo, agressivo e caro de pessoas assintomáticas e não infectadas que tiveram um teste de falso positivo; e

4] propagandear agressivamente o público, a fim de aumentar a demanda pela vacina inevitavelmente imperfeita, mal testada, acelerada e altamente lucrativa (lucrativa, isto é, para os detentores de patentes e os investidores da Grande Indústria Farmacéutica (incluindo ações do CDC, da OMS, da GAVI, da Bill Gates & Company, etc.) – observando, de maneira importante, que nunca houve uma vacina desenvolvida para qualquer infecção por coronavírus em toda a história das mini-epidemias passadas de coronavírus).
Aqui estão alguns trechos do importante artigo do Dr. Blaylock, intitulado “Máscaras faciais representam riscos sérios para os saudáveis“:

“Ao usar uma máscara, os vírus exalados não conseguirão escapar e se concentrarão nas passagens nasais, entrarão nos nervos olfativos e viajarão para o cérebro”. – Russell Blaylock, MD

“Os pesquisadores descobriram que cerca de um terço dos trabalhadores desenvolveram dores de cabeça com o uso da máscara, a maioria apresentava dores de cabeça preexistentes que eram agravadas pelo uso da máscara e 60% necessitavam de analgésicos para alívio. Quanto à causa das dores de cabeça, enquanto as tiras e a pressão da máscara podem ser causativas, a maior parte das evidências aponta para hipóxia e/ou hipercapnia como causa. Ou seja, uma redução na oxigenação do sangue (hipóxia) ou uma elevação no C02 no sangue (hipercapnia).

”Sabe-se que a máscara N95, se usada por horas, pode reduzir a oxigenação do sangue em até 20%, o que pode levar a uma perda de consciência, como aconteceu com o infeliz que dirigia sozinho em seu carro usando uma máscara N95, fazendo com que desmaiasse, batesse o carro e sofresse ferimentos. Tenho certeza de que temos vários casos de idosos ou de qualquer pessoa com insuficiência pulmonar desmaiando, e batendo a cabeça. Isso, é claro, pode levar à morte.

“Um estudo mais recente, envolvendo 159 profissionais de saúde com idades entre 21 e 35 anos, descobriu que 81% desenvolveram dores de cabeça ao usar uma máscara facial. Alguns tinham dores de cabeça pré-existentes que foram precipitadas pelas máscaras. Todos sentiram que as dores de cabeça afetavam seu desempenho no trabalho.

“Infelizmente, ninguém está contando aos idosos frágeis e com doenças pulmonares, enfisema ou fibrose pulmonar, sobre esses perigos ao usar qualquer tipo de máscara facial – o que pode causar um agravamento grave da função pulmonar. Isso também inclui pacientes com câncer de pulmão e pessoas submetidas a cirurgia pulmonar, especialmente com ressecção parcial ou até a remoção de um pulmão inteiro.

“A importância desses achados é que uma queda nos níveis de oxigênio (hipóxia) está associada a uma diminuição da imunidade. Estudos demonstraram que a hipóxia pode inibir o tipo de células imunes principais usadas para combater infecções virais chamadas linfócitos T CD4 +. Isso ocorre porque a hipóxia aumenta o nível de um composto chamado fator induzível por hipóxia-1 (HIF-1), que inibe os linfócitos T e estimula uma poderosa célula inibidora imunológica chamada Tregs. Isso prepara o terreno para contrair qualquer infecção, incluindo o COVID-19 e tornar as consequências dessa infecção muito mais graves. Em essência, sua máscara pode muito bem aumentar o risco de infecções e, nesse caso, em piorar sua situação.

“As pessoas com câncer, especialmente se o câncer se espalhar, correm um risco maior de hipóxia prolongada, pois o câncer cresce melhor em um microambiente com pouco oxigênio. O baixo oxigênio também promove inflamação que pode promover o crescimento, invasão e disseminação de cânceres. Episódios repetidos de hipóxia têm sido propostos como um fator significativo na aterosclerose e, portanto, aumentam todas as doenças cardiovasculares (ataques cardíacos) e cerebrovasculares (acidentes vasculares cerebrais).

“Existe outro perigo em usar essas máscaras diariamente, principalmente se usado por várias horas. Quando uma pessoa é infectada com um vírus respiratório, ela expulsa parte do vírus a cada respiração. Se elas estiverem usando uma máscara, especialmente uma máscara N95 ou outra máscara bem ajustada, estarão constantemente re-respirando os vírus, aumentando a concentração do vírus nos pulmões e nas passagens nasais. Sabemos que as pessoas que têm as piores reações ao coronavírus têm as maiores concentrações do vírus desde o início. E isso leva à hipercitoquinémia fatal em um alguns casos.

“Fica ainda mais assustador. Evidências mais recentes sugerem que, em alguns casos, o vírus pode entrar no cérebro. Na maioria dos casos, ele entra no cérebro por meio dos nervos olfativos, que se conectam diretamente à área do cérebro que lida com a memória recente e a consolidação da memória. Ao usar uma máscara, os vírus exalados não conseguirão escapar e se concentrarão nas passagens nasais, entrarão nos nervos olfativos e viajarão para o cérebro.”

O Dr. Russell Blaylock, autor do boletim The Blaylock Wellness Report, é um neurocirurgião, profissional de saúde, autor e palestrante certificado. Formado na Faculdade de Medicina da Universidade Estadual da Louisiana e completou seu estágio e residência neurológica na Universidade Médica da Carolina do Sul. Durante 26 anos, praticou neurocirurgia, além de ter uma prática nutricional. Recentemente, ele se aposentou de seus deveres neurocirúrgicos para dedicar toda a sua atenção à pesquisa nutricional. O Dr. Blaylock é autor de quatro livros, Excitotoxins: The Sabor That Matter, Segredos de Saúde e Nutrição que Podem Salvar sua Vida, Estratégias Naturais para Pacientes com Câncer e seu trabalho mais recente, Biologia Celular e Molecular de Distúrbios do Espectro do Autismo.

2] Reflexões sobre o novo documentário “Plandêmico” que despertou a ira dos especuladores da COVID citados acima

E a erupção repentina de “trolls” das grandes empresas farmacêuticas que foram instruídos por seus financiadores a rebaterem as verdades indesejáveis ​​que estão sendo reveladas sobre as origens dos desastrosos resultados econômicos e de saúde da “pandemia” COVID-19 orquestrada pelos Bill Gates da vida.

E então se pergunte: “por que a grande mídia está cooperando com a censura dessa informação importante e bem documentada contida no filme, pois é simplesmente uma entrevista com uma respeitada cientista que está disposta a testemunhar em audiência pública?”

Os poderes que estão por trás do banimento de “Plandêmico” e a depreciação e calúnia da Dra. Judy Mikovitz obviamente temem algo que os exponha por planejarem algo maligno. Forças corporativas tirânicas, começando com Google, YouTube, CDC, Grande Indústria Farmacêutica e Grande Mídia, começaram a se mexer antes que mais de nós ovelhas tivessémos a chance de ver algumas verdades indesejáveis ​​que são consideradas perigosas para os poderes ocultos.

Existem vários trolls pró-vacinação que estão sendo bem recompensados ​​pelas grandes empresasfarmacêuticas (que governam o mundo já há algum tempo) recomendando a proibição do documentário. Os exemplos incluem diversos “jornalistas” lobistas/trolls igualmente ignorantes e vergonhosos que escrevem para jornais como o Times, o Post, o Herald, o Tribune, o Daily News, o Journal, o Chronicle, o Register, o Observer, o Sentinel e praticamente todos os outros meios de comunicação controlados pelas grandes corporações em todo os EUA e no mundo.

Peço aos leitores que assistam ao vídeo “Plandêmico” antes que ele seja banido – e depois ponderem a história da Alemanha fascista quando Josef Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler fizeram o mesmo a resistência dos disseminadores de verdade alemães quando não se conformaram com a “narrativa totalitária aprovada”.

 

Artigo original aqui.

Não deixe de assistir:

1 COMENTÁRIO